segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

“11 Cidades para aproveitar de bicicleta”

Cidade Cinco: A outra cara de Tóquio

Por: Lonely Planet

JAPÃO

A outra grande experiência de ciclismo urbano no Japão é Tóquio. Apesar de parecer a antítese de um destino ciclista por sua grande extensão, com um pouco de ajuda pode ser uma cidade surpreendente sobre duas rodas. A rota Edo-Tokyo Culture Ride (6 horas), organizada pela Tokyo Great Cycling Tours, visita o estádio de sumô de Ryogoku e o parque Ueno, e termina no Palácio Imperial. É preciso reservar com antecedência. Podemos ver outra faceta da cultura ciclista do Japão em um dos 47 velódromos do país —como Keiokaku e Tachikawa— onde se organizam as populares corridas de keirin, um dos poucos acontecimentos esportivos do Japão em que se permite apostar.

Por: El País

domingo, 9 de dezembro de 2018

“11 Cidades para aproveitar de bicicleta”

Cidade Quatro - As cores do outono de bicicleta

KIOTO (Japão)

Por: Lonely Planet

O mosaico de cores formados pelas koyo (folhas) de Kioto no outono é uma imagem menos comercial do que a explosão rosa e branca da primavera (com a floração das cerejeiras), mas é igualmente sensacional, sobretudo vista a partir do selim. Desde meados de setembro, uma maré carmesim - o chamado frente koyo - tem início em Hokkaido e baixa por todo o país. Um local genial para ver as árvores e arbustos em suas tonalidades mais vermelhas é o templo de Tofukuji, que pode ser explorado em um circuito ciclista muito fácil a partir da estação de Kioto. É preciso reservar duas horas para fazer a rota (11 quilômetros, com paradas), que avança para oeste desde a estação de aspecto espacial da cidade (por vias mistas para bicicletas e pedestres), segue para o sul por Higashinotoin-dori, continua (de novo rumo oeste) até o templo de Toji (construído no ano de 796 e patrimônio mundial) e depois margeia o rio Kamo até o grande templo zen de Tofukuji. Os incríveis bordos são melhor apreciados da ponte de Tsutenkyo. Dali, chega-se ao santuário de Meiji-jingu, e logo em direção leste, seguindo o rio, volta-se ao centro.

Por: El País

“Troféu Internacional Município de Anadia/Gémeos Oliveira à porta do pódio em Madison”

Por: José Carlos Gomes

Os portugueses Ivo e Rui Oliveira terminaram hoje com uma boa exibição o Troféu Internacional Município de Anadia, conseguindo a quarta posição na disciplina olímpica de madison. Já antes, Ivo Oliveira alcançara o segundo lugar em perseguição individual.

Os 25 quilómetros da prova de madison foram disputados num ritmo muito intenso, ao qual os gémeos Oliveira corresponderam da melhor forma, pontuando em sete dos dez sprints. Na última volta perderam alguns metros para os adversários diretos, o suficiente para saírem do pódio, tendo em conta a pontuação a dobrar no último sopro da corrida. Ivo e Rui Oliveira fecharam a prova com 17 pontos.

Os britânicos Fred Wright e Matthew Walls revelaram-se superiores à concorrência, somando 28 pontos. Seguiram-se os dinamarqueses Casper von Folsach e Julius Johansen, com 22, e os franceses Bryan Coquard e Donovan Grondin, com 21.

As duplas formadas por César Martingil e Miguel do Rego e João Matias e Iuri Leitão também se apuraram para a final de Madison. Os primeiros perderam uma volta, acabando no 15.º lugar, enquanto os compatriotas ficaram no 17.º posto, com três voltas de atraso.

Apesar de o objetivo principal ser a disciplina olímpica de madison, os gémeos Oliveira também estiveram em destaque na perseguição individual, apurando-se para as finais. O canadense Jay Lamoureux bateu Ivo Oliveira. O polaco Adrian Kaiser ficou com o terceiro posto, atirando Rui Oliveira para a quarta posição.

Maria Martins também deu boas indicações no último dia do Troféu Internacional Município de Anadia. A sub-23 portuguesa apurou-se para a final de elite de scratch, acabando a prova no primeiro terço da tabela, com o oitavo lugar em 24 participantes. A francesa Laurie Berthon foi a mais forte, seguida pela italiana Martina Fidanza e pela mexicana Lizbeth Salazar.

A ribatejana terminou a participação no torneio com a corrida por pontos para sub-23 femininas. Maria Martins foi a sexta classificada, com 12 pontos. A luta pelo pódio restringiu-se às corredoras que conseguiram dobrar o pelotão. Venceu a britânica Lauren Dolan, com 25 pontos, mais um do que a francesa Marie Le Net e mais três do que a polaca Marta Jaskulska.

Hoje foi o dia guardado para as corridas da disciplina olímpica de keirin. No setor masculino brilhou o italiano Francesco Ceci, que bateu o espanhol José Moreno e o azerbaijanês Sergi Omelchenko. Entre as mulheres, a mais rápida foi a espanhola Helena Casas, seguida por duas canadenses, Kesley Mitchell e Amelia Walsh.

Os juniores também estiveram em ação na jornada final. Na corrida por pontos impôs-se o espanhol Jaime Muñoz (Gimenez Ganga), com 17 pontos. Rodrigo Caixas (Bairrada) foi o segundo classificado, com 14. Guillaume Couto (Olympique Marseille) fechou os lugares de honra, com 11 pontos.

Wilson Esperança (Academia Joaquim Agostinho/UDO) bateu a concorrência na prova júnior de scratch, sendo acompanhado no pódio por Guillaume Couto e por Jaime Muñoz, segundo e terceiro classificados.

Fonte: FPC

“Troféu Internacional Município de Anadia”

Canadá domina competição de omnium

Por: José Carlos Gomes

O Canadá foi a nação em destaque no segundo dia de Troféu Internacional Município de Anadia, ganhando os dois concursos de omnium de elite, ontem sábado, disputados no Velódromo Nacional, em Sangalhos.

A competição de elite masculina decidiu-se apenas no derradeiro sprint da corrida por pontos, a quarta e última disciplina integrada no omnium – as restantes são scratch, corrida tempo e eliminação. Gee Derek conquistou a vitória graças ao primeiro lugar no sprint final da competição, acabando com 138 pontos, apenas mais um do que o britânico Matthew Walls, campeão europeu de eliminação. O terceiro, com 112 pontos, foi outro britânico, Fred Wright.

Rui Oliveira destacou-se entre os portugueses, conseguindo o quinto lugar no concurso de omnium, com 97 pontos. O gaiense completou as três primeiras disciplinas no sexto lugar, conseguindo subir um degrau na geral final devido a uma corrida por pontos em que esteve muito ativo, pontuando em quatro sprints. Pela Equipa Portugal correram também Ivo Oliveira, 15.º, e César Martingil, vítima de queda em eliminação, 17.º. João Matias (Vito-Feirense-BlackJack) foi 12.º classificado.

A portuguesa Maria Martins foi a representante portuguesa na prova masculina de omnium, terminando o concurso olímpico na 12.ª posição, com 61 pontos. O resultado final da ribatejana foi prejudicado pela saída precoce na prova de eliminação, porque o pé esquerdo saltou do pedal, na sequência de um toque entre corredoras, que atrasou irremediavelmente a ciclista nacional.

A medalhada olímpica Allison Beveridge (Canadá) venceu confortavelmente a competição de omnium, somando 139 pontos. A lituana Olivija Baleisyte ficou na segunda posição, com 117, a mesma pontuação obtida pela terceira classificada, a francesa Laurie Berthon, vice-campeã mundial desta especialidade em 2016.

