sábado, 30 de maio de 2020

“Comunicado FTP – 30 de maio: Novas Medidas para o Desporto”

A Federação Triatlo Portugal irá adaptar-se com a maior brevidade possível às novas medidas aprovadas para a prática desportiva.

No dia de ontem, 29 de maio, foi publicado o Comunicado do Conselho de Ministros que prorroga a declaração de situação de calamidade até às 23:59 do próximo dia 14 de junho, definindo novas regras temporárias e de exceção que entram em vigor no próximo dia 01 de junho.

As novas regras têm como objetivo avançar mais um pouco na situação de desconfinamento que se vive face à pandemia COVID 19, nomeadamente no setor do desporto.

Entre as medidas avançadas, destacam-se a abertura da prática desportiva aos atletas federados, abertura das infraestruturas para a prática de modalidades desportivas individuais sem contacto físico e, ainda, reabertura de ginásios e piscinas.



Fonte: FTP

“Sabe tudo sobre Vanessa Fernandes? Teste os seus conhecimentos neste quis”

Foto: Filipe Farinha.


Fonte: Record on-line

“Assembleia Geral UVP-FPC”

Relatório e Contas de 2019 aprovado por unanimidade

Por: José Carlos Gomes

A Assembleia Geral da União Velocipédica Portuguesa – Federação Portuguesa de Ciclismo aprovou hoje, por unanimidade, o Relatório e Contas de 2019.

A reunião, realizada em Lisboa, na sede da Federação, foi a primeira com possibilidade de participação por videoconferência, tendo a maior parte dos delegados optado pelo método eletrónico. Dois estiveram presentes em sala e 31 participaram à distância.

O exercício de 2019, além da atividade desportiva habitual, comportou a celebração dos 120 anos da Federação Portuguesa de Ciclismo, a mais antiga federação desportiva nacional. Entre as atividades que assinalaram a efeméride, conta-se a inauguração das pistas de BTT e de BMX, que permitiram que o Centro de Alto Rendimento de Anadia conquistasse o estatuto de Centro Satélite do Centro Mundial de Ciclismo, e a gala dos 120 Anos, durante a qual o Presidente da República atribuiu à Federação Portuguesa de Ciclismo o título de Membro Honorário da Ordem do Infante Dom Henrique.

No documento hoje aprovado ficaram patentes as atividades e as contas da Federação em 2019, consumando-se um exercício com um saldo líquido negativo de €7.956 para um total de gastos de €3.903.750.

O presidente do Conselho Fiscal, Luís Caleia Rodrigues, desvalorizou o saldo de gerência, frisando que o esforço federativo foi muito superior aos apoios recebidos, num ano de intensa atividade, especialmente no que diz respeito às seleções nacionais e à qualificação olímpica. Nesse sentido, sugeriu que a Assembleia desse um voto de louvor ao trabalho da Direção, o que teve acolhimento unânime.

O delegado José Luís Ribeiro, representante dos clubes da área da Associação de Ciclismo do Minho, propôs um voto de louvor a toda a comunidade velocipédica nacional, decisão também tomada por unanimidade.

Antes da reunião ordinária realizou-se uma sessão extraordinária, visando uma alteração estatutária para incluir o ciclismo virtual e as bicicletas com assistência elétrica no lote de variantes de competição desenvolvidas pela Federação. A proposta colheu o apoio unânime

Fonte: FPC

sexta-feira, 29 de maio de 2020

“Lance Armstrong: «Informei-me sobre doping, sabia o que me injetavam e aceitei»”

Série documental sobre a vida pessoal e profissional do ciclista norte-americano revela pormenores sobre o caso de doping

Por: Sérgio Magalhães     

Foto: Reuters

Lance Armstrong tem estado debaixo dos holofotes da imprensa internacional devido à série documental 'Lance', sobre a vida pessoal e profissional do ciclista norte-americano que ficou mundialmente conhecido por ter vencido a Volta a França por sete ocasiões consecutivas, de 1999 a 2005.

Em 'Lance', o ex-ciclista revelou como a sua 'relação íntima' com o doping apareceu na sua carreira, em que momento e como deixou que percorresse todo o seu percurso enquanto profissional de ciclismo.

"Comecei a dopar-me com essa idade [21 anos], quando fui campeão do Mundo. Mas só com cortisona e estimulantes. Sempre soube o que colocava em mim. Questionava-me sempre sobre o que iam injetar e sempre tomei essa decisão. Não aguentava os médicos que me diziam 'Não perguntes'. Informei-me sobre doping, sabia o que me injetavam e aceitei. Em 1993, os rumores de EPO [eritropoietina] no pelotão eram muitos. O EPO percorreu todo o pelotão como um fogo selvagem e incontrolável", confessou Lance Armstrong.

Falsificou documentos para participar num triatlo jovem

A obsessão por vencer foi algo que Lance Armstrong absorveu do pai, Terry, que assumiu 'mea culpa' na forma como educou o filho durante o seu crescimento, admitindo que tratou-o "como um animal" muitas das vezes.

"Entendo que os requisitos sobre a idade correspondam a possíveis resposabilidades. Ia nadar num lago, correr e andar de bicicleta, significava muito para ele. Lance não seria o campeão que é sem mim. Tratei-o como um verdadeiro animal. É a única coisa da qual me arrependo. Se me excedi para ganhar a todo o custo? Era como um chefe para ele, não o abracei o suficiente nem disse-lhe o que devia. Estava sempre com ele nos treinos, mas não demonstrei o amor que devia ter demonstrado", explico Terry Armstrong, em declarações à série documental.

"Doping principal causa pelo aparecimento do cancro? Não sei."

