domingo, 21 de julho de 2019

“Vasco Vilaça alcança a 15º posição na sua primeira WTS em Edmonton”

Vasco Vilaça estreou-se na penúltima etapa do Campeonato do Mundo de Triatlo com um excelente 15º lugar.

Realizou-se hoje, 21 de julho, a penúltima etapa do Campeonato do Mundo de Triatlo, em Edmonton, no Canadá. Vasco Vilaça, o triatleta mais novo em prova, conseguiu alcançar um excelente 15º lugar na sua estreia nesta competição. O triatleta fez o tempo de 00:55:56, ficando a um minuto e quatro segundos do vencedor da prova Jonathan Brownlee.

«Estava muito nervoso, mas muito feliz por poder participar na minha primeira WTS, que sabia que ia ser muito dura, com a presença dos melhores do mundo», explica Vasco Vilaça. Desde a primeira transição que se destacou um grupo de cinco atletas composto por Vincent Luis, Jonathan Brownlee, Marten Van Riel, Ben Kanute e Matthew Hauser.  Vasco saiu em 46º lugar do segmento de natação juntamente com outros triatletas. «A natação iniciou bem por causa da partida na praia, onde consegui sair com um avanço que rapidamente perdi devido ao elevado nível dos outros atletas; saí da água no final do segundo grupo.»

No ciclismo, Vilaça foi recuperando posições. «O percurso de ciclismo era constituído por uma subida longa e por uma descida bastante curta e muito inclinada, mas como queria apanhar o segundo grupo imprimi o ritmo e consegui o meu objetivo até ao final da primeira subida, que paguei com um preço elevado nas pernas.» Vasco conseguiu assim integrar o segundo grupo do ciclismo, onde que se manteve com cerca de 30 atletas a trocar posições quase até ao final do segmento, sempre com um bom ritmo. «No final do trajeto do ciclismo, houve uma queda grande no grupo, felizmente consegui travar a tempo e não cair, mas fiquei um pouco preso e entrei para a transição para a corrida em último ou muito perto do último elemento do grupo, com muita desvantagem relativamente ao primeiro grupo.» Vasco iniciou a corrida ao seu ritmo, sentindo-se motivado por lutar pelo 20º lugar, que seria uma boa posição para a primeira WTS.

Mas o melhor estava ainda para vir quando, «Na última volta da corrida, me senti com força para um sprint final, e tendo em conta que alguns atletas quebraram, ainda consegui ganhar vantagem para alcançar o 15º lugar.» Vilaça fez deste modo uma excelente estreia na sua primeira prova do World Triathlon Series.

O vencedor da prova foi Jonathan Brownlee, da Grã Bretanha, com o tempo de 00:54:52, na segunda posição, com o melhor tempo parcial da corrida ficou o espanhol Mario Mola com 00:54:57, enquanto o belga Marten Van Riel alcançou a terceira posição e o seu primeiro pódio em WTS com o tempo de 00:55:02.

Vasco Vilaça ficou assim entre os melhores 15 do mundo, uma prova que contou com nomes do triatlo mundial como Vincent Luis, Mario Mola, Jonathan Brownlee, Fernando Alarza ou o consagrado Javier Gomez Noya, cinco vezes campeão do mundo, que se viu desta vez afastado por uma queda no grupo onde também seguia Vasco Vilaça.

Miguel Arraiolos, o outro triatleta nacional que participou na competição, não concluiu a prova devido a um atraso na água que não conseguiu recuperar.

A grande final do Campeonato do Mundo realiza-se em Lausanne, na Suíça, no dia 31 de agosto.

Fonte: FTP

“Campeonato Nacional de DHI”

José Borges campeão nacional de DHI

Por: José Carlos Gomes

José Borges (Miranda Factory) sagrou-se hoje campeão nacional de Downhill (DHI), batendo toda a concorrência da categoria de elite, em Préstimo, Águeda. Margarida Bandeira (Montanha Clube/LouzanPark) foi a melhor das três femininas em pista.

O novo campeão nacional conseguiu o título graças a um desempenho imaculado. Começou o dia estabelecendo a melhor marca na descida de qualificação e confirmou o poderio na final. José Borges desceu para o título em 3’19’’014, batendo o anterior campeão, Emanuel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo), por 445 milésimos de segundo. Francisco Pardal (BlackJack Factory Racing) fechou o pódio, a 4,288 segundos do vencedior.

A prova feminina de elite contou com apenas três concorrentes. Margarida Bandeira venceu, com 4’28’’304, menos 35,728 segundos do que Ana Costa (Ciclo Madeira Clube Desportivo) e menos 41,590 segundos do que Ana Leite (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde).

