quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

“Academia Joaquim Agostinho/QUATRO ATLETAS NA ÓRBITA DAS SELEÇÕES”

Texto e Fotos: AfterTwo //work

Quatro atletas das equipas Academia Joaquim Agostinho-UDO estiveram a participar nos trabalhos das seleções nacionais que se realizaram até ao dia 14 de fevereiro na Academia Nacional de Ciclismo, na Anadia.

Marcelo Salvador, Marvin Scheulen e Iúri Leitão da equipa Sub-23 Sicasal-Constantinos-Delta Cafés e Wilson Eduardo da equipa júnior, estiveram sob orientação dos técnicos da Federação Portuguesa de Ciclismo, realizando vários trabalhos de avaliação e preparação com vista a futuras convocatórias para compromissos internacionais das respetivas seleções.

Apresentação dos calendários de saídas, palestras sobre nutrição desportiva, aerodinâmica, efeitos de altitude, testes de lactato e avaliações da composição corporal dos atletas, foram algumas das atividades desenvolvidas durante este período.

Para Vítor Brettes, presidente da Academia sediada na União Desportiva do Oeste "é sempre um grande orgulho ver os nossos atletas a envergar o jersey da seleção.


Desenvolver as capacidades físicas e intelectuais dos jovens para que estes alcancem os perfis adequados aos requisitos das seleções nacionais, é um dos nossos propósitos.

É uma grande porta de entrada para que possam sonhar com uma carreira no ciclismo profissional, principal objetivo da maioria dos jovens que formamos e nosso também."

O dirigente recordou ainda que "a recente integração do Tiago Antunes no Centro Mundial de Ciclismo da UCI é um caso de enorme sucesso da nossa formação e um fator de grande motivação para todos os treinadores, dirigentes e atletas da nossa Academia".

Fonte: Academia Joaquim Agostinho-UDO


 

“FROOME EM SÉTIMO E ANTUNES NONO NA ANDALUZIA”

Etapa rainha ganha por Wout Poels

Por: Ana Paula Marques

Chris Froome (Sky) e o português Amaro Antunes (CCC) estiveram em bom plano na etapa rainha da Volta à Andaluzia, ao cortarem a meta em sétimo e nono, respetivamente a 27 e 38 segundos do vencedor, Wout Poels, colega de Froome. Já José Mendes, da Burgos, cortou a meta em 24º, a1.14 minutos. Na classificação geral, Froome ocupa a mesma posição, a 27 segundos, e Antunes a nona, a 38 segundos.

O britânico, rescorde-se, faz a sua estreia na temporada de 2018 na corrida espanhola e envolto em polémica, depois de estar a ser investigado pelo positivo na Volta a Espanha de 2017, prova que ganhou.

Pelos regulamentos, Froome pode competir, uma vez que não foi suspenso, nem pela equipa, nem pela UCI.

Fonte: Record on-line

“RUI COSTA SEGUNDO NA VOLTA A OMÔ

Ciclista português cortou a três segundos do vencedor

Rui Costa terminou a terceira etapa da Volta a Omã na segunda posição, a 3 segundos do vencedor, o belga Greg Van Avermaet (BMC), campeão olímpico, e à frente do cazaque Alexey Lutsenko (Astana), que cortou a meta com o mesmo tempo do corredor português.

A etapa incluía uma ligeira subida nos últimos 2,5 quilómetros, bem ao jeito do ciclista da UAE Team Emirates. "A etapa correu bem, tive boas sensações na parte final. Antes da subida coloquei-me na roda dos ciclistas da BMC que estavam a trabalhar para o Van Avermaet, de modo a poder controlá-lo", explicou o poveiro, agora 15.º na geral, a 51 segundos do líder Greg Van Avermaet. "Mas infelizmente para mim o Greg conseguiu fugir depois de um ataque fulminante e ganhou terreno. Não consegui apanhá-lo, foi muito forte."

Rui Costa adiantou ainda à assessoria de imprensa da sua equipa que este desempenho foi importante em termos de motivação. "Dá-me moral, ajuda-me a encarar as próximas corridas com maior ânimo. Este segundo lugar é muito bom, sobretudo se tivermos em conta que não pude treinar nas últimas duas semanas devido a uma gripe. Sinto que a minha forma está a crescer, os próximos dias desta corrida vão ajudar-me a encontrar aquele 'clique' que preciso."