Lance Armstrong não sabe se o facto de ter injetado substâncias para o seu organismo despoletou o aparecimento do cancro de que foi alvo em 1996. "Se o doping foi a principal causa para o aparecimento do meu cancro no verão de 1996? Não sei. Não conheço a resposta a essa pergunta. Não posso dizer que não porque realmente não sei. Mas lembro-me que a única vez que em toda a minha vida tomei hormonas de crescimento foi na temporada de 199 e na minha cabeça só me vinha a ideia de que as hormonas só faziam crescer coisas boas dentro do meu organismo, se calhar também fazia crescer as más", concluiu.

Fonte: Record on-line

quinta-feira, 28 de maio de 2020

“Cyclin’Portugal”

Mais de 3000 quilómetros cicláveis em homologação no Alentejo e Ribatejo

Por: José Carlos Gomes

As regiões do Alentejo e do Ribatejo terão mais três mil quilómetros de percursos cicláveis. Numa iniciativa da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, a Federação Portuguesa de Ciclismo iniciou, nesta semana, o processo de pré-homologação.

No fim dos trabalhos de homologação, previstos para o final de 2020, a região contará com 3105 quilómetros de percursos, dos quais 1369 de BTT, 931 de estrada e 805 de gravel (caminhos não pavimentados). Além dos percursos, estarão disponíveis, no âmbito do projeto Cycling Alentejo e Ribatejo, oito Centros Cyclin’Portugal: Almodôvar, Arripiado, Arronches, Castelo Vide-Marvão, Coruche, Ourique, Portalegre e Serra D’Ossa.

A esta rede irão, posteriormente, somar-se o Centro Cyclin’Portugal de Odemira – Rota Vicentina, em fase final de homologação, e o Centro Cyclin’Portugal de Serpa, já homologado, alargando a oferta da região para perto de 4000 quilómetros de percursos.

Esta iniciativa insere-se no projeto Cyclin’Portugal, desenvolvido pela Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) em todo o território, aliando competições de referência internacional, como a Volta ao Algarve, e a criação de percursos e infraestruturas que contribuem para a afirmação de Portugal como destino para a prática de turismo com bicicleta.

“Com o Cyclin’Portugal, a FPC pretende contribuir cada vez mais para promover Portugal como destino de excelência para o turismo com bicicleta, nos mercados nacional e internacional. Para isso, integramos elementos como eventos de massas, formação e capacitação de agentes, bem como a homologação e mapeamento de infraestruturas em todo o território nacional. A parceria com o projeto Cycling Alentejo e Ribatejo permitirá identificar e ativar uma vasta rede de percursos de estrada, BTT e gravel, para diferentes públicos, do nível iniciado até ao mais avançado”, explica o vice-presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo e coordenador do Programa Nacional Ciclismo para Todos, Sandro Araújo.

Mais informações: http://cyclinportugal.pt/pt/

Fonte: FPC

quarta-feira, 27 de maio de 2020

“André Greipel propõe circum-navegação coletiva virtual solidária”

Iniciativa teria lugar a 3 de junho, Dia Mundial da Bicicleta

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

O ciclista alemão André Greipel (Israel StartUp-Nation) anunciou esta quarta-feira a vontade de pedalar, em coletivo, os quilómetros suficientes para uma circum-navegação do globo no dia 3 de junho, para angariar fundos para uma causa solidária.

No dia 3, que é Dia Mundial da Bicicleta, o objetivo de Greipel é juntar, através da plataforma virtual Strava, uma série de participantes que consigam pedalar o suficiente para uma circum-navegação do planeta Terra.

Os fundos angariados com a ação vão reverter para associações que trabalham com consciencialização para a esclerose lateral amiotrófica.

"Tornou-se claro para nós [Greipel, a família e amigos, a equipa e parceiros] que tínhamos de fazer isto, porque a bicicleta é uma invenção agregadora e muito especial. Graças à Katusha e aos utilizadores do Strava por todo o mundo, temos um objetivo comum, e vamos fazer a diferença", explicou o corredor de 37 anos, citado em comunicado.

O alemão é um dos mais conceituados 'sprinters' do pelotão, tendo no palmarés 11 vitórias em etapas no Tour, sete no Giro e quatro na Vuelta.

Fonte: Record on-line

“Emanuel Buchmann diz que Tour sem público não será uma novidade”

Ciclista alemão salienta que é algo que já acontece em várias competições

Por: Lusa

O ciclista alemão Emanuel Buchmann (BORA-hansgrohe) afirmou que a Volta à França sem pessoas na estrada não será uma novidade para os corredores, salientando que é algo que já acontece em várias competições.

Emanuel Buchmann, que foi quarto classificado no Tour em 2019, admitiu que com o calendário definido existe uma "luz ao fundo do túnel", salientando que consegue suportar corridas sem adeptos na estrada "durante um ano".

"Já corremos em várias provas em que não existem muitos espetadores. Na Volta aos Emirados Árabes Unidos, em Abu Dhabi, quase não se vê pessoas na estrada, por isso não será algo completamente novo para nós", disse o ciclista em declarações à agência DPA.

Para a edição deste ano do Tour, que vai decorrer entre 29 de agosto e 20 de setembro, depois de ter sido adiado devido à pandemia de covid-19, Buchmann salienta que o objetivo é um lugar no pódio.

"O objetivo é melhorar e isso significa um lugar no pódio, mas para que isso possa acontecer tudo tem de correr bem", notou o ciclista de 27 anos, que considerou que a distância entre o pódio e a vitória na prova "não é assim tão grande".