Gonçalo Bandeira (Miranda Factory Team) confirmou o favoritismo na categoria de juniores, com uma final disputada em 3’25’’509. O segundo classificado, a 11,423 segundos, foi João Baptista (Bike House DH Team/Guimarães). Pedro Fernandes (Desportivo Jorge Antunes) fechou o pódio, a 20,092 segundos do vencedor.

Nuno Reis sagrou-se campeão nacional de cadetes, categoria que, no setor feminino, só teve uma participante, Joana Nunes.

Os melhores veteranos foram o master 30 Luís Ribeiro (União Desportiva Lorvanense), o master 40 José Sousa (Casa do Povo de Abrunheira), o master 50 José Salgueiro (MCF/Xdream/Município de S. Brás) e a master feminina Ana Martins (Casa do Povo de Abrunheira).

Fonte: FPC

“Tour/Simon Yates bisa na etapa que atrasou Alaphilippe”

Ciclista britânico tornou-se no primeiro corredor a bisar na edição de 2019 do Tour

Por: LUsa

Foto: EPA

O britânico Simon Yates (Michelton-Scott) venceu este domingo isolado a 15.ª etapa da Volta a França em bicicleta, na qual o francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-Quick Step) viu encurtada a sua vantagem.

Simon Yates tornou-se no primeiro corredor a bisar na edição de 2019 do Tour ao concluir os 185 quilómetros da etapa pirenaica, entre Limoux e Foix, em 4:47.04 horas, menos 33 segundos do que o francês Thibaut Pinot (Groupama-FDJ), que venceu no sábado a etapa que terminou no Tourmalet, e do que o espanhol Mikel Landa (Movistar).

Pinot, o britânico Geraint Thomas (INEOS) e o holandês Steven Kruijswijk (Jumbo-Visma) aproveitaram a quebra nos últimos quilómetros de Alaphilippe, que não foi além do 11.º lugar na etapa, a 1.49 minutos de Yates.

Alaphilippe vai gozar o segundo dia de descanso da 'Grande Boucle' com 1.35 minutos de vantagem sobre o campeão de 2018, que este domingo foi sétimo, 1.47 sobre Kruijswijk, oitavo, e 1.50 sobre Pinot.

A corrida vai prosseguir na terça-feira, em Nîmes, local de partida e chegada da 16.ª etapa, que tem um traçado praticamente plano, à exceção de uma subida a meio, de quarta categoria.

Fonte: Record on-line

“Campeonato Nacional de XCO”

Ricardo Marinheiro e Raquel Queirós campeões nacionais de XCO

Por: José Carlos Gomes

Ricardo Marinheiro (Brújula Bike Racing Team) e Raquel Queirós (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) venceram hoje as provas de elite do Campeonato Nacional de Cross Country Olímpico (XCO), em Souto Santa Maria, Guimarães.

A corrida masculina foi palco de um duelo intenso entre os três principais candidatos ao título. Ricardo Marinheiro, David Rosa (Massi) e Mário Costa (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) destacaram-se da concorrência e mantiveram um animado braço-de-ferro até aos metros finais.

Ricardo Marinheiro, motivado pelo objetivo de revalidar o título, arrancou já perto do fim para erguer os braços com 7 segundos de vantagem sobre David Rosa e 9 segundos relativamente a Mário Costa.

"Estou muito satisfeito por conquistar mais este título. Sabia que não ia ser uma corrida fácil, que ia ser muito tática. Havia um grupo de 3/4 de ciclistas que estavam em condições de disputar este título. Isso veio a confirmar -se. Fui desferindo ataques na tentativa de testar os meus adversários. O David também atacou. Deu para perceber que a corrida só se iria decidir na última volta. Fui feliz nesse aspeto. Ataquei na subida e consegui distanciar-me e depois foi controlar até ao final”, descreve Ricardo Marinheiro.

Raquel Queirós voltou a afirmar-se num patamar superior à concorrência feminina. Apesar de ser sub-23 de primeiro ano, a corredora vila-condense dominou a prova de elite, terminando isolada, com uma vantagem de 2m32s sobre Joana Monteiro (Axpo/FirsBike Team/Vila do Conde), que se viu privada do quinto título nacional consecutivo. A terceira classificada foi Melissa Maia (Korpo Activo BTT/União Desportiva Lorvanense), a 4m09s da vencedora.

“A vitória é fruto do trabalho que tenho feito durante a época. Vou preparando prova a prova e os resultados vão aparecendo. Vencer tem sempre um sabor especial. Conquistar o título de campeã nacional é algo extraordinário, penso que todos os atletas deveriam passar por isto para viver este sentimento”, afirmou Raquel Queirós, que, em 2019, também já conhece o sabor de triunfar no Campeonato de Maratona BTT.

