quinta-feira, 18 de julho de 2019

“34º Prémio Cidade de Barcelos”

O tradicional Prémio de Ciclismo Cidade de Barcelos realiza-se no dia 21 de julho. A 34ª edição da prova destina-se aos escalões de escolas, cadetes e juniores, sendo pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã.

Organizado conjuntamente pela Associação de Ciclismo do Minho e pelo Centro Ciclista de Barcelos, as diversas provas do 34º Prémio Cidade de Barcelos serão realizadas nas imediações da avenida da Liberdade.

O arranque das diversas provas está marcado para as 9 horas, prevendo-se que a cerimónia protocolar e de entrega de prémios ocorra pelas 12h30.

A prova de destreza será realizada no Largo da Feira enquanto as provas em linha serão disputadas num circuito de 2,5 quilómetros (Avenida da Liberdade, Avenida Combatentes Grande Guerra, Largo dos Capuchinhos, Avenida Alcaide Faria, estação da CP, Rua Bom Sucesso, Avenida Dr. Sidónio Pais, Avenida da Liberdade).

No ano passado, o 33º Prémio de Ciclismo Cidade de Barcelos foi disputado por cerca de três centenas de jovens atletas, levando a festa do ciclismo à localidade minhota.

O 33º Prémio Cidade de Barcelos organizado pela Associação de Ciclismo do Minho e pelo Centro Ciclista de Barcelos conta com o apoio da Câmara Municipal de Barcelos, AFF Electrodomésticos, Flynx, Federação Portuguesa de Ciclismo, Cision, Score Tech, Arrecadações da Quintã, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design e Navega Rías Baixas.

Fonte: ACM

“Grande Prémio do Minho de regresso à estrada”

O Grande Prémio do Minho em ciclismo regressa à estrada de 25 a 28 de julho com Melgaço, Guimarães e Vieira do Minho a assumirem um papel de destaque no desenrolar da competição. Destinado ao escalão de juniores e organizado pela Associação de Ciclismo do Minho, em colaboração com a Federação Portuguesa de Ciclismo, o 31º Grande Prémio do Minho será disputado por um pelotão de cerca de centena e meia de ciclistas em representação de 24 equipas, 17 portuguesas, uma belga, uma colombiana e cinco espanholas.

Com o arranque da competição em Melgaço com um contrarrelógio por equipas, a primeira etapa terá início no centro da cidade de Guimarães e terminará em Santo Antonino, na freguesia vimaranense de Mesão Frio. Vieira do Minho, terra de encantos, ao acolher a partida e chegada da segunda etapa será o concelho que ajudará a definir o vencedor da 31ª edição do Grande Prémio do Minho. O pelotão rumará no último dia até Melgaço, o Município mais a Norte de Portugal, para enfrentar um trajeto delineado no “destino de natureza mais radical de Portugal” que terminará em Castro Laboreiro onde no ano passado se assistiu a uma chegada épica do Grande Prémio do Minho.

Durante os 278,6 quilómetros da prova estarão em disputa diversas contagens de montanha e metas volantes, assim como as classificações gerais individual por tempos (Camisola Amarela: Discover Melgaço), por pontos (Camisola Verde: Score Tech), da Montanha (Camisola Azul: Arrecadações da Quintã), do melhor júnior de primeiro (Camisola Laranja: Cision), do melhor atleta da Associação de Ciclismo do Minho (Camisola Branca: Universidade do Minho) e por equipas. A montanha será um fator decisivo na definição dos vencedores do 31º Grande Prémio do Minho, estando previstas oito contagens de montanha, mas as metas volantes, num total de sete, constituirão certamente um fator que aumentará a competitividade até ao último momento.

Além das principais formações portuguesas, está confirmada a participação da equipa belga ACRG / Pauwels Sauzen / Balen BC, da colombiana Team Ingenieria de Vias / Monsalud e das espanholas Banco Santander, Fundacion Lintxu / G.D. Indarra, Ginestar – ULB, Arte en Transfer / LPS e Club Ciclista Padrones / Aluminios Cortizo.

As equipas portuguesas inscritas são as seguintes: C.C. Barcelos / AFF / H.M. Motor / Flynk / Orbea, Seissa / KTM Bikeseven / Matias & Araújo / Frulact, Tensai / Sambiental / Santa Marta, Academia Joaquim Agostinho / UDO, ACD Milharado / Driveonholidays / Mafra, Alcobaça Clube de Ciclismo / Crédito Agrícola, Anipura / GDM / Escola Alexandre Ruas, Bairrada, Efapel / Ovar "Território de Emoções", Escola de Ciclismo Bruno Neves, Fortuna / Maia Formação, LA Alumínios / SGR  Ambiente / CC A. Paio Pires, Mato Cheirinhos / Vila - Galé / Etopi, SC Bike Team / Academia NRV, Silva & Vinha / Adrap / Sentir Penafiel, União Ciclismo da Trofa e Vito / Feirense / PNB.

Recorde-se que no ano passado, com emoção até ao último metro, Vieira do Minho consagrou João Macedo (Sicasal/Liberty Seguros/Bombarralense) como o grande vencedor da 30ª edição do Grande Prémio do Minho. João Macedo conquistou a camisola amarela (CJR – Cândido José Rodrigues) e a laranja (Cision), enquanto João Afonso (Centro Ciclista Barcelos A.F.F/Orbea/Onda) a camisola verde (Controlsafe), Pedro Andrade (Vito/Feirense/Blackjack) a azul (Arrecadações da Quintã) e Pedro Silva (Seissa|KTM-Bikeseven|Matias&Araújo|Frulact) a branca (Universidade do Minho).