O ciclista da BORA-hansgrohe, que considerou que é "monótono" treinar sem competição -- está suspensa até 01 de julho, com o WorldTour a regressar apenas em 01 de agosto -, explicou que não foram só as corridas a parar, lembrando que efetuou o último controlo antidoping em março.

"Fiz o meu último teste em março. Depois desse, não efetuei qualquer teste antidoping" salientou.

Em 05 de maio, a ministra francesa do Desporto, Roxana Maracineanu, disse esperar que a Volta a França em bicicleta, assim como o torneio de ténis de Roland Garros possam decorrer, com ou sem público, sem, contudo, confirmar a sua realização.

O Tour está programado para decorrer entre 29 de agosto a 20 de setembro, mas, em declarações à France Télévisions, a ministra foi cautelosa quanto à realização da corrida.

"Pedem-me para manter o Tour, mesmo à porta fechada. Espero que decorra, mas não tenho a certeza. Ainda é muito cedo para dizer, não sabemos como será a epidemia após o confinamento", referiu a ministra Roxana Maracineanu, sem dar qualquer indicação ou esperança quanto à confirmação das datas.

Caso a Volta a França, originalmente agendada entre 27 de junho e 19 de julho, tenha mesmo que ser realizada sem público, a ministra conta que "as pessoas estejam cientes da crise atual e obedeçam", no que toca a evitar a presença na beira da estrada a incentivar os ciclistas, pois "é a única forma de evitar que a pandemia alastre".

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 350 mil mortos e infetou mais de 5,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Cerca de 2,2 milhões de doentes foram considerados curados.

França é um dos países mais afetados pelo novo coronavírus, registando 28.530 mortos em cerca de 183 mil casos de infeção.

Fonte: Record on-line

“«O pescoço de Armstrong ficou vermelho como um tomate e ele disse-me o que precisava»”

Fisioterapeuta Richard Huélamo recordou momentos passados com o ciclista, com quem "não era fácil de lidar"

Por: Sérgio Magalhães

Foto: Reuters

Vencedor de sete edições seguidas da Volta a França, entre 1999 e 2005, Lance Armstrong tem estado recentemente em alta nos media muito por culpa da série documental 'Lance', sobre a vida e carreira do ciclista americano.

Esta quarta-feira, Richard Huélamo, fisioterapeuta e assistente de Lance Armstrong recordou alguns dos momentos do ciclista ao longo da sua carreira, que acabou por ficar manchada pelo alegado uso de doping.

Apesar de ser uma pessoa "difícil de lidar", que "não confiava em ninguém", Richard sublinhou o aspeto competitivo e solidário do francês, que sempre ajudou pessoas que precisavam.

"Lance era uma pessoa complicada. Como desportista, era muito metódico e uma máquina a treinar, mas pessoalmente não era fácil de lidar. Não confiava em ninguém", começou por revelar o antigo assistente, em declarações exclusivas ao 'Mundo Deportivo', recordando ainda o dia em que conheceu o ciclista: "Chegou num jate privado desde a Suíça, de onde esperou ainda por um BMW. Apresentaram-mo e ficamos logo amigos."

Profissionalmente, Richard Huélamo diz que Lance Armstrong era como ninguém. "Era uma máquina a treinar. Se nós fazíamos duas subidas a La Molina, ele fazia quatro e era-lhe igual caso chovesse ou não. Nunca estava satisfeito. Conheci mais de 400 ciclistas ao longo de toda a minha vida, mas nenhum é como ele", apontou.


Vida pessoal muito reservada

"Gostava de estar em casa, ficava em sítios onde não o reconhecessem facilmente. Não falava muito. Era uma pessoa complicada. Não confiava em ninguém, era uma pessoa que agia sempre pela defensiva."
 

Solidário para com quem mais necessitava

"Era solidário, ajudou economicamente muitas pessoas. Teve o que teve - cancro nos testículos -, mas ganhou sete Tours. Diziam que tinham sido devido ao doping. Não foi ele quem fez muito ou muito menos, naquela altura o doping era um bar aberto."
 

Polémica em torno das fisioterapeutas e massagistas irlandesas

"Quiseram ficar famosas por contarem mentiras a troco de dinheiro. Disseram que lance tinha em sua casa um sistema completo de dopagem, algo impossível. Nunca deu positivo. Precisaria de uma logística muito boa e não a tinha. Qualquer um que quisesse fazer doping precisava de médicos, uma máquina, sangue e alguém para canalizar tudo."


Sucesso sem o doping? "Difícil de avaliar"

"É difícil avaliar se ele realmente teria ganho tanto sem o doping, mas posso assegurar que ele controlava tudo. Um dia, foi atingido por uma urtiga. O pescoço dele ficou vermelho como um tomate. Eu disse-lhe aquilo que ele precisava de fazer para curar e ele disse-me que era doping", concluiu.

Fonte: Record on-line

“ADoP e Federação de Ciclismo definem controlo da Volta "na próxima semana"”

Apesar da pandemia, Volta a Portugal manteve a sua calendarização inalterada, entre 29 de julho e 9 de agosto

Por: Lusa

Foto: Reuters

A Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP) e a Federação Portuguesa de Ciclismo devem iniciar "na próxima semana" os contactos para a definição de processos para o controlo dos ciclistas na Volta a Portugal em bicicleta.

"Ainda não tivemos oportunidade de coordenar com a Federação Portuguesa de Ciclismo o que se vai fazer. Concretamente, ao contrário do futebol, com o ciclismo ainda não tivemos esse contacto. Creio que na próxima semana teremos ocasião de articular isso, temos as melhores relações com a federação", explicou à Lusa o presidente da ADoP, Manuel Brito.

