domingo, 25 de agosto de 2019

“Elia Viviani vence Clássica de Hamburgo pela terceira vez consecutiva”

Rui Oliveira foi 29.º

Por: Lusa

Foto: EPA

O italiano Elia Viviani (Deceuninck-Quick Step) venceu este domingo a Cyclassics Hamburgo, um feito que consegue pela terceira vez consecutiva na primeira corrida disputada com a camisola de campeão europeu de fundo.

Aos 30 anos, Viviani cumpriu os 216 quilómetros em Hamburgo em 4:47.26 horas, batendo ao sprint o australiano Caleb Ewan (Lotto Soudal), segundo, e o italiano Giacomo Nizzolo (Dimension Data), terceiro.

Além do terceiro triunfo seguido na corrida alemã, esta foi também a terceira ocasião consecutiva em que Viviani, de saída da Quick Step para a Cofidis, ergueu os braços, conseguindo vencer a Ride London, em 4 de agosto, o Europeu de fundo, no dia 11, e agora em Hamburgo.

O português Rui Oliveira (UAE Emirates) foi 29.º com o mesmo tempo do vencedor, enquanto José Gonçalves (Katusha Alpecin) cortou a meta em 66.º, a 4.45 minutos.

Fonte: Record on-line

“Nicolas Roche é o novo líder da Vuelta”

Nairo Quintana venceu a segunda etapa

Por: Lusa

Foto: Getty Images

este domingo a segunda etapa da Volta a Espanha em bicicleta, na sequência de uma fuga que incluiu o novo líder da geral individual, o irlandês Nicolas Roche (Sunweb).

Vencedor em 2016, Quintana completou os 199,6 quilómetros entre Benidorm e Calpe em 5:11.17 horas, à frente do novo líder, que foi segundo a cinco segundos, o mesmo tempo do esloveno Primoz Roglic (Jumbo-Visma), que fechou o pódio.

Roche aproveitou as bonificações de tempo de ser segundo classificado para arrebatar a camisola vermelha ao colombiano Miguel Ángel López (Astana), que agora é quinto, com Quintana em segundo a dois segundos e o colombiano Rigoberto Urán (Education First) em terceiro, a oito.

Na segunda-feira, a terceira etapa liga Ibi a Alicante ao longo de 188 quilómetros, num dia que inclui apenas duas contagens de montanha, ambas de terceira categoria, com uma chegada ao sprint em perspetiva.

Fonte: Record on-line

“Equipa Portugal/Gonçalo Carvalho 48.º na Volta a França do Futuro”

Por: José Carlos Gomes

Gonçalo Carvalho, 48.º classificado, foi o melhor português na Volta a França do Futuro, que hoje terminou com vitória do norueguês Tobias Foss.

O corredor natural de Mortágua foi também o mais bem colocado da Equipa Portugal na última etapa, 78 quilómetros, entre Saint-Colomban-des-Villard e le Corbier, conquistada pelo equatoriano Jefferson Cepeda.

Não fugindo ao registo dos dias anteriores, assistiu-se a mais uma dura jornada de alta montanha, na qual Gonçalo Carvalho acompanhou os melhores do pelotão até ao sopé da última subida da etapa, que finalizava na meta.

O português foi o 33.º a cortar o risco, a 10m41s de Jefferson Cepeda. Jorge Magalhães foi 47.º, a 15m49s, e Guilherme Mota foi 88.º, a 22m16s.

Na geral final, confirmou-se a vitória de Tobias Foss, que foi acompanhado no pódio pelo italiano Giovanni Aletotti, a 1m19s, e pelo belga, Ilan van Wilder, a 2m34s. Gonçalo Carvalho foi o 48.º, a 1h11m39s, Jorge Magalhães foi 69.º, a 1h32m51s, e Guilherme Mota foi 71.º, a 1h34m24s. A Equipa Portugal terminou na 23.ª posição coletiva, entre os 26 coletivos que iniciaram a competição.

“Estivemos aquém das expectativas. As quedas em que os nossos corredores estiveram envolvidos condicionaram fortemente o desempenho e os resultados, mas viemos para esta competição com intenções de fazer melhor do que conseguimos”, assume o selecionador nacional, José Poeira.

Fonte: FPC

“Edgar Pinto acaba Volta à Dinamarca em 10.º”

Foi 15.º na última etapa

Por: Lusa

O português Edgar Pinto (W52-FC Porto) acabou este domingo a Volta à Dinamarca em bicicleta em 10.º lugar da geral, após ser 15.º na quinta e última etapa, ganha pelo belga Tim Merlier (Corendon-Circus).

