domingo, 15 de dezembro de 2019

“OSCAR PELEGRÍ 2º NA TAÇA DE ESPANHA DE PISTA”

Foto: Helena Dias

 

Com o final de 2019 a aproximar-se, começam a dar-se as primeiras pedaladas rumo ao novo ano e o corredor da Vito-Feirense-Pnb Oscar Pelegrí iniciou da melhor forma a temporada de 2020 com um brilhante segundo lugar no omnium, alcançado na primeira prova da Taça de Pista de Espanha, ao serviço da Selecção da Comunidade Valenciana.

 
No velódromo de Dos Hermanas, em Sevilha, Pelegrí terminou o conjunto das quatro provas pontuáveis do omnium no segundo lugar, com 29 pontos, saindo vencedor em eliminação, quarto na corrida tempo, quinto em scratch e sexto na corrida por pontos. O primeiro lugar sorriu a Illart Zuazubiskar (Selecção do País Basco), com 46 pontos.


Pelegrí correu ainda o madison, disciplina na qual fechou também no segundo lugar, em dupla com o companheiro de Selecção Josue Gómez, sendo vencedora a dupla do País Basco constituída por Illart Zuazubiskar e Markel Rodríguez.


Também em pista esteve João Matias, ao serviço da Selecção Portuguesa, na Taça do Mundo de Pista 2019-2020, em Brisbane, na Austrália, onde logrou um 15º lugar no omnium, com 54 pontos. A vitória sorriu ao neozelandês Aaron Gate, com 134 pontos, seguido do alemão Roger Kluge, com 116, e do japonês Elya Hashimoto, com 113 pontos.

Fonte: VITO-FEIRENSE-PNB EQUIPA PROFISSIONAL DE CICLISMO

“Equipa Portugal/João Matias 15.º na Austrália

Por: José Carlos Gomes

O português João Matias foi o 15.º classificado no concurso olímpico de omnium da etapa da Taça do Mundo de Pista, disputada em Brisbane, Austrália.

O corredor minhoto começou a competição com o décimo lugar em scratch, perdendo posições após o 18.º posto na corrida tempo. Seguiu-se a décima posição em eliminação, o que permitiu a João Matias iniciar a corrida por pontos como 14.º mais bem colocado.

Na prova decisiva, João Matias pontuou em dois sprints, o que não evitou a descida de um lugar na tabela. O corredor da Equipa Portugal fechou o concurso com 54 pontos. Na luta pelo pódio foram mais eficazes o neozelandês Aaron Gate, com 134 pontos, o alemão Roger Kluge, com 116, e japonês Elya Hashimoto, com 113.

A corrida não deu pontos a Portugal no ranking de qualificação para Tóquio 2020, uma vez só contam os três melhores resultados na Taça do Mundo. Para que Portugal somasse hoje pontos era necessário ficar numa posição mais adiantada do que o anterior pior resultado, o 11.º de há uma semana.

Na comparação com as nações concorrentes pelas vagas nos Jogos Olímpicos do próximo ano, Portugal perdeu terreno para os países imediatamente à frente, pois todos melhoraram posições anteriores e juntaram pontos ao pecúlio que já tinham acumulado. A Polónia ganhou 125 pontos, o Cazaquistão somou mais 175 e a Alemanha reforçou-se com 275 pontos.

Como nota positiva, nenhuma nação que persegue Portugal na busca da qualificação olímpica conseguiu ultrapassar a equipa nacional. Fica tudo em aberto para a última etapa da Taça do Mundo, em Milton, Canadá, de 24 a 26 de janeiro, e para o Campeonato do Mundo, entre 26 de fevereiro e 1 de março, em Berlim, Alemanha.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Tamaris Franke Fontinha em 14.º lugar no Mundial de Basileia”

Por: André Antunes

A portuguesa Tamaris Franke Fontinha terminou no décimo quarto lugar na prova individual de ciclismo artístico, do Campeonato do Mundo de Ciclismo de Sala, disputado em Basileia, Suiça.

A ciclista portuguesa terminou a competição com 105,21 dos 111 pontos alcançáveis. A vencedora foi a alemã Milena Slupina, com 189,73 pontos. Viola Brand, também da Alemanha, acabou na segunda posição, com 185 pontos, conquistando a prata pela terceira vez. No último lugar do pódio ficou a jovem austríaca Lorena Schneider, com 171,72 pontos.