Apesar de a pandemia de covid-19 ter provocado a suspensão ou o cancelamento de inúmeras competições desportivas, a Volta a Portugal manteve a sua calendarização inalterada, entre 29 de julho e 09 de agosto. A ausência de um protocolo de fiscalização da prova não inquieta o responsável máximo do combate ao doping, que garantiu de forma taxativa a vigilância da ADoP na Volta.

"O controlo é obrigatório e é uma exigência contratual da própria prova. Haverá controlo, certamente, mas temos de saber os percursos, os procedimentos e a acreditação das pessoas que vão acompanhar. Ainda não temos essa informação e é essencial para fazermos o nosso planeamento", frisou.

Após a declaração de pandemia, em 11 de março, as competições desportivas de quase todas as modalidades foram disputadas sem público, adiadas - Jogos Olímpicos Tóquio2020, Euro2020 e Copa América -, suspensas, nos casos dos campeonatos nacionais e provas internacionais, ou mesmo canceladas.

Os campeonatos de futebol de França, Escócia, Bélgica e dos Países Baixos foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede em Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para 03 de junho. A Liga alemã foi retomada em 16 de maio.

Fonte: Record on-line

terça-feira, 26 de maio de 2020

“A Federação Triatlo Portugal recomenda/Nutrição e lesão: necessidades do treino”

Por: Joana Romão, nutricionista

Uma ingestão nutricional adequada não só ajuda a evitar lesões, mas também auxilia na sua recuperação.

A ocorrência de lesão é um acontecimento comum nos praticantes de desporto, quer sejam atletas de nível elite ou praticantes recreativos. A qualquer lesão está associada uma certa gravidade e consequentemente um período de recuperação em que o atleta pode não conseguir treinar ou competir. Nestas circunstâncias, qualquer ajuda que possa acelerar o processo de recuperação é bem-vinda.

Para além dos tratamentos médicos essenciais à melhoria do atleta, a Nutrição também apresenta um papel benéfico na aceleração do processo de recuperação e retorno ao treino. Especialmente numa fase de recuperação, em que é necessária a uma reconstrução tecidular e diminuição da inflamação provocada pelo stress na zona de lesão ou fratura, é imprescindível manter uma correta ingestão calórica com o objetivo de evitar o défice calórico nutricional. Devem ser supridas as necessidades nutricionais pois numa situação de défice ocorrem situações desvantajosas. Exemplos disso são a perturbação do processo de regeneração da zona lesada (por existir pouca energia disponível para esse processo energeticamente tão caro), o aumento da inflamação local e ocorrer uma maior e mais rápida degradação da massa muscular, tanto devido à ingestão desadequada, como pela diminuição da atividade.

Tal como uma ingestão energética em défice é contraproducente no processo de recuperação, um excesso calórico muito acentuado também irá promover uma acelerada perda de forma física e ganho de peso, podendo ainda agravar a inflamação, e assim atrasar consideravelmente o processo de retorno-ao-treino.

No geral, os cuidados nutricionais a ter em consideração de forma a potencializar a terapêutica regenerativa são:

Evitar o défice calórico;

Manter um estado hidratado;

Aumentar o aporte proteico (ingerir mais de 2g/kg peso/dia);

Ingerir 20 a 40g de proteína a cada 3-4 horas do dia;

Aumentar o consumo de leucina (Leu) nas doses indicadas (em excesso será prejudicial).

É essencial aumentar o aporte de proteína e leucina pois irá impedir uma perda acelerada de massa muscular, promovendo a manutenção da massa muscular do atleta, irá promover a reconstrução tecidular e reduzir a inflamação. A capacidade saciante da proteína poderá ajudar a evitar grandes picos de apetite em certas fases do dia, ajudando na manutenção do peso.

Para além de alimentos, em situações mais graves, ou em situações em que o atleta já apresente um défice energético prévio à lesão (que é uma das mais comuns causas de lesões e fraturas), suplementos como Creatina monohidrato (proteína de absorção lenta) e Omega-3 (anti-inflamatório nas doses indicadas) representam complementos interessantes ao processo de melhoria do atleta.

Bons treinos em segurança!

Veja aqui outros temas que podem ser do seu interesse: Dieta regular e aumentar a Imunidade do Atleta aqui: https://www.federacao-triatlo.pt/ftp2015/aumentar-a-imunidade-do-atleta/

Fonte: FTP

“«Tratei-o como um animal»: Lance Armstrong era espancado só por deixar gaveta aberta”

Ciclista cresceu com padrasto que se gaba de ter sido violento

Lance Armstrong recordou a infância dura que viveu, sobretudo pela exigência do padrasto que era capaz de lhe bater "por uma gaveta ter ficado aberta". No documentário da ESPN sobre a vida do ciclista norte-americano que cresceu sem o pai biológico, o próprio padrasto, Terry Armstrong, considera que foi determinante para o sucesso de Lance.

"Ele não seria o campeão em que se tornou sem mim, pois tratei-o como a um animal", afirmou Terry Armstrong, que apenas lamenta ter tornado Lance num "ganhador a qualquer custo".

No mesmo documentário, quando recordou a infância e adolescência, Armstrong revelou como quebrou pela primeira vez as regras, para se se inscrever numa prova de triatlo. "Tinhas de ter 16 anos e eu falsifiquei o certificado, participei ilegalmente e venci todos", lembrou o antigo ciclista.

Tal como Record já tinha dado conta, Armstrong relatou na primeira parte de 'Lance' da ESPN como sofreu as consequências de ter recorrido a substâncias ilícitas.