O concurso de omnium para juniores assistiu a um duelo entre portugueses e espanhóis, no qual os nacionais levaram a melhor. Numa competição intensa e equilibrada, Carlos Barreiros (Tensai/Sambiental/Santa Marta) foi o mais forte, com 134 pontos, mais três do que o segundo, Rodrigo Caixas (Bairrada), e do que o terceiro, Wilson Esperança (Academia Joaquim Agostinho/UDO).

Além das corridas internacionais, a jornada de hoje englobou o Campeonato Nacional Universitário de perseguição e de scratch. Francisco Duarte (AEFCL) ganhou as duas provas. Em perseguição individual teve a companhia no pódio de Francisco Moreira (AEFMH) e de Bernardo Gonçalves (AAC). Em scratch o segundo classificado foi Filipe Loureiro (AAUAv) e o terceiro, novamente, Bernardo Gonçalves.

O Troféu Internacional Município de Anadia termina neste domingo. O programa começa às 9h00 e termina às 15h45. Haverá corridas das disciplinas olímpicas de madison e de keirin, assim como de perseguição individual, scratch e corrida por pontos. A entrada é gratuita para o público.

Fonte: FPC

sábado, 8 de dezembro de 2018

“11 Cidades para aproveitar de bicicleta”

Cidade Três - Montreal, 600 quilômetros de ciclovias

CANADÁ

Por: Por: Lonely Planet

Com um perfil topográfico totalmente montanhoso e difíceis condições climáticas durante quase o ano todo, se dizia que Montreal não poderia ser uma cidade bikefriendly, mas se tornou exatamente isso, com mais de 600 quilômetros de ciclovias pela cidade — quase 250 deles isolados completamente do trânsito— e mais de 5.000 bicicletas de uso público para alugar. Todos os verões cerca de 30.000 pessoas se reúnem no parque Jeanne-Mance para participar do Tour de l’Ille de Montreal, uma corrida com várias distâncias a escolher (a clássica, de 25 ou 50 quilômetros, e a Découverte, de 65 ou 100). As rotas percorrem a ilha de Montreal e cruzam o grande rio São Lourenço pelas pontes de JacquesCartier e Champlain, sobre Ile Sainte Helene e pelo Parc Jean-Drapeau, explorando Longueuil e Parc Michel-Chartrand antes de voltar ao ponto inicial.

Por: El País

“ACM reúne em Assembleia-Geral (14 de dezembro)”

A Assembleia-Geral da Associação de Ciclismo do Minho reúne em sessão ordinária no próximo dia 14 de dezembro, a partir das 20h30, na sede social da associação.

Da ordem de trabalhos consta a eleição dos órgãos sociais para o biénio 2019/2020 e a apreciação e votação do plano de atividades e orçamento de 2019, entre outros assuntos.

A reunião decorrerá na sede da ACM (Rua das Violetas, nº 600, Urbanização da Atouguia, Bloco A, 2ª fase, 4810-059 Guimarães).

Instituição de Utilidade Pública e representante no Minho da Federação Portuguesa de Ciclismo (entidade detentora do Estatuto de Utilidade Pública Desportiva), a Associação de Ciclismo do Minho (www.acm.pt) foi fundada em 1977 e é uma associação sem fins lucrativos que tem como objeto a promoção e regulamentação do ciclismo, nas suas diversas vertentes, em toda a região do Minho (distritos de Braga e Viana do Castelo).

Fonte: ACM

“Troféu Internacional Município de Anadia”

Rui Oliveira terceiro classificado em scratch

Por: José Carlos Gomes

Rui Oliveira conseguiu esta sexta-feira o primeiro pódio para Portugal no Troféu Internacional Município de Anadia, sendo o terceiro classificado na corrida de scratch para sub-23.