A portuguesa conseguiu uma melhoria significativa face ao último Mundial, em Liège, onde finalizou a competição com 90,98 pontos.

Fonte: FPC

“Taça de Portugal de Ciclocrosse”

Mário Costa vence e Ana Santos conquista Taça de Portugal

Por: André Antunes

Mário Costa e Ana Santos, ambos da AXPO/FirstBike Team / Vila do Conde, venceram as respetivas provas em Vouzela, na quarta jornada da Taça de Portugal de Ciclocrosse, consagrando Ana Santos como vencedora final da geral de elite feminina.

Mário Costa venceu a prova de elite masculina, com 20 segundos de diferença para Roberto Ferreira (BTT Seia), segundo classificado. Em terceiro lugar, terminou Vitor Santos (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) a 24 segundos do primeiro. Com este resultado, Mário Costa tem praticamente assegurada a conquista da Taça. O corredor necessita apenas de pontuar na última jornada para conquistar a prova de elite masculina.

Ana Santos venceu nova jornada e assegurou a conquista da Taça de Portugal. A quarta vitória consecutiva da vilacondense demonstra a capacidade da jovem atleta, que dominou em todas a jornadas. Daniela Pereira (SAERTEX Portugal/Edaetech) ficou em segundo lugar, a 2m18s. Melissa Maia ( Korpo Activo BTT/UDL-União Desp.Lorvanense) garantiu o último lugar do pódio, ficando a 2m22s da primeira classificada. 

Os melhores sub-23 foram Miguel Salgueiro (Sicasal/Constantinos) e Rafaela Ramalho (Maiatos). Diogo Neves (BTT Loulé/Elevis) impôs-se em juniores. Tomás Mota (ACD Milharado/DriveonHolidays/Mafra) e Mariana Líbano (Maiatos) venceram em cadetes.

Nas categorias de veteranos destacou-se o master 30 Michel Machado (Vasconha BTT Vouzela), os masters 40 Rogério Matos (Rompe Trilhos/ Ajpcar) e Andreia Freitas (BTT Loulé /Elevis), o master 50 António Sousa e o master 60 Joaquim Pinto (Silva & Vinha/ADRAP/ Sentir Penafiel).

Paulo Fernandes (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact) venceu a prova de juvenis, uma categoria não pontuável para a Taça de Portugal, com o intuito de incentivar a participação e o gosto dos mais jovens pelo ciclocrosse.

A última jornada da Taça de Portugal será disputada em Paços de Ferreira, no dia 29 de dezembro.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Maria Martins quarta classificada em Omnium”

Por: José Carlos Gomes

A portuguesa Maria Martins prossegue a trajetória ascendente no ranking de qualificação olímpica de omnium depois de ter conseguido a quarta posição na prova da Taça do Mundo, disputada em Cambridge, Nova Zelândia.

A corredora da Equipa Portugal fez um concurso muito equilibrado, sempre perto do topo da classificação. Abriu com o terceiro lugar em scratch, foi quinta classificada na corrida tempo e quarta na eliminação. Entrou neste lugar na corrida por pontos, segurando a posição na prova decisiva.

Maria Martins fechou o concurso com 102 pontos. A japonesa Yumi Kajihara triunfou, com 129 pontos, seguida pela estadunidense Jennifer Valente, com 118, e pela canadense Allison Beveridge, com 111. Este resultado deixa Maria Martins no segundo lugar da geral da Taça do Mundo, com 1235 pontos, menos 140 do que a comandante, Yumi Kajihara. Mais importante do que isso, o desempenho na Nova Zelândia significa a conquista de mais 170 pontos no ranking de apuramento para os Jogos Olímpicos de Tóquio, consolidando Portugal como uma nação claramente dentro das balizas de qualificação, quando a fase de apuramento entra na reta final.

Portugal também competiu, na última madrugada, no setor masculino, de olhos postos em Tóquio. Ivo Oliveira e João Matias formaram a dupla nacional em madison. Os portugueses somaram quatro pontos, terminando na 11.ª posição. A prova foi conquistada pelos neozelandeses Aaron Gate e Campbell Stewart, com 129 pontos, seguidos pelos australianos Kelland O’Brien e Cameron Meyer, com 87, e pelos italianos Michele Scartezzini e Francesco Lamon, com 57.

