quinta-feira, 6 de abril de 2017

“Volta ao País Basco: Roglic vence 4.ª etapa”

Prova continua a ser liderada pelo espanhol David de la Cruz

Ciclista precisou de 4:23.46 horas para cumprir os 174,1 km

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista esloveno Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo) venceu esta quinta-feira a quarta etapa da Volta ao País Basco, prova que continua a ser liderada pelo espanhol David de la Cruz (Quick-Step Floors).

O vencedor da Volta ao Algarve de 2017 gastou 4:23.46 horas para cumprir os 174,1 quilómetros entre San Sebástian e Bilbau, cortando isolado a meta, depois de ter atacado nos quilómetros finais.

Num percurso com duas contagens de montanha de segunda categoria, a última a menos de 15 quilómetros da meta, Roglic deixou a dois segundos o primeiro grupo perseguidor, após uma queda ter partido o pelotão.

O australiano Michael Mathews (Sunweb) e o italiano Giovanni Visconti (Barhain Merida) lideravam o pelotão, no qual estava David de la Cruz, que manteve a liderança da geral, com um segundo de avanço sobre Roglic e três sobre o polaco Michal Kwiatowski (Sky).

O grande azarado da ronda acabou por ser o espanhol Alberto Contador, que caiu duas vezes, teve um furo e teve de mudar duas vezes de bicicleta, cortando a meta a 1.27 minutos de Roglic.

Tiago Machado (Katusha) foi o melhor português, na 40.ª posição, a 1.28 minutos do vencedor, mas caiu três lugares para a 35.º da geral, a 1.29 minutos do líder.

André Cardoso (Trek) foi 71.º posicionado, a 3.37 minutos de Roglic, Rafael Reis (Caja Rural) terminou em 121.º, a 9.12.

Na geral, André Cardoso subiu ao 63.º posto, a 9.20 da liderança, enquanto Rafael Reis ascendeu a 116.º, a 25.55.

Na sexta-feira, disputa-se a quinta etapa, num circuito de 139,8 quilómetros, entre Bilbau e Eibar, com seis contagens de montanha, a última de primeira categoria a coincidir com a meta.

Fonte: Record on-line

“Sporting Clube de Portugal e Alhandra Sporting Club vencem em Quarteira”

Na segunda etapa da Taça de Portugal de Triatlo o Sporting Clube de Portugal e o Alhandra Sporting Club aproveitaram a oportunidade e venceram a competição.

Nas últimas horas da manhã de hoje, 2 de Abril, após todas as competições internacionais que ilustraram o fim-de-semana competitivo de Quarteira, foi a vez de cerca de 400 triatletas testarem as suas capacidades. Disputada nos mesmos percursos que as provas de elites e de júniores da Taça da Europa de Triatlo, a competição da Taça de Portugal desafiou todos os inscritos a percorrer um triatlo na distância sprint.

A praia de Quarteira recebeu uma calorosa participação e a massa humana coloriu todo o cenário competitivo. No final de 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida a intensidade da prova ficou comprovada pelos fortes andamentos que se fizeram sentir e pelos numerosos grupos que circularam nas avenidas da cidade.

João Ferreira Pereira foi o primeiro a cortar a meta. O triatleta do Outsystems Olímpico de Oeiras cumpriu um excelente segmento de corrida e isolou-se para a vitória na competição. Luis Ferreira, Alhandra Sporting Club, foi segundo classificado e o Olímpico Bruno Pais, Grupo Desportivo Estoril Praia, encerrou o pódio masculino no terceiro lugar.

Na competição feminina Raquel Rocha foi a grande protagonista da manhã. A triatleta do CNATRIL Triatlo que esteve afastada da competição durante alguns anos voltou a demonstrar a qualidade atlética que sempre a identificou e venceu a prova feminina. A apenas dez segundos da liderança, Katarina Larsson, Sporting Clube de Portugal, foi segunda classificada na prova. Ana Filipa Ferreira, Alhandra Sporting Club, ocupou o último lugar do pódio.

Em termos coletivos a etapa de Quarteira foi vencida pelo Sporting Clube de Portugal em femininos e pelo Alhandra Sporting Club em masculinos. Pontos importantes que no caso da competição feminina consolidam a posição de liderança do Sporting Clube de Portugal que soma duas vitórias nas duas primeiras etapas. O Alhandra Sporting Club foi segundo nas senhoras e o CCD/Intermarché Lagos terminou na terceira posição. Na competição masculina o Outsystems Olímpico de Oeiras conquistou o segundo lugar coletivo e a Associação Naval Amorense completou o pódio na terceira posição.

