sábado, 25 de maio de 2019

“GIRO: PLANO B DA MOVISTAR LEVA CARAPAZ À CAMISOLA ROSA”

Ciclista equatoriano venceu isolado a 14.ª etapa da Volta a Itália.

O plano 'B' da Movistar foi hoje totalmente bem sucedido nos Alpes, com Richard Carapaz a vencer isolado a 14.ª etapa da Volta a Itália em bicicleta e conquistar a camisola rosa, com a concorrência focada em Mikel Landa.

A etapa tinha muita montanha e chegada em subida, em Courmayeur, no sopé do Monte Branco, sendo propícia aos trepadores do pelotão e favoritos ao triunfo final, só que estes vigiaram-se mutuamente, com o 'vice' da Movistar a efetuar uma jogada de 'mestre', a mais de 30 quilómetros da meta.

Mais preocupadas com Landa, que era o quarto da geral, as principais equipas deixaram que o equatoriano Carapaz fosse sem companhia na subida de primeira categoria para ao alto de San Carlo e depois ampliasse a vantagem até à meta.

Vencedor da quarta etapa, o equatoriano cumpriu os 131 quilómetros do percurso iniciado em Saint-Vincent em 4:02.23 horas, com 1.32 segundos de avanço sobre o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott), segundo classificado, que na véspera tinha perdido muito tempo.

O italiano Vincenzo Nibali (Bahrain Merida) chegou em terceiro, a 1.54, e encabeçou o grupo dos restantes favoritos, seguido do polaco Rafal Majka (BORA-hansgrohe), do espanhol Mikel Landa (Movistar), do colombiano Miguel Ángel López (Astana), do russo Pavel Sivakov (INEOS) e do esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma).

Prossegue assim a tática do principal favorito, Roglic, em seguir nestas etapas na peugada de Nibali, que já definiu como o adversário mais temível. Se a estratégia lhe correr de feição, tem o contrarrelógio final para confirmar o triunfo.

O esloveno Jan Polanc (UAE-Emirates), que comandou a corrida durante dois dias, terminou a etapa em 28.º, a 7.20 minutos, e cedeu a camisola rosa a Carapaz, que comanda com sete segundos de avanço sobre Roglic e 1.47 em relação a Nibali.

A vantagem de Roglic para Nibali continua considerável, mas para os outros favoritos é já muito grande: Majka está a 2.10, Landa a 2.50, completando o 'top-5'.

O português Amaro Antunes (CCC) fez uma etapa sem pressão e entrou em 82.º, num dos vários grupos de ciclistas distanciados nas subidas, a 29.12. Na geral é o 46.º, a 50.21 - desceu 15 lugares.

Mais montanha, na 15.ª etapa, domingo, mas não tão intensa como hoje. São 237 quilómetros de Ivrea a Como, com quatro subidas, no que será o segundo dos dias de descanso, a anteceder a semana decisiva deste Giro.

Fonte: Sapo on-line

“Richard Carapaz vence etapa e assume a liderança do Giro”

Ciclista equatorianao Richard Carapaz (Movistar) ganhou este sábado isolado a 14.ª etapa da Volta a Itália

Por: Lusa

Foto: EPA 1/6

O ciclista equatorianao Richard Carapaz (Movistar) venceu este sábado isolado a 14.ª etapa da Volta a Itália e assumiu a liderança da prova na chegada a Courmayeur, no sopé do Monte Branco, nos Alpes.

Carapaz, que já tinha vencido a quarta etapa, destacou-se na subida de primeira categoria para ao alto de San Carlo, a cerca de 30 quilómetros da meta, e cumpriu os 131 quilómetros do percurso iniciado em Saint-Vincent em 4:02.23 horas, com 1.32 segundos de avanço sobre o britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott), segundo classificado.

O italiano Vincenzo Nibali (Bahrain Merida) chegou em terceiro, a 1.54, e encabeçou o grupo dos restantes favoritos, seguido do polaco Rafal Majka (BORA-hansgrohe), do espanhol Mikel Landa (Movistar), do colombiano Miguel Ángel López (Astana), do russo Pavel Sivakov (INEOS) e do esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma).

O esloveno Jan Polanc (UAE-Emirates), que comandou a corrida durante dois dias, terminou a etapa em 28.º, a 7.20 minutos, e cedeu a camisola rosa a Carapaz, que comanda com sete segundos de avanço sobre Roglic e 1.47 em relação a Nibali.

Fonte: Record on-line

“Equipa de ciclismo Manzana Postobon acaba após casos de doping”

"A equipa não vai participar mais em competições previstas no calendário nacional e internacional", lê-se no comunicado

Por: Lusa

Foto: Facebook Manzana Postobón Team

A Manzana Postobon, única equipa profissional colombiana de ciclismo, acabou, após vários casos de doping, anunciou o conjunto.