Em termos de ranking olímpico, como apenas contam os três melhores resultados de uma nação em cada época da Taça das Nações, o resultado deste domingo significa uma melhoria de 120 pontos para Portugal, pois vai substituir no ranking o 15.º lugar da semana passada.

A qualificação olímpica portuguesa continua em aberto, tanto em madison como em omnium masculinos, embora se apresente como uma tarefa mais espinhosa do que o apuramento em omnium feminino, que, não estando fechado, está muito bem encaminhado.

Nas disciplinas não olímpicas, João Matias competiu em scratch, terminando na 12.ª posição. A vitória do ucraniano Roman Gladysh, que foi acompanhado no pódio pelo holandês Roy Eefting e pelo grego Christos Volikakis, segundo e terceiro, respetivamente.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/João Matias 11.º em omnium e Maria Martins 7.º em scratch”

Por: André Antunes

O português João Matias foi décimo primeiro no concurso de omnium da Taça do Mundo de Pista, que decorreu em Cambridge, Nova Zelândia. Maria Martins foi sétima classificada na corrida de scratch.

João Matias teve a tarefa de somar pontos na disciplina olímpica de omnium. O ciclista luso começou o concurso com o nono lugar em scratch, sendo 13.º, na corrida de tempo e nono na eliminação. Os 25 pontos somados na corrida por pontos permitiram ao atleta terminar a competição com 89 pontos, no décimo primeiro posto. O neozelandês Stewart Campbell venceu, com 142 pontos, seguido pelo australiano Cameron Meyer, com 133 pontos, e pelo cazaque Artyom Zakharov, com 129 pontos.

Maria Martins conseguiu o apuramento para a final de scratch. A ribatejana atingiu o sétimo lugar na corrida decisiva. A corrida foi discutida por quatro corredoras, que conseguiram uma volta de avanço à restante concorrência. No final da prova foi Holly Edmondston a ficar com a medalha de ouro, seguida pela uzbeque Olga Zabelinskaya e pela irlandesa Lydia Gurley.

No dia de amanhã, Maria Martins irá iniciar o concurso de omnium pelas 3h00, competindo até cerca das 6h30, enquanto que João Matias e Ivo Oliveira irão formar dupla em madison, às 4h00.

Fonte: FPC

“Doze equipas já confirmadas no pelotão da Volta ao Algarve”

Por: José Carlos Gomes

O pelotão da 46.ª Volta ao Algarve continua a ganhar forma, sendo já doze as equipas estrangeiras confirmadas na prova, que vai realizar-se entre 19 e 23 de fevereiro.


Depois de terem sido anunciadas sete formações do WorldTour, são agora confirmados mais três blocos da primeira divisão mundial. A alemã Team Sunweb e a estadunidense Trek-Segafredo regressam para mais uma participação, enquanto a Israel Cycling Acadey vai estrear-se na corrida do sul de Portugal.


São também conhecidas as primeiras duas equipas de categoria continental profissional com convite assegurado para a prova portuguesa do circuito UCI ProSeries, ambas repetentes na Volta ao Algarve: a espanhola Caja Rural-Seguros RGA e a belga Wanty Gobert-Tornans.


As formações previamente confirmadas são a Astana Pro Team, Bora-hansgrohe, CCC Team, Deceuninck-Quick Step, Groupama-FDJ, Lotto Soudal e UAE Team Emirates.


A 46.ª Volta ao Algarve terá cinco etapas e um total de 771,4 quilómetros. Começa com uma ligação de 195,6 quilómetros, entre Portimão e Lagos, prevendo-se uma chegada ao sprint. A segunda tirada liga Sagres ao alto da Fóia, em Monchique, ao longo de 183,9 quilómetros, adivinhando-se que seja o primeiro confronto entre os candidatos à camisola amarela final.


Os velocistas têm nova oportunidade na terceira etapa, a mais longa da competição, 201,9 quilómetros, entre Faro e Tavira. Ao quarto dia o pelotão parte de Albufeira para chegar no alto do Malhão, em Loulé, depois de cumpridos 169,7 quilómetros. A corrida termina com a chamada “prova da verdade”, um contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, com início e final em Lagoa.