O 31º Grande Prémio do Minho, organizado pela Associação de Ciclismo do Minho em parceria com a Federação Portuguesa de Ciclismo, conta com o apoio da Câmara Municipal de Melgaço, Câmara Municipal de Guimarães, Câmara Municipal de Vieira do Minho, Discover Melgaço (Camisola Amarela), Score Tech (Camisola Verde), Arrecadações da Quintã (Camisola Azul), Cision (Camisola Laranja), Universidade do Minho (Camisola Branca), Junta de Freguesia de Mesão Frio - Guimarães, Fermir, Confeitaria Alvorada, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Navega Rías Baixas, AFAcycles, Guimarpeixe, Café Bogani, Auto Terror, Centro de Estágios de Melgaço, Workview, Jopedois, RS Bikes, Roda na Frente e Correio do Minho (jornal oficial).


31º GRANDE PRÉMIO DO MINHO - 25 a 28 de julho de 2019

RESUMO DAS ETAPAS

Prólogo (CRE) - Quinta-feira, 25 de julho de 2019

Melgaço > Melgaço - 6,4 kms

Partida: 16h00 (1ª equipa) - Praça da República (Melgaço)

Chegada: 16h10 (1ª equipa) - Rua Dr. Afonso Costa (Melgaço)


1ª etapa - Sexta-feira, 26 de julho de 2019

Guimarães > Santo Antonino (Mesão Frio) - 69,6 kms

Partida: 13h30 - Largo da Mumadona (Guimarães)

Chegada: 15h24 - Santo Antonino (Mesão Frio - Guimarães)


Metas Prémio da Montanha

• Fafe (3ª catª) - Km 58,6 (melhor horário: 15h07) - MM Arrecadações da Quintã

• Fareja (3ª catª) - Km 65,3 (melhor horário: 15h18) - MM Arrecadações da Quintã

• Santo Antonino (2ª catª) - Km 69,6 (melhor horário: 15h24) - MM Arrecadações da Quintã


Metas Volantes

• Centro de Ciclismo do Minho - Guimarães (Souto Stª Maria) - Km 15,7 (melhor horário: 13h59) - MV SCORE Tech

• Póvoa de Lanhoso - Km 26 (melhor horário: 14h16) - MV Pormenor Building


2ª etapa - Sábado, 27 de julho de 2019

Vieira do Minho > Vieira do Minho - 97 kms

Vieira do Minho - Terra de Encantos

Partida: 13h00 - Avenida Barjona de Freitas (Vieira do Minho)

Chegada: 15h33 - Avenida Barjona de Freitas (Vieira do Minho)


Metas Prémio da Montanha

• Serradela (1ª catª) - Km 43,4 (melhor horário: 14h08) - MM Arrecadações da Quintã


Metas Volantes

• Vieira do Minho (passagem pela meta) - Km 19,3 (melhor horário: 13h30) - MV SCORE Tech

• Vieira do Minho (passagem pela meta) - Km 75,1 (melhor horário: 14h58) - MV SCORE Tech
                 

3ª etapa - Domingo, 28 de julho de 2019

Melgaço > Castro Laboreiro  (Melgaço) - 105,6 kms

Melgaço - O destino de natureza mais radical de Portugal

Partida: 12h10 - Avenida da Inês Negra (junto à Câmara Municipal de Melgaço)

Chegada: 15h01 - Castro Laboreiro (Melgaço)


Metas Prémio da Montanha

• Variante Melgaço (3ª catª) - Km 9,1 (melhor horário: 12h29) - MM Arrecadações da Quintã

• Variante Melgaço (3ª catª) - Km 40,9 (melhor horário: 13h19) - MM Arrecadações da Quintã

• Fiães (1ª categoria) - Km 72,8 (melhor horário: 14h09) - MM Arrecadações da Quintã

• Castro Laboreiro (1ª catª) - Km 105,6 (melhor horário: 15h01) - MM Arrecadações da Quintã


Metas Volantes

• Alvaredo - Km 19,1 (melhor horário: 12h45) - SCORE Tech

• Melgaço - Km 31,3 (melhor horário: 13h04) - SCORE Tech

• Alvaredo - Km 50,9 (melhor horário: 13h35) - SCORE Tech

Fonte: ACM

“Realizou-se de 13 a 15 de julho 2019 o Estágio de Juvenis em Abrantes”

Este estágio para atletas juvenis contou com a presença de 18 atletas, sete raparigas e 11 rapazes, oriundos de todo o país.

O evento reuniu os melhores atletas do escalão, constituindo-se como um prémio de mérito, segundo critérios de classificação previamente definidos pela FTP e incluiu um programa técnico alargado, abordando as diferentes disciplinas que compõem o triatlo (natação, ciclismo e corrida), transições e mecânica.

Todo o programa foi abordado segundo uma perspetiva pedagógica e de acordo com dinâmicas de grupo, tendo em vista uma abordagem que promovesse o espírito de equipa, o respeito e a superação dos jovens através do desporto.

