sexta-feira, 8 de maio de 2020

“Workshops de Triatlo no Facebook”

Aproveite estes workshops gratuitos para todos os triatletas!
As provas de Triatlo estão temporariamente suspensas, mas existem outras maneiras de nos mantermos ativos. Sugerimos que siga e participe nos workshops online, ministrados em direto do 
Facebook da FTP. 


Trata-se de sessões livres dirigidas à comunidade de triatletas, para quem já pratica Triatlo há muitos anos, mas também para aqueles que gostariam de se iniciar nesta modalidade. Aproveite a oportunidade para saber mais!


Estão delineados três workshops:

1º Workshop, 11 de maio, 18-20h – ‘Regulamentação em Triatlo’

Qual foi a última vez que leu o Regulamento Técnico e de Competições da FTP?

O árbitro Rui Ferreira, em representação da Associação de Árbitros de Triatlo de Portugal, irá explicar as principais regras da modalidade, abordando também as recentes alterações aos regulamentos da FTP.

Este workshop pretende explicar de modo personalizado (é possível colocar questões na página do Facebook) os regulamentos de triatlo, clarificando as dúvidas que ainda possam existir.

Aproveite!


2º workshop, 21 de maio, 15h-17h – ‘Nutrição e Triatlo’

Por vezes descurada, a nutrição é fundamental para o equilíbrio do treino e para a performance em prova. Mónica Soares, Nutricionista (Nova Medical School), ajuda-nos a desenhar a melhor estratégia nutricional antes, durante e após competição de Triatlo.

Sendo esta uma modalidade de resistência, com diferentes formatos e distâncias e com sessões de treino muito frequentes, a quantidade e qualidade de ingestão de alimentos e hidratação tornam-se ainda mais importantes.

Não perca esta sessão!

 

3º workshop, 27 de maio, 18-20h – ‘Material Técnico de Triatlo’

O treinador André Guimarães (CMEP) irá expor as necessidades de material técnico de triatlo, esclarecendo dúvidas comuns relativas ao equipamento necessário para treinar e competir. Será que os três segmentos exigem um investimento significativo?

Com grande experiência como treinador, o formador apresentará vários equipamentos, explicando o motivo e benefício da sua utilização em treino e em competição.

Importante para todos os triatletas!

Para assistir e participar nestes workshops basta aceder à página do Facebook da Federação de Triatlo de Portugal no dia e hora marcados em: https://www.facebook.com/triatloportugal/?ref=bookmarks

Fonte: Record on-line

“A Federação Triatlo Portugal informa/Comunicado IPDJ formação”

Um comunicado direcionado para todos os treinadores

Chamamos a atenção dos treinadores para o comunicado do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) que atribui, excecionalmente, o mesmo número de UC das ações de formação contínua presenciais às ações de formação contínua online.

No mesmo comunicado, o IPDJ considera concluídos todos os estágios dos cursos de treinador que tenham, pelo menos, três meses já decorridos.

Em caso de dúvida contatar: manuel.alves@federacao-triatlo.pt  


 Fonte: FTP

“A Federação de Triatlo de Portugal apresenta o programa especial de apoio aos Clubes (COVID-19)”

A Federação de Triatlo de Portugal tinha previamente anunciado o programa de apoio aos clubes, com um montante de 6.000€ mensais. Face à realidade da generalidade dos clubes, um dos agentes mais afetados foram os treinadores, pelo que uma parte do apoio se destinou a estes agentes, considerados essenciais ao desenvolvimento da modalidade.

Dentro do Programa Especial de Apoio aos Clubes foi distribuída a verba de 6.000€ por três áreas diferentes:

– 3.500€ para apoio ao vencimento dos treinadores;

– 1.500€ por compensação pelo número e tipologia de atletas;

– 1.000€ para outras despesas devidamente justificadas*

*Nesta área não se atingiu a pontuação mínima, pelo que o valor atribuído foi redirecionado para a parte dos treinadores.


Fonte: FTP

“Burgos-BH, equipa José Neves e Ricardo Vilela, convidada para a Vuelta”

Corrida disputa-se entre 20 de outubro e 8 de novembro com passagem por Portugal

Por: Lusa

Foto: Reuters

A Volta a Espanha em bicicleta convidou as espanholas Burgos-BH e Caja Rural, equipas do segundo escalão, além da francesa Total DE, para a prova que vai decorrer de 20 de outubro a 8 de novembro.

Estes convites abrem a possibilidade de participação aos portugueses José Neves e Ricardo Vilela, que representam a Burgos-BH.

O colombiano Nairo Quintana, que venceu a Vuelta em 2016, vai ficar de fora pelo facto da Arkea-Samsic não ter sido convidada pela Unipublic, empresa organizadora, que também deixa de fora a Alpecin, do holandês Mathieu van der Poel.

A competição, que estava prevista para decorrer de 14 de agosto a 6 de setembro e que, devido à covid-19, vai ser realizada mais tarde do que nunca no calendário internacional, vai contar com 22 equipas.

