domingo, 18 de junho de 2017

“Ster ZLM: José Gonçalves confirma triunfo”

Ciclista português terminou etapa com o mesmo tempo do vencedor e segurou camisola amarela até ao fim

Foto: Filipe Farinha

O português José Gonçalves (Katusha Alpecin) confirmou este domingo a vitória no Ster ZLM, que terminou em Oss, na Holanda, com a quinta e última etapa a ser vencida ao 'sprint' pelo alemão Marcel Kittel (Quick-Step Floors).

Kittel superiorizou-se aos restantes velocistas no final dos 181 quilómetros percorridos em Oss, terminando com um tempo de 3:59.55 horas, com o holandês Dylan Groenewegen (LottoNL-Jumbo) e o alemão Andre Greipel (Lotto Soudal) a fechar o pódio.

José Gonçalves, o único português em prova, surgiu no 13.º posto, com o mesmo tempo do vencedor, e confirmou a vitória na geral, que construiu no sábado ao vencer a 'etapa rainha' da prova holandesa.

O português atacou, então, a 25 quilómetros do fim e venceu a tirada. Neste domingo venceu um 'sprint' intermédio, recebendo bonificação de tempo em relação aos rivais pela geral.

O ciclista, de 28 anos, concluiu a prova com 11 segundos de vantagem sobre Primoz Roglic (LottoNL-Jumbo) e 13'' sobre Laurens de Plus (Quick-Step Floors).

O ciclista natural de Barcelos, que este ano terminou a Volta a Itália na 60.ª posição, assegurou uma das mais importantes vitórias da carreira na 31.ª edição da corrida holandesa, depois de em 2016 ter vencido a Volta à Turquia e uma etapa da Volta a Portugal.

Fonte: Record on-line

“Volta à Suíça: Simon Spilak triunfa e Rui Costa acaba em 5.º lugar”

Australiano Rohan Dennis impôs-se no contrarrelógio final

Por: Lusa

Foto: EPA

O eslovaco Simon Spilak (Katusha Alpecin) venceu este domingo a Volta à Suíça, ao segurar a vantagem no contrarrelógio final, ganho pelo australiano Rohan Dennis (BMC). Já Rui Costa confirmou o quinto lugar da classificação geral.

Na nona e última etapa da Volta à Suíça, domínio total da BMC: além de Dennis, que cumpriu os 28,6 quilómetros do 'crono' em 36.30 minutos, o segundo lugar foi para o suíço Stefan Kung e o terceiro para o italiano Damiano Caruso.

Spilak, que tinha a ameaça de Caruso à geral, foi quinto a 51 segundos do vencedor e segurou a vitória na geral individual, com o italiano em segundo e o holandês Steven Kruisjwijk (LottoNL-Jumbo) em terceiro.

O eslovaco voltou a vencer a prova suíça, que já tinha conquistado em 2015, e deu a segunda vitória do dia à Katusha Alpecin, depois de José Gonçalves ter conquistado a Ster ZLM, na Holanda.

Rui Costa (UAE Team Emirates), que venceu a prova em 2012, 2013 e 2014, terminou o 'crono' em 17.º lugar, a 1.25 minutos de Rohan Dennis, mas segurou o quinto posto que trazia da sétima etapa.

O português, de 30 anos, junta este 'top 5' à vitória na Volta a Abu Dhabi e ao segundo lugar na Volta a Omã, bem como o quinto na Volta a San Juan (Argentina), numa temporada em que o antigo campeão do mundo de estrada se estreou no 'Giro' de Itália com um 27.º lugar na geral individual.

O tricampeão português de contrarrelógio, Nelson Oliveira (Movistar), terminou o último dia na Suíça no 25.º lugar, a 1.58 minutos, e subiu uma posição na geral para o posto final de 38.º.

Fonte: Record on-line

“Asfic vence coletivamente na Maceira”

Decorreu ontem, 17 de Junho, o 2.º Circuito Ciclista da Maceira, concelho de Leiria.

Tratou-se de um circuito com 10 voltas, tendo cada volta 8,800m, perfazendo o total de cerca de 90 km.

A equipa da ASFIC Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic apresentou-se para esta prova com 7 atletas, Rui Rodrigues, João Portela, Humberto Careca, Jorge Letras, Luis Vicente, Hugo Feijão e Anibal Santo.