 

Resultados da terceira etapa

1 Greg Van Avermaet (BMC) 4:36.04h

2 Rui Costa (UAE Team Emirates) 3 segundos

3 Alexey Lutsenko (Astana) m.t.

 

Classificação geral

1 Greg Van Avermaet (BMC) 12:56.44h

2 Alexey Lutsenko (Astana) 11segundos

3 Nathan Haas (Katusha-Alpecin) 13segundos

(...)

15 Rui Costa (UAE Team Emirates) 51 segundos

Fonte: Record on-line

“VOLTA AO ALGARVE: RUBEN GUERREIRO E O ORGULHO DE TRANSPORTAR A CAMISOLA DE CAMPEÃO”

Ciclista venceu a prova de fundo dos nacionais que se realizou em Gondomar

Por: Lusa

Foto: DIREITOS RESERVADOS

O corredor Ruben Guerreiro (Trek-Segafredo) vai mostrar, pela primeira vez, em Portugal a camisola de campeão nacional de fundo na Volta ao Algarve em bicicleta, um orgulho para o jovem ciclista.

"É sem dúvida um orgulho [mostrar a camisola de campeão em Portugal]. É muito importante correr a Volta ao Algarve com esta grande equipa e vou tentar aproveitar todos os dias e desfrutar", disse, à agência Lusa.

Em junho, ainda com 22 anos, Ruben Guerreiro teve a sua grande vitória como profissional, ao vencer a prova de fundo dos Nacionais, em Gondomar, apresentando-se em excelente forma no início de temporada na Austrália, com um nono lugar no Tour Down Under (segundo na juventude) e um quarto no Herald Sun Tour.

"Trabalhei forte no início do ano. Tive a minha oportunidade no início na Austrália. Agora temos o John [Degenkolb] para ganhar etapas e o Bauke [Mollema] para a geral. Vou tentar apoiar o máximo a equipa e se tiver a minha oportunidade... mas isso não é o mais importante, o mais importante é tentarmos vencer uma etapa e tentar uma boa classificação geral", assumiu.

Para o resto da sua segunda temporada no World Tour, Ruben Guerreiro acredita que se pode estrear numa grande volta, depois de ter falhado, por motivos de saúde, a Volta a Espanha em 2017.

"Este ano devo fazer uma grande volta, mas não estou ainda muito focado nisso. Encaro o ano com muito empenho e ambição para todas as corridas. E logo veremos", referiu.

Fonte: Record on-line

“VOLTA AO ALGARVE: NUNO BICO CHEGA RODADO E QUER "TENTAR ALGO INDIVIDUAL"

É a terceira prova desta temporada em que o ciclista participa

Por: Lusa

Foto: Filipe Farinha

O corredor português Nuno Bico (Movistar), recuperado dos problemas de saúde que o afetaram em 2017, chega "rodado" à Volta ao Algarve em bicicleta e acredita que pode tentar algo a nível individual.

"Já vou no meu 12.º dia de competição [quando começou a prova], portanto, já estou bem rodado e em boa forma. Mas foram uns dias meio esquisitos depois de regressar da Austrália. Vamos aguardar pouco a pouco e ver como o corpo evolui e as sensações. Espero realizar um bom trabalho em prol da equipa e, se as sensações forem boas, quem sabe tentar algo individual", disse, à agência Lusa.

A Algarvia será a terceira prova de Nuno Bico esta temporada, depois da presença no Tour Down Under (67.º) e na Volta à Comunidade Valenciana (154.º).

O viseense, de 23 anos, viu, em 2017, a sua estreia no World Tour ser interrompida por um problema de saúde - uma malformação na artéria ilíaca da perna esquerda -, que o obrigou a uma intervenção cirúrgica e uma paragem de cerca de dois meses.

"Foi uma coisa que tinha desde que nasci e que não sabia e que punha um pouco em perigo a minha vida. Agora, estou curado e com vontade de mostrar o verdadeiro valor depois de estar a 100 por cento", sublinhou.

Sobre a sua segunda temporada no primeiro escalão no circuito mundial, Nuno Bico assegura estar sempre em aprendizagem e espera que possa vir a estrear-se numa grande volta - a "prioridade vai para Itália".