Destas, 19 são do World Tour e a Unipublic juntou-lhe assim a Total DE, que ganhou o direito após o primeiro lugar no segundo escalão em 2019, bem como a Burgos-BH e a Caja Rural, que já integraram o pelotão o ano passado.

Na versão inicial, a 75.ª edição da competição, que se realizou pela primeira vez em 1935, principiaria nos Países Baixos, mas acabou por ser encurtada, devido à covid-19, iniciando-se no País Basco.

No percurso da prova espanhola mantêm-se as duas etapas em Portugal, a 18.ª, entre Mos (Galiza) e Porto/Matosinhos, de 178 quilómetros, e a 19.ª, com início em Viseu e final em Ciudad Rodrigo, com 177,7 quilómetros.

Até hoje, a edição de 2001 tinha o recorde de ser a mais tardia, decorrendo de 08 a 30 de setembro.

Em 15 de abril, a UCI prolongou a suspensão do calendário velocipédico para todas as provas até 01 de julho e para as provas do WorldTour até 01 de agosto e reagendou a Volta a França devido à pandemia da covid-19.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou cerca de 269 mil mortos e infetou mais de 3,8 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de 1,2 milhões de doentes foram considerados curados.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Fonte: Record on-line

“Velo-city 2021 Lisboa/EMEL vence Grande Prémio APCE na categoria Vídeo”

Por: Maria Teresa Loureiro


A EMEL venceu o Grande Prémio APCE - Associação Portuguesa de Comunicação de Empresa na categoria Vídeo, com o filme desenvolvido para o evento Velo-city 2021, que se realizará em Lisboa entre os dias 1 e 4 de junho, sob o lema “Cycle Diversity”. O Velo-city 2021 é organizado pela Câmara Municipal de Lisboa, sendo a sua realização logística da responsabilidade da EMEL.

O filme promocional, idealizado por Richard F. Coelho em colaboração com a EMEL, que venceu ontem à noite o Grande Prémio APCE, ex aequo com o projeto apresentado pela Galp, é o ponto de partida na comunicação do Velo-city 2021, para despertar a curiosidade e interesse pelo evento e pela cidade, destacando de forma emocional e contemporânea a diversidade que caracteriza a vida do dia-a-dia lisboeta.

Numa elegia à diversidade, o texto é a base de toda a mensagem, servindo de guião às imagens.  Fortes e poéticas, as palavras são da cidade a falar de si própria e acompanham imagens de pessoas, situações e locais que tornam a cidade um organismo vivo, em transformação constante. E claro, bicicletas. Muitas bicicletas!

Organizado pela CML e realizado pela EMEL, o Velo-city 2021 terá como foco a utilização da bicicleta e de meios de transporte ativos e suaves, contando com a colaboração de associações de ciclistas e grupos de defesa da bicicleta, federações de ciclismo, stakeholders (partes interessadas) locais, e também da academia e da indústria. Durante quatro dias, haverá conferências, visitas, eventos sociais e exposições, agregados em torno da política, da promoção, do planeamento e da construção de uma mobilidade urbana melhor e mais sustentável.

 

Declarações de Luís Natal Marques, Presidente da EMEL:

É para nós motivo de grande orgulho este reconhecimento que nos foi feito pela APCE. A EMEL tem vindo a tomar medidas que tendem a contribuir para uma verdadeira gestão integrada da mobilidade em Lisboa, das quais fazem parte uma forte aposta na bicicleta, através da construção de ciclovias e da gestão da Rede de Bicicletas Partilhadas, GIRA. Considero que organizar a conferência Velo-city 2021 é uma oportunidade para Lisboa se afirmar enquanto promotora dos modos ativos e suaves, não esquecendo o transporte público, comprovar a sua mudança de paradigma de mobilidade, para um modelo ambientalmente mais sustentável, que permite mais segurança na cidade e uma maior fruição do espaço público, e promover a diversidade, de bicicletas, pessoas e culturas.

 

Ficha Técnica do filme Velo-city 2021 Lisboa:


Criatividade e texto “WhoamI?” Richard F. Coelho

Realização Richard F. Coelho

Imagem Tomás Brice

Produção Richard F. Coelho & UrshiCardoso

Edição Richard F. Coelho

Cor Nuno Garcia

Pós Produção BAMP

Música: Fred& Alberto Vieira

Produção musical Fred& Alberto Vieira Núcleo Audio

Voz Lúcia Moniz

Pós Produção AudioDizplay

 

Sobre as conferências Velo-city:

Desde que começou, em 1980 em Bremen, na Alemanha, o Velo-city tem sido acolhido por cidades reconhecidas pela sua utilização da bicicleta como meio de transporte e pelo compromisso e estratégias adoptadas na promoção deste meio de transporte, casos de Copenhaga, Bruxelas ou Sevilha. Em todas as edições juntam-se centenas de participantes, entre especialistas na área de mobilidade, engenheiros e representantes de cidades, provenientes de dezenas de países. Em 2019, a conferência, organizada pela European Cyclists’ Federation, considerada a principal referência europeia em termos de planeamento e promoção do uso de bicicleta, como modo de transporte diário, mas também em atividades de lazer, passando pelas vertentes económica e de saúde, realizou-se em Dublin. Este ano realiza-se em Ljubljana, entre os dias 15 e 18 de setembro.

