domingo, 5 de maio de 2019

“Já se inscreveu…”

Marque já na sua agenda, e marque presença neste evento que muito promete, e faça como nós que iremos marcar presença para reportagem completa, com diretos dos momentos mais importantes do evento.


32º Passeio de Cicloturismo "Vinha em Flor" Palmela


Dia 12 de Maio de 2019

Texto: José Morais

Cartaz: Associação Desportiva Palmelense

Referências: Wikipedia

Um dos passeios com muita tradição, é o tradicional passeio “Vinha em Flor”, realizado em Palmela, que este ano vai para a estrada pela 32ª vez, no próximo dia 12 de maio, com a organização da Associação Desportiva Palmelense, e da Junta de Freguesia de Palmela.

O passeio que terá uma distância aproximada de 67 quilómetros, terá mais ou menos a meio um abastecimento, e terá passagem por locais sem dívida muito interessantes, onde os participantes se podem deliciar, e conviver, tendo assim uma excelente manhã de boas e fortes pedaladas.

Para inscrições e informações as mesmas podem ser feitas para:
Associação Desportiva Palmelense
Telefone: 933284016 ou para o mail:
adpalmelense@gmail.com
Ou ainda para a Junta de Freguesia de Palmela
Telefone: 212351231 - Fax: 212332812 ou mail:
j.f.palmela@gmail.com

E o que vão os participantes encontrar,
Palmela é uma vila portuguesa pertencente ao Distrito de Setúbal, região de Lisboa e sub-região da Península de Setúbal, com cerca de 19 500 habitantes. A sua altitude máxima é de 378 metros, medida no morro onde se localiza o Castelo, encontra-se na sub-região de Área Metropolitana de Lisboa.

É sede de um município com 465,12 km² de área e 62 831 habitantes (2011), subdividido em 4 freguesias. O município é limitado a norte pelos municípios de Benavente e Alcochete, a nordeste pela porção oriental (exclave) do município de Montijo, a leste por Vendas Novas, a sudeste por Alcácer do Sal, a sul por Setúbal, a oeste pelo Barreiro e a noroeste pela Moita e pela porção ocidental (área principal) do município do Montijo.

História, é o que também não falta neste concelho, a presença do Homem na região que hoje é ocupada pelo município de Palmela remonta ao Neolítico superior, onde a sua presença é bastante notada, sobretudo durante a cultura do campaniforme, e cujo testemunho nos foi deixado sob a forma do mundialmente conhecido Vaso de Palmela. Ocupada por celtas, romanos e árabes, todos encontraram neste território um lugar estratégico para se fixarem.

Pode ainda saber mais sobre esta região em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Palmela que vale a pena visitar.

“Campeonato da Europa de DHI/Baptiste Pierron e Camille Balanche campeões da Europa de DHI”

Por: José Carlos Gomes

O francês Baptiste Pierron (Dorval AM) e a suíça Camille Balanche sagraram-se hoje, na Pampilhosa da Serra, campeões europeus de Downhill (DHI). Gonçalo Bandeira (Miranda Factory Team) foi o melhor júnior da competição. Portugueses conquistaram cinco títulos e um total de oito medalhas nas categorias master.

A final masculina de elite teve um nível muito elevado e um despique intenso entre os três primeiros classificados, separados por menos de um segundo. Baptiste Pierron confirmou o estatuto de principal candidato, fazendo a descida de 2090 metros em 3’13’’501, uma marca dois segundos e meio mais rápida do que o melhor resultado dos treinos cronometrados de véspera.

Benoit Coulanges, compatriota e colega de equipa de Pierron, que fora o mais rápido na sessão cronometrada de sábado, também melhorou o registo pessoal, mas os 3’14’’313 de hoje só lhe garantiram a medalha de prata, a 812 milésimos de segundo do vencedor. A medalha de bronze foi conquistada pelo austríaco David Trummer, a 825 milésimos do primeiro classificado.

“Estou muito satisfeito com a prova que fiz nesta pista verdadeiramente exigente, tanto em termos físicos como técnicos, é uma pista como as da Taça do Mundo”, considera o novo campeão europeu.

Emanuel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo) foi o melhor português, terminando na oitava posição, a 5,063s do primeiro. As aspirações portuguesas ficaram defraudadas pelas quedas. Francisco Pardal, que ontem caíra na sessão cronometrada, voltou hoje a cair nos treinos livres, não podendo alinhar na final.

Gonçalo Bandeira, júnior de primeiro ano, acalentava a esperança de intrometer-se na luta pelo pódio de elite, mas sofreu uma queda na final. Apesar disso, teve como prémio de consolação o primeiro lugar entre os juniores, resultado que, em 2019, não deu direito a título europeu, mas apenas a medalha, porque a UCI decidiu atribuir títulos apenas na classificação absoluta, que juntou corredores de elite, sub-23 e juniores.