O XVI Triatlo Cidade de Quarteira foi uma organização conjunta da Câmara Municipal de Loulé, da Junta de Freguesia de Quarteira e da Federação de Triatlo de Portugal, que contou com a colaboração do CIMAV (Clube Internacional da Marina de Vilamoura), do Grupo Motard de Quarteira e da Academia de Judo. Foi um evento que ajudou a dinamizar a modalidade num dos maiores momentos do calendário competitivo nacional e que se pautou por receber um grande número de clubes, atletas e espectadores para mais um excelente espetáculo da nossa modalidade.

Fonte: FTP

“João Silva 6º classificado em New Plymouth”

Foto: ITU

João Silva foi 6º classificado na etapa da Taça do Mundo de Triatlo disputada em New Plymouth, Nova Zelândia. O Olímpico português confirmou, mais uma vez, a razão de ser considerado um dos melhores triatletas do mundo e conquistou mais um excelente resultado num dos maiores palcos do cenário competitivo internacional.

Disputada esta madrugada a etapa ficou marcada pela competição em formato sprint. Numa rápida, intensa e exigente competição os triatletas foram desafiados a percorrer 750m de natação, 20km de ciclismo e 5km de corrida sob condições climatéricas adversas. O favoritismo à vitória na competição surgia por intermédio de Richard Murray. O Sul Africano confirmou as suas intenções e conquistou a competição pelo terceiro ano consecutivo. Matthew McElroy, Estados Unidos, foi segundo classificado e Ryan Sissons, neozelandês, encerrou o pódio masculino na terceira posição.

João Silva apresentou uma boa performance e esteve sempre integrado no grupo da liderança, disputando os lugares cimeiros da competição. Com um parcial de corrida de enorme qualidade terminou a prova no 6º lugar da geral.

Este é mais um bom resultado para um dos nossos triatletas num fim-de-semana que já se pode afirmar como de enorme felicidade para as cores nacionais.

Fonte. FTP

“Duarte Brás e Vasco Vilaça no pódio masculino da Taça da Europa de Triatlo”

Duarte Brás e Vasco Vilaça foram os grandes protagonistas da etapa júnior da Taça da Europa de Triatlo que decorreu esta manhã, dia 2 de Abril, em Quarteira. Os dois atletas ocuparam o segundo e o terceiro lugar do pódio, respectivamente, e demonstraram a qualidade e o potencial que os nossos atletas representam.

Depois da prova de ontem e motivados pela conquista de João Pereira na prova das elites foi a vez dos jovens atletas mostrarem o seu valor e a sua ambição na cidade algarvia. Os homens alinharam às 10h na praia de Quarteira para se lançarem aos 750m de natação que deram início à competição. No final do segmento surgiram em destaque Vasco Vilaça, José Vieira e Ricardo Baptista que, juntamente com atletas de outras nações, integraram o grupo da liderança no segmento de ciclismo. Ao longo dos rápidos 20kms percorridos nas avenidas da cidade o grupo da frente ganhou unidades e lançou-se compacto para a corrida no belíssimo paredão de Quarteira. Rapidamente as diferenças fizeram-se sentir e os atletas começaram a distanciar-se na procura dos lugares cimeiros da prova. O espanhol Alberto Gonzalez Garcia confirmou ser um dos favoritos à vitória final da competição e, com o melhor parcial de corrida, venceu a prova. Duarte Brás e Vasco Vilaça desempenharam excelentes prestações em todos os segmentos e foram constantes desafiadores da liderança da prova. Cortaram a meta na segunda e na terceira, respectivamente, e encerraram um pódio ibérico na competição. Tiago Fonseca, com uma grande performance completou a prova no quarto lugar.

Ricardo Baptista foi 9º classificado e Tiago Pinto 13º. Em competição estiveram também outros valores do triatlo nacional que cumpriram a sua representação da melhor forma. José Vieira foi 20º, Alexandre Ribeiro 35º, Guilherme Pires 38º, Miguel Baltazar 45º e Bernador Aguiar terminou na 47ª posição.

Pouco mais de um hora antes teve lugar a partida para a competição feminina. Disputada nos mesmos palcos que a prova das elites e a júnior masculina, a competição recebeu triatletas de toda a Europa e procurou apresentar um desafio a todas.

Mais uma vez, as cores nacionais estiveram em destaque. Gabriela Ribeiro apresentou enorme qualidade desde cedo na competição e assumiu a liderança da prova à saída da natação. A par com a francesa Jessica Fullagar, a portuguesa lançou-se para o ciclismo com alguma vantagem sobre a concorrência. No decorrer do segmento o grupo da liderança ganhou algumas unidades e deixou a decisão da prova para a sua parte final. Após 5km de corrida Jessica Fullagar surgia como a grande vencedora da competição. Seguida de perto pela espanhola Lucia Toulouzan, segunda classificada, e pela francesa Lea Coninx que terminou na terceira posição.

