sábado, 30 de março de 2019

“Michael Matthews vence pela segunda vez na Volta à Catalunha”

Ao ser o mais rápido no final do quinto dia disputado ao 'sprint'

Foto: EPA

O australiano Michael Matthews (Sunweb) venceu este sábado a segunda etapa na 99.ª edição da Volta à Catalunha, ao ser o mais rápido no final do quinto dia, disputado ao 'sprint'.

Depois de já ter vencido a segunda etapa, Matthews 'bisou' na ligação de 169,1 quilómetros entre Valls e Vila-seca, que cumpriu em 3:56.36 horas, batendo sobre a meta o alemão Phil Bauhaus (Bahrain Mérida), segundo, e o sul-africano Daryl Impey (Mitchelton-Scott), terceiro.

O dia não trouxe quaisquer alterações aos primeiros lugares classificação geral, que continua a ser liderada pelo colombiano Miguel Ángel López (Astana), com 14 segundos de vantagem para o britânico Adam Yates (Michelton-Scott), segundo, e 17 para o também colombiano Egan Bernal (Sky), terceiro.

O único português ainda em prova, Ricardo Vilela (Burgos-BH), cortou hoje a meta no 141.º lugar, caindo 16 posições na geral, para o 88.º posto, já a mais de 40 minutos do camisola amarela.

No domingo, os ciclistas enfrentam o já tradicional circuito em Barcelona, com 143,1 quilómetros em torno do Parque de Montuïc, em oito voltas, que incluem passagem por uma subida de 2,2 quilómetros e 5,3% de inclinação média.

Fonte: Record on-line

“Assembleia Geral/Relatório e Contas aprovado por unanimidade”

Por: José Carlos Gomes

O Relatório de Atividade e Contas da Federação Portuguesa de Ciclismo relativo ao exercício de 2018 foi aprovado por unanimidade pela Assembleia Geral da instituição, reunida em Lisboa.

O ano de 2018 foi financeiramente histórico para a Federação Portuguesa de Ciclismo, que teve a maior execução orçamental dos 120 anos da instituição, ascendendo a 3,792 milhões de euros. Os valores avultados resultam da conjugação de vários fatores: crescente número de eventos sob alçada direta da Federação, maior aposta das Seleções Nacionais e na qualificação olímpica, especialmente na vertente de pista, e obras de infraestruturação do Centro de Alto Rendimento de Anadia, tendo em vista o reconhecimento dos equipamentos velocipédicos bairradinos como Centro Satélite do Centro Mundial de Ciclismo.

A exigência da execução orçamental foi ultrapassada com sucesso, proporcionando um saldo líquido positivo de três mil e quinhentos euros e, mais importante ainda em termos económicos, um total de meios libertos que ascende a €43.609, mais €18.913 do que estava previsto em orçamento.

“A exigência do desafio financeiro foi ultrapassada com sucesso, o que apenas se conseguiu com uma gestão muito criteriosa e com o empenhamento de toda a comunidade velocipédica nacional, desde os profissionais ao serviço da Federação até às Associações e aos clubes.

A todos é devido um agradecimento”, considera o presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira.

O balanço desportivo de 2018 obriga a referir as mudanças regulamentares introduzidas nas escolas de ciclismo e nas equipas continentais. Neste último aspeto, as alterações permitiram um significativo rejuvenescimento do pelotão profissional português.

“A época de 2018 foi também a primeira em que a Volta a Portugal foi organizada segundo as regras do novo contrato de concessão. As mudanças foram um sucesso, permitindo uma maior cobertura territorial, interesse desportivo acrescido e audiências televisivas mais robustas”, assinala Delmino Pereira na Nota Introdutória ao Relatório de Atividade e Contas.

Fonte: FPC