quarta-feira, 20 de junho de 2018

“Equipa Portugal/Portugal com onze corredores nos Jogos do Mediterrâneo”

Por: José Carlos Gomes

A Equipa Portugal vai participar com onze ciclistas na Missão Portuguesa aos Jogos do Mediterrâneo, cujas provas de ciclismo se realizam em Tarragona, Catalunha, nos dias 27 e 30 de junho.

As corridas de ciclismo dos Jogos do Mediterrâneo impõem que os participantes tenham entre 19 e 29 anos e que pertençam a equipas de clube ou continentais, estando interdita a inscrição de ciclistas das formações WorldTour e continentais profissionais.

A Equipa Portugal vai alinhar nas provas masculinas e femininas. O selecionador nacional de estrada, José Poeira, convocou André Carvalho (Liberty Seguros-Carglass), Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista), Francisco Campos (Miranda-Mortágua), Frederico Figueiredo e Joni Brandão (Sporting-Tavira), João Rodrigues (W52-FC Porto), Rafael Silva (Efapel) e Tiago Antunes (Aldro Team).

Gabriel Mendes, selecionador nacional de ciclismo feminino, chamou três corredoras para os Jogos do Mediterrâneo: Daniela Reis (Doltcini-Van Eyck Sport), Maria Martins e Soraia Silva (Sopela Women’s Team).

Os oito corredores masculinos são os primeiros a entrar em ação, disputando a prova de fundo, às 9h00 de quarta-feira, 27 de junho. A corrida terá 143 quilómetros, muito exigentes, com quatro subidas longas. A partida e a chegada serão na localidade de Vilaseca, uma situação comum a todas as provas de ciclismo dos Jogos do Mediterrâneo.

O trio feminino também compete na próxima quarta-feira. Será uma corrida de 89 quilómetros, também marcada pelas dificuldades orográficas. O tiro de partida vai soar às 15h00.

Os contrarrelógios estão marcados para dia 30. Portugal estará representado por Domingos Gonçalves na prova masculina, 25 quilómetros a disputar a partir das 8h00. Quando terminarem os homens correm as mulheres, entre as quais estará Daniela Reis, num exercício individual de 18 quilómetros.

(Horas de Portugal Continental)

Fonte: FPC

“Campeonato Nacional de Estrada”

Ordem de partida para as provas de contrarrelógio

Por: José Carlos Gomes

O Campeonato Nacional de Estrada vai realizar-se em Belmonte, entre 22 e 24 de junho, e já é conhecida a ordem de partida para as provas de contrarrelógio, que abrem a competição, na manhã da próxima sexta-feira.

Os exercícios individuais arrancam às 11h00 com a prova de elite feminina, na qual estão inscritas 12 corredoras, que terão por diante um percurso de 24,1 quilómetros. A primeira a sair é Irina Coelho e a última, às 11h11 é a campeã nacional de 2017, Soraia Silva (Sopela Women’s Team). Daniela Reis (Doltcini-Van Eyck Sport), vencedora de três títulos nos últimos cinco anos, será a penúltima a sair, às 11h10.

A seguir à elite feminina será a vez de competirem os sub-23 masculinos, também ao longo de 24,1 quilómetros. A prova dos menores de 23 anos abre com Gonçalo Afonso (Sporting/Tavira/Formação Eng. Brito da Mana), às 11h20. Com os dois melhores de 2017, José Neves e Gaspar Gonçalves, inscritos em elite, a primazia entre os sub-23 vai para o terceiro classificado do ano passado, João Almeida (Hagens Berman Axeon), que tem honras de encerramento da série dos mais jovens, às 11h47.

Antes do caldense que, no sábado passado, foi segundo no contrarrelógio do Giro de Itália para sub-23, vão partir, entre outros, Tiago Antunes (Aldro Team), às 11h46, Daniel Viegas (Polartec/Kometa), às 11h44, Ivo Oliveira (Hagens Berman Axeon), às 11h43, Jorge Magalhães (Miranda-Mortágua), às 11h40, e Pedro Miguel Lopes (Liberty Seguros-Carglass), às 11h29.

A elite masculina inicia o contrarrelógio de 33,7 quilómetros às 12h15, altura em que parte André Santos (Vito-Feirense-BlackJack). O último a começar o esforço é o campeão nacional de 2017, Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista), às 12h29. Também competirão o segundo e o terceiro classificados da edição anterior, Rafael Reis (Caja Rural-Seguros RGA), às 12h28, e Sérgio Paulinho (Efapel), às 12h25.

Outros nomes a seguir com atenção são, por ordem de entrada em cena, Edgar Pinto (Vito-Feirense-BlackJack), às 12h22, Tiago Machado (Team Katusha Alpecin), às 12h23, Gaspar Gonçalves (Liberty Seguros-Carglass), às 12h24, José Neves (W52-FC Porto), às 12h26, e José Gonçalves (Team Katusha Alpecin), às 12h27.