"Tomámos a decisão de não continuar com a equipa profissional de ciclismo e, a partir desta data, a equipa não vai participar mais em competições previstas no calendário nacional e internacional", lê-se num comunicado do Pedaleamos por Colombia (Pedalamos pela Colômbia), proprietário da equipa.

Num outro comunicado, a Postobon, principal patrocinador, também tinha anunciado ter terminado o contrato de patrocínio ao Pedaleamos por Colombia, mas que vai manter a parceria com federação colombiana de ciclismo.

Na segunda-feira, a União Ciclista Internacional tinha suspenso o ciclista Juan José Amador, já depois de Wilmar Paredes também ter tido um controlo positivo.

Fonte: Record on-line

“Lance Armstrong não se arrepende: «Fiz o que foi preciso para ganhar»”

Ciclista assume que não mudaria nada

De campeão a vilão, o antigo ciclista Lance Armstrong continua na ordem do dia e a dar que falar, gerando sempre como tema principal de debate um dos problemas mais sensíveis do desporto de alta competição, o doping. O norte-americano, recordista de sete vitórias na Volta a França, deu uma entrevista à NBC e fez declarações bombásticas, ao admitir que não sente nenhum arrependimento por ter recorrido sistematicamente a substâncias proibidas.
"Fiz o que foi preciso para ganhar, fora da legalidade, mas não mudava nada, mesmo tendo perdido muito dinheiro em ações judiciais e de ter deixado de ser um herói para passar a menos do que zero. Mas há sempre coisas positivas e aprendi muitas lições com todo o processo", declarou Lance Armstrong, de 47 anos.

Lance Armstrong, que teve José Azevedo (atual diretor desportivo da Katusha) como um dos seus principais escudeiros, continua a surpreender com a sua postura, como se as suas confissões fossem um exorcismo em relação ao submundo do doping: "Se eu apenas me dopasse e não tivesse revelado nada, nada disto teria acontecido. Estava praticamente a implorar para virem atrás de mim", considerou um dos desportistas mais perversos de sempre, desclassificado dos títulos no Tour e banido desde 2012.

Fonte: Record on-line

“Taça de Portugal Jogos Santa Casa Feminina/Fiona Hunter-Johnston vence Taça em Penalva do Castelo”

Por: José Carlos Gomes

A britânica Fiona Hunter-Johnston (Campinense/Velo Performance) sagrou-se hoje vencedora, pelo segundo ano consecutivo, da Taça de Portugal Feminina Jogos Santa Casa. A competição terminou com uma jornada dupla, em Penalva do Castelo. Maria Martins (Sopela Women’s Team) ganhou o contrarrelógio matutino. Fiona Hunter-Johnston impôs-se no circuito vespertino.

Fiona Hunter-Johnston confirmou, em Penalva do Castelo, a regularidade e a versatilidade, com o segundo lugar de elite no contrarrelógio e o primeiro na corrida em pelotão. No exercício individual brilhou Maria Martins, cumprindo os 6,4 quilómetros em 10m12s. Fiona gastou mais 10 segundos e Maaris Meier (Maiatos) fechou o pódio, a 31 segundos.

O circuito vespertino foi selecionando o grupo. Ao cabo dos 56,6 quilómetros impôs-se Fiona Hunter-Johnston, que relegou Maaris Meier para o segundo lugar, com o mesmo tempo, e Jennifer Holden (Campinense/Velo Performance) para o terceiro posto, a 1 segundo.

Fiona Hunter-Johnston concluiu a Taça de Portugal Jogos Santa Casa no topo da classificação, com 220 pontos. Seguiram-se Lauren Dolen (Team Rytger), com 85, e Maaris Meier (Maiatos), com 60.

Daniela Campos (5Quinas/Município de Albufeira/CDASJ) chegou invicta ao final da Taça de Portugal, vencendo as cinco provas pontuáveis e conquistando, com distinção, o troféu.

Beatriz Pereira (Bairrada) valeu-se da regularidade para conquistar a Taça de Portugal em cadetes. Ganhou a prova da tarde e foi segunda classificada, atrás de Mariana Líbano (Maiatos), no contrarrelógio desta manhã.

Inês Trancoso (Maiatos) ganhou o contrarrelógio na categoria de master 30 e foi a segunda classificada na corrida em pelotão, ganha por Raquel Santos (5Quinas/Município de Albufeira/CDASJ), um desempenho suficiente para vencer a Taça de Portugal Jogos Santa Casa na sua categoria etária.

Rita Reis (Maiatos) impôs-se no contrarrelógio das masters 40 e Ana Neves (Bike & Nutrition Shop) ganhou a etapa em circuito, resultado que não impediu Rita Reis de comemorar a conquista da Taça de Portugal. Mais simples foram as contas em masters 50. Maria Jesus (5Quinas/Município de Albufeira/CDASJ) fez o pleno neste sábado, triunfando nas duas corridas e na geral.

A equipa Maiatos venceu coletivamente a Taça de Portugal Feminina Jogos Santa Casa.

