quinta-feira, 9 de março de 2017

Patrice Ciprelli recebeu um ano de prisão, com pena suspensa, por importação ilegal deEPO

Por: Lusa

Foto: Lusa

Patrice Ciprelli, marido e ex-treinador da antiga ciclista francesa Jeannie Longo, foi esta quinta-feira condenado pelo Tribunal de Grenoble, em França, a um ano de prisão, com pena suspensa, por importação ilegal da substância dopante EPO.
O mesmo tribunal considerou que Ciprelli, de 62 anos, é culpado de "contrabando de mercadoria proibida", tendo os juízes considerada provada a compra no estrangeiro, entre 2008 e 2011, de 33 frascos de EPO, por um valor de 2.945 euros.

Em fevereiro de 2012, Ciprelli tinha afirmado que adquiria a substância para consumo próprio e não para a sua mulher, justificando-a pelos vários acidentes de bicicleta que sofreu, recorrendo à EPO para ajudar à regeneração muscular.
Esta foi a segunda vez que o nome de Jeannie Longo apareceu associado a substâncias dopantes.
Em novembro de 2011, a Agência Francesa Antidopagem lançou uma investigação depois de a ex-ciclista ter falhado três controlos, uma falha equiparada a um controlo positivo.
No entanto, Longo foi absolvida devido a falhas processuais.
A ciclista, atualmente com 58 anos, dominou o ciclismo feminino na década de 90, tendo conquistado, ao longo da carreira, quatro medalhas olímpicas, incluindo a de ouro na prova de fundo de estrada nos Jogos de Atlanta em 1996.
Ao longo da carreira, Longo ganhou 59 títulos em França e 13 títulos mundial.

Fonte: Record on-line

“Paris-Nice: Greipel ganha numa jornada tranquila para o líder Alaphilippe”

Português José Mendes vai partir para a sexta etapa na 147.ª posição

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista alemão André Greipel (Lotto Soudal) impôs-se esta quinta feira com autoridade no 'sprint' da quinta etapa do Paris-Nice, que continua a ser liderado pelo francês Julian Alaphilippe (Quick-Step Floors).
O veterano alemão conquistou de forma magistral a sua terceira vitória da temporada - ganhou uma etapa na Volta ao Algarve e o Troféu Porreres -, batendo com facilidade o francês Arnaud Démare (FDJ) e o holandês Dylan Groenewegen (LottoNL-Jumbo).

O vento de frente não incomodou Greipel, de 34 anos, que soube esperar pelo momento oportuno para avançar para o triunfo, no final dos 199,5 quilómetros entre Quincié-en-Beaujolais e Bourg-de-Péage.
Com as mesmas 04:43.35 horas do vencedor chegaram o português José Mendes (Bora-hansgrohe) e o camisola amarela Julian Alaphilippe (Quick-Step Floors), que manteve a diferença para os perseguidores na classificação geral.
A jovem promessa francesa, de 24 anos, tem o compatriota Tony Gallopin (Lotto Soudal) a 33 segundos e o espanhol Gorka Izagirre (Movistar) a 47, antes do seu primeiro grande teste enquanto líder.
Alaphilippe vai enfrentar, na sexta-feira, 193,5 difíceis quilómetros entre Aubagne e Fayence, que incluem três contagens de montanha de primeira categoria.
José Mendes, o único português presente na prova francesa, vai partir para a sexta etapa na 147.ª posição, a 40.34 minutos do camisola amarela.

Fonte: Record on-line

“Geraint Thomas redime a Sky no Tirreno-Adriático”

Rui Costa é o melhor português na geral ocupando o 31.º posto

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista britânico Geraint Thomas fez 'esquecer' esta quinta-feira o início desastroso da Sky no Tirreno-Adriático, ao vencer isolado a segunda etapa da prova italiana, que agora é liderada pelo campeão olímpico Greg Van Avermaet (BMC).
Depois de ter entrado com o pé esquerdo no Tirreno-Adriático, a Sky, que nos últimos dias tem enfrentado polémicas relacionadas com doping, redimiu-se esta quinta feira da sua performance catastrófica no contrarrelógio por equipas -- perdeu 01.42 minutos para a vencedora BMC e viu a roda de Gianni Moscon desintegrar-se em pleno exercício -- através da exibição de coragem de Geraint Thomas.
O duplo vencedor da Volta ao Algarve (2016 e 2016) fez uso da sua combatividade para ser o mais eficaz na sucessão de ataques que marcaram os quilómetros finais dos 228 entre Camaiore e Pomarance, chegando isolado à meta, com o tempo de 05:51.44 horas.
"O meu ataque não foi planeado. Só queríamos estar bem posicionados na parte íngreme da subida [a cinco quilómetros da meta]. Impusemos um ritmo elevado e quando o Bob [Jungels] atacou, senti-me bem e o Kwiato [Michal Kwiatkowski] disse pelo rádio "tenta a tua sorte, foi o que fiz", resumiu o galês, que chegou com nove segundos de vantagem sobre o primeiro pelotão, fechado pelo português Rui Costa (UAE Team Emirates), na 42.ª posição.
Quarto na meta, atrás do holandês Tom Dumoulin (Sunweb)) e do eslovaco Peter Sagan (Bora-hansgrohe), o belga Greg Van Avermaet assumiu a liderança da geral, 'roubando' o primeiro lugar ao italiano Damiano Caruso, seu colega na BMC.
O campeão olímpico tem três companheiros atrás de si na geral, com o australiano Rohan Dennis a ser segundo e o norte-americano Tejay Van Garderen terceiro, num 'top 4' sem diferenças de tempo fechado pelo anterior líder.
Rui Costa é o melhor português na geral, depois de 'pular' 49 lugares até ao 31.º posto, estando a 01.08 minutos de Greg Van Avermaet, enquanto Nelson Oliveira, que hoje foi 88.º classificado, a 07.09 minutos de Thomas, caiu para a 80.ª posição e está a 07.21 minutos do líder.
Na sexta-feira, o pelotão cumpre 204 quilómetros entre Monterotondo Marittimo e Montalto di Castro.

Fonte: Record on-line