“Queria lutar pela vitória na geral absoluta. Penso que sem a queda conseguiria estar entre os primeiros de elite. Mas há que seguir em frente, já a pensar no Mundial. Este é o meu primeiro ano de júnior e ainda estou a habituar-me a este nível, que é muito diferente dos cadetes. Há que trabalhar cada vez mais para conseguir bons resultados internacionais”, afirmou Gonçalo Bandeira, minutos antes de subir ao pódio.

A competição de elite feminina foi ainda mais equilibrada do que a descida dos homens. A suíça Camille Balanche conquistou o título europeu, graças ao registo de 3’41’’609, 63 milésimos de segundo melhor do que a marca da eslovena Monika Hrastnik, campeã europeia no ano passado. A terceira classificada foi a italiana Veronika Widmann (Insync Racing), a 189 milésimos da vencedora.

“A pista era difícil, porque dava a sensação de que não ias suficientemente rápida, levando-te a arriscar e a cometer alguns erros. Mas no final, fui muito veloz e estou muito feliz com esta vitória, que não esperava quando cheguei a Portugal. Mas nos treinos ganhei confiança e percebi que poderia chegar ao pódio. Hoje dei o máximo e venci”, resume Camille Balanche.

Margarida Bandeira (Montanha Clube/Louzan Park), 14.ª classificada, a 25,669s da vencedora, foi a melhor portuguesa. A francesa Nastasia Gimenez alcançou o estatuto de melhor júnior feminina.

 

Portugueses destacam-se nos masters

Os veteranos portugueses apresentaram-se em bom plano neste Campeonato da Europa, conquistando cinco medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze. O madeirense Daniel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo) foi o mais veloz dos masters 30, descendo em 3’24’746, menos 338 milésimos do que o espanhol Manuel Pellon (BDM Bike Clube). O terceiro, a 4,401s, foi o alemão Benny Strasser (Magura Santa Cruz).

Luís Ribeiro (UD Lorvanense) impôs-se em masters 35, com 3’33’’755, menos 5,182s do que o compatriota Paulo Domingues (MS Racing Portugal/Estrelas da Amadora) e menos 10,551s do que o espanhol Borja Comesaña (Tres Lunas Race/Acerbis Ariete). Os restantes títulos portugueses foram para a master 30 Fátima Vida (Associação 20 Km Almeirim/Restaurante O Forno), para o master 60 Rui Portela e para o master 65 Rui d’Almeida, que correram sem qualquer adversário nas respetivas categorias.

João Estêvão (Wildpack Algarve Racing) foi vice-campeão europeu de master 50, apenas batido pelo espanhol Ramón Figueras (Molabikes Team), Ana Martins (Casa do Povo de Abrunheira) ficou com a medalha de bronze em masters 35 femininas, uma categoria que coroou a espanhola Estefania Cabarcos (BDM Bike Clube).

Os demais títulos de masters viajam na bagagem do master 40 italiano Paolo Alleva (Team Scoutbike.com), do compatriota master 45 Oscar Colombo (Team Scoutbike.com), do master 55 francês Bruno Rizzo (Dorval AM) e da master holandesa Manon Bernardet Hooijschuur (BMX Terrassa Club).

Fonte: FPC

“Taça de Portugal de Juniores/André Domingues vence na consagração de Pedro Silva”

Por: José Carlos Gomes

André Domingues (Escola de Ciclismo Bruno Neves) ganhou hoje, em Valongo, a quinta e última prova da Taça de Portugal de Juniores, troféu conquistado por Pedro Silva (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact).

Os últimos 114 quilómetros da edição de 2019 da Taça de Portugal de Juniores iniciaram-se em Lordelo, Paredes, e terminaram no alto de Santa Justa, Valongo.

As tentativas de fuga sucederam-se, mas a equipa Bairrada nunca permitiu que os escapados conquistassem vantagens significativas. Os bairradinos apostavam tudo na exigente subida final, parte em empedrado, para dar a volta à geral da Taça.

Só que, nas primeiras rampas da Santa Justa, foi André Domingues quem se destacou. O pequeno corredor leiriense não deu qualquer hipótese à concorrência, pedalando forte para ganhar em solitário, ao final de 2h59m30s de corrida. Seguiram-se Pedro Silva (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact), a 22 segundos, e Marco Marques (Tensai/Sambiental/Santa Marta), a 25.