As ordens de partida definitivas serão conhecidas na manhã de sexta-feira.


Últimos vencedores por categoria

Elite Masculina

2017 – Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista)

2016 – Nelson Oliveira (Movistar Team)

2015 – Nelson Oliveira (Lampre-Merida)

2014 – Nelson Oliveira (Lampre-Merida)

2013 – Rui Costa (Movistar Team)
 

Elite Feminina

2017 – Soraia Silva (Bairrada)

2016 – Daniela Reis (DN17 Poitou Charentes)

2015 – Daniela Reis (DN17 Poitou Charentes)

2014 – Katarina Larsson (Rodabike/ACRG/Gondomar)

2013 – Daniela Reis (ACD Milharado)
 

Sub-23

2017 – José Neves (Liberty Seguros/Carglass)

2016 – Gaspar Gonçalves (Liberty Seguros/Carglass)

2015 – José Neves (Anicolor)

2014 – Rafael Reis (Banco BIC-CARMIM)

2013 – Rafael Reis (Ceramica Flaminia-Fondriest)

Fonte: FPC

terça-feira, 19 de junho de 2018

“NELSON OLIVEIRA NOS PRÉ-CONVOCADOS PARA O TOUR”

Movistar com três lideres

Foto: Filipe Farinha

Nelson Oliveira está nos pré-convocados da Movistar para o Tour. Esta lista é composta por dez ciclistas, de onde sairão os oito que irão representar a equipa espanhola por estradas francesas, sendo que a composição oficial será divulgada após os campeonatos nacionais no fim de semana. O português voltou à competição na Volta à Suíça, depois de se lesionar no Paris-Roubaix, em abril.

A equipa de Eusebio Unzué vai levar toda a sua artilharia para França, com Nairo Quintana, Alejandro Valverde e Mikel Landa a liderarem a equipa. O diretor desportivo disse à agência espanhola EFE que tem grandes expectativas. "Temos um plano A, B e C. É uma grande vantagem para nós.

A experiência de Valverde, a consistência de Quintana e a irreverência de Landa vão dar-nos muitas opções e criar dificuldades às outras equipas", salientou

Fonte: Record on-line

“Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal”

Realiza-se no dia 24 de junho, em Guimarães, o Passeio de Bicicleta “Dia 1 de Portugal” promovido pela Associação de Ciclismo do Minho. A iniciativa é de participação gratuita (oferta de t-shirt oficial e do seguro), havendo a possibilidade de inscrição no Passeio, Mini Passeio e Trilho de BTT. A concentração está marcada para as 9 horas, junto ao Estádio D. Afonso Henriques. As inscrições (gratuitas) podem ser efetuadas online (www.acm.pt)

A 10ª edição do Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal terá dois percursos de dificuldade baixa (passeio e mini passeio) e um trilho de BTT (promovido em parceria com a Erdal), procurando-se assim incentivar a participação de todos os interessados, independentemente da idade e da condição física.

O Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal pretende incentivar a prática desportiva e a utilização da bicicleta como opção de mobilidade, para além de assinalar uma importante data histórica, a Batalha de São Mamede (24 de Junho de 1128) que viria a ser designada como "a primeira tarde portuguesa". Este ano a iniciativa associa-se às atividades locais a realizar no âmbito do projeto "SW-UP Sport for Women in Urban Places" que tem como propósito aumentar a participação das mulheres no desporto e atividades físicas ao ar livre em áreas urbanas de vários estados membros da União Europeia.

A inscrição é gratuita e os participantes no Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal terão direito a uma t-shirt oficial, oferecida pela Liberty Seguros, habilitam-se ao sorteio de prémios oferecidos pelos diversos parceiros da iniciativa e estarão cobertos pelo seguro desportivo.

A participação de figuras públicas e de referências do desporto tem sido uma das características do Passeio Dia 1 de Portugal, proporcionando-se assim momentos de interação e de convivência no contexto de uma autêntica "festa do ciclismo de lazer" em que pode participar toda a família.

Com partida e chegada junto ao Estádio D. Afonso Henriques (início às 10 horas), a iniciativa terá três percursos (Passeio, Mini Passeio e Trilho de BTT), sendo o trajeto inicial (no Centro Histórico de Guimarães) efetuado em conjunto por todos os grupos de participantes. À passagem pelo local da partida, depois do trajeto inicial no Centro Histórico, termina o Mini Passeio.

O Trilho de BTT, uma das três opções de participação, é promovido em parceria com a ERDAL - Escolas de Referência de Desportos de Ar Livre. O percurso do Trilho de BTT terá uma extensão de cerca de 20 kms mas que se alonga para cerca de 25 kms (acumulado positivo de 750 metros) com o passeio inicial pelo Centro Histórico de Guimarães e com o acesso final ao local de partida/chegada. Na preparação do percurso do trilho houve uma particular atenção em proporcionar aos participantes paisagens únicas e deslumbrantes, muitas delas até agora inacessíveis em percursos de BTT.

