domingo, 27 de novembro de 2016

“Taça de Portugal de Ciclocrosse”

Vítor Santos e Joana Monteiro ganham etapa transmontana

Vítor Santos (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) e Joana Monteiro (ASC/Focus Team/Vila do Conde) venceram hoje, em Torre Dona Chama, Mirandela, as provas de elite da segunda etapa da Taça de Portugal de Ciclocrosse.

A corrida de elite masculina foi eletrizante do princípio até ao final, com a pista a encher-se de emoção com o duelo, ao segundo, entre dois corredores da Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão, Vítor Santos e Roberto Ferreira, e um representante da ASC/Focus Team/Vila do Conde, Mário Costa.

O trio deixou os demais para trás e comandou a corrida até final. A prova acabou por decidir-se por diferenças escassas. Vítor Santos triunfou, deixando Mário Costa apenas a 3 segundos e Roberto Ferreira a 7 segundos. Nas contas da geral, este resultado permitiu ao campeão nacional, Vítor Santos, empatar no topo da tabela com Mário Costa, deixando a competição ao rubro para as próximas jornadas.

Joana Monteiro foi claramente superior na corrida de elite feminina. Cortou a meta com uma margem folgada, 2m18s, sobre a concorrente mais direta, Ana Rita Vigário (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão). Cecília Araújo (ProRebordosa/Garrafeira Gomes/Oforsep) foi a terceira classificada, a 5m38s.

Carlos Salgueiro (ProRebordosa/Garrafeira Gomes/Oforsep) impôs-se entre os juniores, com um desempenho que lhe permitiu cimentar a primeira posição na geral da Taça. Raquel Queirós (ASC/Focus Team/Vila do Conde) foi a mais forte na categoria feminina de sub-23, mas Marta Branco (Maiatos/Reabnorte/BikeZone), segunda classificada, segurou o primeiro posto na geral.

Em cadetes brilharam os corredores que já haviam triunfado em Vouzela, Tiago Sousa e Ana Santos, ambos do ASC/Focus Team/Vila do Conde.

Os veteranos masculinos que chegaram a Torre Dona Chama na frente da Taça de Portugal reforçaram a posição neste domingo, pois voltaram a ganhar. Aconteceu ao master 30 Rúben Nunes (ASC/Focus Team/Vila do Conde), ao master 40 António Sousa (ProRebordosa/Garrafeira Gomes/Oforsep), e ao master 50 Rodolfo Lopes (EDV-Viana Cycles/EntrePortas/MyPharma). Raquel Marques (ASC/Focus Team/Vila do Conde) ganhou a corrida transmontana de masters femininas, mas Marina Leitão (Vasconha BTT Vouzela) mantém o lugar no topo da geral.

João Cruz (ASC/Focus Team/Vila do Conde) foi o melhor juvenil, numa corrida que não pontua para qualquer ranking e que pretende servir de primeiro contacto com esta disciplina para os jovens que estão em transição das escolas para as categorias de competição.

A terceira etapa da Taça de Portugal de Ciclocrosse vai realizar-se na Quinta do Anjo, Palmela, no dia 18 de dezembro.

Fonte: FPC

“Encontro Anual de Associações de Defesa do Ambiente (ONGA’s) ”

Texto e fotos: José Morais

A Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente, fundada em 1991, é a maior organização ambientalista do País, integrando 116 ADA/ONGA (Associações de Defesa do Ambiente/Organizações Não Governamentais de Ambiente) de âmbitos Nacional, Regional e Local, do Continente e Regiões Autónomas, que representam, no seu todo, muitas dezenas de milhares de associados.

Como objetivos gerais a defesa do ambiente, nas suas múltiplas vertentes, em particular através do fenómeno do associativismo, entre outras funções compete à Confederação promover e assegurar o intercâmbio de informações e experiências entre as suas associadas e gerir os processos de eleição de representantes das ONGA em Organismos Públicos de acordo com o “Regulamento de Representação das ADA/ONGA em Organismos Públicos”, sendo escolhido este ano como tema geral do ENADA 2016 “As organizações de ambiente no caminho do futuro”, estes encontros anuais são oportunidades para debate e reflexão sobre os desafios do desenvolvimento sustentável na atualidade, o papel das ONGA na sociedade e quais as vias para a sociedade e o futuro que queremos.

A Confederação organiza todos os anos o Encontro Nacional de Associações de Defesa do Ambiente, o qual pretende reforçar cada vez mais a ligação entre ONGA’s, este ano realizou o seu 24º Encontro este sábado 26 de novembro, no Auditório do Centro de Interpretação do Monsanto, em Lisboa, juntamente com o “Prémio Nacional de Ambiente Fernando Pereira”, este prémio foi instituído e 1999 pela Confederação, sendo o seu nome escolhido em homenagem a um dos mártires da causa ambiental, o fotógrafo português Fernando Pereira, morto no acto de sabotagem do navio do Greenpeace, que há 28 anos tentava impedir a realização de testes nucleares franceses no atol de Muroroa no Pacífico, destinando-se o prémio a galardoar a pessoa, instituição ou empresa que em cada ano se distinga na sua ação como “amiga do ambiente”.

Os trabalhos do encontro iniciaram-se pelas 9 horas com a receção dos participantes, pelas 10 horas foi tempo de dar uma volta por Monsanto, depois tiveram inícios os trabalhos com dois painéis, o primeiro tema o “Papel da Sociedade Civil para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável” e o segundo tema, “A Importância da Ética Ambiental nos movimentos” com intervenções e debates. Após a pausa para almoço cerca das 13,30, os trabalhos iniciaram-se pelas 14,30, com o terceiro painel, sobre o tema, “Uma sociedade para além do petróleo”.

Cerca das 16,15 teve inicio a entrega pública do “Prémio Nacional de Ambiente Fernando Pereira 2015/2016”, sendo Filipe Duarte dos santos galardoado com o “Prémio Nacional de Ambiente”, Maria do Céu Sampaio com o “Prémio Carreira”, e ainda para Manuel Antunes e Conceição Martins, tiveram menções honrosas, dando assim por final a 24º edição do Encontro Anual de Associações de Defesa do Ambiente (ONGA’s), um evento que mais um ano teve o apoio e a organização da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB).