sábado, 5 de agosto de 2017

“Penafiel recebe campeonatos nacionais dedicados aos amantes do cross”

Penafiel receberá centenas de atletas de todos os cantos do país que se deslocarão à região norte para a disputa de um evento dedicado ao Triatlo e Duatlo Cross. Sob o mote “Sentir Penafiel”, a organização conjunta da Câmara Municipal de Penafiel, da Associação Mouzinho Aventura e da Federação de Triatlo de Portugal convida todos os interessados a competir nas provas do Campeonato Nacional Individual de Triatlo Cross e do Campeonato Nacional Individual de Duatlo Cross, sendo também realizada uma Prova Aberta destinada a todos os interessados em participar.

Sábado, dia 19 de Agosto, será reservado à disputa do CN Individual de Triatlo Cross. Neste dia, todos os amantes do todo-o-terreno estão convidados a competir numa prova que coroará os campeões nacionais da modalidade e que se apresenta como uma excelente oportunidade para aqueles que procuram uma experiência de triatlo diferente e desafiante.

Com partida assinalada no rio Tâmega, a competição levará todos os participantes a percorrer 750m de natação seguidos de 21,6km de ciclismo e de 5km de corrida final. O verdadeiro desafio da prova será revelado ao longo dos percursos da região onde a altimetria acumulada e as condições do terreno prometem colocar à prova a capacidade física dos triatletas presentes. Fator que trará enorme exigência à competição e que, complementado pelo percurso de ciclismo em linha, irá oferecer a possibilidade de desfrutar das paisagens locais.

No dia seguinte, domingo 20 de Agosto, será disputado o Campeonato Nacional Individual de Duatlo Cross. Competição que reunirá os amantes da modalidade, na variante de todo-o-terreno, para competirem pelo maior título individual do nosso país.

Todos os participantes serão desafiados a completar uma prova composta por um segmento inicial de 5km de corrida, seguido de 24,5km de ciclismo e que culminará com um segmento final de corrida de 2,5km. Todos os percursos serão tão desafiantes quanto os da prova de Triatlo e farão da cidade de penafiel o centro de toda a atividade.

Será desta forma que Penafiel marcará o calendário competitivo nacional. Através da realização de um evento único que oferece a possibilidade de competir em triatlo e duatlo, no formato todo-o-terreno, e que promete a todos os inscritos o desenrolar de competições que colocarão à prova as suas capacidades bem como a possibilidade de conquistar títulos nacionais. Esperamos encontrar um grande número de atletas para participar num dos maiores eventos de 2017.

Fonte: FTP

“David Luís em 12.º nos Europeus de sub-23”

Na prova feminina, Helena Carvalho foi 15.ª

Por: Lusa

O português David Luís terminou este sábado na 12.ª posição os Europeus de de sub-23 de triatlo, em Velence, na Hungria, onde Helena Carvalho foi a melhor lusa, no 15.º posto.

Na prova masculina, David Luís terminou a prova em 57.16 minutos, com Alexandre Nobre a ser 23.º, em 58.26, e Pedro Afonso Gaspar a ser 26.º, em 58.51.

Acima da hora de prova ficaram Rafael Domingos (38.º, em 1:01.09 horas), Nuno Ribeiro (40.º, em 1:01.22), e André Dias (47.º, em 1:04.45).

O vencedor foi o húngaro Bence Bicsak, em 55.54 minutos, à frente do suíço Sylvain Fridelance (56.18) e do compatriota Márk Dévay (56.29).

Helena Carvalho concluiu a prova feminina na 15.º posição, com um tempo de 1:06.01 horas, tendo Andreia Ferrum sido 26.ª, em 1:08.57, e Ana Ramos terminado em 1:12.32, no 31.º posto.

A nova campeã europeia de sub-23 é a britânica Georgia Taylor Brown, em 1:01.55 horas, seguida da húngara Zsanett Bragmayer (1:02.15) e da compatriota Sian Rainsley (1:02.42).