Percurso

19 de fevereiro - 1.ª Etapa: Portimão – Lagos, 195,6 km

20 de fevereiro: - 2.ª Etapa: Sagres – Fóia (Monchique), 183,9 km

21 de fevereiro - 3.ª Etapa: Faro – Tavira, 201,9 km

22 de fevereiro - 4.ª Etapa: Albufeira – Malhão (Loulé), 169,7 km

23 de fevereiro – 5.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 20,3 km (CRI) 

Fonte: FPC

 

“ANADIA EM DESTAQUE NOS 120 ANOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CICLISMO”

Fotos: UVP-FPC / João Fonseca

A União Velocipédica Portuguesa – Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) está a celebrar o seu 120.º aniversário, e, na gala realizada no passado sábado, 30 de novembro, em Lisboa, as felicitações foram também para o Centro de Alto Rendimento (CAR) de Anadia, em Sangalhos, e para o Município de Anadia, pelo importante apoio que vem dando à modalidade.

Maria Teresa Belém Cardoso, presidente da Câmara Municipal de Anadia, marcou presença no evento, e foi na sua pessoa que Delmino Pereira, presidente da FPC, deixou expresso o público agradecimento à autarquia, lembrando que Anadia é, neste momento, “o local de excelência para o alto rendimento” no que ao ciclismo diz respeito.

É aí que se encontram “o velódromo e umas infraestruturas de sonho”, e onde são proporcionadas “condições excecionais que nunca tivemos”. Considerou, ainda, que no CAR Anadia “está o futuro da nossa modalidade” e que é ali que “as novas gerações têm a oportunidade de desenvolver o ciclismo de alto rendimento”, o que só é possível “com o acesso às grandes infraestruturas e aos grandes técnicos”.

Também o Secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, ao falar sobre os ídolos do ciclismo e dos atletas atualmente envolvidos nos projetos paralímpico e olímpico, fez uma especial referência ao CAR Anadia, onde “nasceram” ciclistas como “os irmãos Ivo e Rui Oliveira, que, juntamente com a Maria Martins, estão a defender Portugal na pista”.

Dirigiu-se à edil de Anadia para agradecer a todos os autarcas “que contribuem de forma muito decisiva para o desenvolvimento desportivo”. “Temos um orgulho muito especial no CAR Anadia na medida em que, ainda muito recentemente, foi considerado um Centro Satélite de treino, para a Europa, pela UCI” afirmou, fazendo também alusão às pistas de XCO e de BMX que integram aquele equipamento, e mencionando a sua importância para a “vertente mais urbana, mais contemporânea, e vanguardista” que será necessária para atrair mais jovens para a modalidade.

A ligação de Anadia ao ciclismo será quase tão antiga como a presença da bicicleta em Portugal. O anadiense Mário Duarte, que se pensa que ter sido a primeira pessoa a pedalar na Bairrada, e que, em 1905, foi considerado “o desportista mais completo de Portugal”, sagrou-se campeão nacional de ciclismo amador em 1896 e 1898.

 A popularidade da bicicleta e do ciclismo em terras anadienses justificará, em 1910, a organização de uma corrida pelo Centro Velocipédico Anadiense, e a existência, já na década de 20, de ciclistas nas hostes do Anadia Futebol Clube. Muitos ciclistas anadienses participavam, então, em provas realizadas no concelho – Taça Curia, Volta à Bairrada, Circuito da Bairrada,… - e noutros pontos do país, vencendo em muitas delas. Em 1940, surge o Sangalhos Desporto Clube, cujas cores Alves Barbosa envergava quando, em 1951, 1956 e 1958, ganhou a Volta a Portugal em Bicicleta. Não será, pois, de estranhar a criação em Sangalhos, em janeiro de 1960, da Associação de Ciclismo da Beira Litoral, que ali mantém a sua sede até aos dias de hoje.

No entanto, as crescentes exigências da competição foram ditando um lento declínio da modalidade no Sangalhos DC, e até a sua famosa pista foi, com o correr dos anos, evidenciando as marcas do tempo. Mas foi esta mesma situação que acabou por dar o mote para o renascimento do ciclismo em Anadia e na Bairrada, e, ao mesmo tempo, para uma verdadeira revolução na modalidade, graças à construção do CAR Anadia, assumida pelo Município de Anadia.