Durante a corrida houve várias fugas e tentativas de fuga, que foram todas sempre anuladas e a prova viria a acabar ao Sprint, tendo o Atleta da ASFIC Rui Rodrigues, cortado a meta em 3º lugar.

Rui Rodrigues venceu também na sua categoria.

Coletivamente a ASFIC foi a melhor equipa, alcançando o primeiro lugar.

Fonte: ASFIC


“Bombarralense Mostra-se Ambiciosa!”

No dia 12 de Junho, o Sport Clube Escolar Bombarralense, com a sua equipa júnior, a Sicasal – Liberty Seguros – Bombarralense, marcou presença no Prémio Vítor Rocha, em Maiorga.

A equipa marcou presença sem os ciclistas Leonel Firmino e Rodrigo Pereira (lesionados), Francisco Guerreiro (motivos pessoais) e Francisco Duarte (que participou no 61º Circuito de Santo António, em Amares, fechando em 11º). A equipa foi representada então por Rodrigo Duarte, Wilson Esperança, António Pintassilgo, Rafael Costa, Guilherme Simão e Bruno Valentim.

A prova era constituída por 40 quilómetros, distribuídos por um circuito de 2 quilómetros de extensão, num total de 20 voltas.

O objectivo da equipa passava por trabalhar para Wilson Esperança e António Pintassilgo, ambos da zona de Alcobaça. Com 53 ciclistas em prova, Guilherme Simão entrou na fuga do dia e táctica da equipa mudou. Com probabilidade de sucesso, a estratégia passou então por fazer a fuga vingar, descoordenando a perseguição feita pelo pelotão a esta. Na hora das decisões, Simão honrou a equipa com um 2º lugar, apenas batido ao sprint pelo colega de fuga Carlos Salgueiro, da ACD Milharado. A equipa coroou a boa prestação com Rafael Costa a fechar o top-10. Colectivamente o Bombarralense foi a 2ª melhor equipa.

A equipa concentra-se agora no estágio a realizar neste fim-de-semana, de modo a ultimar pormenores para atingir os objectivos propostos nos Campeonatos Nacionais, que decorrem entre 30 de Junho e 2 de Julho, em Castelo de Vide.

Fonte: Bombarrelense

Calendário de Junho

24 e 25          Estágio de Equipa (Estrada)

30       Nacionais Contra-Relógio

2/7      Nacionais de Estrada

“Taça de Portugal de XCO”

Mário Costa e Maaris Meier vencem no Jamor

Mário Costa (Primaflor-Mondraker) e Maaris Meier (Maiatos/Reabnorte) impuseram-se hoje na quarta prova da Taça de Portugal de Cross Country Olímpico (XCO), disputada na pista permanente do Centro Desportivo Nacional, no Jamor.

A corrida de elite masculina teve direito a um empolgante mano a mano, apenas decidido com a meta à vista. Mário Costa conquistou o triunfo, mas teve de suar as estopinhas – e não apenas devido ao calor – para superar José Dias (Seissa/KTM Bikseven/Matias & Araújo/Frulact), que cortou a meta apenas 2 segundos depois. O antigo profissional de estrada Bruno Sancho fez uma corrida em recuperação, de trás para a frente, terminando no terceiro posto, a 1m55s.

A vitória na prova do Jamor deixou Mário Costa mais folgado no topo da geral da Taça, tendo incrementando a vantagem sobre José Dias para 18 pontos. João Rocha (ACRG/Gondomar) foi o melhor sub-23, solidificando a condição de comandante nesta categoria.

A prova feminina assistiu também a um duelo intenso, envolvendo a estoniana Maaris Meier e a jovem campeã nacional de sub-23, Ana Tomás (BTT Seia). A experiente corredora da formação maiata levou a melhor, enquanto a jovem viseense pagou a fatura do esforço sob calor extremo, desistindo na última volta para a qual entrou no segundo lugar. A galega Lucia Vázquez (ProRebordosa/Oforsep/RJ Group) acabou por ser a segunda classificada, a 3m06s. Ana Vale (Batotas/Ponte de Lima) fechou o pódio, a 8m16s.

Ausente devido a lesão, Joana Monteiro (Primaflor-Mondraker) cedeu a primazia na geral a Maaris Meier. Beatriz Guedes (Róódinhas/Santos Silva) aproveitou a desistência de Ana Tomás e passou para a frente da Taça de Portugal de sub-23 femininas.