Hugo Ribeiro, do Clube de Natação e Triatlo de Lisboa, foi o treinador que assumiu a coordenação deste estágio, contando com a presença de mais dois treinadores em permanência, Bruno Gois, do Ludens Clube de Machico, e Fábio Azinheirinha do Clube de Natação do Cartaxo. Rafael Domingos, do Estoril Praia Credibom e José Estrangeiro, do Clube de Natação e Triatlo de Lisboa, dois atletas de referência da modalidade, marcaram também presença no evento onde partilharam as suas experiências como triatletas.

Esta ação de formação contou também com a colaboração do Comité Olímpico de Portugal, cujo objetivo se consubstanciou na transmissão dos valores educativos presentes nos Jogos Olímpicos, uma aspiração para os jovens triatletas. Hugo Ribeiro faz um balanço extremamente positivo deste fim de semana: «O estágio, que foi considerado como um prémio pela época realizada, correu muito bem. Penso que foram cumpridos os objetivos inerentes à preparação dos atletas para eventos futuros, reforçando a motivação e dando ênfase a valores fundamentais e estruturantes».

 Para além de tudo, «tratou-se também um momento de usufruir do convívio e partilhar métodos diferentes de trabalho, o que resulta sempre num processo de enriquecimento para todos.» O mesmo treinador considerou também que «…foi uma oportunidade de aprendizagem para todos, treinadores e atletas, tendo a FTP, a partir de agora, a responsabilidade de criar as devidas oportunidades para que clubes, treinadores e atletas possam assumir o desenvolvimento destes jovens, no respeito pela sua maturação biológica e tendo em vista as distintas etapas de crescimento desportivo. »

Neste fim semana pleno de experiências e aprendizagens os atletas ficaram alojados na Pousada da Juventude de Abrantes.

Fonte: FTP

“Froome declarado vencedor da Vuelta de 2011 após desclassificação de Cobo”

Ciclista espanhol perdeu prémio por doping

Por: Lusa

Foto: EPA

O britânico Chris Froome foi esta quinta-feira oficialmente declarado vencedor da edição de 2011 da Volta a Espanha, que terminou no segundo lugar, na sequência da desclassificação do espanhol Juan José Cobo, por doping.

A União Ciclista Internacional (UCI) oficializou a conquista de Froome, que soma sete conquistas entre as Grandes voltas, com quatro vitórias no Tour, duas na Vuelta e uma no Giro.

O triunfo do britânico já tinha sido anunciado em junho último, mas o organismo que rege o ciclismo mundial aguardou até ao fim do prazo de um possível recurso de Cobo, vencedor da etapa da Volta a Portugal de 2008 que terminou na Senhora da Graça.

Em 13 de junho, o espanhol foi considerado culpado de "violar o regulamento antidopagem (uso de substância proibida), com resultados anormais no seu passaporte biológico, entre 2009 e 2011".

"Melhor tarde do que nunca! A Vuelta de 2011 traz-me memórias únicas", escreveu Froome, na rede social Twitter, como legenda de uma fotografia no pódio espanhol, com a camisola vermelha da liderança.

Já a equipa INEOS, de Froome, "saudou a decisão da UCI", considerando-a "uma notícia particularmente positiva para Froome, após a sua recente queda [num treino], que o afastou da Volta a França".

Cobo, de 38 anos, enfrenta uma suspensão de três anos, até 12 de junho de 2022.

Fonte: Record on-line

“Rui Costa foi oitavo: «Não me senti tão bem como esperava, mas fiz o meu melhor»”

Português integrou a fuga do dia

Por: Lusa

O ciclista português Rui Costa (UAE-Emirates) reconheceu esta quinta-feira não estar ao melhor nível, mesmo tendo integrado a fuga do dia e ter sido oitavo na 12.ª etapa da Volta a França.

"Não me senti tão bem como esperava, mas fiz o meu melhor e acabei no oitavo lugar, o melhor que poderia esperar", disse, depois de cortar a meta no grupo perseguidor ao trio que discutiu o triunfo, que coube ao britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott).

O experiente atleta, de 32 anos, e que procura a sua quarta vitória em etapas no Tour, integrou uma fuga com cerca de 40 elementos, sendo que na segunda de duas contagens de primeira categoria se destacou, definitivamente, um trio, composto por Yates, pelo espanhol Pello Bilbao (Astana) e pelo austríaco Gregor Muhlberger (BORA-hansgrohe).

"A primeira parte da tirada foi muito difícil, porque todos queriam estar na frente. Depois de quase uma hora, consegui entrar na principal fuga do dia", contou, lamentando não estar nas condições ideias para tentar algo mais.

Rui Costa, que na nona etapa já se tinha mostrado numa fuga, prometeu "tentar novamente" surpreender e vencer.

Fonte: Record on-line

“Yates diz que vitória o faz sentir "muito orgulhoso"”

Britânico admitiu que não estava muito confiante

Por: Lusa

Foto: Reuters

O ciclista britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) foi esta qunta-feira o mais forte dos resistentes da fuga da 12.ª etapa da Volta a França, com o francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) a manter a liderança na véspera do único contrarrelógio individual.

Membro de uma fuga com cerca de 40 unidades, na qual estava também o português Rui Costa (UAE-Emirates), que procura a sua quarta vitória em etapas no Tour, Simon Yates superiorizou-se sobre a meta ao espanhol Pello Bilbao (Astana) e ao austríaco Gregor Muhlberger (BORA-hansgrohe).