Inaugurado no dia 11 de setembro de 2009, com Alves Barbosa a estrear a pista do velódromo, este CAR veio criar condições para a prática do ciclismo em contexto de alto rendimento. Ali têm sido realizados inúmeros estágios e provas, nacionais e internacionais, conquistadas medalhas e quebrados recordes, no ciclismo e não só, já que a sua polivalência permite também acolher a atividade das federações de ginástica, judo, esgrima, e pentatlo moderno, para além de eventos com caráter não desportivo.

 Sintoma do ressurgimento do ciclismo na região é a criação, em 2013, do Clube de Ciclismo da Bairrada / Bairrada Cycling Team, sediado em Anadia, que tem desempenhado um papel primordial no desenvolvimento da modalidade na região e no país, graças ao trabalho de formação que vem realizando, e que tem contribuído para o aparecimento de novos talentos.

Fonte: Câmara Municipal Anadia

“JOÃO MATIAS EM CAMBRIDGE NA TAÇA DO MUNDO DE PISTA”

João Matias esteve ao serviço da Selecção Nacional em mais uma etapa da Taça do Mundo de Pista, desta feita em Cambridge, na Nova Zelândia, onde o corredor da Vito-Feirense-Pnb participou nas disciplinas olímpicas do omnium e madison e também no scratch.

No omnium, Matias terminou no 11º lugar, com 89 pontos. A vitória pertenceu ao neozelandês Stewart Campbell, com 142 pontos, seguido do australiano Cameron Meyer, com 133, e do cazaque Artyom Zakharov, com 129. Em madison, Matias fez dupla com Ivo Oliveira (UAE Team Emirates), finalizando na 11ª posição, com quatro pontos.

A vitória pertenceu aos neozelandeses Aaron Gate e Campbell Stewart, com 129 pontos, seguidos dos australianos Kelland O’Brien e Cameron Meyer, com 87, e dos italianos Michele Scartezzini e Francesco Lamon, com 57. Por fim, na disciplina de scratch, João Matias fechou no 12º lugar, com a vitória a sorrir ao ucraniano Roman Gladysh, seguido do holandês Roy Eefting e do grego Christos Volikakis.

Fonte: VITO-FEIRENSE-PNB EQUIPA PROFISSIONAL DE CICLISMO

“Alcobaça com 5 troféus no Regional de Santarém”

Por: Joaquim Marques

Cinco troféus da Taça Regional de Santarém foram conquistados por cinco atletas do Alcobaça Clube de Ciclismo/Crédito Agrícola, que desta forma fecham o ano de 2019 com os olhos postos na próxima época.

João Andrade arrebatou o 1º lugar no escalão de Masters 50, enquanto na formação, nos escalões de Cadetes e Juniores, a equipa alcobacense conquistou quatro dos seis troféus em disputa. No escalão de cadetes Tiago Belchior alcançou o 2º lugar e Ricardo Ramos ficou na 3ª posição apenas deixando escapar o 1º lugar para a concorrência.

No escalão de Juniores, o cenário foi igual, com Carlos Fernandes a ocupar o 2º lugar e Miguel Correia a ficar na 3ª posição e apenas a deixarem escapar o 1º lugar.

Os troféus foram entregues no passado sábado, no Centro Cultural Gonçalves Sapinho, na Benedita, no decorrer da Gala de Encerramento da Época de 2019 promovida pela Associação de Ciclismo de Santarém, numa sessão muito concorrida, mas onde se nota a predominância do BTT em detrimento do ciclismo de estrada.

No decorrer da Gala foram ainda agraciados os atletas da região que alcançaram títulos nacionais e os campeões regionais, entre os quais se contava o atleta João Andrade, master 50, a correr com a camisola do Alcobaça Clube de Ciclismo/Crédito Agrícola e que, esta época, mais uma vez, fez a dobradinha ao vencer a Taça Regional e a ser Campeão Regional.

A formação continua a ser a primeira aposta do Alcobaça Clube de Ciclismo/Crédito Agrícola e os resultados continuam a compensar com a conquista de quatro dos seis troféus em disputa.

Fonte: Alcobaça Clube de Ciclismo