quarta-feira, 5 de abril de 2017

“Reynard 903 com que o piloto de F1 venceu o GP de Macau em 1990”

FÓRMULA 3 DE MICHAEL SCHUMACHER EM EXPOSIÇÃO NO MUSEU DO CARAMULO

Foto: Carlos Fernandes

O Museu do Caramulo recebeu, na sua exposição de automóveis, o Reynard 903 de Michael Schumacher, gentilmente cedido pela Fundação Casa da Macau. 

Em 1990, Michael Schumacher ganhou o Grande Prémio de Macau de Fórmula 3 ao volante do Reynard 903, após uma renhida competição com Mika Häkkinen. Na 30ª e última volta da competição, Schumacher vence, após Häkkinen tentar ultrapassar e embater na traseira do Reynard de Schumacher, que terminou a corrida e se sagrou campeão de um dos mais míticos percursos do grande prémio. 

O Reynard 903 é considerado um dos mais conhecidos modelos da Fórmula 3 e estará em exposição, no Museu do Caramulo, durante os próximos meses.  

Sobre o Reynard 903 

Fundada em 1973, por Adrian Reynard, a Reynard Motorsport foi uma das maiores construtoras de automóveis de corrida, tendo alcançado grandes sucessos na Fórmula Ford 1600, Fórmula Ford 2000, Fórmula 3, Fórmula Atlantic, Fórmula 3000 e Fórmula Ford Indy. 

Após vencer a Fórmula 3000 em 1989, com o modelo 893, Reynard decide criar o modelo 903, que mantinha as especificações do modelo anterior, com melhorias ao nível da aerodinâmica. Não era, no entanto, fácil de conduzir nem muitas vezes rápido, o que levou a que, passado pouco tempo, os pilotos optassem pelo rival Ralt RT34. 

Com a vitória no Grande Prémio de Macau da Fórmula 3, em 1990, pelas mãos de Michael Schumacher, o Reynard 903 fica na história como protagonista de um dos momentos mais marcantes da história do automobilismo, ao disputar com Mika Häkkinen a liderança da prova na última volta. 

Ficha Técnica: 1990 200 hp 4 cil 2000 c.c. 6 vel. 550 kg 275 km/h 

Fonte: Museu Caramulo/Parceria Notícias do Pedal  



 
    

“Campanha de crowdfunding “Salvem o Messi” permitiu o restauro deste clássico de 1958”

MESSERSCHMITT KR200 “MESSI” REVELADO AO PÚBLICO NO SALÃO MOTORCLÁSSICO

Depois de um restauro completo, o Messerschmitt KR200 “Messi” de 1958, pertencente à colecção do Museu do Caramulo, será apresentado ao público pela primeira vez no Salão Motorclássico  

Lisboa, 3 de Abril de 2017 – O Museu do Caramulo confirmou que irá apresentar ao público o Messerschmitt KR200 de 1958, cujo restauro foi agora terminado nas Oficinas do Caramulo, e apenas possível graças à campanha de crowdfunding “Salvem o Messi”, no Salão Motorclássico (FIL - Feira Internacional de Lisboa, de 21 a 23 de Abril). 

Lançada em Agosto de 2015, a primeira acção de crowdfunding do Museu do Caramulo permitiu angariar os fundos necessários para o restauro completo deste mítico microcarro de origem alemã. O objectivo da campanha era angariar os €5.000 para o restauro deste clássico pertencente à colecção do Museu do Caramulo, mas que, pelo seu estado, nunca chegou a estar exposto. A acção excedeu largamente as expectativas. Em apenas 2 meses, a campanha, que atingiu 112% de execução, angariou €5.601 com o contributo de 130 apoiantes.  

Os trabalhos de restauro do automóvel tiveram início em Janeiro de 2016 e continuaram até agora. Incluíram a colocação de um vidro de cabine novo, a reparação de chaparia, pintura e estofos novos, a reparação mecânica do motor e da caixa de velocidades, a reparação dos componentes eléctricos, a reparação e substituição de borrachas e cromados, colocar farolins novos, entre outras.


intervenções. 