No primeiro dia nos Pirinéus, o trio isolou-se na segunda de duas contagens de primeira categoria do dia, instalada a cerca de 30 quilómetros da meta, e Yates bateu no reduzido sprint os dois companheiros de fuga, concluindo em 4:57.53 horas os 209,05 quilómetros que ligaram Toulouse a Bagnères-de-Bigorre.

"Não estava muito confiante que podia vencê-los, pois não sabia quão rápidos eram, mas o meu diretor disse-me para passar a última curva no primeiro lugar e estou feliz por ter resultado. Ter vencido uma etapa nas três grades corridas internacionais faz-me sentir muito orgulhoso", congratulou-se Simon Yates.

Rui Costa, que perdeu o contacto com a frente da corrida na subida, acabou por se juntar ao grupo perseguidor e terminar a etapa na oitava posição, a 1.28 minutos de Yates.

Mesmo chegando a 9.35 minutos do primeiro e integrado no pelotão, Julian Alaphilippe defendeu-se bem no exigente teste e manteve a camisola amarela, tal como intacta a vantagem de 1.12 minutos sobre o britânico Geraint Thomas, que defende o título de 2018, e 1.16 sobre o colombiano Egan Bernal.

Os pretendentes ao triunfo final não atacaram na primeira etapa dos Pirenéus, talvez poupando-se para o contrarrelógio individual de sexta-feira, de 27,2 quilómetros com início e fim em Pau, e que pode ser decisivo nas contas finais do Tour.

Fonte: Record on-line

“Tour: Rohan Dennis esteve desaparecido durante uma hora e equipa promete investigar”

Australiano abandonou a 80 quilómetros do fim da 12.ª etapa

Por: Lusa

Foto: EPA

A equipa Bahrain-Merida vai investigar o abandono do ciclista australiano Rohan Dennis, a 80 quilómetros do fim da 12.ª etapa da Volta a França.

O australiano deixou a bicicleta antes das duas contagens de montanha da tirada de 209,05 quilómetros que ligaram Toulouse a Bagnères-de-Bigorre, véspera do contrarrelógio individual de 27,2 quilómetros com início e fim em Pau, e para o qual era um dos favoritos ao triunfo.

A Bahrain-Merida esteve sem saber do campeão do mundo de contrarrelógio, de 29 anos, durante cerca de uma hora, até o localizar com a sua bicicleta junto ao autocarro da equipa perto da linha de meta.

"A nossa prioridade é o bem-estar de todos os nossos atletas, portanto, iniciaremos uma investigação imediata, mas não faremos mais comentários até que tenhamos percebido o que aconteceu com Rohan Dennis. Enquanto isso, continuamos a apoiar nossos competidores em prova", disse a equipa.

Algumas notícias sugerem problemas estomacais de alguns ciclistas, mas essa hipótese não foi confirmada.

Segundo um canal de televisão francês, Rohan Dennis foi visto a discutir com alguém do carro de apoio da sua equipa antes de descer da bicicleta.

A Bahrain-Merida já venceu uma etapa no Tour, a sexta, através de Dylan Teuns.

O britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) venceu esta quinta-feira a 12.ª etapa, após a qual o francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) manteve a camisola amarela.

Fonte: Record on-line

“Simon Yates vence ao sprint, Alaphilippe mantém liderança no Tour”

Ciclista britânico cumpriu os 209,05 quilómetros que ligaram Toulouse a Bagnères-de-Bigorre

Por: Lusa

Foto: Reuters

O britânico Simon Yates (Mitchelton-Scott) venceu esta quinta-feira ao sprint a 12.ª etapa da Volta a França, após a qual o francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) manteve a camisola amarela.

Simon cumpriu os 209,05 quilómetros que ligaram Toulouse a Bagnères-de-Bigorre, com três contagens de montanha, duas de primeira categoria, já na segunda metade da tirada, em 4:57.53 horas, batendo ao sprint o espanhol Pello Bilbao (Astana) e o austríaco Gregor Muhlberger (BORA-hansgrohe).

Rui Costa (UAE-Emirates), que chegou a estar em fuga, concluiu na oitava posição, com o mesmo tempo do quarto, a 1.28 minutos do vencedor da etapa.

Julian Alaphilippe manteve a camisola amarela, com 1.12 minutos de vantagem sobre o britânico Geraint Thomas e 1.16 sobre o colombiano Egan Bernal, ambos da INEOS, após terem chegado integrados no pelotão, a 9.35 dos primeiros.

Na sexta-feira, o pelotão vai disputar o contrarrelógio individual de 27,2 quilómetros com início e fim em Pau.

Fonte: Record on-line

quarta-feira, 17 de julho de 2019

“XV MARATONA BTT “TRILHOS da RAIA”

Mais um ano e mais uma edição, da XV MARATONA BTT “TRILHOS da RAIA”, com a chancela de qualidade da ACIN, reconhecida por aqueles que nos têm visitado ao longo de todos estes anos.

O nosso evento que realiza no concelho de Idanha-a-Nova, ‘’Catedral do BTT”, distrito de Castelo Branco, e tem o seu dia, em 13 de outubro próximo.

As inscrições estão a decorrer e na primeira fase.

Para inscrições, informações, consultar o regulamento e mais detalhes é visitarem o nosso sítio www.acin.com.pt

Ficamos a aguardar a presença e continuação de boas pedaladas.