O Passeio de Bicicleta Dia 1 de Portugal conta, entre outros, com os seguintes apoios: Câmara Municipal de Guimarães, Federação Portuguesa de Ciclismo, Liberty Seguros, Cision, Arrecadações da Quintã, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Tempo Livre / Centro de Medicina Desportiva de Guimarães, Vitrus Ambiente, AFAcycles, Salvaggio, Controlsafe, Eyemotion, Guimarpeixe, Hotel ibis - Guimarães, Enfcare - Serviços de Enfermagem, Lda., Interfios, Pevigel, FNAC - Guimarães, Odisseias, Junta de Freguesia da Costa e Remax GO (Azurém - Quintã / Guimarães).

Nas edições anteriores a iniciativa integrou a programação de Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura, de Guimarães 2013 - Cidade Europeia do Desporto, foi o evento escolhido pelo Comité Olímpico de Portugal para assinalar o Dia Olímpico (2013), integrou o programa oficial das Comemorações dos 8 Séculos da Língua Portuguesa (2014), fez parte do programa do Centenário do Centro Juvenil de São José (2015) e do projeto de inclusão social desenvolvido em parceria pela CERCIGUI e o CNE - Corpo Nacional de Escutas (2015).

Fonte: ACM

“Agenda de Ciclismo”

Três campeonatos nacionais no próximo fim-de-semana

Por: José Carlos Gomes

A agenda de ciclismo para o próximo fim-de-semana fica marcada pela realização de três campeonatos nacionais. Belmonte recebe, de sexta-feira a domingo, o Campeonato Nacional de Estrada para Elite e Sub-23. Reguengos de Monsaraz é palco, sábado e domingo, do Campeonato Nacional Master. O Funchal acolhe, no domingo, o Campeonato Nacional de Enduro BTT.

O Campeonato Nacional de Estrada de Elite e Sub-23 inicia-se às 11h00 de sexta-feira com as provas de contrarrelógio. Primeiro correm as ciclistas de elite, seguindo-se os sub-23 masculinos. Ambas as categorias têm pela frente um exercício individual de 24,1 quilómetros. Após os sub-23 entram em ação os corredores de elite, cujo contrarrelógio terá 33,7 quilómetros. Os campeões nacionais de contrarrelógio estarão definidos cerca das 13h00.

As provas de fundo arrancam com a corrida feminina, às 11h00 de sábado. O pelotão vai juntar as ciclistas de elite com as juniores, as cadetes e as masters. As ciclistas da categoria principal vão percorrer 107 quilómetros, resultantes de cinco voltas ao circuito de 21,4 quilómetros, que será o epicentro de todas as provas de fundo ao longo do fim de semana. As juniores completam menos uma volta, ficando-se pelos 85,6 quilómetros, enquanto as cadetes e as masters têm de cumprir três voltas e 64,2 quilómetros.

Ainda no sábado, a partir das 15h00, é a vez de o pelotão de sub-23 competir pelo título nacional de fundo. Tal como acontecerá no dia seguinte com os corredores de elite, os sub-23 percorrem 76 quilómetros e só depois entram no circuito de Belmonte. A prova acabará à quarta passagem pela meta, quando estiverem cobertos 160,4 quilómetros.

A prova mais esperada é a corrida de fundo para elite. Vai para a estrada às 11h00 de domingo, convocando os melhores ciclistas portugueses para uma viagem de 181,8 quilómetros, que termina à quinta passagem pela meta. O percurso é um rompe-pernas que não se pode considerar muito exigente. Os derradeiros 1500 metros do circuito, sempre em subida, poderão ser determinantes para o lançamento de ataques, na volta final ou mais de longe.

Prevê-se que o Campeonato Nacional de Estrada junte em Belmonte cerca de 200 participantes, distribuídos pelas diferentes categorias masculinas e femininas. Tanto entre os homens como as mulheres, os corredores do pelotão nacional terão a forte concorrência dos emigrantes do ciclismo português, que têm nesta competição a maior oportunidade anual de brilhar em território pátrio.

Os veteranos também irão discutir os títulos nacionais no próximo fim-de-semana, em pleno Alentejo. No sábado corre-se a prova de contrarrelógio, a partir das 15h00. O percurso terá 21,4 quilómetros, com partida em Monsaraz e chegada em Reguengos. Prevê-se a participação de mais de cem ciclistas no exercício individual.

A prova de fundo está marcada para as 11h00 de domingo. A partida e chegada acontecerão em Reguengos de Monsaraz, havendo diferentes quilometragens para as diferentes categorias. Os corredores amadores de elite e os masters até 39 anos completarão 146,2 quilómetros. Os veteranos até 49 anos têm pela frente 110,1 quilómetros. Os participantes com mais de 50 anos vão cumprir 74.1 quilómetros. São esperados mais de 250 ciclistas para as provas de fundo.

