sexta-feira, 31 de março de 2017

“Caros amigos e leitores…”

Durante alguns dias, a nossa publicação irá ser suspensa, uma cirurgia que irei realizar este sábado dia 1 de abril há minha mão, vai dar origem a essa paragem, o qual espero que seja breve esta paragem forçada, assim desejo a continuação de bons passeios, boas pedaladas.

José Morais 

“Nova edição da Revista Notícias do Pedal”

Já está on-line mais uma edição da “Revista Notícias do Pedal”, a edição de março, a número 259, contém uma grande diversidade de notícias, nas mais diversas modalidades, agora com novo visual e grafismo, pode mensalmente ser visualizada em: www.noticiasdopedal.com descubra ainda outras novidades, conheça e esteja por dentro de todos os nossos projecto, boas leituras…

“Ranking Ciclista do Ano”

Rinaldo Nocentini mantém-se na frente

O italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) é, pelo segundo mês consecutivo, o comandante do Ranking Ciclista do Ano, que certifica a regularidade nas provas disputadas em Portugal.

Rinaldo Nocentini terminara fevereiro na dianteira, com 370 pontos, consolidando a posição durante o mês de março, que encerra com 448 pontos. O algarvio Amaro Antunes (W52-FC Porto) continua no segundo lugar, mas agora mais perto da posição cimeira, pois soma 425 pontos. O terceiro é Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), com 260.

Francisco Campos (Miranda/Mortágua) também permanece com estatuto de melhor sub-23, ocupando a sexta posição da geral, graças aos 80 pontos amealhados até ao momento.

Num mês que não teve qualquer mudança no comando dos rankings, o Sporting-Tavira o primeiro lugar coletivo ao individual. Os sportinguistas chegam ao final de março com 636 pontos, mais 118 do que os concorrentes mais diretos, os homens da W52-FC Porto. O Louletano-Hospital de Loulé ascendeu à terceira posição, com 319 pontos

Ranking Ciclista do Ano

1.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira), 448 pontos

2.º Amaro Antunes (W52-FC Porto), 425

3.º Vicente García de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), 260

4.º Sérgio Paulinho (Efapel), 165

5.º Edgar Pinto (LA Alumínios-Metalusa BlackJack), 158

6.º Francisco Campos (Miranda/Mortágua), 80

7.º Alejandro Marque (Sporting-Tavira), 75

8.º Gustavo César Veloso (W52-FC Porto), 70

9.º Joni Brandão (Sporting-Tavira), 60

10.º César Martingil (Liberty Seguros/Carglass), 55

Ranking Equipa do Ano

1.ª Sporting-Tavira, 636

2.ª W52-FC Porto, 518

3.ª Louletano-Hospital de Loulé, 319

4.º Efapel, 213

5.ª LA Alumínios-Metalusa BlackJack, 178

Fonte: FPC

“Desporto Escolar e Programa Nacional Ciclismo”

Federação e Direção-Geral da Educação assinam protocolo

O Diretor-Geral da Direção-Geral da Educação (DGE), José Vítor Pedroso, e o presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC), Delmino Pereira, vão assinar um protocolo de cooperação institucional entre as duas entidades, sob a égide do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e do secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo, que assistirão à cerimónia, na próxima segunda-feira, 3 de abril, às 10h30, na Escola Básica Pedro de Santarém (Estrada de Benfica, 535, Lisboa), do Agrupamento de Escolas de Benfica.

O acordo a celebrar entre a DGE e a FPC visa a implementação do Programa Nacional Ciclismo para Todos nas escolas e o desenvolvimento da modalidade BTT-XCO no âmbito do Desporto Escolar.

Esta parceria pretende “contribuir para a sustentabilidade ambiental e humanização das localidades, potenciando o uso da bicicleta em contexto escolar e, consequentemente, fomentar padrões de mobilidade mais seguros, saudáveis e empoderadores”, estabelece o protocolo.

Outra linha orientadora do acordo entre a FPC e a DGE é a promoção da “prática de ciclismo de forma abrangente, nos diferentes aspetos em que poderá contribuir positivamente para o desenvolvimento harmonioso das comunidades escolares e, em particular, dos alunos”.