A prova de scratch foi a primeira a conhecer o desfecho na noite desta sexta-feira.A corrida de 15 quilómetros disputou-se com grande intensidade, durante a qual o pelotão rolou sempre estirado, devido à grande velocidade, plasmada na média final superior a 50 km/h. Nenhuma tentativa de fuga medrou, acabando a prova por decidir-se ao sprint, no final das 60 voltas. A vitória foi para o polaco Filip Prokopyszyn, que foi acompanhando no pódio pelo britânico Fred Wirght, segundo classificado, e pelo português Rui Oliveira, terceiro.

No setor feminino, Maria Martins foi a sexta classificada na prova de scratch também para sub-23. A melhor foi a mexicana Lizbeth Salazar, seguida para francesa Marie Le Net e pela suíça Michelle Andres.

O neozelandês Aaron Gate triunfou na corrida por pontos de elite, com 62 pontos. O adversário mais próximo foi o britânico Fred Wright, com 51. O canadense Jay Lamoureux foi o terceiro, com 41. João Matias terminou como melhor português, no sétimo lugar, com 24 pontos.

A corrida por pontos de elite feminina foi ganha pela francesa Laurie Berthon, com 18 pontos. Seguiram-se a canadense Annie Foreman-Mackey, com 15, e a gaulesa Victoire Berteau, com 11. Maria Martins foi a representante da Equipa Portugal, somando 3 pontos, o que lhe valeu a nona posição em 24 participantes.

O programa deste sábado contempla provas entre as 9h30 e as 13h50 e entre as 16h00 e as 19h10. No domingo, as provas estão agendadas para o período entre as 9h30 e as 15h00. A entrada é gratuita para o público.

Fonte: FPC

“Troféu Internacional Município de Anadia”

Rui Oliveira terceiro classificado em scratch

Por: José Carlos Gomes

Rui Oliveira conseguiu esta sexta-feira o primeiro pódio para Portugal no Troféu Internacional Município de Anadia, sendo o terceiro classificado na corrida de scratch para sub-23.

A prova de scratch foi a primeira a conhecer o desfecho na noite desta sexta-feira.A corrida de 15 quilómetros disputou-se com grande intensidade, durante a qual o pelotão rolou sempre estirado, devido à grande velocidade, plasmada na média final superior a 50 km/h. Nenhuma tentativa de fuga medrou, acabando a prova por decidir-se ao sprint, no final das 60 voltas. A vitória foi para o polaco Filip Prokopyszyn, que foi acompanhando no pódio pelo britânico Fred Wirght, segundo classificado, e pelo português Rui Oliveira, terceiro.

No setor feminino, Maria Martins foi a sexta classificada na prova de scratch também para sub-23. A melhor foi a mexicana Lizbeth Salazar, seguida para francesa Marie Le Net e pela suíça Michelle Andres.

O neozelandês Aaron Gate triunfou na corrida por pontos de elite, com 62 pontos. O adversário mais próximo foi o britânico Fred Wright, com 51. O canadense Jay Lamoureux foi o terceiro, com 41. João Matias terminou como melhor português, no sétimo lugar, com 24 pontos.

A corrida por pontos de elite feminina foi ganha pela francesa Laurie Berthon, com 18 pontos. Seguiram-se a canadense Annie Foreman-Mackey, com 15, e a gaulesa Victoire Berteau, com 11. Maria Martins foi a representante da Equipa Portugal, somando 3 pontos, o que lhe valeu a nona posição em 24 participantes.

O programa deste sábado contempla provas entre as 9h30 e as 13h50 e entre as 16h00 e as 19h10. No domingo, as provas estão agendadas para o período entre as 9h30 e as 15h00. A entrada é gratuita para o público.

Fonte: FPC


quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

“11 Cidades para aproveitar de bicicleta”

Cidade dois - De Montjuïc ao bairro gótico

BARCELONA

Por: Por: Lonely Planet

Depois de margear suas ruas medievais com um labirinto moderno de ciclovias (172 quilômetros), Barcelona se tornou na última década uma das grandes cidades para ciclistas urbanos. Seu sistema Bicing é dirigido aos moradores, mas em toda parte há locais onde alugar bicicletas ou contratar tours guiados.

