sábado, 14 de setembro de 2019

“6ª Rota da Castanha em BTT”

Por: Nuno Almeida

Intercaimabike vem por este meio apresentar a 6ª Rota da Castanha em BTT.

Evento inserido na Feira da Castanha, em São Pedro de Castelões, Vale de Cambra

A realizar no próximo dia 10/11/2019, pelas 9 horas, com arranque junto às Piscinas Municipais de Vale de Cambra.


Percursos: Rota 40 km e Passeio 25 Km

Classificações por escalões: - Júnior/Sub23 - Elite - Master 30 - Master 40 - Master 50 - Feminino

Inscrições: Intercaimabike

Mais informações em: www.Intercaimabike.pt 

Fonte: Intercaimabike

“V Triatlo Longo de Vilamoura 2019 realiza-se a 27 de outubro”

Este evento recebe o CN de Clubes de Triatlo de Longa Distância, o CI de Triatlo de Longa Distância e provas abertas.

No dia 27 de outubro de 2019 o V Triatlo Longo de Vilamoura recebe a terceira e última etapa do Campeonato Nacional de Clubes de Triatlo de Longa Distância e o Campeonato Individual de Triatlo de Longa Distância.

A natação, com 3000 metros, é composta por duas voltas, o percurso de ciclismo com três voltas tem a distância de 121.750 metros e a corrida inclui seis voltas que perfazem 29.600 metros.

O Triatlo de Vilamoura inclui igualmente o Olímpico Vilamoura Tritry, uma prova aberta a não federados disputada sem roda. O percurso integra 1500 metros de natação, 40km de ciclismo e 10km metros de corrida.

 

26 de outubro

Briefing: 18h30 – 19h30 na Junta de Freguesia de Quarteira (é muito importante assistir ao briefing da prova).

Pasta Party: 20h00 – Crowne Plaza Vilamoura.

 

27 de outubro

7h30: Partida Campeonato Nacional de Clubes e Individual de Triatlo Longo (prova exclusiva a clubes e atletas licenciados na Federação de Triatlo de Portugal) e partida da prova Triatlo Longo (não federados).

Os atletas não federados não participam nos Campeonatos Nacionais, mas poderão disputar a prova aberta individualmente ou por estafetas (cada equipa deverá ser composta por 2 ou 3 que se distribuirão para cumprir os 3 segmentos natação-ciclismo-corrida na sua totalidade, contando para a classificação o atleta que concluir a prova).

Todos os atletas que participem na vertente estafetas devem respeitar as zonas de transmissão de testemunhos, indicadas pela equipa de arbitragem.

 

Percurso do Triatlo Longo

Natação: O V Triatlo Longo de Vilamoura irá decorrer na praia de Vilamoura onde se realiza a partida de natação num percurso triangular de duas voltas.

Ciclismo: O ciclismo parte do centro de Vilamoura para percorrer as localidades circundantes da Serra do Caldeirão, apresentando um troço de ligação a efetuar no início e no final do segmento, com 20 km. Este troço faz a ligação entre Vilamoura e o interior do Município, onde posteriormente serão realizadas 3 voltas de 27,25km entre as localidades circundantes da Serra do Caldeirão, perfazendo uma distância total de 121,75km. O troço de ligação tem pouca altimetria atravessando zonas urbanizadas com algum trânsito. O percurso no interior do município (Serra do Caldeirão) apresenta desníveis mais significativos. O trânsito não está encerrado, mas apenas condicionado, pelo que os atletas devem cumprir as regras de trânsito tendo especial atenção nos cruzamentos e curvas sem visibilidade.

Corrida: O último segmento passará nos passeios pedonais e ruas ao longo da costa entre as praias de Vilamoura e Quarteira, num percurso de 6 voltas, com extensão aproximada de 2.500m, entre a Praia de Vilamoura, a Praia de Quarteira, ao longo da costa, e os pontos de retorno nas Ruas do Poço Romano e do Leste. O percurso é essencialmente plano, realizado em terreno misto, de asfalto e calçada.