No âmbito da cooperação institucional entre a DGE (Desporto Escolar) e a FPC, serão criados e desenvolvidos conteúdos e recursos pedagógicos, que contribuam para sistematizar os métodos para “ensinar a pedalar”, numa primeira fase, e “ensinar a pedalar/circular na via pública”, numa segunda fase e em idades mais avançadas.

O protocolo prevê também a criação de Núcleos de Ciclismo para Todos nos agrupamentos escolares, estando já previstos nos de Alapraia, Alcochete, Benfica e D. António Ataíde (Castanheira do Ribatejo), nos quais já se desenvolveu trabalho nesta área.

O acordo vai ainda permitir a participação em corridas dos calendários nacionais e regionais da Federação Portuguesa de Ciclismo aos jovens praticantes de BTT-XCO no Desporto Escolar.

A assinatura do protocolo proporcionará uma manhã de festa velocipédica na Escola Pedro de Santarém, na próxima segunda-feira. Entre as 10h00 e as 12h30, os alunos participarão em demonstrações e gincanas, entre as quais se incluem atividades com a unidade de multideficiência da Escola de 1.º Ciclo Arquiteto Ribeiro Telles.

Fonte: FPC

“Apenas uma candidatura para os direitos da Volta a Portugal”

Hoje terminava o prazo para a apresentação de candidaturas para a concessão dos direitos de exploração da Volta a Portugal por oito anos.
Foto: Lusa
A Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) recebeu, até ao momento, uma candidatura para a concessão dos direitos de exploração da Volta a Portugal entre 2018 e 2025, revelou hoje Delmino Pereira à Agência Lusa.
"Neste momento, recebemos uma candidatura, que nos foi apresentada ontem (quinta-feira). É possível que possam ter chegado mais pelo correio, mas hoje não tínhamos nenhum diretor na sede da FPC [em Lisboa], pelo que só na segunda ou na terça-feira é que poderemos confirmar se haverá mais candidatos ou não”, esclareceu o presidente da FPC à Lusa.
Hoje terminava o prazo para a apresentação de candidaturas para a concessão dos direitos de exploração da Volta a Portugal por oito anos, sendo expectável que o novo organizador seja conhecido até 30 de abril.
Na lista de encargos para a concessão da organização da Volta a Portugal por um período de oito anos, a partir de 2018, a FPC apresenta uma cláusula, incluída na “Reserva de Direitos”, que permite à entidade “impedir a participação de equipas na Volta a Portugal que não representem os valores do ‘novo ciclismo’”, ou seja, um ciclismo de “fomento e desenvolvimento, cada vez mais internacional, irrepreensível ao nível da ética desportiva”.
O concurso estipula que os interessados em adquirir os direitos da prova rainha do calendário nacional terão de pagar, anualmente, 450.000 euros (atualização anual indexada à inflação) à FPC, sendo obrigatória a apresentação de garantia financeira de montante igual a metade do preço anual, e que, para além da Volta a Portugal, terão de organizar a Volta a Portugal do Futuro e outra prova internacional de categoria igual ou superior a 2.2 da União Ciclista Internacional.
Na escolha do organizador, a entidade que tutela o ciclismo nacional vai privilegiar “um programa desportivo que seja capaz de estimular as equipas internacionais a participarem e ao mesmo tempo defenda os interesses das equipas e dos ciclistas nacionais”.
Assim, serão fatores preferenciais de seleção o enquadramento internacional da Volta numa lógica desportiva do ‘novo ciclismo’, a defesa do interesse e desenvolvimento do ciclismo nacional das equipas e dos ciclistas nacionais e a postura irrepreensível e colaboradora na luta antidoping, que inclui a imposição junto das equipas nacionais e ‘staff’ organizativo de regras de exclusão de elementos com postura pública e histórico de permissividade face ao doping e à fraude desportiva.
Considerar a tradição da Volta a Portugal, defender uma lógica de cobertura territorial e promover o ‘fair play’ e desportivismo são os outros vetores de seleção do projeto desportivo.
Fonte: SAPO Desporto c/ Lusa