"Quando a minha vida deu a volta que deu, disse a mim mesmo que alguém se iria sempre aproximar de mim e ofender onde quer que fosse o resto da minha vida. Passaram-se alguns dias e ninguém me disse as palavras que eu não queria ouvir. Depois passaram meses e nada. Até que, passados cinco anos, aconteceu", recordou Armstrong, dando conta das implicações que tal teve:

"Um grupo de homens que estavam num bar viu-me e começaram a chamar 'rei dos aldrabões'. A pessoa que estava comigo aconselhou-me a entrar de novo no carro e me afastasse quando estava pronto a chegar ao pé deles e bater no primeiro que me insultou. O que, claro, seria má ideia. Como havia feito a maior parte da minha vida quando estava contrariado".

A verdade é que não chegou a haver confrontos físicos e Armstrong acabou mesmo por abandonar o local, mas acabou por tomar uma atitude no mínimo... insólita. Como não queria deixar o episódio passar em clado, ligou para o bar, deu o número do seu cartão de crédito e pagou a despesa do grupo que acabara de o insultar. "A minha única condição foi que dissessem que o Lance tinha tratado de tudo e enviava carinho, embora saiba que alguns deles me vão criticar sempre", lembrou no documentário da ESPN.

Fonte: Record on-line

“Arnaud Démare tem lesão na mão esquerda e vai ser operado”

Lesão do ciclista francês não compromete o regresso à competição em agosto

Por: Lusa

Foto: Arnaud Démare / Twitter

O ciclista francês Arnaud Démare (Groupama-FDJ) fraturou o escafoide da mão esquerda e vai ter de ser operado, ainda que a lesão não comprometa o regresso à competição em agosto, anunciou esta terça-feira o 'sprinter'.

Segundo o corredor de 28 anos, a lesão obriga-o a imobilizar a mão durante seis semanas para a recuperação, após a cirurgia marcada para esta terça-feira.

A lesão resultou de uma queda na última semana, durante o regresso aos treinos, após o confinamento devido à pandemia de covid-19.

"Apesar da imobilização do pulso, poderei voltar à estrada em 10-15 dias, com gesso e adaptação das barras da minha bicicleta", explicou o ciclista, que garantiu que vai estar apto em agosto.

Démare é um dos principais 'sprinters' franceses, tendo vencido duas etapas no Tour (em 2017 e 2018), uma no Giro (2019) e a clássica Milão-Sanremo em 2016, e um dos líderes da Groupama-FDJ, a par do seu compatriota Thibaut Pinot.

Fonte: Record on-line

“Ciclista belga Oliver Naesen renova por mais três anos com a AG2R”

Campeão de fundo da Bélgica em 2017, o ciclista tem apostado nas clássicas ao longo da carreira

O ciclista belga Oliver Naesen vai correr mais três anos na AG2R La Mondiale, anunciou hoje a equipa francesa, com uma aposta nas clássicas e uma atitude "muito ambiciosa" para os próximos tempos.

"Estou muito feliz por renovar por três anos. É um grande sinal de confiança da equipa, que está a melhorar desde 2017. [...] O grupo de ciclistas para as clássicas tem melhorado todos os anos e vai ser ainda melhor. Há um bom ambiente e estou muito ambicioso para os próximos anos", explicou o corredor de 29 anos, citado em comunicado.

Campeão de fundo da Bélgica em 2017, o ciclista tem apostado nas clássicas ao longo da carreira, vencendo a Bretagne Classic por duas vezes e tendo vários ‘top 10' em outras provas WorldTour de um dia, como um segundo lugar na Milão-Sanremo de 2019.

"É um dos melhores ciclistas de clássicas do mundo e vamos construir uma equipa bem-sucedida com ele para que possa alcançar os seus objetivos", garantiu o diretor da AG2R, o antigo ciclista Vincent Lavenu.

Sapo on-line

segunda-feira, 25 de maio de 2020

“«Rei dos aldrabões»: Armstrong ouviu, pensou e acabou por surpreender quem o insultou”

Primeira parte do documentário 'Lance' emitido na ESPN

Chegou o dia da verdade de Lance Armstrong. O antigo ciclista de 48 anos, prometia contar as 'suas verdades' no documentário 'Lance' - cuja primeira parte foi transmitida esta madrugada pela ESPN -, tais como o facto de ter admitido que começou a consumir substâncias ilícitas desde muito novo, desde a primeira época como profissional, falando também das ofensas que estava à espera de ouvir desde que assumiu publicamente ter ganhado as sete Voltas a França sob o efeito de substâncias ilícitas.

"Quando a minha vida deu a volta que deu, disse a mim mesmo que alguém se iria sempre aproximar de mim e ofender onde quer que fosse o resto da minha vida. Passaram-se alguns dias e ninguém me disse as palavras que eu não queria ouvir. Depois passaram meses e nada. Até que, passados cinco anos, aconteceu", recordou Armstrong.

"Um grupo de homens que estavam num bar viu-me e começaram a chamar 'rei dos aldrabões'. A pessoa que estava comigo aconselhou-me a entrar de novo no carro e me afastasse quando estava pronto a chegar ao pé deles e bater no primeiro que me insultou. O que, claro, seria má ideia. Como havia feito a maior parte da minha vida quando estava contrariado".

Não bateu, mas deu uma chapada... de luva branca. Como não queria deixar o episódio passar em clado, ligou para o bar, deu o número do seu cartão de crédito e pagou a despesa do grupo que acabara de o insultar. "A minha única condição foi que dissessem que o Lance tinha tratado de tudo e enviava carinho, embora saiba que alguns deles me vão criticar sempre".