Depois de partir de Roskilde, o pelotão correu 165,6 quilómetros até à meta, com Merlier a bater ao sprint um grupo de 22 elementos ao cabo de 3:41.37 horas, à frente do francês Brian Coquard (Vital Concept), segundo, e Jasper de Buyst (Lotto Soudal), terceiro.

O último dia confirmou a vitória do dinamarquês Niklas Larsen (ColoQuick), após um circuito em Frederiksberg no qual Edgar Pinto conseguiu subir uma posição para entrar no top 10 final.

O ciclista português conseguiu novo top 10 numa corrida estrangeira esta temporada, depois de já o ter conseguido na Volta a Turquia (5.º), uma prova do escalão WorldTour, na Volta às Astúrias (4.º) e na Volta a Aragão (5.º).

Samuel Caldeira, também dos dragões, acabou a prova em 14.º, um posto atrás do companheiro de equipa espanhol Gustavo Veloso, que caiu para o 13.º lugar final, enquanto João Rodrigues subiu ao 38.º e Ricardo Mestre ao 84.º.

De fora dos azuis e brancos, que acabaram em terceiro a classificação por equipas, André Carvalho (Hagens Berman Axeon) fechou a corrida dinamarquesa no 43.º lugar da geral e no oitavo lugar da classificação da juventude.

Fonte: Record on-line

“14.ª Volta a Portugal de Juniores”

André Domingues resiste aos ataques e conquista a Volta Júnior

Por: José Carlos Gomes

André Domingues (Escola de Ciclismo Bruno Neves) conquistou hoje, em Seia, a 14.ª Volta a Portugal de Juniores. O corredor leiriense resistiu aos múltiplos ataques da concorrência, incluindo o do belga Lars Droogmanns (Maes CT Glabbeek), que venceu a etapa e subiu ao segundo lugar da geral.

Os 112,1 quilómetros, entre Fornos de Algodres e Seia, com um percurso polvilhado por seis contagens de montanha, foram muito movimentados, permitindo a formação de vários grupos de fugitivos.

O ataque mais poderoso juntou treze corredores em cabeça de corrida, mas o grupo foi perdendo unidades, à medida que iam sendo ultrapassados as dificuldades orográficas. Na primeira passagem pela meta, uma contagem de montanha de terceira categoria, a 18,5 quilómetros do final, sobravam três corredores na dianteira. Um deles, João Silva (Bairrada), batia-se pela etapa e pela classificação dos trepadores. O outro, o colombiano Abner Umba (Team Ingeniería de Vías/Monsalud), procurava chegar à camisola amarela, até porque iniciara a tirada apenas a 2m14s do topo da geral.

No pelotão, André Domingues já não tinha colegas de equipa para o ajudar e a diferença para a frente da corrida aproximava-se perigosamente dos dois minutos. Para complicar ainda mais a vida ao camisola amarela, Lars Droogmanns, que estava a 1m00s na geral, atacou no pelotão e chegou à cabeça de corrida, para discutir a etapa com Abner Umba e João Silva, uma vez que o terceiro elemento que vinha da fuga, Martín Fajardo (Giménez Ganga/Primoti/Tocobike) perdera o contacto.

Num apertado sprint, o corredor belga levou a melhor e comemorou o triunfo, deixando a João Silva no segundo lugar, com o prémio de consolação de ser coroado rei dos trepadores. Abner Umba foi o terceiro, a 5 segundos.

Com o cronómetro a contar, André Domingues assumiu todas as despesas da perseguição no grupo dos candidatos à geral, tentando impedir o sucesso absoluto do ataque de Lars Droogmanns. O português foi bem sucedido. Cortou a meta no oitavo lugar, a 32 segundos, e garantiu a conquista da Volta a Portugal de Juniores, feito que nenhum português alcançava desde 2016, ano em que se impôs João Almeida, entretanto a caminho da Decuninck-Quick Step.

Contas feitas, André Domingues encerra os quatro dias de competição no topo da geral, com 18 segundos de vantagem sobre o belga Lars Droogmanns e com 36 segundos ganhos ao colombiano Steven Bayona (Team Ingeniería de Vías/Monsalud), que o acompanharam no pódio.

O belga Tijs Verstappen (Maes CT Glabbeek) segurou a camisola dos pontos e o colombiano Steven Bayona foi o melhor júnior de primeiro ano. Por equipas impuseram-se os colombianos da Team Ingeniería de Vías/Monsalud.

Fonte: FPC