A Madeira vai receber o Campeonato Nacional de Enduro BTT. A partir de sexta-feira haverá já a habitual azáfama relativa a estes grandes eventos, embora a competição propriamente dita aconteça apenas no domingo. A partir das 8h00 são abertas as hostilidades competitivas.

São esperados mais de cem participantes, que irão bater-se pelos títulos nacionais numa corrida com cinco especiais classificativas, que totalizam 12 quilómetros. Os troços de ligação têm cerca de 25 quilómetros.

Fora do âmbito competitivo, o destaque do próximo fim-de-semana vai para o Passeio Dia Um de Portugal, que se realiza em Guimarães, na manhã de domingo. É uma iniciativa de ciclismo para toos que oferece três percursos – passeio, mini passeio e trilho BTT. A inscrição é gratuita, mas deve ser previamente efetuada na página da Associação de Ciclismo do Minho na Internet.

 

Mais eventos oficiais

23 de junho: 1.º Raid BTT GPS, Chaves

23 de junho: 4.ª Prova Troféu Escolas de BTT, Tercena, Barcarena, Oeiras

23 de junho: Taça do Algarve de BMX, Portimão

23 de junho: 4.º Resistência BTT Noturna de Estói, Faro

23 de junho: 3.ª Prova da Taça da Ilha Terceira de Ciclismo de Estrada, Açores

24 de junho: Prémio Inter-Regional Beira Litoral de Estrada, Sangalhos, Anadia

24 de junho: Encontro Regional de Escolas, Nelas

24 de junho: 4.ª Prova da Taça Regional de XCM da Beira Litoral, Coimbra

24 de junho: 5.ª Prova da Taça do Algarve de XCO e Encontro Regional de Escolas, Monchique

24 de junho: Encontro de Escolas e Taça Regional de Estrada da Ilha do Pico, Açores

Fonte: FPC

“Sicasal-Constantinos-Delta Cafés no GP ABIMOTA REVELOU GRANDE EVOLUÇÃO”

Texto: AfterTwo //works

Fotos: José Sardinha e João Fonseca

A Sicasal-Constantinos-Delta Cafés esteve em competição na 39ª edição do Grande Prémio Internacional Abimota, uma das mais carismáticas e antigas provas nacionais de ciclismo, que cruzou meio Portugal entre os passados dias 13 e 17 do corrente.

Em dia de Santo António, Lisboa recebeu a primeira etapa da prova com um contra-relógio por equipas que deram um colorido diferente às avenidas da capital, numa iniciativa inédita em 39 edições do evento. Os 120 ciclistas das 15 equipas participantes faziam assim o aquecimento para os restantes 580 quilómetros de prova, distribuídos por mais quatro exigentes etapas disputadas entre as zonas da beira baixa e beira litoral do país.

Com 8 atletas em prova, a equipa da Academia Joaquim Agostinho apresentava-se determinada em dar seguimento às boas prestações das duas anteriores competições disputadas e o resultado não podia ser mais positivo. De uma enorme união e espírito de sacrifício resultou o melhor desempenho de toda a época, apenas interrompido pelo resultado menos positivo da última etapa.

Até ao quarto dia a equipa esteve sempre muito bem posicionada e até se envolveu em várias iniciativas de fuga que resultaram na passagem em dois pontos de contagem intermédia no top 3, com Iúri Leitão em 2º numa ocasião e Miguel Salgueiro em 3º noutra. Mas foi nas etapas 2 e 3 que equipa atingiu o seu melhor rendimento, com as excelentes prestações de Daniel Silva, Marvin Scheulen, Marcelo Salvador e Diogo Sardinha a cotarem a equipa como a 7ª melhor em prova nesse período, superiorizando-se a várias formações profissionais. A equipa mostrou grande evolução e viria a entrar na quinta e última etapa com 7 atletas em prova, com destaque para o estreante Tiago Henriques que resistiu entre a elite do pelotão nacional durante 4 exigentes dias de competição.

No entanto, algum cansaço acumulado apanhou desprevenidos vários atletas da equipa, que viriam a ser desclassificados já que o limite permitido de chegada era apenas 10% mais que o tempo do primeiro classificado.

Na classificação final apenas figuraram 61 atletas, entre os quais, Marcelo Salvador que acabou como o elemento mais regular da equipa de Torres Vedras na 32ª posição, e Diogo Sardinha que confirma assim o seu grande momento de forma, tendo terminado em 37º da geral. Ambos foram os 6º e 8º melhores atletas Sub-23 em prova, respetivamente. Para Hélder Miranda, diretor desportivo da equipa "a corrida foi muito dura, tanto ao nível do percurso como pelas altas temperaturas que se fizeram sentir.