João Rocha (Rodabike/ACRG/Gondomar) é o dono do título de sub-23, tendo triunfado diante de dois corredores empenhados na época de estrada, Miguel Salgueiro (Sicasal/Constantinos), que gastou mais 42 segundos, e Hélder Gonçalves (UD Oliveirense/InOutBuild), que ficou a 1m51s.

A corrida de juniores masculinos terminou com vitória de Diogo Neves (BTT Loulé/Elevis), que deixou o segundo classificado, Tiago Coelho (Maiatos), a 17 segundos. O terceiro, a 2m00s, foi Tiago Sousa (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde). No setor feminino de juniores, Ana Santos (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) impôs-se com autoridade, deixando Daniela Campos (BTT Loulé/Elevis), a 3m14s, e Rafaela Ramalho (Maiatos), a 13m57s, nas restantes posições do pódio.

Os campeões nacionais de cadetes são João Cruz (Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde) e Sofia Gomes (Vilanovense/Coreva/Duorep), vencendo isolados as respetivas provas.

Em veteranos impuseram-se os master 30 André Filipe (CPR A-do-Barbas/AKIplast/PVS) e Raquel Marques (Axpo/FirstBike Team), os master 40 Marco Macedo (Saertex Portugal/Edaetech) e Natália Mendes (Freebike Shop/Bike Clube S. Brás), o master 50 António Sousa e o master 60 Manuel Sousa (Saertex Portugal/Edatech), único participante nesta categoria.

Tiago Craveiro foi o melhor paraciclista.

A Axpo/FirstBike Team/Vila do Conde triunfou coletivamente.

Fonte: FPC

“Vasco Vilaça alcança a 15º posição na sua primeira WTS em Edmonton”

Vasco Vilaça estreou-se na penúltima etapa do Campeonato do Mundo de Triatlo com um excelente 15º lugar.

Realizou-se hoje, 21 de julho, a penúltima etapa do Campeonato do Mundo de Triatlo, em Edmonton, no Canadá. Vasco Vilaça, o triatleta mais novo em prova, conseguiu alcançar um excelente 15º lugar na sua estreia absoluta nesta competição. O triatleta fez o tempo de 00:55:56, ficando a um minuto e quatro segundos do vencedor da prova Jonathan Brownlee.

Desde a primeira transição que se destacou um grupo de cinco atletas composto por Vincent Luis, Jonathan Brownlee, Marten Van Riel, Ben Kanute e Matthew Hauser.  Depois de um segmento de natação confuso, Vasco saiu em 46º lugar do segmento de natação juntamente com outros atletas, foi recuperando posições e conseguiu integrar o segundo grupo do ciclismo, onde que se manteve com cerca de 30 atletas  quase até ao final do segmento. Na última volta do ciclismo, a entrar para a segunda transição, houve uma queda que envolveu vários atletas do grupo onde Vilaça seguia, mas, apesar de tudo, o triatleta conseguiu desviar-se e manter-se na competição.

Vilaça fez um bom segmento de corrida, conseguindo ainda terminar ao sprint na 15ª posição, concretizando assim uma excelente estreia na sua primeira prova do World Triathlon Series.

O vencedor da prova foi Jonathan Brownlee, da Grã Bretanha, com o tempo de 00:54:52, na segunda posição, com o melhor tempo parcial da corrida ficou o espanhol Mario Mola com 00:54:57 e o belga Marten Van Riel alcançou a terceira posição e o seu primeiro pódio em WTS com o tempo de 00:55:02.

Vasco Vilaça ficou assim entre os melhores 15 do mundo, uma prova que contou com nomes do triatlo mundial como Vincent Luis, Mario Mola, Jonathan Brownlee, Fernando Alarza ou Javier Gomez Noya.

Miguel Arraiolos, o outro triatleta nacional que participou na competição, não concluiu a prova devido a um atraso na água que não conseguiu recuperar.

Fonte: FTP

“Valverde irritado com Quintana”

Colombiano quebrou na subida ao Tourmalet

Foto: EPA

Numa etapa onde os portugueses estiveram discretos, a Movistar, de Nelson Oliveira, trocou o chefe de fila, sendo agora o espanhol Alejandro Valverde quem comanda: "Assumimos a despesa da corrida e tentámos ganhá-la, mas Quintana não estava bem. Não o sabíamos, pois ele não nos disse nada. Não sei o que aconteceu, perguntem-lhe. É claro que a liderança mudou", revelou o campeão mundial. Quintana reagiu: "É claro que tive um mau dia e só me resta trabalhar para Valverde e Landa."