Fonte: ACIN
 
 

“Caleb Ewan: «Não havia outra corrida que eu quisesse ganhar em criança»”

Australiano venceu a 11.ª etapa do Tour

Por: Lusa

O ciclista australiano Caleb Ewan (Lotto-Soudal) completou esta quarta-feira o ciclo de triunfos nas grandes voltas, ao vencer na 11.ª etapa da Volta a França, que continua a ser liderada pelo francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep).

Na sua estreia no Tour, e após três terceiros lugares e um segundo, Ewan, que já tinha vencido no Giro e na Vuelta, ganhou finalmente uma etapa, ao impôr-se por escassos centímetros ao holandês Dylan Groenewegen (Jumbo-Visma) na chegada a Toulouse, 167 quilómetros após a partida de Albi.

"Não consigo acreditar. Fiquei tão perto nos últimos quatro sprints. Mas nunca perdi a fé em mim e nunca perdi a fé na minha equipa. Sabia que tudo se estava a compor e que podia ser o mais rápido na etapa", disse Ewan.

O australiano cortou a meta em 3:51.26 horas, o mesmo tempo de Groenewegen e do italiano Elia Viviani (Deceuninck-QuickStep), terceiro na etapa, tornando-se o 10.º vencedor diferente em 10 etapas - a outra tirada foi um contrarrelógio por equipas - algo que não acontecia desde 1996.

"Isto era um sonho de criança. Não havia outra corrida em que eu quisesse ganhar em criança. O Tour é algo tão distante da Austrália, algo que apenas víamos na TV. É fantástico", referiu.

A classificação geral continua a ser liderada por Alaphilippe, que tem 1.12 minutos de avanço sobre o britânico Geraint Thomas, vencedor em 2018, e 1.16 sobre o colombiano Egan Bernal, ambos da INEOS.

A etapa ficou marcada por uma longa fuga de quatro ciclistas - Anthony Perez e Stéphane Rossetto (Cofidis), Lilian Calmejane (Direct Energie) e Aimé De Gendt (Wanty-Groupe Gobert) -, mas que nunca tiveram mais de 3.30 minutos.

Sempre controlados pelo pelotão, os fugitivos acabaram por ser apanhados, de pouco valendo o esforço final de Aimé De Gendt, que levou a fuga até aos cinco quilómetros finais.

A primeira etapa após o dia de descanso foi calma para quase todos os favoritos, com o colombiano Nairo Quintana (Movistar) e o australiano Richie Porte (Trek-Segafredo) a serem afetados por uma fuga à entrada dos 30 quilómetros finais, mas a terminarem no pelotão.

Antigo camisola amarela, o italiano Giulio Ciccone despediu-se definitivamente do 'top-10', ao terminar a 12.03 minutos de Ewan.

Os portugueses em prova voltaram a perder tempo, com Rui Costa (UAE-Emirates) a ser 55.º, a 38.04, Nelson Oliveira (Movistar) a estar na 92.ª posição, a 1:06.51 horas, e José Gonçalves a ocupar o 131.º lugar, a 1:28.34.

A 12.ª etapa, que se corre na quinta-feira, liga Toulouse a Bagnères-de-Bigorre, num percurso de 209,5 quilómetros, que terá três contagens de montanha, duas de primeira categoria, já na segunda metade da tirada.

Fonte: Record on-line

“Caleb Ewan vence 11.ª etapa do Tour ao sprint”

Julian Alaphilippe mantém liderança da geral

Por: Lusa

Foto: EPA

O australiano Caleb Ewan (Lotto-Soudal) venceu esta quarta-feira ao sprint a 11.ª etapa da Volta a França em bicicleta, enquanto o francês Julian Alaphilippe (Deceuninck-QuickStep) manteve a camisola amarela.

No final dos 167 quilómetros, entre Albi e Toulouse, Ewan impôs-se por centímetros no sprint final, cruzando a meta à frente do holandês Dylan Groenewegen (Jumbo-Visma) e do italiano Elia Viviani (Deceuninck-QuickStep).

Na geral, Alaphilippe tem 1.12 minutos de avanço sobre o britânico Geraint Thomas, vencedor em 2018, e 1.16 sobre o colombiano Egan Bernal, ambos da INEOS.

A 12.ª etapa, que se corre na quinta-feira, liga Toulouse a Bagnères-de-Bigorre, num percurso de 209,5 quilómetros, que terá três contagens de montanha, duas de primeira categoria, já na segunda metade da tirada.

Fonte: Record on-line

terça-feira, 16 de julho de 2019

“Flávio Fernandes triunfou no 17º Prémio A. C. R. Roriz”

Flávio Fernandes (Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact) foi o grande vencedor da corrida de juniores do 17º Prémio de Ciclismo ACR Roriz, prova pontuável para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada - Arrecadações da Quintã em que Maria Jesus Barros (Concello do Porriño / Abanca) triunfou na corrida de Elites Femininas.

Organizado pela Associação de Ciclismo do Minho e pela Associação Cultural e Recreativa de Roriz, o 17º Prémio ACR Roriz, conhecido no meio velocipédico como a “Roubaix portuguesa” numa alusão à clássica prova francesa, decorreu num clima bastante animado dentro e fora da estrada, já que foram muitas as pessoas que marcaram presença e aplaudiram os jovens ciclistas.