O segundo posto permitiu a Pedro Silva conquistar a Taça de Portugal, substituindo no topo da tabela o companheiro de equipa Daniel Dias. Pedro Silva encerrou o troféu com 280 pontos. João Macedo (Bairrada), quarto na prova de hoje, subiu ao segundo posto da geral, com 265 pontos. Daniel Dias fechou o pódio da Taça, com 250.

A Bairrada impôs-se hoje por equipas, feito que valeu ao coletivo a conquista da Taça de Portugal por equipas.

Fonte: FPC

“Open de Espanha de XCO/Ana Santos vence em Espanha”

Por: José Carlos Gomes

As corredoras portuguesas dominaram a prova de juniores da corrida do Open de Espanha de Cross Country Olímpico (XCO), disputada na manhã de hoje, em Caudete, Albacete. Ana Santos venceu a corrida, seguida da compatriota Daniela Campos.

Ana Santos teve um desempenho soberbo, que lhe valeu rodar parte da corrida no segundo lugar absoluto, apenas atrás de uma das elites presentes nesta prova pontuável para o ranking internacional.

Entre as juniores, a corredora portuguesa ganhou de forma autoritária, deixando Daniela Campos no segundo lugar, a 3m07s. A espanhola Lucia Gómez fechou o pódio, a 8m14s de Ana Santos. A Equipa Portugal contou ainda com a prestação de Rafaela Ramalho, quarta classificada, a 9m24s da vencedora.

O desempenho das três cadetes nacionais também foi de bom nível. Íris Chagas alcançou a terceira posição, com mais 1m51s do que a vencedora, Andrea Pascual. Laura Simão foi a quarta classificada, a 2m23s, e Mariana Líbano fechou no sétimo lugar, a 6m32s.

“A Ana e a Daniela assumiram desde o início a frente das juniores, na companhia da campeã de Espanha. A Ana acabaria por distanciar-se e conseguiu chegar mesmo ao segundo lugar da geral. A Daniela também andou na frente da maioria das corredoras de elite. Todas as nossas ciclistas fizeram uma excelente prova”, considera Ana Rita Vigário, responsável técnica pela comitiva portuguesa no Open de Espanha.

Fonte: FPC

“Diogo Narciso ganhou o 17º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves”

Diogo Narciso (Bairrada) venceu o 17º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves, prova para a categoria de juniores, pontuável para a Taça de Portugal e para a Taça do Minho - Arrecadações da Quintã, que homenageou a velha glória do ciclismo português e vencedor da Volta a Portugal de 1965. O minhoto Daniel Dias lidera a classificação da Taça de Portugal.

Num dia magnífico para a realização da prova de homenagem a João Peixoto Alves, ciclista de Palmeira que venceu a Volta a Portugal em 1965, a prova bracarense contou, como já é habitual, com bastante público a assistir durante todo o percurso que incluiu passagens por várias freguesias de Braga.

Na prova bracarense - competição que já foi ganha, entre outros, pelo Campeão do Mundo Rui Costa – confirmou-se a perspetiva de um excelente espetáculo desportivo, com momentos de grande competitividade aos quais não foram alheias as diversas e habituais metas volantes nas várias freguesias ao longo do percurso e a luta pelos pontos para os rankings da Taça de Portugal e Taça do Minho - Arrecadações da Quintã.

O 17.º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves teve em Diogo Narciso um vencedor incontestável. O corredor da equipa bairradina integrou uma fuga de cinco elementos, iniciada ainda antes do décimo quilómetro de prova, mantendo-se em cabeça de corrida até cortar a meta em solitário. Na fase inicial da corrida, Diogo Narciso dividiu as primeiras três Metas Volantes com César Costa (Vito/Feirense/PNB) e Gonçalo Martins (EFAPEL – Escola Ovar), tendo ganho as duas últimas e os dois Prémios da Montanha.

Diogo Narciso permaneceu na companhia dos colegas de aventura até à primeira passagem pelo Sameiro, a cerca de 60 quilómetros da chegada. A partir daí pedalou sozinho para um triunfo em grande estilo, com 2m47s de vantagem sobre o segundo, Henrique Pereira (Vito/Feirense/PNB), e com 2m51s sobre o terceiro, Pedro Silva (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact).

A diferença do líder da corrida para o grupo intermediário e deste para o pelotão, cada vez mais repartido, foi aumentando ou diminuindo conforme o traçado da prova. Certo é que rondou várias vezes os dois minutos do líder para o grupo intermédio e os quatro minutos para o pelotão. Assistiu-se, entretanto, a uma intensa e estratégica disputa pelos pontos para o ranking da Taça de Portugal.

Daniel Dias (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact), sétimo classificado no 17.º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves, garantiu o comando da Taça de Portugal.

A luta pela conquista da Taça promete ser a três: Daniel Dias soma 225 pontos, mais dez do que o companheiro de equipa Pedro Silca e mais 15 do que João Macedo (Bairrada).

