domingo, 14 de janeiro de 2018

“INDOOR CYCLING PASSION PORTUGAL”

Por: Nuno Ribeiro  

Apaixonado pela atividade desportiva, em especial a relacionada com o Indoor Cycling, sendo praticante á cerca de sensivelmente 5 anos!

Para quem não sabe o que é a modalidade, vou dar uma breve explicação:

Indoor Cycling é uma modalidade de Fitness, baseada no ciclismo de estrada que é adaptada para as salas dos ginásios!

É uma modalidade que visa melhorar a capacidade cardiovascular do praticante, em que a música é o principal condutor!

Durante uma aula, simula-se planos, montanhas, entre outros tipos de terrenos, tendo em conta a música escolhida e o treino previamente construído pelo instrutor.

É uma modalidade que todos os alunos podem praticar, sempre na presença de um profissional que através do seu discurso, os vai motivar a atingir os seus objetivos de uma forma simples, de uma forma segura e eficaz

Foi com base nessa paixão que criei o grupo “Indoor Cycling Passion Portugal”

O principal objetivo é juntar todas e todos a nível mundial, que, como eu, partilhamos esta mesma paixão.

Usando os recursos rede social Facebook, espero assim uma maior partilha de opiniões, momentos e visões, assim como o encontro de diferentes pessoas com este objetivo comum.

Com recurso a fotografias, partilha de eventos, vídeos e outros materiais, espero assim proporcionar este encontro e torná-lo uma realidade.

Como grupo que é, e apesar da crescente adesão que tem vindo ter, queremos mais, chegar a mais, juntar mais.

Tal como numa qualquer aula de Indoor Cycling o trabalho de equipa é essencial. 

Se o Indoor Cycling é a sua paixão, convido-o(a) a aderir a este grupo e a fazer do mesmo o desejado ponto de encontro e partilha para todos nós!

Deixo-lhe aqui o endereço do grupo para que se possa juntar a nós e ser mais um apaixonado!

“Campeonato Nacional de Ciclocrosse/Mário Costa e Sandra Santos campeões nacionais de ciclocrosse”

Por: José Carlos Gomes

Mário Costa (Brújula Bike Racing Team) e Sandra Santos venceram hoje, no Centro de Estágios de Melgaço, o Campeonato Nacional de Ciclocrosse na categoria de elite.

O vila-condense Mário Costa cedo demonstrou superioridade, rolando na frente da corrida desde a primeira volta. Inicialmente, na companhia de Ricardo Marinheiro e, mais tarde, a solo. Mário Costa terminou a corrida em solitário, reconquistando um título que lhe escapava desde 2015. Vítor Santos (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) foi o segundo, a 1m18s, e Roberto Ferreira (BTT Seia) fechou o pódio, a 1m28s.

Sandra Santos dominou a prova de elite feminina, revalidando com clareza o título nacional. Para isso, a corredora radicada em França concluiu o esforço com uma vantagem de 36 segundos sobre a segunda classificada, Marta Branco (Maiatos/Reabnorte), e com uma margem de 1m36s sobre a terceira, Joana Monteiro (Brújula Bike Racing Team).

A prova masculina de sub-23 foi palco de uma luta intensa e equilibrada entre corredores que, na Taça de Portugal, têm dado cartas na categoria de elite. O mais forte foi o sub-23 de primeiro ano Miguel Salgueiro (Sicasal/Constantinos/Delta Cafés), seguido por Bruno Silva (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), a 2 segundos, e por João Rocha, a 43 segundos.

Jéssica Costa (ASC/Focus Team/Vila do Conde) foi a melhor sub-23 feminina, secundada por Débora Figueiredo (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact) e por Carina Viana (Tensai/Sambiental/Santa Marta).

Guilherme Mota sagrou-se campeão nacional de juniores. As corridas de cadetes foram ganhas por dois corredores do BTT Loulé/Elevis, Diogo Neves e Daniela Campos.

Rogério Matos (Rompe Trilhos/Apcar) triunfou em master 30, Hugo Moreira foi o melhor master 40, António Moreira bateu a concorrência em master 50 e Raquel Marques (ASC/Focus Team/Vila do Conde) ganhou a corrida de masters femininas.

As novas camisolas de campeão nacional podem ser vistas em ação já no próximo domingo, em Ermesinde, por ocasião do Ciclocrosse Internacional de Valongo, que se disputa no Parque Aventura da Lipor, encerrando a Taça de Portugal 2017/2018.

Fonte: FPC

“30º Passeio Cicloturismo Amendoeiras em Flôr”

Vila Nova de Foz Côa

Dia 4 de Março de 2018

Texto e Cartaz: José Morais

A Associação Cicloturismo do Côa leva para a estrada no próximo dia 4 de março, o seu 30º Passeio de Cicloturismo, uma clássica do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), um dos passeios mais antigos que se realiza no país.

O evento que terá uma extinção de cerca de 60 quilómetros, tem concentração a partir das 8 horas no Pavilhão Desportivo de Vila Nova de Foz Côa, sendo a partida dada pelas 9 horas.

Para Informações e inscrições contatar pelos Telefones: 966168849 – 962518944 - 916600044, ou ainda pelo mail: a.c.coa2012@gmail.com podendo ainda seguir o evento no blogue: http://fozcoacicloturismo.blogspot.pt

Denominado do Passeio das “Amendoeiras em Flôr”, é um dos passeios sem dúvida mais bonitos que se realiza em Portugal, por uma zona de beleza inexplicáveis, que só visto se pode deslumbrar. Mas, também é um dos melhores passeios realizados, pelas forma como sabem receber, antes, durante e após a sua realização, não querendo desprezar os muitos passeios que se realizam por este país, sem dúvida muitos e muitos bons, este tem um toque muito especial, que todos que por lá participam vão descobrindo, e ficam deslumbrados.

