sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

“Lance Armstrong vai a julgamento em novembro”

Ciclista americano vai responder a processo de fraude quando competiu pelo Serviço dos Correios dos EUA.

Foto: EPA; SHAWN THEW;

Lance Armstrong foi banido para sempre do circuito mundial do ciclismo

Lance Armstrong continua a sua queda de desgraça. O ciclista vai ser processado pelo governo americano em 100 milhões de dólares (cerca de 95 milhões de euros) por fraude.

O atleta está a ser acusado de fraude por ter feito batota, enquanto competia ao serviço da equipa dos Serviços de Correios dos EUA, financiada publicamente pelo Estado Americano.

O processo foi iniciado pelo antigo colega de equipa de Armstrong, Floyd Landis, antes de ter sido processado pelo governo.

O julgamento decorre a 6 de novembro, em Washington e o governo pede que o ciclista devolva o dinheiro que pagou à sua equipa para fazer publicidade, para além de danos a terceiros.

Recorde-se de que Lance Armstrong teve os seus sete títulos da Tour de France retirados e foi banido para sempre do circuito mundial de ciclismo em agosto de 2012, depois de ter admitido o uso de drogas em todas as vitórias na prova-rainha do ciclismo.

O atleta, de 45 anos, ganhou os sete títulos entre 1999 e 2005. Já o Serviço de Correios dos EUA patrocinou a equipa de Armstrong, entre 1996 e 2004.

Fonte: SAPO Desporto 

“Impacto Mediático da Volta ao Algarve”

Por: José Carlos Gomes

Quase uma semana depois de encerrar a competição é possível fazer um balanço preliminar da implantação mediática da Volta ao Algarve, nos meios portugueses e nos estrangeiros.

Em Portugal, a corrida foi alvo de 512 peças jornalísticas, traduzidas num impacto mediático (AAV – Automatica Advertising Value) estimado em €6.106.780, um valor dez vezes superior ao orçamento global do evento. Nos meios internacionais, além da transmissão direta da corrida pela rede Eurosport, monitorizamos a publicação de 485 peças informativas sobre a Volta ao Algarve.

Os meios próprios de comunicação da organização também contribuíram para a divulgação, por todo o Mundo, da 43.ª Volta ao Algarve. Durante a semana da corrida, a página da Volta ao Algarve na Internet registou 1.932.517 visitas, o facebook oficial alcançou 408.571 pessoas.

Fonte: FPC

“Duatlo do Cadaval decide campeões nacionais de grupos de idade”

Dia 5 de Março o Cadaval será palco da disputa do Campeonato Nacional de Grupos de Idade de Duatlo. Num evento que conta a sua 17ª edição, a vila do Oeste português receberá centenas de duatletas que correrão com as suas ambições individuais como prioridade.

A prova procurará oferecer um clima competitivo e intenso e que, com percursos exigentes, não poupará aqueles que aceitarem o desafio de participar. Inicia-se com uma corrida de 4,9km nas ruas da vila do Cadaval, passando por zonas com algum desnível e terreno misto de asfalto e calçada. Seguidamente os duatletas serão desafiados a percorrer as estradas do município ao longo de 23km de ciclismo com segmentos de altimetria considerável. No final, a meta deverá ser cortada após um último percurso de corrida que totalizará 2,5km.

O Campeonato Nacional de Grupos de Idade de Duatlo apresenta-se como uma das melhores oportunidades da época para alcançar lugares cimeiros nas tabelas classificativas. A peculiaridade da competição prende-se com o facto de existirem escalões etários que aproximam os atletas dos seus competidores diretos e encurtam a diferença etária dentro de cada escalão. Factores que permitem apurar um maior número de campeões nacionais numa única competição e que aumentam a ambição e competitividade de todos os participantes.

No mesmo dia, com o objectivo de oferecer uma oportunidade de iniciação à modalidade ou de participação com um espírito menos competitivo, será realizada uma Prova Aberta. Destinada a todos os interessados em participar a prova será disputada ao longo de 2km de corrida, 11,5km de ciclismo e 1km de corrida final.

O Duatlo do Cadaval é um evento organizado pela Câmara Municipal do Cadaval e pela Federação de Triatlo de Portugal onde esperamos a presença de um grande número de duatletas para mais um ótimo dia de competições.