Gabriela Ribeiro encerrou uma participação de forma bastante positiva e alcançou o 12º lugar da geral. Mariana Vargem foi 19ª classificada, Inês Baptista Pereira 27ª, Joana Miranda 31ª e Carolina Serra terminou na 32ª.

A Taça da Europa de Triatlo Júnior confirmou a enorme qualidade dos nossos atletas e das nossas equipas de formação. Apresentou válidos argumentos para o futuro da nossa modalidade tanto a nível nacional como no panorama internacional e reafirmou Portugal como uma das maiores nações de Triatlo a nível europeu.

Fonte. FTP

“Primeiro IRONMAN 70.3 em Portugal/Triatletas do mundo invadem Cascais”

Por: Cláudia Timóteo

O próximo 3 de setembro vai ser um dia especial para o triatlo e para a vila de Cascais que será literalmente invadida por 2000 participantes na estreia portuguesa do IRONMAN 70.3. Neste momento, a cinco meses da prova, já estão inscritos representantes de 48 nacionalidades na competição que vai desafiar capacidades de resistência física e psicológica nas vertentes de Natação, Ciclismo e Corrida.

O IRONMAN 70.3 vai ter 1900 metros de natação na mais bela baía de Portugal ficando a zona de transição na marina de Cascais. Nos 90,1 quilómetros de ciclismo, os atletas vão percorrer a Avenida Marginal, entram no Autódromo do Estoril e passam no deslumbrante cenário florestal de Sintra regressando a Cascais pela estrada do Guincho. O último sector do triatlo, a Corrida, terá 21,1 quilómetros e será uma das mais bonitas de sempre. Após a saída da marina, o percurso segue ao longo do Paredão, passando pelo casario histórico com palácios e fortalezas de outros tempos, até São Pedro do Estoril, sempre bafejado pela brisa do mar e pelo entusiasmo dos milhares de veraneantes que vão ladear o percurso.

Será uma experiência inesquecível com tudo o que está a ser preparado em Cascais para os atletas, amigos e famílias. Jorge Pereira, diretor da empresa organizadora 3 Iron Sports, considera este evento um ponto de viragem no triatlo nacional. “Depois de duas edições do Cascais Triathlon e de seis anos de trabalho conjunto com o município realizamos um sonho não só nosso, como de milhares de atletas e amantes do desporto nacional e internacional. Portugal tem características únicas para a prática da modalidade e Cascais está na moda, vai ser um evento de enorme dimensão, ocupando uma área de centenas de quilómetros, numa operação logística como nunca existiu no nosso país”. Trata-se de uma iniciativa que vai muito para além da prova desportiva porque, além de beneficiar e divulgar a modalidade, contribui significativamente para expandir o turismo português numa vertente ainda pouco explorada, a do segmento dos grandes eventos desportivos. A organização estima que haverá no concelho de Cascais impactos financeiros de 6 milhões de euros. “Em média, por cada participante no evento, há dois acompanhantes que pernoitam três a quatro noites e que tendencialmente regressam mais tarde ao local da prova com fins turísticos”,  explica Jorge Pereira.

O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, enaltece o evento desportivo que mobiliza atletas de todo o mundo e que a região “como um dos melhores destinos internacionais para a prática da modalidade, ao mesmo tempo que tem importantes retornos turísticos e económicos para o concelho, tanto no imediato como no médio prazo. Porque quem corre, nada ou pedala em Cascais uma vez, vai voltar outra vez.” Carlos Carreiras relembra ainda que o Ironman 70.3 é “um desafio que tem tudo a ver connosco: resiliência, superação e espírito competitivo são características que definem Cascais e as suas gentes.”

O primeiro IRONMAN 70.3, em Portugal, para além de proporcionar uma experiência única aos participantes vai disponibilizar 50 acessos diretos para participação no Campeonato do Mundo IRONMAN 70.3, no próximo ano. Os 50 melhores atletas, dos diferentes escalões etários a competir em Cascais, terão a oportunidade única de se qualificarem para o maior evento planetário de triatlo que se realiza anualmente.

O que é o IRONMAN 70.3 Portugal - Cascais?