"Continuamos sempre em aprendizagem. Apesar de ser o segundo ano ainda sou muito jovem. Dentro do ciclismo, como na vida, há uma hierarquia e os mais velhos são garantias mais seguras e mais importantes. Pouco a pouco, subindo o nível das corridas, sempre para algo mais exigente e mais difícil, veremos que tal corre. Esperemos que muito bem", assumiu.

Fonte: Record on-line

“MENINAS DO PÓDIO QUEREM CONTINUAR A DAR BEIJINHOS”

Sheila e Vanessa estão na Volta ao Algarve

Por: Ana Paula Marques

Sheila e Vanessa são as meninas da cerimónia protocolar da Volta ao Algarve. Em conversa com Record, deixaram claro que são contra o fim das meninas do pódio, situação que já aconteceu por exemplo na Volta à Espanha, sendo que o assunto voltou à ordem do dia mais recentemente com o fim das "Grid Girl" na Fórmula 1.

"Já nos têm feito essa questão, de se concordamos ou não com o fim das meninas do pódio. Claro que não. Em qualquer desporto, é normal que se queira dar um tom mais colorido. Penso que vem acrescentar um toque feminino à parte mais agressiva do desporto", disse-nos Vanessa, de 25 anos.

"Eles, atletas, fazem a parte deles, nós, fazemos a nossa. É um trabalho como qualquer outro, ganhamos o nosso dinheiro, que também é naturalmente importante", acrescenta ainda um das meninas do pódio da corrida portuguesa. "Nunca sentimos qualquer descriminação ou má intenção pelo facto de sermos mulheres".

E, quanto ao facto de os ciclistas acabaram as etapas suados, há qualquer tipo de constrangimento em dar os beijinhos? "De maneira nenhuma. Eles quando sobem ao pódio, já têm a cara lavada, vêm super cheirosos".

Fonte: Record on-line

“Equipa EFAPEL é a melhor formação lusa na Volta ao Algarve”

          Marcos Jurado rodou na fuga durante quase toda a etapa

          Jesus del Pino foi o melhor EFAPEL no Alto da Fóia

          Equipa ocupa um lugar entre as melhores estruturas do World Tour

A segunda etapa da 44ª Volta ao Algarve foi um desafio completamente diferente do que os ciclistas tinham enfrentado na véspera. Com cinco contagens de montanha, uma de quarta, três de terceira e uma de primeira categoria que coincide com a meta, o pelotão andou num sobe e desce constante e a equipa EFAPEL esteve em destaque. Primeiro com Marcos Jurado. O espanhol integrou a fuga de sete elementos que chegou a ter uma vantagem superior a sete minutos. Depois, com Jesus del Pino, que cruzou a meta na 23ª posição e foi o melhor elemento da formação orientada por Américo Silva. E ainda pelo bom resultado colectivo. A equipa fechou cedo a este nível e assume-se como a estrutura nacional melhor colocada.

Do extremo ocidental da região, Sagres, o pelotão partiu para uma tirada exigente. Ligeiramente abaixo dos 190 quilómetros, a distância da etapa era, ainda assim, elevada. A isso juntou-se um grau de dificuldade mais alto por força da irregularidade do percurso, com várias subidas categorizadas. Marcos Jurado manteve-se com os da frente durante quase toda a fuga. Entretanto, várias equipas interessadas na vitória, acabaram com a fuga no início da última subida do dia. Na ascensão ao Alto da Fóia, Jesus del Pino foi o ciclista da EFAPEL que melhor conseguiu acompanhar os primeiros. Os bons resultados de Daniel Mestre e Henrique Casimiro, respectivamente, fizeram com que a equipa concluísse rapidamente para a classificação colectiva.

“Estamos mais satisfeitos do que no dia de ontem. Ainda podia ter sido um pouco melhor, mas queremos sempre mais. A estratégia para hoje era por um homem na fuga. As várias fugas realizadas até a que se manteve ao longo do dia foram motivadas por nós. Depois, conseguimos fazer uma boa subida para a chegada. Foi um bom dia de competição para nós”, afirmou o director desportivo da Equipa EFAPEL, Américo Silva.

