quinta-feira, 3 de maio de 2018

“TOUR DE YORKSHIRE: HARRY TANFIELD SURPREENDE E VENCE PRIMEIRA ETAPA”

Britânico da Canyon-Eisberg destacou-se num grupo em fuga

Por: Lusa

O ciclista britânico Harry Tanfield (Canyon-Eisberg) foi o vencedor surpresa da primeira etapa do Tour de Yorkshire, em Inglaterra, destacando-se num grupo em fuga do pelotão que se preparava para terminar a tirada ao sprint.

Os compatriotas Alistair Slater (JLT Condor) e Mike Cuming (Madison-Genesis), que também integraram o quinteto em fuga, completaram o pódio, com cinco segundos de avanço para o pelotão, liderado pelo alemão Max Walscheid (Team Sunweb).

Tiago Machado (Katusha) integrou o grupo principal, chegando em 66.º, aos mesmos cinco segundos do primeiro, que gastou 4:08.12 horas para cumprir os 182 quilómetros entre Beverley e Doncaster.

"Todos estiveram comprometidos em chegar isolados ao fim. Quando vimos o sinal dos últimos três quilómetros e não víamos o pelotão, pensámos 'vamos pedalar'. Não foi propriamente um 'sprint'. Fui em frente e tive tempo de levantar as mãos, pelo que não me posso queixar", disse Tanfield.

Na sexta-feira, os ciclistas cumprem a segunda de quatro etapas, com 149 quilómetros entre Barnsley e Ilkley.

Fonte: Record on-line

“FROOME "PREPARADO PARA GANHAR" GIRO E IGUALAR OS FEITOS DE MERCKX E HINAULT”

Britânico diz que está muito motivado

Foto: Reuters

O britânico Chris Froome (Sky) manifestou-se esta quinta-feira "preparado para ganhar" pela primeira vez a Volta a Itália e reeditar os feitos do belga Eddy Merckx e do francês Bernard Hinault, que venceram as três principais provas velocipédicas consecutivas.

"É uma grande motivação poder ganhar as três grandes voltas seguidas. Pelo que pude aperceber-me durante o Tour, nos Alpes, estou preparado para ganhar, ainda que não possa garantir que isso irá acontecer", observou Froome, em conferência de imprensa.

O britânico já se impôs por quatro vezes na Volta a França, a mais importante prova do calendário mundial, em 2013, 2015, 2016 e 2017, e por uma na Volta a Espanha, em 2017, mas nunca conquistou o Giro, algo que poderá fazer neste ano, completando a designada 'tripla coroa'.

"Tomei a decisão de participar em conjunto com a equipa durante o inverno. Passou quase uma década desde que disputei o meu primeiro Giro", lembrou Froome, assinalando que dispõe de "uma equipa extremamente versátil" para ajudar em todas as fases da corrida.

Se vencer a Volta a Itália, Froome conseguirá não apenas conquistar as três grandes provas, algo que foi alcançado pela última vez pelo italiano Vincenzo Nibali, o grande ausente da edição deste ano, mas também igualar o feito de duas maiores figuras da modalidade.

Apenas dois ciclistas conseguiram ganhar as três provas de forma consecutiva: Merckx venceu o Giro de 1972, o Tour de 1972, a Vuelta de 1973 e o Giro, de novo, em 1973, antes de Hinault vencer em Itália e França, em 1982, antes de triunfar em Espanha, em 1983.

"Não vou limitar-me às etapas de contrarrelógio para tentar ganhar o Giro. Terá de ser o pacote completo. Vai ser uma corrida muito difícil", notou o ciclista britânico, um dos principais favoritos ao triunfo na 101.ª edição da Volta a Itália, que arranca na sexta-feira, em Israel.

Por outro lado, o britânico está a ser investigado por um controlo antidoping positivo na Volta a Espanha de 2017, em que acusou a presença do broncodilatador salbutamol em níveis superiores aos permitidos pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

A defesa do corredor alega que o britânico sofreu uma disfunção renal, mas a questão continuará a ser investigada para lá do término da prova italiana, pelo que o resultado final pode ficar em suspenso após a corrida, o que já aconteceu em 2011.

Fonte: Record on-line

“Equipa Portugal/Luís Costa sexto no contrarrelógio da Taça do Mundo”

Por: José Carlos Gomes

O português Luís Costa foi hoje o sexto classificado no contrarrelógio de 18 quilómetros de classe H5 com que se iniciou, em Ostend, Bélgica, a edição de 2018 da Taça do Mundo de Paraciclismo.

O corredor da Equipa Portugal, medalha de bronze no contrarrelógio do Campeonato do Mundo de 2017, terminou a prova de hoje claramente dentro da primeira metade da tabela, entre 14 participantes.

Luís Costa cumpriu os 18 quilómetros em 29m09s, mais 1’30’’31 do que o vencedor, o holandês Tim de Vries. A luta pela primeira posição juntou dois crónicos candidatos e os dois campeões mundiais em título. Triunfou o campeão mundial de fundo, relegando o dono da camisola arco-íris de contrarrelógio, o italiano Alessandro Zanardi, para o segundo posto, a 13,87 segundos. O terceiro, a 25,46 segundos, foi o australiano Stuart Tripp.

Competindo como individual, João Pinto foi o 33.º na classe H3. Completou os 18 quilómetros do contrarrelógio em 34m09s, mais 5’31’’16 do que o vencedor, o italiano Paolo Cecchetto.

Os contrarrelógios da Taça do Mundo continuam nesta sexta-feira. Telmo Pinão vai representar a Equipa Portugal na competição de C2. Partirá para o contrarrelógio às 8h49. Correndo como individual, o C1 Bernardo Vieira sai da rampa de lançamento às 9h37. Ambos vão percorrer 27 quilómetros em esforço individual.

As provas de fundo distribuem-se por sábado e domingo.

Fonte: FPC