terça-feira, 24 de setembro de 2019

“Equipa Portugal/João Almeida travado por queda”

Por: José Carlos Gomes

João Almeida foi o 28.º classificado na prova de contrarrelógio para sub-23 do Campeonato do Mundo de Estrada, disputada hoje, sob chuva torrencial, na região inglesa de Yorkshire. O desempenho do corredor português foi prejudicado por uma queda, na fase inicial da corrida.

O exercício individual de 30,3 quilómetros, entre Ripon e Harrogate, disputou-se sob uma chuva diluviana, que provocou algumas quedas. João Almeida foi um dos acidentados, ainda no início do contrarrelógio.

“Tinha acabado de avisar o João para ter cuidado com a acumulação de água na estrada, de modo a que escolhesse os locais menos alagados. Mas, logo a seguir a uma curva à direita, foi confrontado com uma altura de água de vários centímetros e era impossível evitar a queda”, explica o selecionador nacional, José Poeira.

O acidente aconteceu com cerca de 5 quilómetros percorridos. “De repente encontrei uma grande altura de água. A bicicleta começou a travar e fui projetado pelo ar, caindo de frente, por cima do guiador”, conta o natural das Caldas da Rainha.

Apesar do infortúnio, João Almeida ainda registou o quarto melhor tempo no ponto de cronometragem instalado ao quilómetro 14,2. Só que a queda teve consequências no material do jovem português, limitando-lhe o desempenho. “O ciclocomputador deixou de funcionar. Fiquei sem qualquer dado, velocidade, pulso, potência, distância… Acabei por ter de fazer grande parte da prova condicionado, mas as sensações eram boas”, resume João Almeida.

O médico da Equipa Portugal, Filipe Lima Quintas, fez uma avaliação preliminar do corredor, não detetando qualquer lesão grave, apenas escoriações. No entanto, irá monitorizar a situação ao longo da semana, de modo a que João Almeida se apresente nas melhores condições na prova de fundo, marcada para sexta-feira.

O corredor da Equipa Portugal foi o 28.º, a 2’49’’39 do dinamarquês Mikel Bjerg, que conquistou o terceiro título mundial consecutivo, com 40’20’’42. O nórdico foi acompanhado no pódio por dois representantes dos Estados Unidos da América, Ian Garrison, que ficou a 26,45s da medalha de ouro, e Brandon McNulty, que gastou mais 27,69s do que o vencedor.

André Carvalho não se deu bem com o contrarrelógio disputado no período da manhã em que a chuva foi mais forte, acabando na 42.ª posição, a 3’40’’20.

Fonte: FPC

“Equipa Portugal/Nelson Oliveira procura novo lugar de destaque no contrarrelógio”

Por: José Carlos Gomes

Nelson Oliveira parte para o contrarrelógio de elite do Campeonato do Mundo de Estrada, a disputar amanhã, entre Northallerton e Harrogate, Inglaterra, com a ambição de bater-se pelas primeiras posições.

Depois de ter sido quarto classificado, há dois anos, na Noruega, e quinto, em 2018, na Áustria, o corredor da Equipa Portugal vai lutar novamente por um lugar de destaque entre os melhores contrarrelogistas do Mundo.

O bairradino vai encontrar um contrarrelógio muito duro, devido a diferentes razões: é um exercício individual muito longo, com 54 quilómetros que obrigam a gerir muito bem o esforço, o percurso é variado e exigente, apresentando um início plano e uma parte central de permanente sobe e desce, por vezes em estradas estreitas, que reclamam perícia para ganhar tempo aos rivais. Além destes fatores, a possibilidade de estrada húmida ou mesmo de chuva durante a prova é outro elemento a ter em conta.

Nelson Oliveira já reconheceu o percurso duas vezes, tendo memorizado os locais em que é necessária atenção máxima e perícia apurada, assim como os momentos de troca de andamentos – que serão muitos -, nos diferentes troços de sobe e desce.

"A primeira parte do contrarrelógio é plana, mas o percurso começa a endurecer muito. Há subidas com elevada inclinação, que provocam várias quebras de ritmo. No final, serão 54 quilómetros com bastante dureza. Se chover tudo irá complicar-se nas partes mais técnicas e nas descidas com estrada estreita. É importante reconhecer muito bem o percurso, para que, em prova, não tenhamos de travar tanto, o que faria perder velocidade e tempo que pode ser precioso. Vamos ver como estão as pernas amanhã. Farei os possíveis para que tudo saia na perfeição, de maneira a representar bem Portugal", conta o corredor que sairá para a estrada às 14h36m30s desta quarta-feira. Só mais quatro corredores partirão depois do português, o que diz bem do estatuto internacional que Nelson Oliveira já conquistou nesta disciplina.


O selecionador nacional, José Poeira, que tem acompanhado a evolução do ciclista desde as camadas jovens, acredita no potencial do pupilo. “O contrarrelógio tem caraterísticas que assentam bem ao Nelson e que não são tão favoráveis para alguns adversários, como é o caso da longa extensão e das partes mais duras, que provocam muitas quebras de ritmo. O objetivo será conquistar mais uma posição entre os dez melhores, sempre com ambição e acreditando que é possível fazer melhor do que nas edições anteriores”, salienta José Poeira.

A concorrência será muito forte. Na linha de partida estarão homens como o atual campeão, o australiano Rohan Dennis, o esloveno Primož Roglič, recente vencedor da Vuelta, o detentor do recorde da hora, o belga Victor Campenaerts, o dinamarquês Kasper Asgreen, vice-campeão europeu da especialidade, o espanhol Jonathan Castroviejo, o suíço Stefan Küng, o alemão Tony Martin, o estadunidense Patrick Bevin, a coqueluche belga Remco Evenepoel, entre outros corredores com potencial de chegar às medalhas.

O contrarrelógio será integralmente transmitido na Eurosport 1, a partir das 13h00.

Fonte: FPC