Fonte: Record on-line

“Mikel Landa vence Volta a Burgos”

Português Ricardo Vilela terminou em 38.º lugar

Por: Lusa

Foto: Volta a Burgos | Site

O espanhol Mikel Landa (Sky) confirmou este sábado o triunfo na Volta a Burgos, depois de envergar a camisola amarela desde o primeiro dia, enquanto o português Ricardo Vilela (Manzana-Postobom) foi 38.º classificado.

Landa, quarto classificado no último Tour, assegurou o triunfo ao chegar no terceiro lugar da quinta e última etapa, a 11 segundos do vencedor, o colombiano Miguel Ángel López (Astana).

O espanhol Enric Mas (Quick-Steps Floors), segundo na geral, a 40 segundos de Landa, ainda tentou a sorte, não conseguindo melhor do que o segundo lugar nos os 136 quilómetros entre Comunero de Revenga e Lagunas de Neilas, a cinco segundos de López, que gastou 03:11.42 horas na viagem.

Vilela foi 41.º na tirada, a 5.01 minutos do vencedor, concluindo a corrida a 14.11 minutos de Landa.

Fonte: Record on-line

“Nuno Bico regressa após dois meses de ausência por lesão”

Português começa a Volta à Holanda na segunda-feira

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

O português Nuno Bico vai regressar à competição na Volta à Holanda, depois ter estado ausente durante dois meses devido a uma lesão na perna esquerda, à qual foi operado, anunciou este sábado a Movistar.

Segundo a Movistar, foi detetada ao ciclista de Viseu, de 23 anos, "uma malformação na artéria ilíaca da perna esquerda", tendo sido necessária uma intervenção cirúrgica, efetuada em 31 de maio último.

A equipa, na qual também alinha o português Nelson Oliveira, anunciou que Nuno Bico, que regressou aos treinos em julho, vai voltar à competição na segunda-feira, no arranque da Volta à Holanda, agora designada BinckBank Tour, do WorldTour.

Fonte: Record on-line

“Campeonato da Europa de Estrada/Femininos”

Daniela Reis 22.ª entre as melhores do Mundo

Por: José Carlos Gomes

A portuguesa Daniela Reis foi hoje a 22.ª classificada na prova de fundo do Campeonato da Europa, uma competição de 120,6 quilómetros disputada em Herning, Dinamarca, com vitória da holandesa Marianne Vos, ex-campeã olímpica e mundial.

Daniela Reis demonstrou grande maturidade competitiva e uma evolução considerável face a anteriores participações em grandes eventos internacionais, fazendo toda a corrida no seio do pelotão principal, lado a lado com as melhores corredoras do pelotão mundial.

A corrida foi muito veloz, com uma média de 42,3 km/, muito por responsabilidade dos contantes ataques que procuraram, por todos os meios, partir o pelotão. Uma dessas iniciativas, lançada a cerca de 25 quilómetros da meta, acabou por ter sucesso, embora não para todas as protagonistas.

Das sete fugitivas dessa movimentação, resistiram três, que lutaram pelo título europeu. A mais forte foi a holandesa Marianne Vos, que enriqueceu um currículo que já conta, entre outros sucessos, com três títulos mundiais e um olímpico. No segundo, com o mesmo tempo da vencedora, colocou-se a italiana Giorgia Bronzini, já vencedora de dois títulos mundiais. A terceira, a 2 segundos, foi a russa Olga Zabelinskaya, medalhada olímpica em Londres e no Rio de Janeiro. 


O pelotão chegou a 15 segundos da vencedora, trazendo outros dos grandes nomes do pelotão WorldTour feminino. Daniela Reis tentou bater-se pelo melhor lugar e acabou na 22.ª posição, entre 97 participantes.