Assim, aqui fica o convite a participar neste grande passeio, que este ano celebra 30 anos de existência, e a descobrir o que se destaca de outros, e que vai abrir o calendário oficial da FPCUB.

Nós, vamos estar lá, para trazer até vós todos os bons momentos, fazendo a cobertura oficial do evento com todas as imagens em foto e em vídeo, faça como nós, agende já na sua agenda, e marque presença neste passeio histórico, disfrutando de um bonito passeio de bicicleta, por locais sem dúvida maravilhosos.

E para que a sua curiosidade fique mais aguçada, aqui ficam um pouco da zona destas belas paisagens.

Vila Nova de Foz Côa pós 1990 por vezes designada abreviadamente Foz Côa, é uma cidade portuguesa, pertencente ao Distrito da Guarda, Região Norte e sub-região do Douro, com cerca de 3 100 habitantes, sendo sede de um município com 398,15 km² de área e 7 312 habitantes em 2011, subdividido em 17 freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios de Carrazeda de Ansiães e Torre de Moncorvo, a nordeste por Freixo de Espada à Cinta, a sueste por Figueira de Castelo Rodrigo e Pinhel, a sul por Mêda e a oeste por Penedono e São João da Pesqueira.

Foz Côa, Mêda e Pinhel compartem vestígios de arte rupestre do Vale do Côa/Parque Arqueológico, o Parque Arqueológico do Vale do Côa é considerado como um dos mais importantes sítios de arte rupestre do mundo e é o mais importante sítio com arte rupestre paleolítica de ar livre. Aqui foram identificados cinco dezenas de núcleos de arte, ao longo dos últimos 17 quilómetros do Rio Côa, até à sua confluência com o Douro. Estes núcleos apresentam Pale gravuras de Arte rupestre datadas, na sua maioria, do Paleolítico superior (mais de 10.000 antes do presente) mas o vale guardou também exemplos de pinturas e gravuras do Neolítico e Calcolítico, gravuras da Idade do Ferro e dos séculos XVII, XVIII, XIX e XX, altura em que os moleiros, os últimos gravadores do Côa, abandonaram o fundo do vale.”

 Os sítios de arte rupestre do Vale do Côa situam-se ao longo das margens do rio Côa, sobretudo no concelho de Vila Nova de Foz Côa. Formam uma rara concentração de arte rupestre composta por gravuras em pedra datadas do Paleolítico Superior, constituindo o mais antigo registo de atividade humana de gravação existente no mundo.

Mas não só de arte rupestre está associada a Vila Nova de Foz Côa dos maiores centros arqueológicos de arte rupestre da Europa, a grande potencialidade desta cidade, juntamente com as 14 freguesias, é poder proporcionar diversas ofertas turísticas.

Existem vários tipos de turismo e Foz Côa está inserida no Plano Estratégico Nacional para Turismo (PENT): 1º nível: city break, 2º nível: touring e turismo de natureza e 3º nível: turismo de negócios e gastronomia.

O Posto de Turismo de Vila Nova de Foz Côa situa-se na Av. Cidade Nova, reúne informações diversas sobre o concelho, tais como: locais de interesse patrimonial, paisagístico, cultural, hotelaria e restauração.

No aspeto económico há que realçar a quase dependência agrícola, salientando-se as culturas da vinha, amendoeira, oliveira e ainda a figueira, laranjeira e horticultura em gera, e em termos industriais, salienta-se apenas para a extração de xisto para esteios de vinha, na sede do concelho. Noutros tempos, existiam as culturas do linho, seda e sumagre, hoje desaparecidas. De tudo isto resulta um azeite finíssimo, um ótimo vinho (de mesa e do Porto), amêndoas em profusão e figos secos, que um concelho eminentemente agrícola são prenúncio de boa gastronomia, com acento na doçaria.

As paisagens adjacentes, principalmente ao Rio Douro, são de enorme beleza além de serem únicas no mundo. O turista pode apreciá-las de baixo para cima, passeando no rio ou de comboio, mas também de cima para baixo, numa viagem de carro pelas sinuosas estradas que ligam os principais aglomerados populacionais da região.

A gastronomia fozcoense é bastante apaladada e rica em pratos variados. Vegetais frescos e frutos saborosos conferem às ementas o sabor natural dos produtos, assim como o seu potencial vitamínico da casca.

O vinho é o requinte da mesa em dia de festa. Branco ou tinto, encorpado ou forte, como todos os maduros genuínos do Douro (Adegas Cooperativas de Foz Côa, Freixo de Numão, Vale da Teja e outras quintas vinícolas da região).

As Adegas Cooperativas do concelho detêm marcas de vinho engarrafado de excelente qualidade, como os das marcas Vale Sagrado, Paleolítico e Escorna Bois. O pão local de agradável sabor, de trigo ou de centeio, com que se bebe um "copo" acompanha bem o queijo, o chouriço ou as azeitonas, produtos regionais de grande qualidade. O azeite também é característico da região e pode acompanhar cozidos suculentos salteados com couves tenras, repolhos e grelos. O peixe do Rio Douro e seus afluentes, a carne de porco, de cabrito ou de anho e a caça como o coelho, a lebre e a perdiz são pratos muito apreciados. A fruta é variada no fim do Verão, os pêssegos carnudos, os figos de mel, os melões deliciosos, as laranjas e as uvas.

Todavia, são os frutos secos em especial a amêndoa que fornecem a matéria-prima para as especialidades culinárias mais requintadas, os doces de amêndoa, as súplicas, as lampreias de ovos e ainda os "coscorões", os folares e as bolas toscas, livradas e picadas.

E muito mais para descobrir, venha visitar e participar neste belo passeio, nós vamos lá estar.