Fonte: FTP

“Volta a Abu Dhabi: Marcel Kittel vence 2.ª etapa com sprint demolidor”

Rui Costa é 23.º classificado da geral

Por: Lusa

Foto: EPA

O alemão Marcel Kittel (Quick-Step Floors) venceu esta sexta-feira ao sprint a segunda etapa da Volta a Abu Dhabi, liderada pelo britânico Mark Cavendish (Dimension Data), e em que o português Rui Costa (UAE Emirates), que chegou no pelotão, é 23.º.

Marcel Kittel teve um sprint demolidor e bateu em cima da linha da meta, por meia roda, o australiano Caleb Ewan (Orica), que já erguia os braços para festejar a vitória quando foi surpreendido pelo alemão, e o próprio Mark Cavendish.

Kittel concluiu a segunda etapa, na distância de 153 quilómetros, com partida e chegada na capital dos Emirados Árabes Unidos, em 3:28.11 horas, e em que o britânico Mark Cavendish segurou a liderança com quatro segundos sobre o alemão.

Na terceira posição da geral segue o também alemão Andre Greipel (Lotto Soudal), a oito segundos de Mark Cavendish, enquanto o português Rui Costa segue no 23.º lugar, a 14 segundos do britânico.

O pelotão da Volta a Abu Dhabi cumpre sábado a terceira etapa, tida como a mais exigente e seletiva do percurso, e que termina com a subida a Jebel Hafeet, que deverá afastar os sprinters da frente da classificação geral.

Fonte: Record on-line

“Daniel Mestre entra no pódio da “Alentejana”

EFAPEL com dois ciclistas entre os dez primeiros

Ao terceiro dia de competição na Volta ao Alentejo, a chegada a um lugar no pódio da Volta ao Alentejo. Depois de mais 208 quilómetros frenéticos, com uma média superior a 46 km/h, Daniel Mestre ocupa o terceiro lugar da classificação geral. A prestação da EFAPEL está a correr como planeado e a equipa é a única representada por dois ciclistas no “top-ten”. Além de Daniel Mestre, a formação liderada por Américo Silva conta com Rafael Silva na sétima posição.

Sem qualquer dificuldade montanhosa, a terceira etapa, que ligou Mourão a Mértola, apresentava-se como a mais longa da 43ª edição da “Alentejana”. Com as posições seguras por segundos apenas, o nervosismo no pelotão é grande e corre-se a alta velocidade. As metas volantes representam bonificações preciosas e há equipas, como a EFAPEL, que têm interesse nas mesmas. Daniel Mestre foi, inclusivamente, um dos ciclistas que trabalhou para ganhar tempo num desses sprints intermédios. Foi no de Castro Verde que um dos alentejanos da equipa - o outro é Henrique Casimiro - fez segundo e ganhou tempo a vários adversários.

A etapa exigiu extrema concentração dos ciclistas que, ainda assim, não evitaram quebras no pelotão. Foram momentos de tensão para quem se atrasou. Contudo, no final, a chegada a Mértola foi discutida ao sprint. Os corredores da EFAPEL cruzaram a meta integrados no grupo da frente com Rafael Silva a ser o melhor da equipa.

“A nossa participação na Volta ao Alentejo está a correr dentro daquilo que tínhamos programado. Aos poucos, os resultados começam a aparecer. Isto não quer dizer, porém, que não temos de trabalhar muito. Porque o que conseguimos é fruto do trabalho. A prova está a ser disputada a uma velocidade impressionante. Hoje foi mais uma etapa de loucos. Amanhã vai ser mais um dia exigente, com muitos momentos intensos”, afirmou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

A quarta e penúltima etapa da Volta ao Alentejo liga Alcácer do Sal a Odemira. São 175,2 quilómetros com quatro pontos quentes durante o percurso. Há uma montanha de quarta categoria à passagem por Santiago do Cacém, mas antes haverá discussão por bónus nas metas volantes de Sines e de Vila Nova de Santo André. A última está localizada em Grândola.