A Taça de Portugal revelou um forte crescimento do ciclismo feminino face ao ano anterior. Em 2019 participaram, em média, 72 corredoras em cada prova da Taça, mais 75,6 por cento do que a média de 41 participantes de 2018.

Fonte: FPC

“Memorial Bruno Neves”

Antonio Angulo triunfa em solitário

Por: José Carlos Gomes

Foto: Reprodução/Facebook: Efapel

O espanhol Antonio Angulo ganhou hoje a 11.ª edição do Memorial Bruno Neves, fechando da melhor forma o trabalho coletivo da Efapel, que atacou à vez no numeroso grupo de fugitivos que discutiu as primeiras posições.

A corrida de 146 quilómetros, entre Oliveira de Azeméis e Nogueira do Cravo, começou a definir-se logo nas pedaladas iniciais. Um grupo com cerca de 20 elementos destacou-se ainda antes da primeira passagem pela meta, que aconteceu ao quilómetro nove.

Com a maioria das equipas representadas na frente, o pelotão acabaria por desinteressar-se da perseguição, deixando a luta pela vitória na mão dos homens mais adiantados. A dureza do circuito foi encurtando o grupo de volta para volta.

A Efapel, com três homens na frente, foi atacando à vez, quando o grupo já estava muito selecionado. Uma dessas investidas resultou no triunfo de Antonio Angulo. O espanhol cortou a meta com 3h18m24s de prova, menos 21 segundos do que o colega de equipa Joni Brandão, segundo classificado, e menos 28 do que Luís Fernandes (Aviludo-Louletano), terceiro.

Os homens que discutiram a corrida também se bateram pelas classificações secundárias, uma vez que estiveram na dianteira toda a prova. Bruno Silva (Efapel) foi coroado rei dos trepadores, Joni Brandão foi o melhor nos sprints especiais, Daniel Freitas (Miranda-Mortágua) arrebatou a classificação das metas volantes, Pedro Miguel Lopes (UD Oliveirense-InOutBuild) sagrou-se melhor jovem e Gabriel Silva (Aluminios Cortizo) conseguiu o título de melhor jovem das equipas de clube. A Efapel impôs-se coletivamente.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Raquel Queirós cada vez mais perto do top 10”

Por: José Carlos Gomes

A portuguesa Raquel Queirós foi hoje a 13.ª classificada na prova sub-23 da Taça do Mundo de Cross Country Olímpico (XCO), realizada em Nové Město na Moravě, República Checa. Foi a segunda melhor entre as sub-23 de primeiro ano.

Raquel Queirós, no primeiro ano de sub-23, estreou-se na Taça do Mundo há uma semana, com o 17.º lugar em Albstadt, Alemanha. Hoje, na segunda participação subiu mais alguns degraus e aproximou-se das dez melhores, resultado de realce no primeiro ano nesta categoria etária.

A corredora portuguesa partiu do lugar 27 da grelha e foi galgando posições para cortar a meta no 13.º posto, a 5m46s da vencedora, a estadunidense Haley Batten, que foi acompanhada no pódio pela alemã Rinja Eibl e pela austríaca Laura Stigger, segunda e terceira, respetivamente.

Raquel Queirós foi a segunda melhor corredora sub-23 de primeiro ano, apenas batida pela terceira classificada da geral, Laura Stigger, campeã mundial júnior de estrada e de BTT em 2018. Marta Branco também representou a Equipa Portugal nesta prova, concluindo a participação no 53.º lugar, a duas voltas da vencedora.

A corrida masculina de sub-23 também se disputou neste sábado. João Rocha e Rafael Rita foram os portugueses em pista e ambos melhoraram os resultados pessoais, face à prova da semana passada, ficando no primeiro terço da classificação.

João Rocha foi o 39.º, a 5m14s do vencedor, o romeno Vlad Dascalu, que venceu o intenso duelo estabelecido com o suíço Filippo Colombo. O terceiro foi o dinamarquês Simon Andreassen.

Rafael Rita, sub-23 de primeiro ano, partiu na posição 99 e fez uma recuperação consistente de lugares para fechar a corrida no 41.º lugar, a 5m28s do primeiro.

“Foi uma jornada muito positiva para Portugal. A Marta Branco continua a evoluir e a Raquel Queirós já está no top 15, o que é excelente para uma corredora de primeiro ano. Nos masculinos, o João Rocha também revelou evolução, sendo de destacar a excelente prestação do Rafael Rita, sub-23 de primeiro ano, que recuperou desde uma partida quase na posição 100 até à porta do top 40”, destaca o selecionador nacional, Pedro Vigário.

A etapa checa da Taça do Mundo de XCO fecha neste domingo. A Equipa Portugal competirá na prova de elite masculina por intermédio de Mário Costa. David Rosa e Ricardo Marinheiro, em representação das equipas e não da Seleção, também estão inscritos.

Fonte: FPC