“Tenho vindo a evoluir um patamar de cada vez e isso hoje ficou novamente patente. Sei que não consigo discutir vitórias ao sprint, mas dei o máximo para chegar o mais à frente possível”, explica Daniela Reis.

A participação nacional no Campeonato da Europa de Estrada termina neste domingo com a prova de fundo para sub-23, uma corrida de 241,2 quilómetros, com início às 10h00 portuguesas. A Equipa Portugal vai alinhar com José Mendes, Rafael Reis e Tiago Machado. Rúben Guerreiro, que esteve convocado, foi dispensado desta competição para recuperar melhor do problema de saúde que o afetou e para que se apresente na melhor condição possível nas futuras competições ao serviço da equipa Trek-Segafredo.

Fonte: FPC

“Campeonato da Europa de Estrada/Masculinos”

Francisco Campos 14.º na prova de fundo para sub-23

Por: José Carlos Gomes

O português Francisco Campos foi o 14.º classificado na prova de fundo para sub-23 do Campeonato da Europa de Estrada, disputada na manhã deste sábado, em Herning, Dinamarca.

Os 160,8 quilómetros foram disputados a alta velocidade, num terreno totalmente plano, mas em condições adversas, devido à chuva e ao vento que, a espaços, fustigaram o pelotão. Os cinco elementos da Equipa Portugal tiveram percalços, com vários furos e quedas a marcarem a jornada.

Apesar disso, a Equipa Portugal pedalou com personalidade. João Almeida, André Carvalho e Gaspar Gonçalves cumpriram exemplarmente a missão de trabalhar para os corredores mais rápidos, César Martingil e Francisco Campos. As quedas de André Carvalho e de Gaspar Gonçalves, na última das oito voltas ao circuito, impediram os sprinters lusos de terem lançadores.

César Martingil furou a 600 metros da chegada e ainda se viu envolvido numa queda na reta da meta, da qual escapou sem cair, mas saindo a correr a pé rumo às barreiras para evitar males maiores. Francisco Campos lutou até final, envolveu-se no sprint e conseguiu o 14.º lugar, com o mesmo tempo do pelotão principal, que ficou a 3 segundos do vencedor, o dinamarquês Casper Pedersen.

As medalhas foram discutidas por quatro corredores que atacaram na última volta e que conservaram uma margem curta, mas suficiente para lutar pelo pódio. O mais forte foi Casper Pedersen, seguido pelo francês Benoit Cosnefroy e pelo suíço Marc Hirschi, ambos a 1 segundo.

"Foi um bom trabalho de equipa, apesar dos muitos azares. Os três corredores de trabalho cumpriram o seu papel. Foi pena que o André Carvalho e o Gaspar Gonçalves tenham caído. Além disso, houve imensos furos. A nossa seleção teve mais furos hoje do que nas corridas anteriores todas juntas", conta o selecionador nacional, José Poeira.

"Eu hoje vinha mesmo bem. Os colegas de equipa trabalharam muito, mas foi pena já não estarem na parte final para me lançarem. Com mais ajuda e sem o esforço extra a que fui obrigado por dois furos, acredito que o top 10 era garantido", frisa Francisco Campos.

Os vários percalços fizeram com que Francisco Campos fosse o único luso creditado com o tempo do pelotão principal. O aniversariante João Almeida foi o 65.º, a 11 segundos, César Martingil foi 110.º, a 1m35s, Gaspar Gonçalves cortou a meta no 134.º lugar, a 12m37s, e André Carvalho foi o 135.º, a 15m35s.

Fonte: FPC

“Volta a Portugal de Cadetes Liberty Seguros”

Juan Ayuso Pesquera ganha outra vez

Por: José Carlos Gomes

O espanhol Juan Ayuso Pesquera (Ginestar) não dá hipóteses na Volta a Portugal de Cadetes, tendo hoje conquistado a segunda etapa, depois de ontem se ter imposto na primeira.