Jesus del Pino explica que, apesar da etapa terminar no alto, havia muita força no pelotão. “Foi uma etapa muito rápida. Como é das primeiras da corrida e do ano, havia muita gente cheia de força e por isso chegámos muitos corredores juntos à fase final, apesar de ser em montanha. Senti-me bem e aguentei-me com os melhores até ao último quilómetro em que cedi uns segundos”, disse o corredor.

Concluída a segunda etapa em linha na Volta ao Algarve, o dia de amanhã está reservado para o contra-relógio individual. São cerca de 20 quilómetros, com partida e chegada em Lagoa, que deverão ter uma influência grande na classificação geral individual.

 

Classificação na segunda etapa

    Michal Kwiatkovski        Team Sky        4h49m51s

    Bauke Mollema        Trek-Segafredo    m.t.

    Geraint Thomas        Team Sky        m.t.


23º    Jesus del Pino        EFAPEL        a 28s

27º    Daniel Mestre        EFAPEL        a 34s

32º    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 48s

91º    Rafael Silva            EFAPEL        a 6m09s

120º    Bruno Silva            EFAPEL        a 11m06s

158º    Marcos Jurado        EFAPEL        a 18m20s

163º    Pedro Paulinho        EFAPEL        a 20m36s

 

Classificação geral individual

    Geraint Thomas        Team Sky        9h37m49s

    Jaime Roson            Movistar Team    m.t.

    Michal Kwiatkowski        Team Sky        m.t.


21º    Jesus del Pino        EFAPEL        a 28s

26º    Daniel Mestre        EFAPEL        a 34s

29º    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 48s

87º    Rafael Silva            EFAPEL        a 6m09s

124º    Bruno Silva            EFAPEL        a 14m46s

154º    Marcos Jurado        EFAPEL        a 19m17s

165º    Pedro Paulinho        EFAPEL        a 24m16s

Fonte: Efapel

“Volta ao Algarve/Team Sky toca o céu na Fóia”

Por: José Carlos Gomes

A Team Sky dominou completamente a segunda etapa da Volta ao Algarve, hoje disputada ao longo de 187,9 quilómetros, entre Sagres e o alto da Fóia, em Monchique. Michal Kwiatkowski impôs-se na etapa e Geraint Thomas assumiu o comando da classificação geral.

A chegada coincidia com uma contagem de montanha de primeira categoria, no topo de uma subida com 15 quilómetros até ao ponto mais alto do Algarve, a 900 metros de altitude. A Sky atacou a corrida no ponto mais duro da escalada, a cerca de 8 quilómetros da meta. O bielorrusso Vasil Kiryienka isolou-se e obrigou os adversários a gastar energias na perseguição.

O esforço dos rivais foi aproveitado por Michal Kwiatkowski para se impor na tirada, ao fim de 4h49m51s de corrida. Na roda e com o mesmo tempo chegaram Bauke Mollema (Trek-Segafredo), Geraint Thomas, Daniel Martin (UAE Team Emirates) e Jaime Rosón (Movistar Team).

“A Team Sky rodou muito bem nos últimos quilómetros, colocando o Kiryienka na frente, forçando os nossos adversários a perseguir. A vitória de etapa foi algo inesperada, mas deixa-me satisfeito com a minha forma atual. Tanto eu como o Thomas temos boas condições para vencer a corrida.  Este ano a subida à Fóia foi mais longa e menos inclinada e, por isso, o contrarrelógio será ainda mais decisivo. Depois temos ainda o Malhão no último dia. É uma subida curta, mas num esforço de oito minutos pode-se sofrer muito e há que contar com o desgaste das várias etapas”, avalia Michal Kwiatkowski.

Como não são atribuídas bonificações nas chegadas e nas metas volantes, os cinco melhores da classificação geral estão todos com o mesmo tempo. O desempate faz-se por pontos. Comanda Geraint Thomas, seguido por Jaime Rosón, Michal Kwiatkowski, Daniel Martin e Bauke Mollema.

“Estamos satisfeitos por estarmos novamente na liderança aqui na Volta ao Algarve. Controlámos bem os nossos rivais e na parte final o Kwiatkowksi foi o mais forte. Fico feliz por ele. A camisola amarela foi uma surpresa, mas, para já, tem pouco significado. O contrarrelógio será determinante e ficarei satisfeito se amanhã a Team Sky mantiver a camisola amarela”, diz Thomas.