 11h30: Partida da prova ‘Olímpico Vilamoura Tritry’

 

Percurso da prova aberta distância standard

Natação: inclui um percurso triangular de apenas uma volta realizada na praia de Vilamoura.

Ciclismo: constituído por uma volta que se realiza no troço de ligação do Triatlo Longo que faz a ligação entre Vilamoura e o interior do Município (Serra do Caldeirão). Apresenta uma extensão de 20 km, onde se localiza o ponto de retorno. Tem pouca altimetria atravessando zonas urbanizadas com algum trânsito que se apresenta condicionado e não encerrado, pelo que os atletas devem circular sempre cumprindo as regras de trânsito e com especial atenção nos cruzamentos e curvas sem visibilidade.

Corrida: inclui um percurso de duas voltas, com extensão aproximada de 2.500m entre a Praia de Vilamoura, a Praia de Quarteira, ao longo da costa, e os pontos de retorno nas Ruas do Poço Romano e do Leste. Essencialmente plano, em terreno misto, de asfalto e calçada.

Hotel oficial V Triatlo Longo de Vilamoura Crowne Plaza Vilamoura

Sendo o Crowne Plaza Vilamoura o hotel oficial do V Triatlo Longo de Vilamoura, todos os atletas inscritos têm condições especiais de alojamento, nomeadamente 15% de desconto na tarifa AP (advanced purchase).

Se quiser reservar contacte diretamente o Crowne Plaza Vilamoura.

Tel +351 289 381 600 / email reservas@cpvilamoura.com.

Durante a reserva deverá referir o código promocional associado: TRIRUN2019.

O Crowne Plaza Vilamoura oferece um vale de desconto numa refeição no Restaurante Casa da Praia a todos os atletas inscritos, válido até ao dia 27 de outubro (colocado no kit de atleta).

Kit de atleta: todos os atletas devem levantar o Kit de Atleta Triatlo Longo de Vilamoura – Algarve Tri Run 5.0, no Secretariado de Prova, localizado no Crowne Plaza Vilamoura aqui

Informações e inscrições: as inscrições no V Triatlo Longo de Vilamoura devem ser efetuadas através do site da Federação de Triatlo de Portugal, até às 23h59 do dia 21 de outubro (segunda-feira) aqui

Boa prova a todos os atletas!

O V Triatlo Longo de Vilamoura, integrado no Algarve Tri Run Vilamoura-Quarteira 5.0., é uma organização da Câmara Municipal de Loulé, com o apoio da Federação de Triatlo de Portugal, do Crowne Plaza Vilamoura e das associações locais.

Fonte: FTP

“Vuelta/Tadej Pogacar vence 20.ª etapa e Primoz Roglic fica a um passo da vitória final”

Rúben Guerreiro voltou a ser destaque, ao andar escapado na penúltima tirada

Por: Lusa

Foto: EPA

O esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates) venceu este sábado a 20.ª e penúltima etapa da Volta a Espanha, a sua terceira nesta edição, num dia em que o compatriota Primoz Roglic (Jumbo-Visma) ficou próximo da vitória final.

Pogacar, que aos 20 anos já tinha vencido a nona e 13.ª tiradas, cumpriu os 190,4 quilómetros entre Arenas de San Pedro e Plataforma de Gredos em 5:16.40 horas, 1.32 minutos à frente do espanhol Alejandro Valverde (Movistar), segundo, e do polaco Rafal Majka (BORA-hansgrohe), terceiro.

Tudo isto numa tirada em que o português Ruben Guerreiro voltou a ser figura, ao andar escapado durante grande parte da etapa. O português acabaria por ser alcançado pelos mais rápidos e acabar em 17.º, a 3:32 de Pogacar, posição que também ocupa na classificação geral.

Na classificação geral, o jovem esloveno subiu ao terceiro lugar da geral, a 2.55 minutos do compatriota que enverga a camisola vermelha, enquanto Valverde é segundo, a 2.33. Quanto a Ruben Guerreiro, conforme apontámos é 17.º, a 42:05 minutos de Roglic. Desta forma, salvo alguma hecatombe, o ciclista da Katusha deverá assinar um brilhante top-20 final na Vuelta.