Os 70,8 quilómetros hoje disputados no concelho de Anadia, entre Ferreiros e a Curia, terminaram da mesma forma que a etapa anterior, com uma disputa ao sprint. Os protagonistas principais também foram os mesmos, Juan Ayuso Pesquera venceu e o compatriota Miguel Mera (Aluminios Cortizo-Anova) foi o segundo classificado. A terceira posição foi ocupada por Javier Grau Padilla (Giménez Ganga/Primoti/Toco Bike), todos com o tempo do pelotão principal, formado por 44 corredores.

Como a Volta a Portugal de Cadetes Liberty Seguros não tem bonificações, a corrida está ao rubro, com 34 corredores empatados com o mesmo tempo. A liderança é do vencedor das duas etapas já disputadas, Juan Ayuso Pesquera, que tem Miguel Mera e Javier Grau Padilla nas posições imediatas. Daniel Dias (Maia), quarto classificado, é o melhor português.

A terceira e última etapa, a disputar neste domingo, será decisiva para encontrar o vencedor. É a etapa-rainha, disputada em Gondomar, Cidade Europeia do Desporto 2017. A partida será dada no centro da cidade, às 13h00, terminado, pouco antes das 15h00, depois de percorridos 63,4 quilómetros, no alto do Monte Crasto.

Juan Ayuso Pesquera parte com a missão de defender a camisola amarela, mas é também dono das camisolas de cadete de primeiro ano e dos pontos. Julián Madrigal (Alcobaça CC/Crédito Agrícola) é o melhor trepador. Os espanhóis da Giménez Ganga/Primoti/Toco Bike estão na dianteira por equipas.

Fonte: FPC

“Volta Portugal/Vídeo trajeto 2ª Etapa”

Como tem acontecido desde o início da Volta, deixamos aqui o vídeo do trajeto da 2ª etapa, com a ligação entre Reguengos de Monsaraz e Castelo Branco, a etapa mais longa com 215 quilómetros.

“Volta Portugal/79ª Volta a Portugal em Bicicleta/A Volta dia a dia pelo diretor Joaquim Gomes/2ª Etapa”

2ª Etapa – Reguengos de Monsaraz» Castelo Branco – 214,7KM - 6 agosto, Domingo

A Etapa mais longa traz o Alentejo de “Volta”

Com quase 215 km, a ligação de Reguengos de Monsaraz a Castelo Branco constitui-se como a mais longa etapa da prova. Será o regresso pleno do Alentejo e, quem sabe, das “agruras” que fizeram da região uma das mais marcantes da história da “Volta”. Depois de passar nas “barbas” da Serra de São Mamede com relevo acidentado e certamente muito calor na travessia da Serra de Rodão, a prova entregará à Beira Baixa um pelotão muito desgastado. Em Castelo Branco, desta vez sem circuito final, esperar-se-á uma chegada discutida num esforçado sprint.

Fonte: Podium

“Volta Portugal/Vila Franca de Xira quer continuar a acolher a prova”

Competição começou dia 4 e prolonga-se até 15 de agosto

Por: Lusa

Foto: Bruno Colaço

O presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira assumiu este sábado à Lusa que pretende que a autarquia que preside continue a acolher a Volta a Portugal, tendo já manifestado a sua vontade junto da organização.

"Há uma questão que é aquilo que eu penso que deve ser feito, aquilo que eu já falei com a organização, mas que está dependente de um fator, que são as eleições autárquicas. A evolução deste processo tem de ser no momento seguinte. Se estiver novamente a gerir a Câmara Municipal, de certeza absoluta [que a Volta vai voltar a partir daqui], porque toda a gente reconhece o sucesso que é a passagem da prova em Vila Franca de Xira", disse Alberto Mesquita.

O autarca, que este sábado deu a partida para a primeira etapa da 79.ª Volta a Portugal, uma ligação de 203 quilómetros entre Vila Franca de Xira e Setúbal, considerou que assinar um novo contrato por três anos com a organização da prova é a decisão certa.