Fonte: Record on-line

“Lotto-Soudal cria bolhas antivírus”

Três grupos para um fim: competir em segurança/Equipa vai dividir ciclistas em três grupos, consoante correrem Tour, Giro ou Vuelta

Por: Ana Paula Marques

Foto: Lotto-Soudal

Aos poucos, as equipas vão regressando aos treinos, preparando o regresso à competição que deverá acontecer em meados de julho. E todos os cuidados são poucos no sentido de diminuir o risco de contágio por Covid-19. É o que está a planear a Lotto-Soudal, uma das formações do pelotão do World Tour.

A equipa belga definiu um plano rigoroso que passa por dividir as quase três dezenas de ciclistas em três grupos, mediante as provas que fizerem, com base nas Grandes Voltas: Tour, Giro e Vuelta. O objetivo é que cada grupo seja uma ‘família’ isolada das outras, quer em treinos, quer em competições, sendo raras as vezes que ciclistas possam cruzar-se com colegas que não pertençam ao seu grupo original.

"Começámos a pensar muito rapidamente em como voltar da maneira mais segura possível. Criámos uma espécie de ‘sistema de bolhas’ para os 28 ciclistas", frisou o médico da Lotto-Soudal, Jens De Decker, adiantando que, sempre que possível, "os atletas devem partilhar o quarto sempre com o mesmo colega", referindo que todas as medidas de segurança serão acauteladas quando for necessário mudanças nos grupos.

"Certamente teremos de ser flexíveis. Se alguém tiver de deixar uma das ‘bolhas’ e entrar noutra, a situação será precedida de todo um protocolo de testes e segurança", esclareceu o clínico, para quem os ciclistas da Lotto-Soudal vão submeter-se a um programa de testes à Covid-19, frisando por outro lado que a equipa tem capacidade, quer de infraestruturas, quer de meios humanos, para trabalhar com três grupos em locais distintos.

"Respeitamos quem trabalha de maneira diferente, mas esta parece-nos ser a forma mais segura de competir", frisou ainda Jens De Decker.


Greipel coloca algumas reservas

A Israel Start-Up Nation’s também prepara o regresso, mas há quem coloque algumas reservas. "Ainda há muita gente a morrer por Covid-19, por isso parece-me um pouco estranho pensarmos em competir novamente", disse o alemão Andre Greipel. "Ninguém sabe se o vírus se espalhará de novo, e acho que não devemos forçar as competições se não for seguro. No entanto, se a temporada reiniciar, estarei pronto. Isso é certo."

Fonte: Record on-line

domingo, 24 de maio de 2020

“Chegou o dia da verdade para Lance Armstrong”

Documentário sobre a ascensão e queda do ex-ciclista estreia na próxima madrugada

Por: Ana Paula Marques

Quando forem duas horas da manhã da próxima madrugada, hora em Portugal continental, a ESPN começa a transmitir a primeira parte do documentário sobre a ascensão e queda da carreira de Lance Armstrong, intitulado ‘30 for 30’. Um documentário que está a ser aguardado com grande expectativa, não só no meio velocipédico mundial. O texano tornou-se, para o bem, primeiro, depois para o mal, uma figura à escala planetária.

A cadeia de televisão norte-americana já desvendou algumas das ‘verdades’ que o antigo ciclista, agora com 48 anos, promete contar, tais como o facto de ter admitido que começou a consumir substâncias ilícitas desde muito novo, desde a primeira época como profissional – recorde-se que foi campeão mundial com apenas 23 anos –, admitindo que esse facto poderá ter originado o aparecimento do cancro anos mais tarde.

Outras das verdades já conhecidas foi a de Lance Armstrong ter forjado a sua certidão de nascimento para poder competir numa prova de triatlo, modalidade na qual começou a carreira.

E serão 10 mil as mentiras que o antigo ciclista vai esclarecer? "No momento em que alguém te pergunta, tu mentes. Será só uma mentira, porque só respondeste uma vez. No meu caso, foram 10 mil mentiras, porque respondi a isso 10 mil vezes", disse.

O documentário da ESPN poderá suscitar reações de vários quadrantes, se o texano for mais além do que apenas o ‘seu’ nome. Será que vai acusar antigos colegas, dirigentes e patrocinadores de ‘parceria’ no esquema de doping? É que ficou a sensação de que Armstrong não terá dito tudo em 2013, quando confessou a Oprah Winfrey ter ganhado as sete Voltas a França sob o efeito de substâncias ilícitas.

Mas já foi dizendo algumas coisas menos boas – "é um pedaço de m.…" – sobre o compatriota e um dos seus colegas na US Postal, Floyd Landis.

A segunda parte do documentário será transmitido daqui a uma semana, no dia 31, à mesma hora.... É esperar para ver.

Fonte: Record on-line

sábado, 23 de maio de 2020

“Mulher/E depois dos 50?”

Ganhos da Maturidade

Por: Cláudia Franco

Depois de romper a barreira dos 50 anos passei a entender mais profundamente os ganhos da maturidade. É como se uma nuvem se abrisse, e para finalmente conseguir enxergar o que realmente importa na vida. É de certa maneira duro perceber que você está nesta Terra há meio século e que seu tempo é limitado. Nasce um sentimento de liberdade e ao mesmo tempo de urgência.

Apesar de ter passado dos 50, me sinto jovem, com muita disposição e com vários planos e projetos de vida em curso. Conversando com minhas amigas que nasceram nos anos cinquenta, sessenta e setenta, que estão na plenitude de suas vidas, todas se rebelam contra qualquer definição relacionada a idade. Assim como eu, nenhuma delas se identifica com o rótulo “mulheres de meia idade”.

