sexta-feira, 22 de novembro de 2019

“FIGURAS MARCANTES DO CICLISMO LUSO”

Hoje falamos de: António Augusto Carvalho

Foram várias as figuras do pelotão nacional que marcaram as principais fases da evolução do ciclismo português, e das quais nos iremos ocupar neste capítulo, desde as proezas de José Bento Pessoa, nos finais do Século XVIII, aos inesquecíveis José Maria Nicolau e Alfredo Trindade, até aos históricos Alves Barbosa, Joaquim Agostinho e Marco Chagas.

Pelo meio ficaram Ribeiro da Silva, a dinastia dominadora do FC Porto (dos Moreira, Dias Santos, Sousa Cardoso, Mário Silva, José Pacheco, entre outros), os dois José Martins (o do Benfica e o da Coelima), José Albuquerque (o popular “Faísca”), o “leão” João Roque e os benfiquistas Peixoto Alves, Fernando Mendes e Francisco Valada, para terminar em Joaquim Gomes, Fernando Carvalho, Jorge Silva, Orlando Rodrigues, Vítor Gamito, Nuno Ribeiro e José Azevedo. 

Todos eles estão envolvidos na reconstituição, que a seguir fazemos, das breves biografias daqueles que elegemos como principais marcos históricos da evolução do ciclismo português


ANTÓNIO AUGUSTO DE CARVALHO

Nascimento: 1903 Naturalidade: Sintra Equipas: Carcavelos (1926 e 1927), Campo de Ourique (1931) e Sintra (1932). Carreira: 1926 a 1932 Volta a Portugal: 1º em 1927 + 5 etapas; 4º em 1931 + 1 etapa + 1 dia líder; 8º em 1932. Destaques: 1º na Volta a Lisboa em 1926; 1º no Tomar-Lisboa, em 1928; 1º na Volta dos Campeões, em 1930. Vestiu a camisola amarela em dez ocasiões.


SEM OS AZARES DE QUIRINO

O poderoso e espadaúdo ciclista sintrense, líder da equipa de Carcavelos, foi o primeiro campeão da Volta a Portugal, impondo-se no duelo com Quirino de Oliveira, do Atlético de Campo de Ourique, por muitos apontado como principal favorito à vitória na primeira edição da prova, em 1927, que inicialmente chegou a ser designada por Circuito Ciclista de Portugal.

A corrida ficou marcada por variadíssimas peripécias, mas do ponto de vista desportivo o facto que maior relevo alcançou foi o emocionante despique travado, ao longo de todo o percurso, pelos dois populares ciclistas.

Quirino de Oliveira foi o primeiro a envergar a camisola amarela, conservando a durante a maior parte do percurso de 1958,5 quilómetros, repartidos por 18 etapas, confirmando assim ser melhor da categoria dos 'Fortes' (os corredores estavam divididos em fortes, fracos e militares). Foi, no entanto, o seu rival Augusto de Carvalho, quem veio a conquistar a vitória, em resultado dos contratempos sofridos pelo seu opositor.

Na etapa para a Guarda, onde muitos esperavam que Quirino teria a sua grande oportunidade, tirando partido do facto de ser o mais corpulento do pelotão (1,80 m de altura e 90 Kgs de peso), com grande capacidade atlética e muito corajoso, sofreu uma avaria mecânica e fez grande parte do percurso sem o selim. subindo e descendo, quilómetros e quilómetros, apoiado apenas nos pedais.

Parecia que estava firme no primeiro lugar, mas o imponderável, que é um dos aliciantes do ciclismo, voltou a fazer sérios estragos na classificação de Quirino, primeiro devido a uma queda a caminho de Moncorvo, onde perdeu o comando da classificação, e depois voltando a atrasar-se na etapa de Braga para o Porto. Nesse dia Augusto de Carvalho chegou à meta montado numa 'pasteleira' cedida por um popular, que o ajudou, assim, a solucionar uma avaria cuja reparação poderia acarretar-lhe a perda de muito tempo e comprometer seriamente a possibilidade real de uma vitória.

O primeiro beneficiário desses percalços foi Manuel Nunes de Abreu, do Leixões, que vestiu a camisola amarela, mas Augusto de Carvalho saiu das Caldas da Rainha vestido de amarelo e com 9m 34s de vantagem, mercê de um ataque demolidor na etapa anterior, do Porto para Coimbra, onde os corredores chegaram já noite fechada, com os faróis dos carros de apoio a iluminarem-lhes a estrada.

Uma verdadeira multidão em delírio vitoriou os ciclistas à sua chegada a Lisboa, com a meta instalada na Avenida da Liberdade.
 

PALMARÉS

1926 1º Volta a Lisboa 

1927 1º Volta a Portugal 1º Taça União 1º Taça Olímpica 

1928 1º Tomar-Lisboa 

1930 1º Volta dos Campeões 1º Lourinhã-Coruche-Lourinhã 

1931 4º na Volta a Portugal

1932 8º na Volta a Portugal

Fonte: FPC