É aconselhável um passeio até o castelo de Montjuïc, a fortaleza e antiga prisão do século XVIII que vigia a cidade do alto, com vistas espetaculares da cidade e do Mediterrâneo; ou optar por um circuito urbano desde a praça de Catalunha percorrendo o Bairro Gótico e Santa Maria do Mar até o parque da Ciutadella. Daí se pega as vias de Lluis Companys e Sant Joan (cruzando o Arco do Triunfo) e vira-se à direita, até a Sagrada Família, pela Gran Vía para voltar pela Casa Batlló e La Rambla. No total, cerca de 9 quilômetros.

Fonte: El País

quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

“11 Cidades para aproveitar de bicicleta”

Cidade Um - Pedalando junto aos canais

AMSTERDÃ (PAÍSES BAIXOS)

Por: Lonely Planet

As bicicletas são parte do tecido de Amsterdão, provavelmente a cidade mais adaptada ao ciclismo do planeta. Todos os dias, 400.000 pessoas circulam pelos 400 quilômetros de ciclovias que chegam a praticamente todos os cantos e canais dessa cidade do século XVII. A capital holandesa e seus arredores são completamente planos, então movimentar-se por ela de bicicleta é muito simples. As bicicletas que predominam em Amsterdão são as de passeio, do tipo simples e descontraído.

Em Amsterdão, é possível escolher entre pedalar pelo centro da cidade, percorrendo os principais pontos de interesse, ou animar-se a fazer um circuito desde a estação de Amsterdão Central pela orla do rio Amstel até Ouderkerk aan de Amstel, antes de ir a Abcoude e a cidade fortificada de Weesp, pelos rios Bullewijk, Waver, Winkel e Gein. Se sobrar energia, é possível seguir o curso do Vecht até o castelo de Muierslot, passando por Diemerpark, e dali voltar ao centro. No total, 46 quilômetros.

Fonte: El País

 

“11 Cidades para aproveitar de bicicleta”

De Amsterdão a Melbourne e de Montreal a Kioto, ciclovias urbanas que convidam a pedalar

Iniciamos hoje durante 11 dias um novo espaço denominado de “11 Cidades para aproveitar de bicicleta”, estes são alguns dos passeios urbanos de bicicleta mais recomendáveis no mundo que iremos divulgar todos os dias, com uma nova cidade ciclável.

A bicicleta deixou de ser uma moda para se tornar a grande alternativa para se movimentar pela cidade, e não só para seus habitantes urbanos, mas também para viajantes.

Um passeio de bicicleta é outra forma de ver a cidade, misturando-se às pessoas, parando em qualquer lugar e desfrutando do prazer de fazer as coisas lentamente, todas as grandes cidades começam a se adaptar para as bicicletas e algumas apostaram fortemente nessa forma de se movimentar.

De seguida apresentamos a “Cidade Um”

“Morreu Joaquim Leão, vencedor da Volta a Portugal em bicicleta de 1964”

Além da Volta de 1964, Leão conquistou ainda a clássica Porto-Lisboa, em 1966.

Morreu Joaquim Leão, vencedor da Volta a Portugal em bicicleta de 1964. Federação Portuguesa de Ciclismo

O antigo ciclista do FC Porto Joaquim Leão, vencedor da Volta a Portugal de 1964, morreu hoje, aos 75 anos, anunciou a Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC).

“A FPC lamenta esta perda para a modalidade, endereçando as mais sentidas condolências aos familiares e amigos de Joaquim Leão, assim como ao FC Porto”, lê-se na página federativa na Internet.

Além da Volta de 1964, Leão conquistou ainda a clássica Porto-Lisboa, em 1966.

O organismo dá ainda conta de que o funeral do antigo corredor vai realizar-se na quinta-feira, às 16:00, na igreja de Sobrado, no concelho de Valongo, do qual era natural.

Fonte: Sapo on-line