Penso que de fato fazer parte do grupo “ageless” (pessoas cuja idade não se define pela cronologia) é apenas uma questão de conceito. A sociedade mudou. A mulher deixou de ser a dona de casa e saiu para o mercado de trabalho.

Extremamente fortes e atuantes, as mulheres adotaram outro estilo de vida, uma nova postura mental, colaborando para a adoção de uma imagem mais jovem, mas leve e bem diferente da “matrona”.

Especificamente no meu caso, sinto que dois componentes importantes me ajudam a me manter jovem: um deles é o desporto e o outro a postura mental. Um alimenta o outro.

O desporto me ajuda em muito a manter o físico e o mental mais leves e equilibrados. Já a postura mental alimenta o meu espírito com juventude, como também, alimenta a motivação para me manter firme nos treinos, para me dar a coragem para ultrapassar limites e a força para perseverar em busca de resultados.


Amigas de 50

Minha amiga Telma Kremer, 50 anos, que acabou de participar pela primeira vez de uma prova de Iron Man, na Alemanha, comentou: “Não acho que eu pareça uma menina, mas ainda não me incomodo com a idade, as rugas, as mudanças no corpo; quero envelhecer bem, alegre, saudável. Não faço nada para manter uma aparência jovem – nem creme de rosto me lembro de usar – mas me sinto jovem. Acho que é aquele clichê mesmo, de estado interno, de cabeça. E acho que o prazer deixa a gente jovem, então cada um tem que se responsabilizar pelo seu. A vida não tem ensaio geral. Você não tem outra chance, essa aqui é a sua hora!”

Outra amiga praticante de ciclismo, Denise Duboc, 58 anos, diz: “Estar acima dos 50 anos me fez enxergar com mais urgência, não deixo mais nada para resolver depois. O agora ficou mais intenso e precioso. Sinto-me jovem e o que me trouxe essa energia foi ter iniciado na prática do ciclismo há dois anos, quando eu estava lesionada da coluna e sem me exercitar. O ciclismo me tirou as dores e me trouxe uma galera jovem, uma alegria sem fim, sorrisos das 5 horas da manhã, energia de sobra. Trouxe também o desafio de aprender algo novo e que requer disciplina e muito amor. Não consigo me enxergar na terceira idade quando pedalo, na verdade me vejo simplesmente feliz!”

A eterna menina e ciclista Mirian Kracochansky, 56 anos, diz que se sente extremamente jovem depois dos 50 anos. “A idade não interfere na minha liberdade para vivenciar novas experiências, a idade não tirou o sorriso do meu rosto, a idade me tornou
como um bom vinho, quanto mais envelhece melhor fica. Algumas coisas colaboram para com a minha juventude: faço atividade física desde a tenra idade e nunca parei. Pratiquei vários esportes e hoje a prática do ciclismo, além de fazer muito bem para o meu corpo é uma terapia. Sou otimista. Acredito que o amor seja a chave da renovação. Acredito que o mau humor, o rancor, a depressão e o estresse sejam os principais fatores para o envelhecimento, por isto que para mim cuidar da alma e da mente são coisas tão importantes quanto cuidar do corpo. Quando se tem uma verdadeira razão para lutar pela vida, você não envelhece.”


Acima dos 60

Aprendizado e planos é o lema de Elza Ueda, 68 anos. Quando perguntei a Elza qual era a sua idade, ela logo me devolveu a pergunta: “Você quer saber a minha idade cronológica ou biológica? Tenho 68 anos de aprendizado! E, feliz por estar acima dos 60! Sinto-me muito jovem, pois ainda tenho muitos planos para o futuro, plano este diferente de 5 ou 10 anos atrás, pois o foco agora é a busca da felicidade.
O segredo de manter-me jovem é viver cada dia intensamente sem me preocupar com a idade cronológica. Tento aprender coisas novas dentro da minha capacidade, é claro. A bicicleta entrou na minha vida dentro deste propósito. Procurei aprender a pedalar aos 66 anos e hoje não imagino viver sem minhas bicicletas e, meu objetivo é fazer uma cicloviagem”


Crenças limitantes

Precisamos tomar cuidado com as crenças limitantes, que é no que você acredita e que limita a sua vida. Só você a toma por verdade. Portanto, é importante, à medida que a sua idade cronológica vai aumentando, desconstruir qualquer crença que passe pela sua cabeça. Desafiar as crenças limitantes é optar por uma postura mental de crescimento. Ao chegar aos 50 analisei impiedosamente a minha vida:

•Onde consegui chegar;

•O que aproveitei;

•Quais conquistas obtive, e o mais importante;

•Como será a próxima fase desta vida.


Algumas conclusões

Reúno aqui alguns dos meus aprendizados:

1.Sinta-se a sua prioridade número 1. Se você focar em seu próprio bem-estar, primeiro, você vai ter significativamente mais energia para ser capaz de ajudar os outros quando necessário. Lembre-se que praticar o autocuidado não é ser egoísta. É uma necessidade se você quer levar uma vida rica e produtiva.

2.Comprometa-se a desenvolver um estilo de vida saudável. Lembre-se de que 95 por cento de todas as doenças estão relacionadas com as escolhas de estilo de vida. Pode chocá-lo perceber que o estresse, exercício, nutrição e relacionamentos são os pilares de uma vida saudável.

3.Certifique-se de que amigos e sua família apoiam seu crescimento. Não mantenha pessoas tóxicas em sua vida. Qualquer um que consistentemente não é amoroso e solidário precisa ser eliminado ou mantido à distância.

4.Aprenda a dizer ‘não’. Você ficará encantada ao perceber que dizer não liberará seu cronograma e energia para fazer coisas que você realmente quer fazer.