Classificação da terceira etapa

    Juan Molano Benavides    Manzana Postobon            4h29m16s

    Cristopher Lawless        Axeon Hagens Berman        mt

    Carlos Barbero        Movistar Team                a 2s


10º    Rafael Silva            EFAPEL                mt

59º    Daniel Mestre            EFAPEL                mt

69º    Bruno Silva            EFAPEL                mt

72º    António Pereira Barbio    EFAPEL                mt

73º    Henrique Casimiro        EFAPEL                mt

74º    Álvaro Trueba        EFAPEL                mt

80º    Sérgio Paulinho        EFAPEL                mt

98º    Mateo Garcia            EFAPEL                mt


Classificação geral individual

    Carlos Barbero        Movistar Team                12h23m26s

    Rinaldo Nocentini        Sporting/Tavira            a 12s

    Daniel Mestre            EFAPEL                a 19s


    Rafael Silva            EFAPEL                a 22s

30º    Sérgio Paulinho        EFAPEL                a 35s

38º    Álvaro Trueba        EFAPEL                a 1m04s

45º    Mateo Garcia            EFAPEL                a 4m58s

71º    Henrique Casimiro        EFAPEL                a 13m31s

72º    Bruno Silva            EFAPEL                a 15m38s

121º    António Pereira Barbio    EFAPEL                a 21m17s

Fonte: Efapel

“Barbero mantém Amarela”

Etapa “louca” terminou com média superior a 46 kms/hora

Juan Benavides ou Sebastian Molano, como é mais conhecido no ciclismo colombiano, foi o homem do dia ao vencer a etapa mais longa da 35ª Volta ao Alentejo Crédito Agrícola com 208 quilómetros e discutida entre Mourão e Mértola.

Nos últimos metros, o corredor da equipa Manzana Postobón teve resposta rápida para as investidas de Christopher Lawless (Axeon Hagens Berman), segundo classificado, e do Camisola Amarela, Carlos Barbero (Movistar Team).

A vitória colombiana não fez “estragos” na liderança espanhola porque o terceiro lugar de Barbero na etapa, somado às bonificações de duas metas volantes, consolidaram a liderança agora com 12 segundos de vantagem sobre o italiano Rinaldo Nocentini. Daniel Mestre (Efapel) chegou entretanto ao terceiro lugar e está a 19 segundos do vencedor.

Uma corrida muito nervosa

A nota mais significativa da etapa, para além do reforço da vantagem do comandante e do triunfo do jovem colombiano de 22 anos, foi a alta velocidade a que o pelotão cumpriu o terceiro dia de competição, uma velocidade pouco habitual para uma tirada tão longa. A média da etapa foi de 46,3 kms/h.

O pelotão apenas com quase metade da etapa cumprida permitiu uma fuga. Daniel Turek (Israel Cycling Academy), Anton Vorobyev (Gazprom-Rusvelo), Evan Huffman (Rally Cycling), Domingos Gonçalves (RP-Boavista), Diego Rubio (Caja Rural-Seguros RGA) e Sean Mckenna (Na Post Chain Reaction) conseguiram “enganar” o pelotão e chegar à vantagem máxima de quase 3 minutos. Aos poucos a frente de corrida, já com menos homens, acusava o trabalho que a atenta formação do Camisola Amarela, a espanhola Movistar Team, ajudava a desenvolver no pelotão. A vantagem baixava a cada quilómetro e “ficou por terra” ao quilómetro 124. Escassos quatro quilómetros depois, uma queda enfraqueceu um pelotão, que chegou a estar fracionado em grupos, e só ficou compacto a menos de 30 quilómetros da meta. No fim da descida de acesso a Mértola uma queda, já no último quilómetro, deixou caídos no asfalto vários homens com muitas marcas no corpo.

As Camisolas da “Alentejana”

No terceiro dia da Alentejana poucas alterações houve entre os melhores classificados e a cerimónia de pódio repetiu os protagonistas anteriores com Carlos Barbero (Movistar Team) a envergar de novo a Camisola Amarela Crédito Agrícola e a Camisola Preta KIA da classificação por pontos. Sem montanha nesta etapa, Aldemar Reyes (Manzana Postobón) manteve tranquilamente a Castanha Delta Cafés e o holandês, segundo na etapa, Jasper de Laat ( Metec-TKH) chegou à Camisola Branca RTP da juventude.

Da planície rumo ao litoral alentejano

Este sábado a caravana concentra-se junto ao rio Mira, em Odemira, para percorrer, a partir das 11h45, a penúltima etapa da competição. Os corredores vão lutar por bonificações em Sines, Vila Nova de Santo André e Grândola, tendo pela frente um único Prémio de Montanha (4ª cat.) em Santiago do Cacém. Após cerca de 175 quilómetros, em que o Litoral Alentejano apenas se deixa encobrir pela Serra de Grândola, a quarta etapa vai terminar junto ao Estádio em Alcácer do Sal.

Fonte: Podium