Esta era já a nossa terceira semana seguida de competição e tinha algum receio do cansaço acumulado pelos atletas. No entanto a prestação foi muito positiva entrando para a última etapa com sete atletas em p r o v a. Com a alta velocidade do dia de hoje o cansaço a p a r e c e u obrigando o T i a g o a abandonar. Agora temos quatro dias de repouso para no próximo fim-de-semana tentarmos a sorte nos campeonatos nacionais, um dos objetivos da época”

Fonte: Academia Joaquim Agostinho

 

“19º Convívio de Cicloturismo A.R. Pescadores Musgueira Norte”

Texto: José Morais

Fotos: Bruno Pereira

Foi para a estrada do passado domingo 17 de junho, mais um passeio de cicloturismo, organizado pela Associação Recreativa Pescadores da Musgueira Norte, em Lisboa. O evento estava inserido nas Festas da Freguesia do Lumiar, o qual contou com o seu apoio, e fazia parte do calendário oficial da Federação Portuguesa de Cicloturismo e Utilizadores de Bicicleta (FPCUB), já que fazia parte do seu calendário oficial.

A concentração ocorreu pelas 8 horas junto às instalações da Junta de Freguesia do Lumiar, sendo a partida dada pelas 9 horas para o 19º Convívio da ARPMN.

Com um trajeto de cerca de 50 quilómetros, os participantes passaram pelo Lumiar, Alameda

Das Linhas de Tores, Av. D. Amélia, Telheiras, Av. Padre Cruz, Campo Grande, Entre Campos, Campo Pequeno, Saldanha, Marquês de Pombal, Largo do Rato, Estrela, Av. Infante Santo, Av. Brasília, Torre de Belém e Algés, onde junto ao Rio Tejo foi tempo de fazer uma paragem para reabastecimento líquido e sólido.

Recomeçando as pedaladas, seguiu-se rumo a à Torre de Belém, Av., Brasília, Av. 24 de Julho, Cais do Sodré, Praças do Comercio, Av. Infante D. Henrique, Av. Marechal Gomes da Costa, Rotunda do Relógio, Av. Do Brasil, Campo Grande, Lumiar, passagem pela A.R. P.M.N., Parque Oeste, Alta de Lisboa, e Quinta das Conchas, onde o evento veio a terminar cerca das 13 horas.

Olhando o evento:

Este é um dos grandes eventos realizados na capital que consegue juntar sem dúvida uma grande moldura humana de amantes da bicicleta, apesar de muitos não gostarem de pedalar em Lisboa, a organização deste evento, tenta sempre proporcionar um excelente passeio a todos os que os visitam.

Num passeio sem dúvida muito bem organizado, tanto antes, como durante, ou mesmo após ter terminado, e isso prova a presença neste evento de 374 cicloturistas, divididos por 47 equipas e 38 individuais, e pode considerar-se um passeio para todos, sejam eles mais bem rodados, ou apenas participantes que esporadicamente andam de bicicleta, com muitos elementos femininos, e crianças a participarem.

E no final, a recompensa para a organização, com os participantes a deixarem um grande sinal de satisfação, deixando um grande obrigado à mesma, pelo convívio proporcionado numa bela manhã de domingo de fortes pedaladas.

Mas, para a organização, e na voz do presidente da A.R.P.M.N. Manuel Almeida, o seu rosto mostrava a expressão de alegria e muita satisfação, por tudo ter corrido bem, agradecendo assim a todos que puderam marcar presença neste 19º convívio de cicloturismo.

Manuel Almeida deixou um grande agradecimento ao cicloturistas, a todas a coletividades presentes, a todos os voluntários, como a todos os patrocinadores que participaram, e ajudaram na realização deste grande evento, e ainda em final de discurso, e com um ar de graça, dizia; “E como o tempo "voa", já estamos a planear o 20º Convívio de Cicloturismo a realizar em 2019, ficando aqui a todos para participar, e convidando outros a marcarem também presença, obrigado por tudo”

E no final deste evento, nada melhor do que um delicioso repasto, e à espera de todos estavam dois porcos no espeto para degustar tarde dentro, retemperando assim as forças despendidas, e conviver num dos mais belos espaço de Lisboa, a Quinta das Conchas, cheia de ar puro

Findo o almoço, e ainda em grande convívio, foi tempo da cerimónia da entrega das lembranças alusivas ao evento, antes disso, Manuel Almeida agraciou o Dr. Pedro Delgado Alves e o Prof. Paulo Mendes com uma singela placa, como reconhecimento pelo apoio que tem prestado à coletividade, como a todo o evento.

E para finalizar, dar os parabéns à organização por este excelente passeio e trabalho realizado, pela forma ordenada que o fizeram, e pelo grande número de amantes das duas rodas sem motor que tem juntado de ano, para, ano, e que no final saíram satisfeitos com a promessa de marcarem presença em 2019, com muitas referências positivas publicadas nas redes sociais, tudo isto só abona a seu favor.