5.Substitua pensamentos negativos automáticos em seu cérebro com pensamentos positivos.

6.Amor. Olhe-se no espelho do banheiro todas as manhãs (realmente olhar) e diga ‘bom dia’ e ‘eu te amo’. Pode parecer piegas, mas quanto mais você faz, mais você vai apreciar quem é, e vai descobrir a beleza do amor próprio.

7.Desenvolva uma prática diária de gratidão. Literalmente agradeça a tudo o que recebe em sua vida. Faça 5 minutos de pensamentos/meditação para integrar uma prática de gratidão em seu cotidiano.

8.Desenvolva a autoconsciência. Familiarizar-se com seus humores, motivações e desejos mais profundos são essenciais se você quer viver uma vida significativa, abundante e produtiva.

9.Assuma a responsabilidade por sua vida. “Eu sou responsável pela minha vida e eu escolho criar uma vida extraordinária”.

10.Acredite em suas próprias habilidades. Acredite em seu poder e capacidade de criar a vida que deseja.

11.Pare de se preocupar o que os outros pensam de você. Quando você se pegar em um modo de ‘insegurança’, chame seu sábio interior para lembrá-la que você precisa apenas da aprovação de si mesma e de mais ninguém.

12.Torne-se uma ouvinte melhor. Você sempre vai aprender mais se ouvir que falar. Isso lhe permitirá desenvolver conexões mais íntimas e mais profundas. Você também vai ter conversas mais interessantes e vai manter sua mente ativa e crescente.

13.Seja uma principiante. Se você quer viver uma vida rica, criativa e divertida, você precisa expor-se a novos empreendimentos — onde você obviamente vai ser um novato. E mesmo em uma área onde você tem experiência, sempre há mais para aprender e fazer.

14.Pratique o perdão. Ao perdoar você vai passar de sentimento ferido, isolado e preso na negatividade para uma explosão de energia positiva, alívio e compaixão.

15.Desenvolva sua criatividade. Todos nós nascemos criativos. Encontre maneiras de exercitar a criatividade e a insira em seu cotidiano.

16.Passe um tempo na natureza. Mesmo que você tenha só 20 minutos por dia para dar um passeio, o mesmo vai despertar os seus sentidos, e você vai descobrir rapidamente os benefícios mágicos para a sua vida.

17.Esvazie a mente. Pare o que estiver fazendo, sente-se, limpe sua mente de qualquer pensamento e faça 3 respirações profundas.

18.Não leve tudo muito a sério. A vida é um paradoxo. Saber como integrar diversão e riso em sua vida cotidiana é um tônico para a alma, impulsiona a criatividade e permite que você desenvolva conexões mais profundas com os outros.


Estilo de vida x Idade

Atualmente muitas empresas já se atentaram que segmentar o mercado tendo como critério a idade não é uma boa estratégia de marketing. Exemplos disto são a Netflix e a Amazon, que oportunamente triunfaram segmentando seus clientes/ações por comportamento e estilo de vida.


Alguns dados

•96% Das mulheres de mais de 40 anos não se sentem de “meia idade”

•80% Acreditam que os pressupostos da sociedade sobre as mulheres de meia idade não representam suas vidas

•67% Consideram-se em sua plenitude de vida

•84% Dizem que não se definem por sua idade

•91% Não acreditam que os anunciantes as entendam

Fonte: Revista Bicicleta

sexta-feira, 22 de maio de 2020

“Armstrong acusou Landis de ser um "bocado de m...." e já teve resposta”

Guerra entre antigos companheiros reacesa após apresentação do primeiro episódio do documentário sobre a vida de Armstrong

Foto: EPA

O início da guerra entre Lance Armstrong e Floyd Landis remonta a 2010, quando o segundo, depois de ter perdido o título da Volta à França de 2006 por consumo de doping, confessou que o fez e acusou outros colegas de equipa de também recorrerem ao uso de substâncias ilícitas. Num conjunto de emails enviados a várias autoridades, Landis pormenorizou os métodos e quem o fazia. Entre eles, estava Lance Armstrong.

Agora, depois da estreia documentário da ESPN sobre a vida do ex-ciclista, esta guerra foi ressuscitada, com Armstrong a tecer palavras duras relativamente ao antigo companheiro, na US Postal: "Poderia ser pior. Poderia ser Floyd Landis e levantar-me todos os dias a sentir-me um bocado de merda", afirmou Armstrong, mostrando que não perdoou o que Landis fez.

Todavia, a resposta de Landis, não se fez esperar. Em declarações à ESPN, explicou o que o levou a tomar a decisão de denunciar a prática regular de consumo de doping e expressa um desejo para Lance Armstrong: "Espero que encontre um pouco de paz".

"Tenho alguma empatia com ele, pois também sofri uma humilhação em público e dói. Queres culpar alguém e, por vezes, é mais fácil encontrar a coisa ou pessoa mais óbvia e culpá-la. Pode culpar-me, o seu caso até poderia ser um segredo, se não fosse eu. Não podia fazer mais. Tinha de limpar a minha imagem. Obviamente que ele não estará feliz com isso. Espero que encontre um pouco de paz na sua vida", reiterou Landis, ainda que explique que foi um processo muito complicado:

"Não estava seguro se alguém iria acreditar em mim e se lutas contra tipos como Lance, tens de ir com tudo. Pensei que necessitava de gente com mais força ao meu lado e sabia que o Governo Federal seria propenso a investigá-lo. Foi uma experiência muito traumática, foi um nível de humilhação pública muito duro para mim", salientou Landis.

Fonte: Record on-line