Em termos coletivos a formação de Bairrada foi a grande vencedor, deixando na segunda posição o Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact e na terceira a Efapel - Escola Ovar.

 

Sameiro Araújo (Vereadora do Desporto da Câmara Municipal de Braga)

Sameiro Araújo, Vereadora do Desporto da Câmara Municipal de Braga, congratula-se pela realização da prova e referiu no final que “esta competição reveste-se de uma grande importância. Normalmente, estas competições costumam realizar-se nos grandes centros, mas o Circuito de Palmeira tem como cenário as freguesias.

É um motivo de orgulho e satisfação para todos assistir a uma prova destas”. “Estes eventos trazem outra amplitude ao desporto e às freguesias. É de realçar e louvar o trabalho que a Junta de Freguesia de Palmeira fez para receber esta prova e ela torna-se ainda mais importante porque passou e contou com o apoio de várias freguesias e união de freguesias. Foi uma prova que se desenrolou fora do centro devido ao empenho de muitos”, salientou a autarca.

Dando sequência a um desafio anterior da Associação de Ciclismo do Minho, Sameiro Araújo lembrou que “Braga ainda não tem ciclismo de estrada, já vai tendo alguns atletas de BTT, mas seria importante fazer-se mais”. “Nos últimos dois/três anos tenho desafiado as associações e patrocinadores a desenvolver um projeto de ciclismo de estrada, mas todos vão dizendo que é uma modalidade cara porque pensam logo em equipas de todo, a participar na Volta a Portugal.

Os projetos devem começar por baixo, pelos escalões e formação, pelas escolas e quem sabe se dentro de algum tempo não vemos mesmo as escolas, como já acontece noutros locais do país, a desenvolver o ciclismo no seu programa curricular”, referiu.

César Gomes, Presidente da Junta de Freguesia de Palmira, considerou que “é muito importante para Palmeira receber esta prova de ciclismo, ainda mais contando para a Taça de Portugal de Juniores”, realçando ainda que “é uma justa homenagem a um ilustre atleta da terra, que levou bem longe o nome de Palmeira. João Peixoto Alves venceu a Volta a Portugal em 1965 e deu muitas alegrias a todos os habitantes de Palmeira”.

De resto, a Junta de Freguesia de Palmeira diz-se satisfeita com a parceria com a Associação de Ciclismo do Minho porque “esta Junta quer fazer coisas diferentes. Queremos apoiar todos os desportos e não olhar apenas para o futebol. Vamos investir nas modalidades amadoras. Neste caso o ciclismo é uma modalidade que está enraizada na freguesia, este circuito já é uma tradição e é uma justa homenagem ao João Peixoto Alves”.

 

Seissa mantém comando da Taça de Portugal

A Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact sai de Palmeira com a liderança da Taça de Portugal, quer em termos individuais quer por equipas.

César Maciel, diretor do clube de Barcelos, referiu que “já contava encontrar as dificuldades e os ataques que aqui encontramos. Sabíamos que os nossos adversários eram ligeiramente mais fortes, principalmente, na subida ao Bom Jesus e Sameiro. O objetivo era controlar a corrida e jogar com os pontos. Fizemos isso, fomos estando atentos aos favoritos e conseguimos sair daqui com os dois ciclistas na frente da Taça e o clube também”.

Quanto à prova em si, César Maciel considerou-a “dura, com a subida de Adaúfe para Gualtar a fazer logo uma seleção e depois com a subida do Bom Jesus e Sameiro a fazerem a diferença. É um traçado puxado, mas que também serve para os atletas evoluírem”, salientou.

Na mesma linha de raciocínio, Gaspar Silva, diretor da equipa minhota Tensai/Sambiental/Santa Marta referiu que “este circuito é duro e hoje o calor fez-se sentir, mas isso não serve de desculpa para nada. Estes circuitos fazem parte do calendário e os atletas têm que estar preparados para eles”.

O 17º Circuito de Palmeira / Prémio Peixoto Alves teve o patrocínio da Junta de Freguesia de Palmeira e o apoio das seguintes entidades: Federação Portuguesa de Ciclismo, Câmara Municipal de Braga, Freguesias de Adaúfe, Navarra e Santa Lucrécia de Algeriz, União de Freguesias de Merelim São Pedro e Frossos, União de Freguesias de Merelim São Paio, Panóias e Parada de Tibães, Arrecadações da Quintã, Cision, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Score Tech e AFAcycles.

 

João Peixoto Alves - Vencedor da Volta a Portugal de 1965

João Peixoto Alves, natural de Palmeira (Braga), nasceu a 23 de Maio de 1941 e iniciou a sua atividade no ciclismo, como popular, no Futebol Clube do Porto.