Finalizando deixando uma referência ainda ao trabalho feito pelos bombeiros presentes, como a todos os Batedores da PSP-Trânsito de Lisboa, pelo excelente trabalho feito, na segurança do longo pelotão que percorreu a cidade em total velocidade do verdadeiro cicloturismo.

Em tempo de despedida, espero encontra-me em 2019 também neste grande evento, algo que este ano foi impossível, mas não quisemos deixar passar em branco, fazendo a divulgação do mesmo, agradecendo assim as notas que me fizeram chegar, para que este artigo pudesse ser elaborado, e divulgada mais esta atividade cicloturista.

Bons passeios, boas pedaladas.

Clique para aumentar as fotos
 

















 

segunda-feira, 18 de junho de 2018

“Pedro Oliveira no SellaRonda Hero.2018”

Texto: José Morais/Com Humberto Ratinho

Fotos: Pedro Oliveira/Organização SellaRonda Hero.2018

Sellaronda é o nome dado à rota de esqui e estrada ao redor do grupo Sella, um grupo de montanhas das Dolomitas localizado em Italia, entre os vales de Fassa, Livinallongo, Badia e Gardena, incluindo teleféricos de esqui alpino, ciclismo e trilhas para caminhadas.

A partir do circuito de Sellaronda, é desenvolvida a famosa maratona de granfondo das Dolomitas, que acontece todos os anos em julho. Desde 2006, tem havido também um evento amador não competitivo chamado Sella Ronda Bike Day, que prevê o fecho do tráfego de quatro pistas, reservando-o por um dia para os amantes da bicicleta, este evento precede o herói Südtirol Sellaronda, que anualmente atrai mais de 4000 ciclistas.

E um desses ciclistas era português, de nome Pedro Oliveira, um atleta e amante do desporto, com 39 anos de idade, mais uma vez voltou a participar no SellaRonda Hero, foi no passado dia 16 de Junho.

Sendo ele um atleta amador, contando apenas com uma pequena ajuda, um patrocínio de uma loja de bicicletas do Pinhal Novo, a Ciclopinhal, Lda pensa que foi o único português a representar Portugal, neste Grande evento que conta para o campeonato do Mundo.

Pedro Oliveira, não foi à procura de um lugar no pódio, as suas intenções eram apenas voltar a disfrutar das belas paisagens que tinha visto e percorrido, em 2015, com o seu grande amigo Humberto Ratinho.

O seu grande objetivo era chegar ao fim, o que conseguiu, e no final da prova, partilhou com os seus amigos e familiares mais esta grande aventura, a referir as seguintes palavras: “Sendo provavelmente o único português, a participar na prova, ficando em 103, entre os 290 participantes na minha categoria, onde correram 4018 atletas, estou muito orgulhoso.

Obrigado a todos aqueles que me apoiaram, principalmente à minha mulher e família"

Estas foram as palavras de Pedro Oliveira, após a sua participação em mais um SellaRonda Hero, realizado em Selva Di Vale Gardena, Dlolmiti, Itália.

Este ano, o maravilhoso Monte Sella e o circuito afortunado que o rodeia, o mundialmente conhecido Sellaronda, foi palco de uma das mais amadas e difíceis competições de MTB de sempre: o Sellaronda Hero 2018, mais conhecido agora como " HERÓI Sütirol Dolomites ".

O início da emocionante e desafiadora corrida Mountain Bike dos vales ladinos das Dolomitas (Gardena, Fassa, Fodom e Badia) foi em Selva Val Gardena às 07:10 fa manhã, no passado dia 16 de junho de 2018.

Com dois percursos disponíveis: um de 86 e outro de 60 quilómetros, onde apenas MT Bikes são admitidos, nenhum outro tipo de bicicleta é aceite.

Sendo esta a ocasião para testar o poder físico dos ciclistas, mas também para apreciar a beleza de um dos cenários mais surpreendentes do mundo, a Dolomites Unesco, um evento a cargo da HERO Südtirol Dolomites


E aqui fica um pouco da história do evento:

A idéia veio para Peter Runggaldier (ex-esquiador de renome internacional) quando viu que nos últimos anos houve um crescimento notável na presença de mountain bike nos vales de Ladin.

 A primeira edição do Südtirol Sellaronda Hero data de 26 de junho de 2010, na qual 400 participantes de 16 países diferentes se registraram. Esta foi a única edição em que o pódio foi todo italiano, com Klaus Fontana vencendo o recorde no percurso de 82 km e Anna Ferri entre as mulheres na rota de 50 km.

 Em 2012 começa a era de Leonardo Hector Paez, vencendo o herói Sellaronda por 82/84 km por três anos consecutivos. Só em 2015, quando a edição do Herói vale como uma corrida para se formar campeão mundial, Leonardo Hector Paez deve se render a Lakata Alban e Sauser Christoph.