No concurso para 2021, Lisboa foi finalista com Ljubljana e Valência e destacou-se pelo forte compromisso político local e nacional na melhoria dos modos de transporte ativos, mas também pelo envolvimento na candidatura da indústria da bicicleta nacional, da academia e das organizações da sociedade civil (MUBi, Estrada Viva, UVP-Federação Portuguesa de Ciclismo, ACA-M, FCPUB).

 

Sobre o Grande Prémio APCE:

A Associação Portuguesa de Comunicação de Empresa (APCE) revelou ontem os vencedores da edição de 2020 do Grande Prémio APCE. Esta Cerimónia de Vencedores realizou-se na noite de 7 de maio, num formato excecional de transmissão live na página de Facebook da Associação (https://www.facebook.com/apce.pt/) e em simultâneo na página da Global Alliance (a associação mundial que congrega mais de 280 mil profissionais de Comunicação por todos os continentes).

O Grande Prémio APCE 2020, ao qual concorreram empresas, agências de comunicação e instituições nacionais, tem o objetivo de distinguir e reconhecer a excelência e o profissionalismo dos responsáveis de comunicação portugueses.

 

Fonte: EMEL

 

“Equipa Feirense motivada para a possível retoma da competição”

A equipa FEIRENSE continua o seu trabalho com uma motivação extra!

Fotos: Helena Dias

Após as últimas informações recebidas pelas entidades competentes, a equipa profissional de ciclismo do Clube Desportivo Feirense encontra-se repleta de motivação para o que aponta ser a retoma das competições, em meados de junho, num caminho com rumo à Volta a Portugal, a disputar-se de 29 de Julho a 9 de Agosto. O objetivo da Federação Portuguesa de Ciclismo passa por estender o calendário de competições até ao mês de outubro.

Além da Volta a Portugal, outras competições manifestaram o desejo de manter as suas provas na estrada em 2020, nomeadamente a Clássica da Arrábida, a Clássica Aldeias do Xisto, o Grande Prémio Internacional de Torres Vedras / Troféu Joaquim Agostinho, o Grande Prémio Jornal de Notícias, o Grande Prémio O Jogo, a Volta a Portugal do Futuro, o Grande Prémio Azores e os Campeonatos Nacionais, havendo ainda outras organizações a analisar a forma de manterem e realizarem as suas provas nesta temporada.

Boas notícias chegam também do nosso departamento médico, encabeçado pelo Dr. Alexandre Brandão, sendo de realçar a completa recuperação de Afonso Eulálio, que retomou os treinos sem qualquer limitação, depois de lesão contraída em Janeiro. Oscar Pelegrí tem ainda algumas limitações, derivadas da queda na Prova de Abertura, em Fevereiro, embora possa treinar sem limitações. De momento, Jesus Arozamena é o único elemento indisponível, por se encontrar em processo de recuperação e reabilitação da fractura da tíbia esquerda, a 28 de janeiro, encontrando-se no bom caminho para a total recuperação. Todos os restantes corredores treinam sem qualquer limitação.


Declarações do presidente do Clube Desportivo Feirense, Rodrigo Nunes:

Como está o Clube Desportivo Feirense a lidar com esta situação de pandemia, em particular a equipa de ciclismo?

“Estamos a lidar com a calma que nos exige, percebendo o problema que afecta o país, o mundo e a saúde de todos. Estamos na expectativa de, a qualquer momento, podermos retomar os treinos em todas as modalidades, sublinhando-se que no ciclismo cada atleta pode fazer o treino sem afectar a sua saúde e a saúde dos outros. As nossas instalações encontram-se todas fechadas e é evidente que não tem sido fácil assegurar que os atletas se mantenham motivados para o que aí vem, esperando sempre que seja uma boa época desportiva para todas as modalidades. Os treinadores têm acompanhado os treinos individuais de cada atleta através da internet, mas é evidente que numa organização com 1150 atletas não é tarefa fácil.”


Quais as expectativas da equipa FEIRENSE para a Volta a Portugal?

“Se a Volta a Portugal se realizar, será extraordinário para o Feirense, para os seus atletas e para a modalidade, pois é a prova rainha do ciclismo português. Se se concretizar, não sabemos como irão chegar os nossos adversários. O Feirense de certeza que irá entrar na Volta com a mesma ambição dos últimos dois anos e tendo sempre presente que é um dos clubes que já venceu uma edição, ou seja, temos a responsabilidade de continuar a levar o nome do Feirense o mais longe possível, homenagear e perpetuar aqueles que antes de nós conseguiram vencer uma Volta daquela envergadura. Os atletas estão motivados, não vão ter uma época tão intensa até chegar a Volta a Portugal e vamos ver o que vai dar sabendo que temos um ou outro corredor com ambição e possibilidade de lutar por uma possível vitória ou andarmos na luta até ao fim.”

Fonte: EQUIPA PROFISSIONAL DE CICLISMO FEIRENSE