Posteriormente representou o C. C. Aldoar e o Benfica, onde se tornou conhecido como um dos melhores ciclistas portugueses. A sua carreira como profissional iniciou-se em 1960 e terminou em 1966, quando se retirou, com 25 anos, deixando um lugar difícil de preencher no ciclismo e no Benfica.

Ao longo da carreira desportiva disputou 171 provas, tendo ganho 22. Conquistou os títulos de Campeão Nacional e Regional de Rampa, no último caso por quatro vezes.

Vencedor da Volta a Portugal de 1965, alcançou ainda dois segundos e um terceiro lugares na importante competição. Na prova “rainha” do ciclismo português ganhou ainda 9 etapas, foi portador da camisola amarela em 23 e ganhou o Prémio da Montanha e a Classificação por Pontos no ano de 1963.

Participou na Volta a França do Futuro em 1963 (7º na geral e 2º na Montanha) e em 1964, tendo ainda participado na Volta à Espanha (1962, 1963 e 1965), na Volta a S. Paulo (1962 e 1966), na Volta à Catalunha (1965) e no Campeonato do Mundo (1965 e 1966).

Fonte: ACM

“Taça de Portugal de Juniores/Diogo Narciso poderoso na Palmeira”

Por: José Carlos Gomes

Diogo Narciso (Bairrada) ganhou a quarta prova da Taça de Portugal de Juniores, o Circuito da Palmeira, em Braga, depois de uma enorme demonstração de força.

O corredor da equipa bairradina integrou uma fuga de cinco elementos, iniciada ainda antes do décimo quilómetro de prova, mantendo-se em cabeça de corrida até cortar a meta em solitário.

Diogo Narciso permaneceu na companhia dos colegas de aventura até à primeira passagem pelo Sameiro, a cerca de 60 quilómetros da chegada. A partir daí pedalou sozinho para um triunfo em grande estilo, com 2m47s de vantagem sobre o segundo, Henrique Pereira (Vito/Feirense/PNB), e com 2m51s sobre o terceiro, Pedro Silva (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact).

Daniel Dias (Seissa/KTM Bikeseven/Matias & Araújo/Frulact) foi o sétimo na Palmeira, segurando o comando da Taça de Portugal. A luta pelo troféu promete ser a três. Daniel Dias soma 225 pontos, mais dez do que o companheiro de equipa e mais 15 do que João Macedo (Bairrada).

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/André Carvalho 12.º na Étoile d’Or”

Por: José Carlos Gomes

O português André Carvalho foi o 12.º classificado na L’Étoile d’Or, prova da Taça das Nações de Sub-23, disputada em França.

A corrida de 180 quilómetros, entre Lussac-les-Châteaux e Civaux, foi disputada sob chuva. Oito corredores tentaram atacar de longe, levando algumas das seleções principais para a cabeça de corrida.

Perante o perigo da escapada e a ambição de discutir os primeiros lugares, a Equipa Portugal assumiu a perseguição, contando, mais perto do final com a ajuda da Eslovénia. Já depois da fuga anulada, os italianos assomaram à cabeça do pelotão, preparando o sprint para os seus homens rápidos.

Duas quedas nos últimos 1500 metros acabaram, todavia, por destruir o pelotão. André Carvalho surgia como lançador para Francisco Campos. A dupla escapou ao primeiro acidente, mas Campos foi um dos corredores que caíram já mais perto da meta.

André Carvalho evitou a queda, mas cedeu algum espaço para o grupo. O esforço para reentrar impediu o famalicense de bater-se por um lugar mais perto do topo, tendo de contentar-se com a 12.ª posição, a 8 segundos do vencedor. O italiano Alexander Konychev foi o mais forte, seguido pelo holandês Marten Kooistra e pelo italiano Michele Gazzoli.

O resultado de André Carvalho rendeu a Portugal mais quatro pontos para o ranking da Taça das Nações, um pecúlio importante na batalha pela qualificação direta para a Volta a França do Futuro.

“A equipa esteve muito bem, assumindo as despesas para tentar que o Francisco Campos pudesse estar no top 10. Infelizmente a queda gorou essa expectativa, mas os pontos conquistados pelo André Carvalho são importantes para o nosso principal objetivo”, afirma o selecionador nacional, José Poeira.

Francisco Campos cortou a meta no 58.º lugar, a 41 segundos do vencedor. Fábio Costa, Gonçalo Carvalho, Jorge Magalhães e Miguel Salgueiro abandonaram, depois de terem trabalhado para anular a fuga do dia.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Paraciclismo português na Taça do Mundo de Estrada”

Por: José Carlos Gomes

A Equipa Portugal vai participar nas provas da Taça do Mundo de Paraciclismo em estrada que se realizam em Corridonia, Itália, de 9 a 12 de maio, e em Ostend, Bélgica, de 16 a 19 deste mês. Também vão alinhar paraciclistas portugueses como individuais.