Cumpriu-se o objetivo da organização da corrida quando decidiu que a Fóia deveria ser subida pela vertente mais longa e menos inclinada: fazer com que as diferenças no final da etapa fossem diminutas para que tudo permaneça indefinido e emocionante na luta pela Camisola Amarela Algarve.

Antes da entrada na espectacular subida final, os animadores da jornada foram Lukas Pöstlberger (Bora-hansgrohe), Yves Lampaert (Quick-Step Floors), Benjamin King (Team Dimension Data), John Degenkolb (Trek-Segafredo), Marcos Jurado (Efapel), Oscar Pelegri (Rádio Popular-Boavista) e Ricardo Mestre (W52-FC Porto). Atacaram ao quilómetro 11, chegaram a ter mais de 7 minutos de vantagem, mas sucumbiram ao acelerar do pelotão, na aproximação à Fóia. Pöstlberger e King foram os mais resistentes, acabando alcançados a 9 quilómetros da chegada, momentos antes do ataque da Team Sky.

O estadunidense Benjamin King (Team Dimension Data) aproveitou a fuga para conquistar a Camisola Azul Liberty Seguros, de melhor trepador. O polaco Michal Kwiatkowski, além de ganhar a etapa, passou a vestir a Camisola Vermelha Cofidis, da regularidade, embora esteja empatado em pontos com o vencedor da primeira etapa, Dylan Groenewegen (Team LottoNL-Jumbo). O holandês Sam Oomen (Team Sunweb) reforçou o comando na classificação da juventude, sendo cada vez mais dono da Camisola Branca Águas do Algarve. A Quick-Step Floors segue na dianteira por equipas.

 

Prémio Prestígio

O belga Philippe Gilbert recebeu hoje o Prémio Prestígio da Volta ao Algarve 2018, uma distinção que a organização guarda para corredores que, pelo seu palmarés, engrandecem a Volta ao Algarve com a sua presença. O troféu foi entregue à partida para a etapa pelos presidentes da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira, e da Câmara Municipal de Vila do Bispo, Adelino Soares.

 

Terceira etapa

A terceira etapa, marcada para esta sexta-feira, será decisiva para o escalonamento da classificação geral. Será um contrarrelógio de 20,3 quilómetros, com início e final na Fatacil, Lagoa.

É um exercício essencialmente plano, mas com alguns topos que tornarão o contrarrelógio mais exigente e ajudarão os especialistas a marcar diferenças significativas. Com a classificação presa por segundos – o vigésimo, Jasper de Buyst, está apenas a 20 segundos do primeiro -, o contrarrelógio prevê-se determinante para a seleção de verdadeiros candidatos.

 

Classificações

1.ª Etapa: Sagres - Fóia, 187,9 km

1.º Michal Kwiatkowski (Team Sky), 4h49m51s (38,896 km/h)

2.º Bauke Mollema (Trek-Segafredo), mt

3.º Geraint Thomas (Team Sky), mt

4.º Daniel Martin (UAE Team Emirates), mt

5.º Jaime Rosón (Movistar Team), mt

6.º Patrick Konrad (Bora-hansgrohe), a 3s

7.º Bob Jungels (Quick-Step Floors), mt

8.º Pieter Serry (Quick-Step Floors), mt

9.º Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano-ULI), mt

10.º Richie Porte (BMC Racing Team), mt

 

Geral Individual

1.º Geraint Thomas (Team Sky), 9h37m49s

2.º Jaime Rosón (Movistar Team), mt

3.º Michal Kwiatkowski (Team Sky), mt

4.º Daniel Martin (UAE Team Emirates), mt

5.º Bauke Mollema (Trek-Segafredo), mt

6.º Patrick Konrad (Bora-hansgrohe), a 3s

7.º Bob Jungels (Quick-Step Floors), mt

8.º Pieter Serry (Quick-Step Floors), mt

9.º Vicente García de Mateos (Aviludo-Louletano-ULI), mt

10.º Louis Meintjes (Team Dimension Data), mt

Fonte: FPC

“Atualização do Canal NP-TV com o Vídeo “Promocional do 30º Passeio de Foz Côa.2018”

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o Vídeo “Promocional do 30º Passeio de Foz Côa.2018”


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.