O IRONMAN 70.3 Portugal Cascais é um desafio aos limites do ser humano com 113km (70.3 Milhas) de dura competição – 1,9km de natação; 90,1km de ciclismo; 21,1km de corrida. As distâncias habituais no triatlo são na distância Olímpica: 1500m de natação, 40km de ciclismo e 10km de corrida, todas realizadas consecutivamente. As mulheres fazem esta competição de menor distância em média perto das 2 horas e os homens em 1 hora 50 minutos, mas na distância 70.3 os tempos gerais nos dois géneros variam entre as 3 horas 40 minutos e as 7 horas.

Porquê fazer o IRONMAN 70.3 Portugal - Cascais?

- É a primeira vez que se realiza uma prova marca IRONMAN em Portugal;

- É uma oportunidade de aumentar a fasquia competitiva e ultrapassar barreiras pessoais;

- Estarão presentes atletas de todo o mundo;

- É uma oportunidade de conseguir um dos 50 acessos diretos para participar no Campeonato do Mundo IRONMAN 70.3 de 2018. Apenas participando num IRONMAN 70.3 regional se pode ter acesso ao encontro mundial. Os 50 melhores atletas, dos diferentes escalões etários a competir, em Cascais, poderão qualificar-se para o maior evento planetário de triatlo.

Participantes no IRONMAN 70.3 Portugal - Cascais?

Neste momento estão inscritos atletas de 48 nacionalidades. Portugal é o país com mais atletas inscritos seguido do Reino Unido e Espanha. O mais novo tem 18 anos e o mais velho 78 e é Russo. Cerca de 83% dos participantes são homens e 16% são mulheres.

Os mais novos podem participar no IRONMAN 70.3 Portugal - Cascais?

Sim. No dia 2 de setembro (véspera do evento principal) vai realizar-se o IRONKIDS destinado a crianças entre os 7 e os 15 anos, com distâncias distintas para as várias faixas etárias, num Aquatlo (natação e corrida). Inscrições no site eu.ironman.com/cascais70.3

Quem não é atleta pode participar no IRONMAN 70.3 Portugal - Cascais?

Sim, como voluntário! O IRONMAN 70.3 Portugal - Cascais não seria possível sem a ajuda de todos os voluntários. Quando se quer dar o melhor evento aos atletas, temos de contar com os melhores voluntários. Inscrições no site eu.ironman.com/cascais70.3

O que é a IRONMAN?

IRONMAN é a marca desportiva número um a nível mundial, pelo prestígio, qualidade e fama de criar experiências únicas aos atletas. Fundado em 1978 no Hawaii, o IRONMAN Triathlon Series resulta da combinação das três maiores competições existentes na ilha do Pacífico ao nível de natação, ciclismo e corrida. Existe, hoje em dia, nos 5 continentes e em Portugal tem estreia marcada para 3 de setembro, em Cascais.

Fonte: 3IRON SPORTS

“ASFIC no pódio em Idanha-a-Nova”

MESMO EM MINORIA, ASFIC SOBE AO PÓDIO EM IDANHA A NOVA

Realizou-se ontem, 2 de abril, a II Clássica de Idanha-a-Nova em ciclismo, prova em que participaram cerca de 400 atletas divididos entre o granfondo e o mediofondo, sendo que a ASFIC se fez representar em minoria, e apenas com 3 atletas, (Luís Vicente no mediofondo e Rui Rodrigues e Aníbal Santo no granfondo).

A prova tinha setores de pavê e setores de subidas, percorridos nas aldeias históricas do concelho de Idanha a nova. Logo de início a corrida fez-se a grande velocidade com várias tentativas de fuga, tendo a qual a ASFIC tentado se defender o máximo possível, seguindo o pelotão todo junto para a principal dificuldade da prova, uma subida em pavê levando os ciclistas para a subida do castelo de Monsanto onde aí se fizeram as principais diferenças com Rui Rodrigues a acompanhar o grupo da frente e Luís Vicente a ficar no 2.º grupo. Entretanto na divisão da prova para o mediofondo iam três ciclistas em fuga, os quais nunca mais quebraram até à meta, Luís Vicente chegou logo de seguida fazendo assim o quarto posto.

No granfondo, onde Rui Rodrigues que estava a ser muito marcado, e a enfrentar grandes dificuldades de se defender, devido a estar sozinho, não conseguiu sair para a fuga teve que deixar sair três ciclistas que acabaram por chegar isolados. No pelotão Rui Rodrigues que vai subindo de forma não deu hipóteses à chegada fazendo o quarto posto e assim na categoria Master B foi o grande vencedor.

Mais uma vez e mesmo em minoria, os nossos atletas dignificaram a camisola da ASFIC e o nome dos nossos patrocinadores, subindo ao pódio.

Agradecemos a todos os nossos patrocinadores pelo importante apoio que têm dado à equipa.