Fonte: Record on-line
Francês satisfeito por ter vencido a etapa deste sábado

Por:Lusa

A primeira grande chegada em alto da 106.ª edição da Volta a França em bicicleta terminou este sábado com festa francesa, com o triunfo de Thibaut Pinot (Groupama-FDJ) no topo do Tourmalet, onde Julian Alaphilippe (Deceuninck-Quick Step) reforçou a liderança.

Na presença do Presidente francês, Emmanuel Macron, Pinot impôs-se no primeiro final em alto nos Pirenéus na 'Grande Boucle' de 2019, ao concluir os 111 quilómetros desde Tarbes, em 3:10.20 horas, impondo-se nos últimos 250 metros dos 19 quilómetros da subida final a Alaphilippe e ao holandês Steven Kruijswijk (Jumbo-Visma), que apenas cederam seis segundos.

Alaphilippe, depois de ter vencido o contrarrelógio, voltou a aumentar a vantagem sobre o britânico e campeão em título Geraint Thomas (INEOS), campeão em título e que hoje não foi do oitavo lugar, a 36 segundos de Pinot.

"É realmente incrível conseguir terminar mais um dia de amarelo", frisou Alaphilippe, que, ao lado de Pinot, mereceu o agradecimento de Macron na chegada.

A etapa 'começou' com a subida a Soulor, com o belga Tim Wellens (Lotto-Soudal), o italiano Vincenzo Nibali (Banhrain-Merida) e o francês Elie Gesbert (Arkea-Samsic) a mostrarem-se na frente de uma fuga lançada aos 14 quilómetros.

Já sem o campeão de 2014, foi Gesbert que iniciou os 19 quilómetros da derradeira subida isolado, com uma inclinação de 7,4%, na qual chegou a ter a companhia de Romain Sicard (Direct Energie), numa iniciativa anulada a 10,5 quilómetros da meta.

Nessa altura, já Romain Bardet (AG2R La Mondiale), Daniel Martin (UAE-Emirates) e Adam Yates (Michelton-Scott) descolavam desse primeiro pelotão, encabeçado pela Movistar, cujo ritmo deixava para trás o colombiano Nairo Quintana, um dos líderes da equia.

A alemã Arkea-Samsic não desistia e o seu chefe de fila e campeão francês Warren Barguil assumiu o risco inicial, selecionando ainda mais um grupo, que foi perdendo, entre outros, Enric Mas (Deceuninck-Quick Step).

Mas, foi David Gaudu (Groupama-FDJ), a quatro quilómetros do final, que insistiu, preparando a vitória do seu chefe de final e 'vitimando' o espanhol e campeão do mundo Alejandro Valverde (Movistar).

No quilómetro final, já depois de a Jumbo-Visma ter comandado a etapa, o britânico Geraint Thomas (INEOS), vencedor do Tour em 2018, descolou do primeiro grupo, no qual permanecia o seu companheiro de equipa e colombiano Egan Bernal, mas sem conseguir à investida vitoriosa de Pinot.

"Desde a minha estreia no Tour que pensava conquistar uma etapa, esta. O Tourmalet é mítico, estou feliz. Eu tenho esta raiva em mim [de ter perdido tempo em Saint-Étienne, na oitava tirada], que foi uma injustiça. Não merecíamos o que aconteceu", afirmou Pinot, que já tinha vencido etapas da 'Grande Boucle' em 2012 e 2015.

O corredor francês, de 29 anos, que subiu ao sexto lugar, a 3.12 minutos de Alaphilippe, tornou-se hoje no terceiro vencedor de etapas com chegada no topo dos 2.115 metros do Tourmalet, depois dos triunfos de Jean-Pierre Danguillaume, em 1974, e do luxemburguês Andy Schleck, em 2010.

Também Alaphilippe celebrou, ao distanciar-se de Mas, Quintana, Martin e Adam Yates, mas sobretudo por ter ampliado a diferença para Thomas, um dia depois de lhe ter arrebatado 14 segundos na sua especialidade, o contrarrelógio.

"Já não me sentia muito bem desde o início, sentia-me um bocado fraco", reconheceu Thomas.

Mesmo assim a sucessora da Sky mantém Bernal entre os primeiros, no quarto lugar a três minutos da liderança, beneficiando da 'queda' na classificação de Mas, do quarto para o 10.º, após perder 2.54 minutos, enquanto Kruijswijk segurou o segundo lugar, a 2.14.

A etapa de hoje acabou por ter os seus 111 quilómetros reduzidos em 6,5, depois de uma manifestação ter atrasado a partida, em Tarbes.

No domingo, o pelotão da 106.ª edição da 'Grande Boucle' vai enfrentar os 185 quilómetros de nova etapa pirenaica, a 15.ª etapa da prova, entre Limoux e Foix, numa ligação com quatro contagens de montanha, uma de segunda e três de terceira, a última das quais na chegada.

Fonte: Record on-line