No domingo, a 21.ª e última etapa liga Fuenlabrada a Madrid, na consagração de Roglic ao longo de 106 quilómetros, grande parte deles em circuito na capital espanhola, de traçado plano e no qual o esloveno deverá confirmar a primeira vitória em Grandes Voltas.

Fonte: Record on-line

“Português vai cumprir 10 Ironman seguidos no desafio mais duro do mundo”

Triatleta Miguel Carneiro será um dos 10 desportistas no mundo a participar no Deca Ultra triatlo

Por: Lusa

Foto: Facebook Miguel Carneiro

Miguel Carneiro vai ser um dos 10 desportistas no mundo a participar no Deca Ultra triatlo, o mais exigente do planeta, com 38 quilómetros de natação, 1.800 de ciclismo e 422 de corrida consecutivos, no México.

"O principal desafio é mental, muito psicológico. Vai ser físico durante períodos, mas vai haver alturas em que o corpo nem quer correr, nem andar, nem nadar... nem fazer nada. Só quer descansar e fechar os olhos", conta, comentando os 10 Ironman que vai cumprir de uma só vez.

Em declarações à Lusa, o polícia dos estabelecimentos da marinha, recorda quando, num triplo Iron Man, um amigo correu a seu lado com as mãos nas suas costas "pois estava de olhos fechados e a adormecer".

O triatleta, de 36 anos, é o único português em competição, num repto que vai decorrer num parque em León, com o segmento de natação a ser feito em piscina de 50 metros, o de ciclismo em circuito de 20 quilómetros e o de corrida em reta de um quilómetro.

"A cabeça vai querer ir para a cama descansar e passar lá uma semana e tenho de continuar a nadar, pedalar e correr. Vai ser um desafio muito grande, não sei quanto tempo vou demorar", reconhece.

A organização dá aos competidores 14 dias - "há limites de tempo para a natação e o ciclismo, mas não quero saber, pois não quero estar perto dele" -, sendo que no fim da primeira semana Miguel Carneiro espera ter a natação e o ciclismo cumpridos, "e provavelmente um bocado da corrida", se tudo for como espera.

O triplo Iron Man foi a maior empreitada que assumiu até hoje, competindo 51 horas nas quais se permitiu descansar somente dois períodos de meia hora: "Agora vai ser apenas três vezes e pouco mais exigente".

"É mostrar a mim mesmo que quem consegue fazer uma coisa destas consegue fazer qualquer coisa no dia a dia. Sentimo-nos invencíveis, capazes de ultrapassar qualquer adversidade que apareça", argumentou, considerando que esse é o maior prémio que pode receber.

Miguel Carneiro, natural de Lagos, pratica desporto "desde sempre" e triatlo há 10 anos, sendo que progressivamente vai assumindo missões atléticas cada vez mais complicadas: para uma como esta, reconhece que não há um plano específico.

"Diariamente, treino uma, duas ou as três especialidades, mas a preparação física e mental é a que tenho feito ao longo de todos estes anos. Para quando chegar o dia, estar o mais bem preparado possível", esclareceu.

A ajudá-lo na missão estará a sua mãe, responsável pela comida - "não vou poder parar para cozinhar e sentar-me à mesa, pois terei de comer enquanto pedalo ou corro" -, o amigo Luís, também atleta e especialista nas questões mecânicas, bem como a namorada, igualmente praticante de triatlo longo.

"Vão estar comigo 24 horas por dia, a meu lado. A tratar-me de tudo e de qualquer necessidade que tenha. (...) São fundamentais, mas a cabeça é que tem de conseguir comandar o corpo para fazer os quilómetros até à meta", concluiu.

Miguel Carneiro, que representa o Grupo Recreativo, Desportivo e Cultural do Ministério da Defesa Nacional e tem o apoio do Estado Maior General das Forças Armadas, parte para o México em 3 de outubro e o Deca Ultra Triatlo começa três dias volvidos, sendo que 20 é o dia limite para a sua conclusão.