O selecionador nacional de paraciclismo, José Marques, convocou o C2 Telmo Pinão (Casa do Benfica MMV/APCA/Paracycling), o H4 Flávio Pacheco e o H5 Luís Costa, ambos do Sporting/Tavira Paracycling.

São três corredores com experiência internacional, que têm um objetivo em comum – somar pontos para o ranking de qualificação paralímpica -, e metas individuais adaptadas aos resultados que vêm alcançando e ao poderio dos adversários.

“Portugal já garantiu a presença de um paraciclista nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, no próximo ano. Agora, até maio de 2020, tentaremos somar o maior número possível de pontos, tendo em vista apurar, pelo menos, mais um corredor. Nestas provas da Taça do Mundo, o Luís Costa parte com a ambição de bater-se pelo pódio. O Telmo Pinão e o Flávio Pacheco vão correr para o top 10”, explica José Marques.

Na etapa italiana da Taça do Mundo, Flávio Pacheco será o primeiro a competir, no contrarrelógio de 27,1 quilómetros, marcado para as 14h00 do dia 9 de maio. No dia seguinte, Telmo Pinão também luta contra o tempo, às 9h00, ao longo de 18 quilómetros, enquanto o esforço individual de Luís Costa, com 27,1 quilómetros, está marcado para as 17h00. As provas de fundo começam dia 11, com Flávio Pacheco a correr às 10h45 e Luís Costa às 15h50, ambos em percursos de 62,7 quilómetros. Telmo Pinão vai cumprir a mesma distância, a partir das 8h00 de dia 12 de maio.

Na semana seguinte, em Ostend, Flávio Pacheco e Luís Costa têm os contrarrelógios de 27 quilómetros marcados para cerca das 14h45 de dia 16. Telmo Pinão também vai completar a mesma distância, mas no dia seguinte, às 8h00. No dia 18, às 13h30, Luís Costa sai à estrada para os 72 quilómetros da prova de fundo. Às 15h50 é a vez de Flávio Pacheco disputar a corrida de 64 quilómetros. Telmo Pinão encerra a participação da Equipa Portugal, às 14h12 de dia 19, numa prova de fundo com 64 quilómetros.

Além da Equipa Portugal, o paraciclismo lusitano vai apresentar-se em Corridonia e Ostend com vários ciclistas individuais. Em Itália são esperados o C1 Bernardo Vieira e o C4 João Monteiro. Na Bélgica a embaixada nacional será mais numerosa, juntando João Monteiro, os H4 André Sobreiro e Carlos Neves, os H3 Diogo Oliveira e João Pinto e o C2 Paulo Barreto.

Fonte: FPC

“19ª edição da Peregrinação em bicicleta ao Santuário de Fátima, organizada pela secção de BTT InterCaimabike”

Por: Nuno Almeida

Realizou-se no passado dia 1 de Maio 2019, a 19ª edição da Peregrinação em bicicleta ao Santuário de Fátima, organizada pela secção de BTT InterCaimabike, com a presença de 32 corajosos atletas.

Com algum nevoeiro, mas com uma temperatura agradável para a prática deste desporto e depois de um pequeno briefing, saímos da sede do Inter Caima Futebol Clube do Pinheiro Manso, pelas 6:30h, com o destino "Santuário de Fátima" nas nossas mentes, sendo sempre seguidos de perto pelo carro de apoio, gentilmente cedido pela empresa FJSS da Formiga, conduzido pelo nosso amigo Armando F. Oliveira e apoiado por Gabriel Ferreira.

O percurso escolhido foi a EN1/IC2, com alguns desvios em certas zonas, pois não nos era permitido circular com a bicicleta, mas sempre a bom ritmo, lá fomos percorrendo quilómetro atrás de quilómetro, e por voltas das 9:30h fizemos uma primeira paragem na Malaposta, onde se processou o primeiro abastecimento de líquidos e ingestão de alguns alimentos energéticos.

A segunda paragem ficou desde logo marcada para Coimbra, o que ocorreu cerca das 11.00h, para que o grupo se juntasse uma vez mais e efectuasse um novo reforço líquido e sólido, e onde se proporcionou mais um momento de convívio e troca de experiências ocorridas na primeira metade do percurso. Finda a paragem, lá seguimos viagem, já com o sol bem lá no alto e com a temperatura a subir rapidamente, e já uns valentes quilómetros à frente, com a fome a apertar efectuamos mais uma paragem a seguir a Pombal, onde efectuámos mais um reforço de líquidos e sólidos.

