sábado, 13 de janeiro de 2018

“Vuelta de 2018 continuará a privilegiar a montanha”

Prova foi apresentada este sábado em Málaga

Poir_ Lusa

A Vuelta de 2018 permanecerá fiel ao seu DNA, com nove tiradas de montanha, num percurso que ligará Málaga a Madrid, entre 25 de agosto e 16 de setembro, após este sábado ter sido apresentado o formato deste ano.

A saída de Málaga, oito dias na metade sul do país, um tríptico de montanha junto à costa atlântica e um final no principado de Andorra são os momentos mais fortes da 73.ª edição da Volta a Espanha.

A apresentação decorreu esta manhã no auditório Felipe VI, em Estepona, Málaga, e esteve a cargo do diretor da Vuelta, Javier Guillen, e do diretor da corrida, o antigo ciclista Fernando Escartin.

"Queremos que a montanha se torne a chave para decidir a Vuelta", salientou Javier Guillen, explicando que estão a descobrir novas subidas e que são elas "as marcas de identidade", que permitirão dar um novo ímpeto à corrida.

O responsável identificou a subida de Las Praeres e do Balcão de Bizkaia, junto à costa atlântica, como duas novidades, que trarão aos trepadores dificuldades acrescidas.

A Vuelta regressará este ano à Covatilla, sete ano após o sucesso do irlandês Dan Martin, e, sobretudo, aos lagos de Covadonga, onde em 2016 o colombiano Nairo Quintana agarrou a camisola de líder.

No resumo do traçado, a organização estabeleceu seis etapas planas, para os 'sprinters' e duas outras que terminam em montanha, seis etapas de montanha média e cinco de montanha, duas de contrarrelógio (40,7 quilómetros), e dois dias de descanso.

Para Javier Guillen, trata-se de percurso "equilibrado, com oportunidades para todos que procuram o espetáculo do princípio ao fim", em que a etapa rainha no penúltimo dia, com um final no alto de la Gallina e meta a quase 1.580 metros de altitude.

 

Etapas da Vuelta'2018:

25 ago: 1.ª etapa, Málaga-Málaga, 8 kms (CRI).

26 ago: 2.ª etapa, Marbella - Caminito del Rey, 163,9 kms.

27 ago: 3.ª etapa, Mijas-Alhaurin de La Torre, 182,5 kms.

28 ago: 4.ª etapa, Vélez-Málaga-Alfacar, 162 kms.

29 ago: 5.ª etapa, Granada-Roquetas de Mar, 188 kms.

30 ago: 6.ª etapa, Huerca-Overa-San Javier, 153 kms.

31 ago: 7.ª etapa, Puerto Lambreras-Pozo Alcon, 182 kms.

01 set: 8.ª etapa, Linares-Almaden, 195,5 kms.

02 set: 9.ª etapa, Talavera de La Reina-La Covatilla, 195 kms.

03 set: Dia de descanso.

04 set: 10.ª etapa, Salamanca-Fermoselle-Bermillo de Sayago, 172,5 kms.

05 set: 11.ª etapa, Mombuey-Luintra, 208,8 kms.

06 set: 12.ª etapa: Mondonedo-Estaca de Bares, Manon, 177,5 kms.

07 set: 13.ª etapa, Candas-La Camperona, 175,5 kms.

08 set: 14.ª etapa, Cistierna-Nava, 167 kms.

09 set: 15.ª etapa, Ribera de Arriba-Lagos de Covadonga, 185,5 kms.

10 set: Dia de descanso.

11 set: 16.ª etapa, Santillana del Mar-Torrelavega, 32,7 kms (CRI).

12 set: 17.ª etapa, Getxo-Balcã de Bizkaia, 166,4 kms.

13 set: 18.ª etapa, Ejea de los Caballeros-Lérida, 180,5 kms.

14 set: 19.ª etapa, Lérida-Andorra (Naturlandia), 157 kms.

15 set: 20.ª etapa, Escaldes-Engordany (Andorra)-Alto de la Gallina, santuário de Canolich, 105,8 kms.

16 set: 21.ª etapa, Alcórcon-Madrid, 112 kms.

Fonte: Record on-line

“Equipa EFAPEL realiza passeio solidário com as vítimas dos fogos”

Ciclistas profissionais pedalam com adeptos em iniciativa solidária, com um passeio, numa das regiões mais afetadas pelos fogos em 2017, os donativos revertem para os Bombeiros Voluntários de Serpins (Lousã)

A comunidade ciclista ligada à EFAPEL vai reunir-se no próximo dia 3 de Fevereiro para participar num passeio solidário. Serão cerca de 20 quilómetros na região de Serpins, localidade onde está sedeada a empresa que dá nome à equipa de ciclismo profissional, em que os adeptos de ciclismo têm a oportunidade de pedalar com os ciclistas profissionais da formação, entre os quais o medalhado olímpico, Sérgio Paulinho, ou o segundo classificado no Giro de Itália, David Arroyo.

A iniciativa organizada pela equipa profissional de ciclismo EFAPEL pretende promover o convívio entre ciclistas e adeptos e, acima de tudo, contribuir para a recuperação de uma região que tanto sofreu com os incêndios em 2017. Assim, todos os participantes, desde os ciclistas profissionais, atletas da Escola de Ciclismo EFAPEL, e aqueles que se inscrevam a título individual, podem fazer donativos (entre os zero e os dez euros) que reverterão na totalidade para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Serpins.

O presidente da equipa EFAPEL, Carlos Pereira, explica a razão desta iniciativa. “Vivemos de forma muito intensa o drama dos incêndios que em 2017 assolou com particular gravidade o nosso país. A empresa que dá nome ao nosso projeto desportivo é de uma das regiões mais afetadas e nós vimos e sentimos o sofrimento vivido. Por outro lado, e sempre que nos é possível, procuramos estar com os adeptos. Foi neste sentido que este ano decidimos, no dia da apresentação da equipa para a nova época, realizar um passeio solidário. Queremos estar com quem nos apoia, partilhar a estradas numa região que vive com as marcas dos fogos e contribuir de alguma forma para minimizar esses problemas”, disse o responsável.

Carlos Pereira ainda acrescentou que: “As verbas angariadas durante o passeio serão entregues aos Bombeiros Voluntários de Serpins. Queremos ajudar esta organização que tem desenvolvido um trabalho tão importante na proteção das populações.”

O Passeio Solidário Equipa EFAPEL realiza-se no dia 3 de Fevereiro. A partida está marcada para as 10 horas, em Serpins, junto à sede da EFAPEL. Apesar de a participação ser gratuita, é necessário realizar a inscrição em www.racetime.pt/passeioefapel

Fonte: Efapel