Perante muito público, Flávio Fernandes (Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact) percorreu isolado cerca de 50 quilómetros do percurso da corrida de juniores, cortando a meta isolado com uma vantagem de 1m59s para o segundo classificado, Pedro Leme (Fortunna Maia). Flávio Fernandes foi ainda o primeiro nas três metas volantes e a sua equipa venceu a classificação coletiva de juniores.

Com 101 ciclistas à partida e após várias tentativas de fuga, Flávio Fernandes (Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact) destacou-se do pelotão e manteve uma vantagem suficiente para conseguir a vitória final, terminando em segundo Pedro Leme (Fortunna Maia) e em terceiro Tiago Sousa (União Ciclismo da Trofa)

Por equipas a formação da Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulact foi a melhor seguindo-se na classificação a Academia Joaquim Agostinho/UDO e o Club Ciclista Ponteareas.

Na prova de Juniores Femininas a vitória sorriu a Beatriz Martins (Bairrada), enquanto Irea Villa (CC O Rosal) foi segunda e Carina Viana (Tensai/Sambiental/Santa Marta) a terceira.

Martin Rey (Aluminios Cortizo) venceu a corrida de Cadetes que contou à partida com 76 corredores. O espanhol deixou na segunda posição Miguel Rodriguez (CC Ponteareas) e na terceira João Leite (UC Trofa). Por equipas terminou na frente a formação Vito/Feirense/PNB seguida da EFAPEL-Escola de Ovar e da UC Trofa.

Nos escalões de escolas, Santiago Moreira (Silva & Vinha / ADRAP / Sentir Penafiel) e Matilde Fernandes (Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulactt) evidenciaram-se em Pupilos-Benjamins enquanto em Iniciados os melhores foram Simão Pedrosa (Tensai/Sambietal/Santa Marta) e Mariana Maia (Figueiras BTT).

André Maia (Figueiras BTT) e Jéssica Oliveira (Vito/Feirense/PNB) venceram em Infantis e  Ricardo Pinho (EFAPEL-Escola Ovar) e Ana Monteiro (NRV - Academia de Ciclismo) em juvenis.

Em Cadetes femininos Beatriz Roxo (Maiatos) levou a melhor sobre Sofia Gomes e Tatiana Ferreira (Vilanovense / Coreva / Duorep). Na classificação coletiva de escolas a EFAPEL – Escola Ovar ficou em primeiro, seguida da Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulactt e do C.C.Barcelos/A.F.F./Flynx/H.M. Motor:

 

Luís Gonzaga (Presidente da Junta de Freguesia de Roriz)

Luís Gonzaga, presidente da Junta de Freguesia de Roriz, era o espelho da alegria no final do 17º Prémio de Ciclismo da ACR Roriz.

“É um grande orgulho ver a forma como decorreu este evento. Foi um grande evento, é muito bom para Roriz, para a comunidade local, para as freguesias vizinhas. É uma prova que já tem uma dimensão enorme e levar os ciclistas às freguesias vizinhas foi muito positivo”, afirmou aquele responsável garantindo que “foi com grande alegria e um orgulho muito grande que vimos um atleta local a vencer esta prova. Isso engrandece o feito dele e o evento em si”.

Luís Gonzaga afirmou ainda que “a Junta de Freguesia apoiou este evento e vamos continuar a apoiar porque o ACR Roriz merece por todo o trabalho que tem desenvolvido com as Escolas de Ciclismo e os resultados estão à vista”.

 

Francisco Tocha (Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Barcelos)

Francisco Rocha, Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Barcelos, marcou presença no 17º Prémio de Ciclismo da ACR Roriz e ficou bastante satisfeito com a prova: “Este tipo de eventos é muito positivo para Barcelos, para a ACR Roriz, para o ciclismo regional e nacional. Estas provas engrandecem o ciclismo, quem o pratica e quem o apoia e, ao mesmo tempo, servem para mostrar o que nós temos. É uma excelente forma de mostrarmos o que temos e o que fazemos em Barcelos”.

Francisco Rocha reconheceu ainda que “receber este tipo de eventos e apoiar as modalidades amadoras é, cada vez mais, uma necessidade. Não podemos aceder a apoiar apenas o futebol. Ainda recentemente tivemos uma Gala do Desporto e dos 52 homenageados 25 eram modalidades. Portanto, eles dão visibilidade a Barcelos e nós temos que apoiar estes eventos”.

Tal como aconteceu na prova do HM Motor, que se realizou em Barcelos, também em Roriz venceu um atleta da terra: “isso só vem mostrar que em Barcelos temos das melhores escolas de ciclismo. O ACR Roriz tem dado muitos ciclistas ao pelotão nacional e merecem apoio porque trabalham muito bem”.

 

César Maciel (ACR Roriz)

César Maciel, treinador da Seissa/KTM-Bikeseven/Matias&Araújo/Frulactt, estava muito satisfeito no final da corrida de juniores.

“Foi uma prova muito boa, muito positiva. O Flávio Fernandes conquistou uma grande vitória. Ele está muito bem e já merecia um resultado destes. Saiu do pelotão e conseguiu encetar a fuga, trabalhando muito porque acabou por andar bastante tempo sozinho. Vencer em casa, com o apoio da população de Roriz e das freguesias vizinhas é muito bom”, referiu o treinador.