A corrida de juniores masculinos foi palco do já costumeiro duelo entre Carlos Salgueiro (Maiatos/Reabnorte) e Guilherme Mota (Marrazes/Gui/Brejinho/BikeZone Leiria). Os dois foram os primeiros a passar a meta, mas acabaram desqualificados, porque não cumpriram o percurso correto da prova. O primeiro classificado foi Rafael Rita (BTT Loulé/BPI/Elevis), que passou para a frente da geral. Marta Branco (Maiatos/Reabnorte) dominou em juniores femininas e continua a contar por vitórias todas as corridas da Taça de Portugal de 2017.

O espanhol Carlos Blanco (Academia Postal/Actyon/MMR/Maceda) foi o melhor cadete, cimentando o primeiro lugar na geral. Ana Santos (ASC/Focus Team/Vila do Conde) venceu em cadetes femininas, Daniela Campos (BTT Loulé/BPI/Elevis) continua na dianteira.

O master 30 André Filipe (CPR A-do-Barbas) seguiu a trajetória invicta, ganhando a quarta corrida em quatro disputadas, o mesmo tendo feito a master feminina Ângela Gonçalves (BTT Seia). Davide Inácio foi o ganhou em master 40 e Reinaldo Luís (ProRebordosa/Oforsep/RJ Group) impôs-se em master 50. Em todos os casos, os veteranos vitoriosos na corrida deste domingo saíram do Jamor na frente da classificação geral das respetivas categorias.

Ricardo Gomes (Saertex Portugal/Edaetech) triunfou entre os corredores com deficiência auditiva, reforçando a primeira posição no ranking da Taça de Portugal.    

Os Maiatos/Reabnorte ganharam por equipas.

Fonte: FPC

“Campeonato Nacional DHI”

Francisco Pardal e Filipa Peres mais rápidos em Tarouca

Francisco Pardal (Penacova DH/UD Lorvanense) e Filipa Peres (MS Racing Portugal) venceram hoje as provas de elite do Campeonato Nacional de Downhill (DHI), realizado em Tarouca.

Francisco Pardal voou para recuperar o estatuto de campeão nacional de elite, que já lhe pertencera em 2011 e em 2013. Foi o mais rápido na manga de qualificação e conseguiu superar-se na final. O corredor natural de Coimbra fechou a manga decisiva em 2’51’’525, um tempo-canhão que deixou toda a concorrência muito longe.

Emanuel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo) foi o segundo classificado, a 2,38 segundos. Vasco Bica (MS Racing Portugal) chegou a Tarouca com o estatuto de bicampeão nacional, mas não logrou o tri. Ficou-se pelo terceiro posto, a 2,79 segundos do vencedor.

A prova de elite feminina foi disputada por três corredoras. Filipa Peres foi a mais rápida, cumprindo a final em 3’30’’051, o que lhe valeu a quarta vitória consecutiva no Campeonato Nacional de DHI. Margarida Bandeira (Montanha Clube LouzanPark) foi a segunda classificada, a 18,55 segundos. A terceira foi Ana Leite (Enduro BTT de Braga), a 1’10’’14.

Tomás Barreiros (ADAR/Ofimoto) triunfou entre os juniores e Gonçalo Bandeira (Montanha Clube Louzanpark) foi o melhor cadete. Daniel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo), em master 30, Rui Cruz (MCF/Xdream/Município de S. Brás), em master 40, e José Salgueiro (MCF/Xdream/Município de S. Brás), em master 50, conquistaram os títulos de veteranos.

A cadete Carolina Claro (Casa do Povo de Abrunheira) e a master Ana Martins (Penacova DH/UD Lorvanense) correram sem adversárias nas respetivas categorias.

Os algarvios da equipa MCF/Xdream/Município de S. Brás impuseram-se na classificação coletiva.

Fonte: FPC

“Vicente Garcia de Mateos venceu Grande Prémio Abimota Louletano - Hospital de Loulé - Fibralgarve sempre de amarelo”

Não deixou margem para dúvidas a vitória do espanhol, chefe de fila da equipa algarvia, na edição comemorativa dos 40 anos do Grande Prémio Abimota, uma das mais características competições do calendário do ciclismo português que terminou, este domingo, em Águeda. 