"Aliás, a decisão que tomámos neste mandato veio a revelar-se um imenso sucesso. E porquê? Por um lado, porque promove Vila Franca de Xira e a região. Por outro, estimula os jovens para a prática da modalidade. Nesse sentido, a Câmara Municipal tem vindo a trabalhar naquilo que é um plano mais geral de uma rede de ciclovias de cerca de 100 quilómetros, para que as pessoas possam usar cada vez mais a bicicleta", destacou Alberto Mesquita.

Fonte: Record on-line

“Volta Portugal/Azul e branco virou amarelo na descida da Arrábida”

“Liderar a Volta é muito especial”

Fotos: José Morais

Raúl Alarcón (W52-FC Porto) é o novo Camisola Amarela da Volta a Portugal Santander Totta. O espanhol atacou em plena descida da Serra da Arrábida e rolou os últimos dez quilómetros da primeira etapa completamente isolado. Na reta da meta, no centro de Setúbal, e com os perseguidores já muito perto, o espanhol olhou para trás, mediu a distância para o grupo onde estavam vários candidatos e abordou confiante a linha de chegada. Numa repleta e muito animada Avenida Luísa Todi e após 203 quilómetros, o portista ergueu os braços ao duplo triunfo porque, além de vencer, Alarcón chegou à liderança e passou a comandar a Volta com seis segundos de vantagem sobre o compatriota e rival Alejandro Marque (Sporting-Tavira).

“Sabíamos que tínhamos de estar atentos à parte final da etapa e, apesar do ataque da Efapel, conseguimos contra-atacar e vencer”, declarou feliz Raúl Alarcón, o mais cotado do ranking UCI entre todos os que estão a participar na Volta. Apesar de fazer a prova há muitos anos esta é a primeira vez que o espanhol está de amarelo, “Liderar a Volta é muito especial”, rematou.

Esta primeira etapa foi longa e muito movimentada, com fugas logo desde a partida. O vento foi um dos piores inimigos para o pelotão de 140 homens que se fizeram à estrada a partir de Vila Franca de Xira mas, entre tantas movimentações, o que fica para a história é o momento da fuga, em descida, que permitiu a Raúl Alarcón chegar sozinho a Setúbal com vantagem de 11 segundos para um grupo encabeçado pelo colega de equipa Amaro Antunes. O corredor da Armée de Terre, Damien Gaudin, que estava de amarelo após o triunfo no Prólogo de Lisboa, procurou defender a liderança até ao fim mas caiu para a 12ª posição da geral.

Na festa de Setúbal, que acolheu a Volta pelo segundo ano consecutivo, além da Amarela Santander Totta, Alarcon envergou também a Camisola Verde Rubis Gás, símbolo da classificação por pontos. Mereceu também honras de pódio César Fonte (LA Alumínios Metalusa-Blackjack), o melhor a trepar a Serra da Arrábida valendo-lhe a conquista da Camisola Azul Liberty Seguros. A Camisola Branca RTP para o melhor jovem passou para Oscar Rodriguez (Euskadi).

2ª Etapa – 6 agosto 2017

Reguengos de Monsaraz– Castelo Branco (214,7km)

Hora da Partida – 12h00

O terceiro dia de prova correspondendo à segunda etapa, corre-se este domingo entre a “Capital dos Vinhos de Portugal”, Reguengos de Monsaraz, e Castelo Branco. Será a mais extensa tirada desta edição, com 214,7 km. Depois de passar nas “barbas” da Serra de São Mamede com relevo acidentado e certamente muito calor na travessia da Serra de Ródão, a prova deixa o Alentejo e entrega à Beira Baixa um pelotão já muito desgastado. Em Castelo Branco, desta vez sem circuito final, prevê-se uma chegada discutida num esforçado sprint, cerca das 17h20.

Fonte: Podium