Com o objetivo de levar o ciclismo a novas localidades do concelho de Barcelos, a 17ª edição ficou marcada pela expansão a norte de Roriz, com a passagem num dos  locais do concelho onde mais se mantêm as características rurais intactas, a União de Freguesias de Alvitos e Couto, e a sul houve uma incursão na freguesia de Galegos Santa Maria, terra onde “nasceu” o Galo de Barcelos e onde os seus artesãos ainda hoje dão vida a tão famosa peça do artesanato português, símbolo de uma região, símbolo de um país.

O 17º Prémio de Ciclismo Associação Cultural e Recreativa de Roriz teve o apoio, entre outros das seguintes entidades: Federação Portuguesa de Ciclismo, Cision, Score Tech, Arrecadações da Quintã, Raiz Carisma - Soluções de Publicidade, POPP Design, Navega Rías Baixas, Seissa, KTM Portugal, Fisipadrão, Carnes Landeiro, Lima&Barros, Ferreirolux, Metal Gémeos, Confort, Salvaggio, Roque Supermercados, Matias&Araújo, Classwash, Frulact; Leão Douro Restaurante, Sidónios, Padaria de Roriz, Pastelaria “Doce Mel”, Barbearia Amorim, Medicavado Seguros, KTM/Bikeseven Barcelos.

Fonte: ACM

“Mais de 300 Quilómetros na Frente”

Texto: AfterTwo //Works   

Fotos: João Fonseca, Helena Dias e AfterTwo //Works

A Sicasal Constantinos foi uma das equipas em destaque na 42ª edição do Grande Prémio Internacional de Ciclismo de Torres Vedras, que percorreu entre a passada quinta-feira e domingo as estradas dos 12 concelhos que compõem a região Oeste de Portugal.  

A competição portuguesa há mais anos consecutivos inscrita no calendário da União Ciclista Internacional começou com um prólogo na Vila do Turcifal onde Miguel Salgueiro se destacou como o atleta sub-23 mais rápido. O ciclista de Odivelas obteve o 28º melhor tempo da geral, completando os 8 km do percurso em 10 minutos e 58 segundos.

A primeira etapa em linha saiu na sexta-feira com destino a Sobral de Monte Agraço a partir da maior adega cooperativa vitivinícola do país, na freguesia da Ventosa. Bastaram 20 km para se dar a grande fuga do dia, iniciada bem perto da Silveira, terra natal de Joaquim Agostinho.

O grupo dianteiro formado por 7 ciclistas foi ganhando vantagem e à passagem por Torres Vedras o entusiasmo do público aumentou quando percebeu que nele vinha um homem da casa, Diogo Sardinha. O ciclista da equipa torriense acabaria por ser um dos heróis do dia ao pedalar cerca de 128 km na frente da corrida.

Nos quilómetros finais assumiu a dianteira em dueto com Hugo Nunes do Boavista, mas foram alcançados pelo pelotão quando apenas restavam 8 km para a meta. No terceiro dia de competição registou-se o honroso regresso à caravana do Sr. Comendador Álvaro Silva, administrador da indústria de carnes Sicasal e histórico impulsionador do ciclismo nacional.

A partir da viatura do diretor desportivo assistiu ao ótimo desempenho da equipa, com especial destaque para Miguel Salgueiro que integrou a fuga do dia na companhia de mais 6 atletas. Numa etapa essencialmente caracterizada pelas 5 voltas ao tradicional e exigente Circuito de Torres Vedras, Salgueiro fez vibrar todo um povo que veio para a estrada aclamar à passagem dos ciclistas.

Com apenas 20 anos comemorados recentemente, resistiu 85 km na frente da corrida, sendo apenas alcançado pelo pelotão poucos quilómetros depois do início da última volta.  Para o último dia deste evento que se transforma anualmente na grande homenagem ao saudoso Joaquim Agostinho, estava guardada a "etapa rainha".

Um traçado longo e bastante sinuoso onde a equipa de Torres Vedras voltou a estar em evidência através dos mesmos protagonistas. Primeiro foi Miguel Salgueiro que voltou a integrar uma fuga de sucesso e andou 95 km na cabeça da corrida até ao momento em que a prova se tornou mais propícia a trepadores.

Ai entrou em ação Diogo Sardinha que viria a ser o melhor sub-23 na etapa. O atleta sintrense realizou uma escalada notável até ao Alto da Serra de Montejunto, onde chegou na 25ª posição a 3 minutos 25 segundos do duo que discutiu a etapa e que ditou o vencedor absoluto do Troféu Joaquim Agostinho, Henrique Casimiro da equipa Efapel. 


Com desempenho muito positivo, Sardinha galgou mais de 70 posições na tabela classificativa nas duas últimas etapas, terminando a prova na 36ª posição da geral, seguido do colega Marcelo Salvador que realizou uma prova bastante regular, terminando num honroso 37º lugar. Miguel Salgueiro concluiu na 71ª posição. 

Perante um pelotão inter-continental composto por 131 atletas em representação de 22 equipas, a Sicasal Constantinos terminou a participação no 42º Grande Prémio de Torres Vedras na 13ª posição da geral coletiva.

Fonte: Academia Joaquim Agostinho            

                              

“Já abriram as inscrições para o Setúbal Triathlon 2020”

Prova decorre a 19 de abril do próximo ano

Por: Fábio Lima

Abriram esta terça-feira as inscrições para a edição do próximo ano do Setúbal Triathlon, uma prova da HMS Sports que decorrerá a 19 de abril, tendo como pano de fundo a zona da cidade de Setúbal e também a Arrábida.