Fonte: ASFIC

“Equipa Portugal/José Dias segundo no País Basco”

O português José Dias, ao serviço da Equipa Portugal, foi o segundo classificado na primeira corrida do troféu de XCO Superprestigio MTB, realizada em Arguedas, no País Basco, com vitória do medalhado olímpico Carlos Coloma.

O minhoto da Seleção Nacional fez uma corrida sempre na dianteira, sendo batido apenas pelo espanhol Carlos Coloma, medalha de bronze nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O terceiro classificado foi outro luso, Mário Costa, companheiro de Coloma na Primaflor-Mondraker, equipa que representou na competição deste domingo, 2 de abril.

João Rocha, sub-23 de primeiro ano, também representou a Equipa Portugal, cortando a meta na nona posição absoluta, terceira entre os sub-23. Bruno Nunes foi o 24.º classificado. Roberto Ferreira, indisposto, não chegou ao fim.

A Equipa Portugal também alinhou na prova de elite feminina, tendo Ana Tomás alcançado a quinta posição absoluta, garantindo o terceiro posto entre as sub-23.

Entre os juniores, Portugal conquistou dois pódios. Guilherme Mota foi segundo no setor masculino e Marta Branco foi terceira entre as raparigas. Ainda nesta categoria, nota para o quarto posto de Carlos Salgueiro e para o sexto lugar de Jéssica Costa.

Daniela Campos, também com a camisola da Seleção Nacional, ganhou a corrida de cadetes femininas.

Fonte: FPC

“Campeonato do Mundo de Pista”

Equipa Portugal em Hong Kong com Tóquio no horizonte

Ivo Oliveira (Axeon Hagens Berman) e João Matias (LA Alumínios-Metalusa BlackJack) vão representar a Equipa Portugal no Campeonato do Mundo de Pista, que se disputa em Hong Kong, entre 12 e 16 de abril. A participação da Seleção Nacional nesta competição marca o arranque do ciclo de qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Portugal vai competir em quatro disciplinas do Campeonato do Mundo, um feito inédito, já que, no passado, o melhor que o ciclismo português de pista conseguira foi o apuramento para duas provas. Ivo Oliveira vai correr em perseguição individual e na disciplina olímpica de omnium. João Matias irá alinhar em scratch e na corrida por pontos.

“Existem diferentes patamares de objetivos. Por um lado, pretendemos conseguir um bom nível de pontuação, o que passa por alcançar lugares no top 10, uma meta que considero possível nas quatro disciplinas”, afirma o selecionador nacional, Gabriel Mendes. A pontuação é fundamental para começar a pensar no apuramento para a Taça do Mundo da próxima época.

“No horizonte de qualificação olímpica, a experiência que vamos adquirir no Campeonato do Mundo é muito importante para o futuro. Podemos mesmo dizer que já faz parte do processo de qualificação. Embora os pontos não contem para o ranking de apuramento, que ainda não está aberto, são fundamentais para conseguirmos outras participações internacionais. E, além disso, a presença em Hong Kong dá-nos mais experiência num patamar elevado de competição”, explica o selecionador.

Ivo Oliveira terá em Hong Kong a segunda participação em Mundiais de elite. No ano passado competiu em scratch e na corrida por pontos. Em 2017 muda para perseguição individual, a disciplina onde tem o melhor palmarés, com medalhas em europeus e mundiais de juniores e de sub-23, e para omnium, a disciplina olímpica que faz sonhar os portugueses.

“São duas disciplinas muito importantes, mais o omnium, por ser disciplina olímpica. Quero já começar a fazer pontos para garantir a presença na Taça do Mundo, onde começarei a pensar nos Jogos Olímpicos, um objetivo nada fácil, porque só se apuram oito países da Europa”, esclarece o corredor.

João Matias está satisfeito com a estreia em mundiais, porque a convocatória representa “o corolário de todo o trabalho desenvolvido ao longo dos anos, a nível pessoal e da própria Seleção. Darei o meu melhor para tentar resultados no top 10. Vamos à luta!”, promete o minhoto.

A Equipa Portugal iniciou hoje, no Centro de Alto Rendimento de Sangalhos, Anadia, o trabalho específico de pista. A comitiva parte na sexta-feira para o Oriente, a tempo de continuar o trabalho e de fazer a adaptação horária ao fuso de Hong Kong, onde são mais sete horas do que em Portugal Continental.

O Campeonato do Mundo decorre de 12 a 16, mas os portugueses competem nos dias 13, 14 e 15. João Matias compete nos dias 13, em scratch, e 14, na corrida por pontos. Ivo Oliveira disputa a perseguição individual no dia 14 e o concurso de omnium no dia seguinte.

Fonte: FPC