Vicente Garcia de Mateos conquistou a liderança logo ao primeiro dia na etapa que terminou junto ao castelo de Belmonte. O triunfo folgado, mais de um minuto para o segundo classificado, abriu boas perspetivas ao corredor de 28 anos que tranquilamente e cheio de confiança declarou sentir-se a atravessar um excelente momento de forma. O chefe de fila do Louletano acreditava ter conquistado a vantagem suficiente para chegar ao fim com a camisola da liderança. Se bem o declarou também o confirmou nas etapas seguintes com a ajuda de toda a equipa orientada pelo diretor desportivo, Jorge Piedade. Na chegada ao Sabugal, no segundo dia, Vicente perdeu apenas sete segundos chegando no grupo da frente. A terceira etapa, mais uma vez discutida sob calor intenso, mostrou o "comboio algarvio" a controlar a frente do pelotão e a reservar, ao máximo, o líder para os quilómetros finais. A lição estava bem estudada e na aproximação a Manteigas eis que surgiu o espanhol, natural de Castilla La Mancha, a discutir o risco da meta. A vitória escapou-lhe por muito pouco, foi segundo classificado com o mesmo tempo do vencedor e com a bonificação da chegada reforçou a liderança para o derradeiro dia. 

Este domingo, nos 176 quilómetros da ligação mais longa do Grande Prémio Abimota 2017, discutida entre Gouveia e a Capital das Duas Rodas, a cidade de Águeda, o LouletanoHospital de Loulé-Fibralgarve provou novamente estar à altura de defender a camisola amarela e até tentar a vitória de etapa, o que aconteceu com o sprint fantástico de Luís Mendonça, terceiro classificado e cronometrado com o tempo do vencedor.  Vicente Garcia de Mateos concluiu a quarta e derradeira etapa em quinto lugar e confirmou em definitivo a entrada na lista de vencedores do Abimota. O espanhol sucede a Filipe Cardoso, vencedor do ano passado e segundo classificado desta vez. O pódio da prova ficou completo com César Fonte na terceira posição. 

“Sempre acreditei que podia vencer depois da vantagem alcançada em Belmonte. Sinto-me muito bem e confiando nas minhas capacidadades e nas da equipa sabia que não podia falhar. Agora vou desfrutar deste triunfo com os meus companheiros e naturalmente já estou a pensar na Volta a Portugal que é o grande objetivo da temporada”, declarou o satisfeito e sorridente vencedor do Grande Prémio Abimota. Apesar do desgaste de defender diariamente a camisola amarela, a equipa Louletano-Hospital de Loulé-Fibralgarve saiu de Águeda com o quarto lugar coletivo

Fonte: Louletano Ciclismo

“Galeria Multimédia” divulgação das Fotos do “18º Convívio Cicloturistico Associação Pescadores Musgueira.2017”

Já estão on-line na “Galeria Multimédia”, as fotos do “18º Convívio Cicloturistico Associação Pescadores Musgueira.2017” realizado este domingo em Lisboa, as mesmas podem ser visualizadas em: https://photos.google.com/share/AF1QipPwgeyOMi_3QerR4-nrIMDMI18Pcb6ah5ZOVw-jx9gKOLvW6UfNVV-4fXs_D4n6dA?key=VWFReVIzcV9kYVp1SFV6NWV0MVIxVXlOOWVvMXJB

"18º Convívio Cicloturistico Associação Pescadores Musgueira"

Texto e fotos: José Morais

Voltamos novamente esta semana a Lisboa, desta vez no Lumiar, para acompanhamos o 18º passeio de cicloturismo, organizado pela Associação Recreativa Pescadores da Musgueira Norte, um evento do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), que contou com os apoios da Junta de Freguesia do Lumiar e Câmara Municipal de Lisboa.

Com cerca de 55 quilómetros para percorrer, a concentração ocorreu pelas 8 horas junto às instalações da Junta de Freguesia do Lumiar, sendo dada a partida cerca das 9,15, com os participantes a entrarem pela Alameda das Linhas de Torres, Av. Rainha D. Amélia, Telheiras, Av. Padre Cruz, Campo Grande, Entre Campos, Campo Pequeno, Saldanha, Marques de Pombal, Rato, Estrela, Av., Infante Santo, Av. Brasília, Belém, e Algés, onde junto à Doca Pesca foi tempo de paragem, e abastecimento liquido e sólido.