Inicialmente, e até final do presente mês, as inscrições poderão ser feitas por 85 euros para atletas federados e 100 euros para não federados (a este valor é acrescido uma verba para o seguro, de 15 euros). Passada esta data, e até 15 de novembro, o valor passa a ser de 105 e 120 euros, respetivamente.

De notar que a edição deste ano do Setúbal Triathlon esgotou vários meses antes da realização da prova e que para 2020 o limite de inscrições é de 800 participantes.

Fonte: Record on-line

“Óscar Sevilla assume liderança da Volta ao Lago Qinghai”

José Ferreira é o melhor representante português, no 29.º lugar

Por: Lusa

Foto: Instagram de Óscar Sevilla

O veterano espanhol Óscar Sevilla (Medellin), de 42 anos, assumiu esta terça-feira a liderança da Volta ao Lago Qinghai, enquanto José Ferreira (W52-FC Porto) é o melhor representante luso, no 29.º lugar.

O segundo classificado na Vuelta de 2001 era um dos sete corredores da formação colombiana que lideravam com o mesmo tempo, na sequência do contrarrelógio inaugural por equipas, vestindo agora a camisola amarela após Alfonso Roldán ter perdido 1.09 minutos na terceira etapa, entre Douba e Guide.

José Ferreira subiu ao 29.º lugar, a 2.49 minutos de Sevilla, depois de ter sido o oitavo a completar os 140 quilómetros da etapa de hoje.

Joaquim Silva (W52-FC Porto) também chegou hoje com o pelotão, no 37.º posto, e ocupa a 30.ª posição da geral, igualmente a 2.49.

Na quarta-feira, o pelotão da corrida chinesa vai enfrentar 100 quilómetros, entre Guide e Longyangxia, numa viagem com duas contagens de prémio de montanha, uma de primeira e outra de segunda categoria.

Fonte: Record on-line

“Tour/Geraint Thomas: «Alaphilippe não é necessariamente um adversário à geral»”

Francês comanda com 1.12 minutos de vantagem sobre o galês

Por: Lusa

Foto: Reuters

O galês Geraint Thomas (INEOS) disse esta terça-feira que Julien Alaphilippe (Deceuninck-Quick Step) "não é necessariamente um adversário" na luta pela vitória na Volta a França, apesar de o gaulês liderar após 10 das 21 etapas.

"Estes 10 dias foram ótimos. Poderiam ter sido melhores se estivéssemos a apenas alguns segundos de Julian Alaphilippe em vez de um minuto, mas ele não é necessariamente um adversário [na luta pela vitória]", disse o vencedor da Grande Boucle em 2018.

Alaphilippe comanda com 1.12 minutos de vantagem sobre Thomas e 1.16 para o colombiano Egan Bernal, também da rival INEOS.

"Saberemos mais durante o segundo dia de descanso (em Nimes, em 22 de julho, depois dos Pirenéus). Se ele aumentar a sua liderança nessa altura, ficaremos muito mais preocupados", acrescentou.

Thomas elogiou o "grande começo" de prova da equipa" e destacou, a seu favor, a sua "grande experiência nas grandes voltas" para assumir o seu objetivo: "Queremos a camisola amarela e vencer em Paris".

Alaphilippe assumiu que liderar Volta a França nesta altura é algo que "vai além do que poderia imaginar", pelo que tudo o que conseguir melhor "será apenas um bónus".

"Por enquanto, corro para defender a liderança, homenageá-la. O mais difícil ainda está por vir. O que fiz já é incrível. Mesmo que eu esteja lúcido sobre o que vai acontecer, quando és francês e vestes de amarelo tens todo um país que vibra e sonha. Até agora, sinto-me muito bem, nunca estive tão bem, ainda me sinto bem fresco. Espero surpreender-me, para conseguir coisas bonitas, mas não vou sonhar", frisou.

Alaphilippe disse esperar continuar de amarelo na quarta-feira, após uma etapa com um final adequado para sprinters, recordando a aproximação das etapas de alta montanha nos Pirenéus.

Já Egan Bernal advertiu para a necessidade de manter a "concentração" e evitar a "confiança" excessiva na INEOS, recordando que a etapa de segunda-feira foi complicada para alguns dos favoritos, como o francês Thibaut Pinot (Groupama - FDJ), o espanhol Mikel Landa (Movistar) ou o dinamarquês Jakob Fuglsang (Astana).

"Estamos na luta e vamos tentar fazer o melhor possível. Estamos em boa posição, muito contentes com os resultados até ao momento, contudo ainda falta muito para o fim", insistiu Bernal, reconhecendo que, para persistir na luta, espera perder pouco tempo no contrarrelógio de quinta-feira em Pau, para os seus rivais.

O colombiano Nairo Quintana (Movistar) congratulou-se por chegar a esta fase com menos tempo perdido do que em outros anos - é oitavo a 2.04 minutos -, contudo avoca as dificuldades de se bater com a INEOS de Thomas e Bernal.

"Não será fácil, porém estou em condições e jogaremos os nossos trunfos da melhor forma possível para encurtar as diferenças. E no contrarrelógio é perder o menos tempo possível", disse o especialista em alta montanha.

Na quarta-feira, o pelotão do Tour vai enfrentar 167 quilómetros entre Albi e Toulouse, na 11.ª etapa, sem grandes exigências e propícia para os sprinters.

Fonte: Record on-line