É, portanto, Lakata que alcança a supremacia e o título de campeão mundial da Maratona UCI. Entre as mulheres, está a norueguesa Dahle Flesjaa Gunn-Rita para se formar na UCI Marathon World Champion. Em 2016, a corrida passou a se chamar HERO Südtirol Dolomites e, a partir de 2018, o BMW HERO Südtirol Dolomites. A edição de 2018 vê Leonardo Hector Paez retornar o vencedor pela quinta vez.

O percurso rodoviário das quatro passagens que o compõem tem cerca de 55 km de comprimento e é particularmente frequentado por ciclistas; estas subidas foram viajadas em muitas ocasiões pelo Giro d'Italia que fez a história.










 
 
 

“Ana Filipa Santos vence o Campeonato Ibérico de Média Distância”

A triatleta portuguesa Ana Filipa Santos é bicampeã ibérica de Triatlo de media distância Dia 17 de junho realizou-se o Triatlo de Salamanca 2018 que recebeu o Campeonato Ibérico de Média Distância, uma prova que integra os calendários competitivos da Federação de Triatlo de Portugal e da Federação Espanhola de Triatlo. A primeira edição foi o ano passado em território nacional, em Monte Gordo, e este ano passou para Espanha, tendo recebido 50 portugueses.

No total, foram quase 400 triatletas que alinharam à partida na distância média e standard e que puderam desfrutar do melhor de Salamanca, da vista do rio da Ponte Romana, ou da catedral da bela cidade espanhola.

O percurso de natação realizou-se no rio Tormes, junto à catedral de Salamanca e à ponte de Juan Carlos I. 1,9k, na média distância e 1,5km para a distância standard. O ciclismo passou pela ponte Romana, com quatro voltas para a média distância e duas na distância standard, com transição no Passeio do Congresso.

Os pódios em português do Campeonato Ibérico

Em femininos a vitória foi portuguesa com Ana Filipa Santos, do Rio Maior Triatlo, a ficar na primeira posição; a triatleta portuguesa que tinha ganho a primeira edição do Campeonato Ibérico em Monte Gordo revalidou assim o título, conseguindo uma vantagem de quase dois minutos sobre Cristina Roman e a Verónica Uribe, na segunda e terceira posições respetivamente.

«Foi uma prova desafiante, com um percurso de natação com corrente no retorno, um percurso de ciclismo com ‘sobe e desce’ e com piso sinuoso. A corrida passa também por um circuito urbano com o piso em paralelo, tem um pouco de tudo», explica Filipa. A triatleta portuguesa encontra-se ainda numa fase de carga em preparação para o Campeonato do Mundo que se irá realizar na Dinamarca, no dia 14 de julho. «Sabia que provavelmente me iria sentir mal, mas ser triatleta é mesmo isso, temos que nos preparar para as piores sensações e saber lidar com elas!» Para Ana Filipa Santos que tinha alguma esperança de ganhar em Salamanca, é necessário arranjar estratégias mentais para ultrapassar as dificuldades. «Eu uso uma técnica que é a ‘ancoragem’, em que penso numa coisa ou situação muito boa e tento agarrar-me mentalmente a isso, para poder ‘sair’ um pouco daquele sofrimento». A triatleta nacional isolou-se logo na água, mantendo a posição ao longo da prova, ficando satisfeita por ter alcançado o objetivo de vencer a competição! O próximo objetivo será a 14 de julho…

O primeiro português a passar a meta foi Jorge Duarte, da equipa da Marinha Portuguesa, que alcançou o terceiro lugar da geral. A equipa da Marinha venceu a competição por equipas.

«Como é habitual, perdi muito tempo na natação para os primeiros triatletas», explicou Jorge Duarte que referiu também a confusão dentro de água até à primeira boia. «Depois foi sempre a tentar perder o menor tempo possível, embora tenha perdido mesmo assim mais de 6 minutos em relação ao primeiro, pelo que saí em 31º lugar.» O Triatleta da Marinha considerou o percurso de ciclismo com alguma dureza no ‘sobe e desce’ e «como é um segmento onde me sinto muito bem, recuperei 27 lugares e saí para a segunda transição na quarta posição, fazendo o segundo melhor tempo parcial com média de 36,2km». Jorge entrou no percurso da corrida sempre com a ideia que ser possível chegar ao pódio, o que efetivamente aconteceu – 1h14 – acabando por conquistar a medalha de bronze.

A equipa da Marinha conseguiu também ser a melhor equipa da competição, com este 3º lugar, 15ª posição do Idelfonso Mendonça e o 22º lugar de Luís Fernandes.

O triatleta mais rápido a realizar a prova foi Diego Paredes, ficando a seis minutos do segundo classificado Alberto Bravo.