Finalmente, lá partimos para os derradeiros 40 kms, já com o pensamento na difícil subida de Santa Catarina, tendo chegado ao recinto do Santuário por volta das 14.30 horas, com o espírito de dever cumprido.

No recinto teve lugar a habitual foto de grupo, seguindo-se os banhos, gentilmente cedidos pelo SEPE, e o retorno foi assegurado no autocarro do Município de Vale De Cambra.

Foram cerca de 175 Kms de suor, superação pessoal, mas também de muito divertimento e companheirismo entre todos os atletas e no final todos os atletas foram premiados com uma medalha de "Finisher".

Para culminar este passeio, realizamos um jantar final com os participantes, onde se reviveram alguns momentos desta aventura.

A direção do Intercaimabike, agradece desde já a participação dos Atletas, ao nosso motorista Armando e ao Gabriel, ao RPBikeshop pelas fotos, e os apoios direto dos patrocinadores.

Fonte: 19ª edição da Peregrinação em bicicleta ao Santuário de Fátima, organizada pela secção de BTT InterCaimabike


 

“Equipa Portugal/Seleção de BTT com agenda preenchida em maio”

Por: José Carlos Gomes

A Equipa Portugal de BTT viverá um mês de maio de intensa atividade, competindo com o objetivo de somar pontos para o apuramento olímpico, mas também com intenção de dar mais experiência a jovens corredores e corredoras.

A agenda competitiva da Seleção de BTT inclui a participação no Open de Espanha de XCO, no domingo dia 5, e duas etapas da Taça do Mundo, na Alemanha, dias 18 e 19, e na República Checa, uma semana depois.

As cadetes e as juniores são as primeiras a competir, já no próximo domingo, em Caudete, Albacete, Espanha. Foram convocadas as juniores Ana Santos (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde), Daniela Campos (BTT Loulé/Elevis) e Rafaela Ramalho (Maiatos), e as cadetes Mariana Líbano (Maiatos), Íris Chagas e Laura Simão (BTT Loulé/Elevis).

“É uma corrida de formação e de preparação para o futuro. Temos a participação de cadetes de primeiro ano que vão estrear-se pela Equipa Portugal. É também mais uma oportunidade para as juniores adquirirem experiência em contexto internacional”, explica o selecionador nacional de BTT, Pedro Vigário.

A Equipa Portugal será representada pelos mesmos cinco corredores nas etapas da Taça do Mundo de XCO de Albstadt, Alemanha, e de Novo Mesmo Na Morave, República Checa. Os convocados são os sub-23 João Rocha (Rodabike/ACRG/Gondomar), Rafael Rita (BTT Loulé/Elevis), Marta Branco (Maiatos) e Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), e o elite Mário Costa (AXPO/FirstBike Team/Vila do Conde).

“Com o Mário Costa vamos apostar na conquista do maior número possível de pontos para o ranking de qualificação para os Jogos Olímpicos. O trabalho com o sub-23 passa por prepará-los para o alto rendimento, numa perspetiva de desenvolvimento com vista ao futuro”, esclarece Pedro Vigário.

Fonte: FPC

“34º Circuito Ciclista de Vila Chã de Ourique – Cartaxo”

Decorreu no dia 1 de Maio, o 34º Circuito Ciclista de Vila Chã de Ourique – Cartaxo, onde durante o  dia, decorrem várias provas de competição, que iniciam nos escalões de escolas e benjamins e terminam nos masters.

A formação da ASFIC Grupo Parapedra/Dinazoo / Riomagic participou neste prova, nos escalões Elites/Masters 30., com 7 unidades da sua formação ( João Letras, João Portela, Edgar Oliveira, Daniel Ferreira, Diogo Sampaio, Carlos Ochoa e Alexandre Mota )

A Prova teve inicio já passava das 17h30, onde alinharam algumas equipas e vários ciclistas individuais, para percorrer um total de 20 voltas ao circuito.

A prova arrancou a grande velocidade e com alguns ataques, tendo muito cedo se formado uma fuga de 9 atletas, fazendo parte da mesma 2 atletas da ASFIC, ( Diogo Sampaio e Daniel Ferreira ).

A passagem da 7 volta, João Portela e João Letras conseguiram sair do pelotão e volvidas mais 3 voltas, juntarem-se aos elementos da fuga, estando nesse momento Diogo Sampaio e outro adversário isolados com alguns segundos de vantagem.

A faltar 7 voltas para o final, um grupo de 6 atletas, onde estava Edgar Oliveira da ASFIC, conseguiu também escapar ao pelotão e chegar ao grupo da fuga.