Retomadas as pedaladas, fez agora o inverso, percorrendo o mesmo trajeto até Alcântara, seguindo-se pelo Cais do Sodré, Terreiro do Paço, Av. Infante D. Henrique, Av. Marechal Gomes da Costa, Rotunda do Relógio, Av. do Brasil, Campo Grande, Alta de Lisboa, Estrada da Torre, Alameda da Linhas de Torres, e Quinta da Conchas, onde o evento terminou, cerca das 12,45 no magnífico espaço verde que os lisboetas possuem ali á sua disposição.

O postal ilustrado do passeio:

Numa manhã que prometia ser de muito calor, já que o mesmo se fez sentir logo pela manhã, o sol manteve-se encoberto parte do percurso, mas com uma aragem bem quente, depois o mesmo apareceu em força, o que as temperaturas ultrapassaram os 30 graus, e no final a baterem os 36, não foi motivo de desanimação dos participantes, que pedalaram a bom ritmo, com um pelotão quase sempre compacto, já que a velocidade mantida era de passeio e não de corrida, já de que isso não se tratava, o que satisfez as várias centenas de participantes que participaram nesta pedalada por Lisboa. 


Foi um belo passeio, apenas uma queda marcou o mesmo, um elemento dos Águias do Boavista, que tocou num lancil, e acabou por cair, tendo de ser transportado ao hospital, mas sem nada de grave, descuidos que muitas vezes terminam em acidentes. De referenciar ainda, o excelente trabalho feito pela PSP-Trânsito, um trabalho de louvar, e da organização que tentou dar o seu melhor, sabendo receber na sua terra, tentado dirigir o passeio o melhor possível num trajeto de dificuldade, baixa/média, e terminando com um grande almoço convívio, onde não faltaram no final as tradicionais lembranças alusivas ao mesmo.

E em final de reportagem, nada melhor do que fazer uma referência à origem de um bairro em tempos visto com receio, um bairro muito problemático, onde infelizmente nem todos se podem colocar no mesmo saco, existiam os problemáticos, mas onde também existiam pessoas corretas, pessoas de bem, com os votos de bons passeios boas pedaladas, aqui fica e história da Musgueira.

Musgueira, atualmente inserido no novo bairro da Alta de Lisboa, pertence ao Lumiar, uma freguesia com muita história, muita tradição, e para quem não conhece um pouco desta freguesia do Lumiar, aqui ficam alguns pontos da mesma, foi criada em 2 de abril de 1266. Em 1312, D. Dinis efetua a partilha dos bens do Conde de Barcelos, ficando para D. Afonso Sanches, seu filho bastardo e genro do Conde, uma quinta e casa de Campo no Lumiar, a que se passou a chamar Paços do Infante D. Afonso Sanches. No reinado de D. Afonso IV, esta residência nobre adquire a designação de Paço do Lumiar, a qual ainda hoje se mantém.

No início do séc. XVIII, era definido o Lumiar como “um sítio de nobres quintas, olivais e vinhas”, sendo os principais frutos da terra o vinho, o trigo, a cevada e o azeite. Em meados do séc. XIX, realizavam-se no Lumiar três feiras anuais (Fevereiro, Junho e Agosto), todas muito concorridas, especialmente a de Santa Brígida, em que havia romaria e bênção do gado. De 1852 a 1886, esta freguesia esteve integrada no concelho dos Olivais, sendo finalmente incorporada no território da Cidade de Lisboa, em 18 de julho de 1885, desde os princípios do séc. XIX que a população da freguesia tem tido progressivo aumento.

 No séc. XX, assiste-se na freguesia a um forte aumento populacional – 2.840 habitantes em 1900 para mais de 30.000 em 2000, tendo a antiga aldeia perdido, nas últimas décadas, quase definitivamente as suas características, com os diversos parques habitacionais. A grande aposta atual é o bairro da Alta de Lisboa. Foi inaugurado, no dia 10 de Outubro de 2007, o último troço do eixo norte-sul, facilitando o trânsito de toda a capital portuguesa, a freguesia do Lumiar é servida pelo parque recreativo Quinta das Conchas e dos Lilases.

Podem ser visualizadas mais fotos em: