sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

“Tour Down Under: Caleb Ewan faz o 'tri'”

Ruben Guerreiro foi 15.º na quatra etapa

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista australiano Caleb Ewan (Orica Scott) alcançou esta sexta-feira a terceira vitória no Tour Down Under, na Austrália, ao ganhar a quarta etapa, na qual Ruben Guerreiro (Trek-Segafredo) voltou a ser o melhor português.
Ruben Guerreiro foi 15.º na tirada, que ligou Norwood a Campbelltown, na distância de 149,5 quilómetros, mantendo a liderança na classificação da juventude, à frente do espanhol Enric Mas (Quick-Step) e do colombiano Jhonatan Restrepo (Katusha-Alpecin).

Na etapa de hoje, Caleb Ewan voltou a ser o mais forte no sprint final, completando a etapa em 3:45.19 horas, à frente do eslovaco Peter Sagan (Bora-Hansgrohe), bicampeão mundial de estrada, e do holandês Danny van Poppel (Sky), que terminaram com o mesmo tempo.
Tal como Ruben Guerreiro, os outros dois portugueses em prova, ambos da Katusha-Alpecin, terminaram integrados no pelotão. José Gonçalves foi 28.º, enquanto Tiago Machado terminou em 43.º, ambos também com o mesmo tempo do vencedor.
Na geral, o australiano Richie Porte (BMC), que hoje terminou em 30.º, com o mesmo tempo do compatriota, continua a vestir a camisola de líder, com os mesmos 20 segundos de vantagem sobre o espanhol Gorka Izagirre (Movistar).
Ruben Guerreiro subiu uma posição e fixou-se no décimo lugar, a 29 segundos de Porte. José Gonçalves, que partia para esta etapa em 37.º lugar, segue agora uma posição abaixo, a 1.14 minutos do primeiro, enquanto Tiago Machado subiu três lugares na classificação, de 74.º para 71.º, a 4.17.
No sábado disputa-se a quinta e penúltima etapa, uma tirada de 151,5 quilómetros que ligará McLaren Vale a Willunga Hill.

Fonte: Record on-line

“Vanessa Fernandes regressa ao triatlo”

Aos 31 anos, quer voltar a viver emoções fortes na modalidade em que foi medalha de prata olímpica

Por: Luís Avelãs e Norberto Santos

Foto: Vítor Chi

Vanessa Fernandes vai filiar-se em breve na Federação de Triatlo de Portugal para fazer a primeira prova na modalidade que lhe deu a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008, após um longo afastamento.

Aos 31 anos, a atleta do Benfica sente que é chegada a altura de querer voltar a viver fortes emoções no triatlo. A seguir aos Jogos no Rio de Janeiro, onde foi suplente na maratona, Vanessa ‘descobriu’ que o seu futuro na alta competição poderia voltar a ser no triatlo, onde tem mais possibilidades de se afirmar a nível mundial.

Embora o triatlo seja uma modalidade que requer muito volume de trabalho, repartido por 3 modalidades (natação, ciclismo e atletismo), Vanessa está fortemente motivada para regressar à sua modalidade de eleição, onde foi líder mundial, detendo um recorde de 20 vitórias em provas da Taça do Mundo, para lá de uma série de títulos importantes.

A mudança de treinador, passando a estar integrada no grupo de Lino Barruncho, também ajudou Vanessa , agora a resisdir em Cascais, a assentar ideias. Record sabe que a atleta tem cumprido com as exigências do treino, mas que olha para o futuro com bastante otimismo. Isto sem qualquer prejuízo de continuar a representar o Benfica nas provas de corta-mato, onde tem sido útil.

É que no triatlo pode voltar aos Jogos Olímpicos e ter sucesso.

Benfica apoia

Nos últimos tempos, Vanessa tem-se dedicado ao corta-mato e a futura presença em competições de triatlo não está a preocupar os dirigentes do Benfica, que compreendem os argumentos da atleta. O apoio do Benfica, aliás, tem sido determinante para o regresso de Vanessa.

Fonte: Record on-line

“Volta ao Algarve terá transmissão em direto para toda a Europa”

De 15 a 19 de fevereiro

A 43.ª edição da Volta ao Algarve em Bicicleta, que vai realizar-se entre 15 e 19 de fevereiro, será transmitida em direto para toda a Europa pela cadeia televisiva internacional Eurosport. Em Portugal a corrida poderá ser vista no canal desportivo e também na TVI 24.

A prova terá uma hora diária de transmissão em direto para os 55 países e 68 milhões de lares, reforçando a divulgação de um grande espetáculo desportivo e mostrando ao Mundo a região do Algarve e o seu potencial enquanto território turístico e velocipédico.

A transmissão em direto será possível graças ao investimento da Região de Turismo do Algarve (RTA) e da Associação Turismo do Algarve (ATA), em parceria com o Turismo de Portugal, que encaram a Volta ao Algarve, organizada pela Federação Portuguesa de Ciclismo, como um extraordinário meio de promoção internacional da região. O apoio dos municípios que recebem as partidas e chegadas foi também importante para que se desse este passo decisivo para o crescimento da Volta ao Algarve.

“A transmissão da Volta ao Algarve valoriza e dá notoriedade a esta região, que é um destino turístico de excelência para as bicicletas, nas suas diferentes vertentes. Somos uma região com excelentes condições naturais e paisagísticas, com percursos cicláveis e com grande oferta hoteleira, de cultura, património e gastronomia. O direto permitirá alavancar a notoriedade internacional do mais importante destino turístico do país”, frisa o presidente da RTA, Desidério Silva.

“A ATA, responsável pela promoção internacional do Algarve, congratula-se com a divulgação da região pela Eurosport em toda a Europa, pois permite-nos chegar aos nossos principais mercados emissores de turistas. Mostrar o destino nesta altura do ano através da Volta ao Algarve é uma excelente oportunidade promocional para o Algarve”, afirma o presidente da ATA, Carlos Luís.

O presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira, salienta a cooperação entre os diversos atores envolvidos. “Destaco a excelente cooperação estabelecida entre a Federação e as entidades que tornaram possível o direto televisivo: a RTA e a ATA, as autarquias, o IPDJ e os patrocinadores. O incremento de mediatismo da Volta ao Algarve valoriza a corrida e o ciclismo, pois intensifica-se um novo pico de atenção pública sobre a modalidade, que traz benefícios para as equipas e os corredores participantes, portugueses e estrangeiros. Por outro lado, é a afirmação do ciclismo enquanto meio privilegiado para a divulgação e dinamização turística”, declara Delmino Pereira.

O direto televisivo irá potenciar ainda mais a capacidade de penetração mediática global da Volta ao Algarve, um evento que, em 2016, sem transmissão, registou a presença de mais de 100 jornalistas e que motivou a publicação de mais de mil peças jornalísticas em 27 países.

A 43.ª edição Volta ao Algarve será disputada por 200 corredores, em representação de 25 equipas. Estarão presentes algumas das maiores estrelas mundiais da modalidade. Entre as equipas participantes contam-se 12 do WorldTour, a Liga dos Campeões do ciclismo.

A corrida terá cinco etapas e um total de 772 quilómetros. A primeira etapa, entre Albufeira e Lagos, terá 182,9 quilómetros, sendo uma oportunidade para os velocistas. No segundo dia os corredores vão completar 189,3 quilómetros, entre Lagoa e o alto da Fóia. A meta coincide com um prémio de montanha de primeira categoria e será o primeiro teste aos candidatos à camisola amarela. A terceira etapa é um contrarrelógio individual de 18 quilómetros, em Sagres. Os sprinters terão nova oportunidade no final da quarta jornada, uma viagem de 203,4 quilómetros, entre Almodôvar e Tavira. A quinta e derradeira tirada liga Loulé ao alto do Malhão, uma chegada coincidente com uma contagem de montanha de segunda categoria, onde se decidirá a competição.

Equipas participantes

WorldTour: Astana (CAZ), Bora-hansgrohe (GER), Cannondale-Drapac (EUA), Dimension Data (RSA), FDJ (FRA), Katusha-Alpecin (SUI), Lotto NL-Jumbo (NED), Lotto Soudal (BEL), Movistar (ESP), Quick-Step Floors (BEL), Team Sky (GBR) e Trek-Segafredo (EUA).

Continental Profissonal: Caja Rural-Seguros RGA (ESP), Cofidis (FRA), Gazprom-RusVelo (RUS), Manzana Postobón (COL), Roompot-Nederlandse Loterij (NED) e Wanty-Groupe Gobert (BEL)

Continental: Efapel, LA Alumínios-Metalusa, Louletano-Hospital de Loulé, RP-Boavista, Sporting-Tavira e W52-FC Porto (POR), e Rally Cycling (EUA)

Fonte. FPC