A faltar 5 voltas para o final, Diogo Sampaio foi apanhado pelo grupo perseguidor, e até ao final, não houve nova situação de corrida.

A prova viria a acabar ao sprint, tendo os atletas da ASFIC trabalhado na colocação do João Letras, que foi o mais forte, superando-se aos seus adversários,  vencendo a prova.

João Portela cortou a meta em 3º lugar, Diogo Sampaio em 6º lugar e Daniel ferreira em 7º lugar.

João Letras venceu também no escalão de Elites e no escalão master 30 João Portela conquistou o 2º lugar e Diogo Sampaio o 3º lugar.

Enaltecer todos os atletas da equipa, que mais uma vez, mostraram uma enorme humildade, união e entrega em busca da vitória.

 Agradecemos a todos os patrocinadores, que acreditaram neste projeto e nesta equipa, ajudando e confiando nos atletas e staff.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC

“Clássica Aldeias do Xisto”

Joni Brandão ganha a Clássica e Mendonça leva a Taça

Por: José Carlos Gomes

Joni Brandão (Efapel) venceu a Clássica Aldeias do Xisto, uma exigente corrida de 153,4 quilómetros, entre Pedrógão Pequeno, Sertã, e Gondramaz, concelho de Miranda do Corvo. Luís Mendonça (Rádio Popular-Boavista) foi o segundo a cortar o risco e conquistou a Taça Portugal Jogos Santa Casa. Fábio Costa (UD Oliveirense/InOutBuild) ganhou a Taça de Portugal na categoria de sub-23.

A corrida foi muito disputada desde o início, formando-se sucessivos grupos de fugitivos, uns mais numerosos do que outros, mas nunca sem conseguirem cavar uma diferença para o pelotão que excedesse os dois minutos.

Na aproximação a Gondramaz, Óscar Hernández (Aviludo-Louletano), um dos homens que foram animando a jornada em diferentes movimentações, decidiu partir em solitário, mas também ele não resistiu à perseguição do pelotão, onde a Efapel assumiu a maior parte das despesas.

As decisões ficaram para os últimos 5,5 quilómetros, em subida, com uma inclinação média de 8,5 por cento e rampas com pendentes próximas dos 20 por cento. Óscar Hernández ainda abordou as primeiras rampas na cabeça da corrida, mas os homens que se apresentaram com intenção de ganhar a corrida e a Taça não deram hipóteses.

Joni Brandão atacou, a menos de 4 quilómetros do fim, e fez uma “cavalgada” em solitário até à meta, com tempo para celebrar o triunfo, agradecendo os aplausos do entusiástico público presente em Gondramaz.

“É uma subida nova no ciclismo, dura, com poucos pontos de descanso. Precisamos muito deste tipo de chegadas, porque muitas vezes fazemos corridas duras e o final acaba por não ser muito exigente. Dou os parabéns à Federação Portuguesa de Ciclismo por ter escolhido este percurso”, afirmou Joni Brandão, após o final da corrida.

O corredor da Efapel explicou que “conhecia a subida, devido ao reconhecimento na véspera da prova. Não planeei atacar num ponto ou noutro, decidi arrancar porque me senti bem e pude vencer, um triunfo que dedico à equipa, que trabalhou muito desde o quilómetro inicial”, concluiu o vencedor da terceira edição da Clássica Aldeias do Xisto.

O segundo a cortar a meta foi Luís Mendonça, a 32 segundos do vencedor. Henrique Casimiro (Efapel) fechou o pódio do dia, a 58 segundos do vencedor. O resultado permitiu a Luís Mendonça a conquista da Taça de Portugal Jogos Santa Casa na categoria de elite, com 125 pontos. Seguriam-se Joni Brandão, com 77, e Jonathan Lastra (Caja Rural-Seguros RGA), com 75.

“A equipa merecia esta vitória na Taça de Portugal Jogos Santa Casa, é um resultado que nos sabe muito bem. Tenho vindo a fazer um trabalho de perda de peso para subir com os melhores. Parece que estou a colher frutos e, desta forma, poderei chegar à Volta a Portugal com outro tipo de objetivos”, revelou Luís Mendonça.

Fábio Costa (UD Oliveirense/InOutBuild) conquistou a Taça de Portugal Jogos Santa Casa em sub-23, seguido por Gonçalo Leaça (LA Alumínios-LA Sport) e por Jorge Magalhães (W52-FC Porto). Coletivamente, a W52-FC Porto venceu a Taça de elite e a Sicasal/Constantinos em sub-23.

Nas classificações secundárias da Clássica Aldeias do Xisto impuseram-se Luís Fernandes (Aviludo-Louletano), rei dos trepadores, e Jorge Magalhães, melhor sub-23. A Efapel ganhou por equipas.

Fonte: FPC