Fonte: Record on-line

“Rui Costa e Rui Oliveira no 'top 50' no Grande Prémio do Quebec”

O também luso José Gonçalves (Team Katusha Alpecin) acabou no 128.º posto.

Os ciclistas portugueses Rui Costa e Rui Oliveira, ambos da UAE-Team Emirates, terminaram esta sexta-feira em 41.º e 46.º respetivamente, o Grande Prémio do Quebec, conquistado pela segunda vez consecutiva pelo australiano Michael Matthews (Team Sunweb), em 05:13:01 horas.

Na prova canadiana, de apenas de um dia e com um total de 201,6 quilómetros, Rui Costa e Rui Oliveira completaram a prova atrás dos colegas de equipa, o italiano Diego Ulissi e o norueguês Sven Erik Bystrom.

O também luso José Gonçalves (Team Katusha Alpecin) acabou no 128.º posto.

Michael Matthews revalidou o título conquistado no ano passado, ao bater o eslovaco Peter Sagan, vencedor no Quebec em 2016 e 2017, que hoje foi segundo, e o belga Greg Van Avermaet, terceiro.

Fonte: Sapo on-line

“Rota da Filigrana”

Francisco Campos impõe-se ao sprint

Por: José Carlos Gomes

Francisco Campos (W52-FC Porto) venceu hoje a primeira edição da Rota da Filigrana, uma clássica de 132 quilómetros, entre Gondomar e Póvoa de Lanhoso, que ligou dois concelhos intimamente àquela arte de trabalhar os metais preciosos.

Uma fuga de cinco corredores, no início da corrida, marcou um andamento vivo, que permitiu que se cumprissem 44 quilómetros na primeira hora. Joaquim Silva (W52-FC Porto), Márcio Barbosa (Aviludo-Louletano), Marcos Jurado (Efapel), Luís Mendonça (Rádio Popular-Boavista) e Alejandro Marque (Sporting-Tavira) foram os aventureiros, mas acabariam por desentender-se após a única montanha do dia, cruzada na frente por Luís Mendonça.

Da subida, em Barrosas, até à chegada distavam 53 quilómetros e sobraram na dianteira Márcio Barbosa, Luís Mendonça e Alejandro Marque. A vantagem da fuga nunca passou de 1m45s. O pelotão controlou a corrida à distância e proporcionou uma chegada ao sprint.

Na luta entre os homens mais rápidos destacou-se o sub-23 Francisco Campos (W52-FC Porto), melhor de todo o pelotão, relegando Daniel Freitas (Miranda-Mortágua) para a segunda posição e Rafael Silva (Efapel) para o terceiro posto, todos com 3h04m04s.

Luís Mendonça conquistou o título de melhor trepador da prova, enquanto Luís Pereira (JV Perfis/Gondomar Cultural) foi o melhor elemento das equipas de clube. O Sporting-Tavira ganhou por equipas e a JV Perfis/Gondomar Cultural foi a melhor formação de clube.

Os ciclistas amadores também vão pedalar na Rota da Filigrana, através do Granfondo, marcado para este domingo. A prova aberta vai juntar cerca de 200 participantes, que vão pedalar ao longo de 112 quilómetros.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Queda tira top 10 a Telmo Pinão”

Por: José Carlos GOmes

O português Telmo Pinão esteve perto de concretizar o objetivo de terminar a prova de fundo do Campeonato Mundial de Paraciclismo nos dez primeiros, mas uma queda, nos cem metros finais, atirou-o para fora do top 10 e provocou-lhe uma fratura de clavícula.

A corrida de 66,6 quilómetros para a classe C2, disputada em Emmen, Holanda, correu de feição até à fase final. Telmo Pinão manteve-se no grupo que discutia a sexta posição, mas foi vítima de uma queda coletiva, a cem metros do risco. Ainda conseguiu cortar a meta, na 11.ª posição, mas teve de ser transportado ao hospital em seguida, em virtude de uma fratura na clavícula direita.