Fonte: FTP

“II Triatlo David Vaz”

O 2º Triatlo David Vaz realizou-se dia 17 de junho, no Fundão

Realizou-se o II Triatlo David Vaz, com uma prova de triatlo, na distância sprint, com roda e uma prova jovem de duatlo de estrada.

Excecionalmente este ano, e por problemas de qualidade da água na barragem de Àgueda, local inicialmente previsto, esta prova assumiu o modelo tradicional do anterior Triatlo do Fundão, decorrendo entre a Barragem da Capinha e o Fundão, com meta instalada junto do Pavilhão Multiusos.

Assim, esta segunda edição teve um percurso de natação de 750 metros na barragem da Capinha, com partida dentro de água, o ciclismo teve um trajeto em linha com algum desnível, realizado em asfalto, entre a barragem da Capinha e o Fundão. Na corrida, também em asfalto, contou com duas voltas com algum desnível.

O Duatlo Jovem realizou-se no centro do Fundão, com partida e chegada perto da meta no Espaço Feira.

Resultados da Taça de Portugal

Inês Oliveira, do Sporting Clube Portugal, foi a primeira a cortar a meta

Esta etapa da Taça de Portugal foi ganha pelo Sporting Clube de Portugal com Inês Oliveira, Katarina Larsson e Mónica Vera Cruz com os tempos respetivos de 01:11:38, 01:15:00 e 01:24:30.

Inês Oliveira não estava à espera de ter conseguido alcançar este resultado: «Foi uma prova um pouco dura devido ao calor que se fez sentir, e também devido ao percurso de ciclismo e de corrida.» A triatleta do Sporting Clube de Portugal considera que fez ‘uma natação dentro do normal esperado e um ciclismo razoável, sendo que na corrida foi dar o máximo que as pernas conseguiram’. Inês ficou obviamente muito satisfeita com o desempenho nesta competição que lhe deu uma vitória individual e coletiva. «Quanto ao resultado de equipa também ficamos satisfeitas: íamos com o objetivo de ganhar e termos conseguido foi muito bom!»

Mais uma vitória de João Ferreira, a nível individual e coletivo

Na competição masculina foi a vez do Estoril Praia Triatlo subir ao pódio, com João Francisco Ferreira, com o tempo de 00:59:37, Diogo Silva com 01:00:26 e Bruno Pais que fez a prova em 01:02:08.

João Ferreira que desta vez conseguiu marcar presença nesta prova tão especial em ‘honra do Grande David Vaz’ explica a dificuldade deste ano em conciliar a situação profissional com os treinos, nomeadamente na natação. «Não me sinto forte na natação, mas consegui sair logo no grupo perseguidor aos primeiros triatletas. Sabia que estava forte no ciclismo por estar a apostar na longa distância e a minha intenção é cada vez mais mostrar em Portugal que o triatlo não é uma corrida lançada, como muitos ainda pensam.» O triatleta do Estoril Praia Triatlo explica satisfeito: «Mais uma vez esta época consegui entrar numa fuga no ciclismo e na corrida, que foi muito dura, geri a vantagem e aumentei-a! O objetivo de alcançar a vitória coletiva foi alcançado.» Para João Ferreira, as futuras metas passam pelo Campeonato Nacional de Clubes de Longa Distância, CN de distância standard e média, mas, principalmente, o triatleta está focado em provas internacionais do circuito Challenge e IRONMAN.

Posições absolutas no Triatlo David Vaz

Inês Oliveira (01:11:38), do Sporting Clube de Portugal e João Ferreira (00:59:37), do Estoril Praia Triatlo, foram os vencedores desta segunda edição.

Na segunda posição ficou Diogo Silva (01:00:26), do Estoril Praia Triatlo e Katarina Larrson (01:15:00), do Sporting Clube Portugal.

A fechar o pódio estiveram os triatletas Daniela Sampaio, do Alhandra Sporting Club e Gil Maia, do Lusavouga – BH Porto Triatlo, que fizeram 01:17:19 e 01:01:03 respetivamente.

O II Triatlo David Vaz é uma organização da Câmara Municipal do Fundão, Clube de Triatlo do Fundão e Associação David Vaz, com o apoio técnico da Federação de Triatlo de Portugal.

Este Triatlo tem o nome de alguém muito especial que nasceu no Fundão e que dedicou a sua vida ao desporto e ao triatlo. De uma alegria contagiante, sempre bem-disposto e pronto a apoiar quem o rodeava, David Vaz cruzou amigos e uniu muitas pessoas que não se conheciam anteriormente, mesmo depois de ter partido em agosto de 2016. A vida dele continua através de todos aqueles que gostavam deste grande homem apaixonado pela vida e também pela David Vaz Associação, organizadora de vários eventos e defensora de causas.

Podes fazer parte desta Associação e participar nos treinos de corrida todas as segundas em Monsanto.

Fonte: FTP