As medalhas foram distribuídas por três corredores que se adiantaram aos demais. Impôs-se o francês Alexandre Leaute, que deixou o russo Arslan Glimutunov no segundo posto e o belga Ewoud Vromant no terceiro lugar. Telmo Pinão gastou mais 4m24s do que o vencedor.

Bernardo Vieira correu na classe C1, também ao longo de 66,6 quilómetros, terminando no 13.º lugar, a 12m20s do vencedor, o espanhol Ricardo Tem Argiles. O segundo, a 14 segundos, foi o alemão Pierre Senska, e o terceiro, a 27, foi o estadunidense Aaron Keith.

Flávio Pacheco e Luís Costa encerram, neste domingo, a participação portuguesa no Campeonato do Mundo. Às 10h15, Flávio Pacheco inicia os 51,8 quilómetros da prova de fundo para H4. Seis horas mais tarde, Luís Costa parte para os 66,6 quilómetros da prova de fundo para H5.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Luís Costa nono na luta contra o cronómetro”

Por: José Carlos Gomes

O português Luís Costa foi o nono classificado na prova de contrarrelógio de classe H5 do Campeonato do Mundo de Paraciclismo, em Emmen, Holanda.

Luís Costa completou o traçado de 20,8 quilómetros em 31’28’’59, o que lhe valeu um lugar na primeira metade da tabela, inserido nos dez primeiros, reforçando o estatuto de atleta integrado no projeto paralímpico Tóquio’2020.

O paraciclista português ficou a 1’50’’75 do registo de 29’37’’84 que valeu ao italiano Alessandro Zanardi, antigo piloto de Fórmula 1, mais um título mundial. O segundo classificado, a 4,32s foi o holandês Tim de Vries. O estadunidense Óscar Sánchez fechou o pódio, a 37,31s da medalha de ouro.

A prova de Flávio Pacheco, na classe H4, não correu tão bem. O português foi 14.º classificado, com 32’32’’44, mais 4’28’’63 do que os 28’03’’81 que valeram ao holandês Jetze Plat a camisola arco-íris. O segundo classificado foi o estadunidense Thomas Davis, a 28,64s. A medalha de bronze viaja na bagagem do austríaco Thomas Fruhwirth, que ficou a 1’14’’32 do vencedor.

“O Luís Costa esteve bem, com um desempenho dentro daquilo que esperávamos, embora tivesse quebrado um pouco na segunda volta do circuito. O Flávio Pacheco, apesar de se ter aplicado, não conseguiu o resultado que esperávamos”, reconhece o selecionador nacional de paraciclismo, José Marques.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Bernardo Vieira 14.º no contrarrelógio do Mundial de Paraciclismo”

Por: José Carlos Gomes

Bernardo Vieira assinou o 14.º registo na prova de contrarrelógio do Campeonato Mundial de Paracicismo, disputada em Emmen, Holanda.

O representante da Equipa Portugal completou os 20,8 quilómetros destinados aos paraciclistas de classe C1 em 33’29’’87. Bernardo Vieira foi, assim, o 14.º entre 22 participantes, ficando a 3’59’’16 do vencedor, o estadunidense Aaron Keith, que cruzou a meta ao fim de 29’30’’71 de esforço. O segundo, a 31,03s foi o alemão Michael Teuber, enquanto o canadense Ross Wilson fechou o pódio, a 53,68s do vencedor.

Telmo Pinão também competiu, disputando o contrarrelógio da classe C2. O corredor português foi o 15.º, cumprindo os 20,8 quilómetros em 32’17’’89, gastando mais 3’53’’36 do que o australiano Darren Hicks, mais forte entre os 24 participantes. O segundo classificado foi o belga Ewoud Vromant, a 22,33s, seguindo-se o canadense Tristen Chernove, a 47,32s.

“O desempenho do Bernardo e do Telmo foi bom, mas o resultado não foi o que pretendíamos. Acredito que qualquer um dos dois poderá melhor na prova de fundo, chegando aos dez primeiros, que é o objetivo que trazemos para este Mundial, no qual já verificámos que a concorrência está muito forte”, afirma o selecionador nacional, José Marques.

Fonte: FPC