Para Tiago Patrício Gouveia, Director do Museu do Caramulo “A conclusão do restauro deste automóvel, a tempo de o mostrarmos em todo o seu esplendor, pela primeira vez, no Salão Motorclássico, enche-nos de satisfação e alegria. Tudo começou com a campanha de crowdfunding que viabilizou, graças ao apoio de 130 pessoas e entidades, a recuperação deste clássico. Agora podemos retribuir, partilhando este automóvel único com todos aqueles que apoiaram directamente o seu ‘renascimento’, e com o público em geral. Depois do Salão Motorclássico, o Messerschmitt regressará ao Caramulo para integrar a exposição permanente do museu e subir a rampa em Setembro, durante o Caramulo Motorfestival.” 

De novo em forma após um minucioso restauro nas Oficinas do Caramulo, o “Messi”, que estará em exposição no stand do Museu do Caramulo, será uma das grandes atracções do Salão Motorclássico, o maior evento português relacionado com a temática dos Clássicos e da História Automóvel. 

O programa da 13ª edição do Motorclássico inclui ainda uma exposição temática consagrada à Ferrari, no septuagésimo aniversário da marca, os habituais passeios de clássicos, um emocionante leilão de automobilia, e a secção Art Village, que reúne obras de arte à volta do mundo dos clássicos. 

O Salão Motorclássico é organizado pelo Museu do Caramulo em parceria com a AIP – Feiras Congressos e Eventos.  

Para obter mais informações sobre o Salão Motorclássico aceda ao site oficial do evento em www.motorclassico.com.  

Sobre o Messerschmitt KR200 (1958)  

A Messerschmitt AG, fabricante de aviões alemães, estava proibida, desde a Segunda Guerra Mundial, de prosseguir com a actividade de construção de aviões, tal como todos os outros fabricantes alemães.  

Apesar de a empresa ter voltado a sua atenção para outros empreendimentos, foi a produção de microcarros que permitiu manter a fábrica em laboração.  

O primeiro veículo construído pela Messerschmitt teve por base a parceria com Fritz Fend. Em 1952, Fritz Fend apresentou à Messerschmitt a ideia de construir pequenos veículos a motor, com três rodas, inspirados na motocicleta que havia sido construída para pessoas que, devido à guerra, tivessem ficado com limitações de mobilidade. 

Em 1953, Fritz Fend desenvolveu, em conjunto com Willy Messerschmitt, uma espécie de motocicleta que se assemelhava a um avião: uma forma alongada, dois lugares longitudinais e uma carlinga em plexiglas que se abria para o lado para entrar e sair. Estava criado o KR175, em que KR significa kabinenroller ou "scooter fechada" e 175 significava a cilindrada do motor. Este primeiro Messerschmitt era movido por um motor monocilíndrico Sachs a dois tempos colocado à frente da única roda traseira e era accionado por comandos no guiador, tal como uma Scooter, o mesmo sucedendo para o arranque que se fazia com um pedal.  

Medindo 2.820 mm de comprimento e 1.220 mm de largura, saltavam à vista as abas que cobrem as rodas dianteiras que lhe conferiam um ar imponente. A carroçaria estreita e uma área frontal baixa foram alcançadas com a disposição dos assentos em linha, o que permitiu à carroçaria afunilar-se como uma fuselagem de avião, obtendo uma excelente aerodinâmica dentro do comprimento de um microcarro. 

A entrada dos passageiros para uma espécie de carlinga faz-se através da canópia que estava articulada do lado direito do veículo. A porta incluía todas as janelas, pára-brisas, caixilhos das janelas e tecto acrílico, e a parte da carroçaria onde as peças transparentes estavam montadas. 

O início do fabrico do KR175 debateu-se com vários problemas, dos quais resultaram 70 modificações no seu desenho entre Fevereiro e Junho de 1953. A produção manteve-se até 1961. 

O KR200 substituiu o Messerschmitt KR175 e criou um redesenho total, embora mantendo o conceito original. Com um motor de 191 c.c. e mais um CV de potência, o peso do conjunto subiu 23 kg, o que não foi impedimento para o aumento da velocidade máxima em 10 km/h. O KR200 existiu ainda nas versões cabrio, sport e roadster. 

No total, foram produzidas 30.286 unidades da versão KR200.

Fonte: Museu Caramulo/Parceria Notícias do Pedal

“ETCNTV na TAÇA DA EUROPA DE TRIATLO – QUARTEIRA (LOULÉ)”

RICARDO BATISTA em 9ºlugar (4ºmelhor português)

RICARDO BATISTA, em representação da selecção nacional, alcançou um excelente 9ºlugar (4ºmelhor português) entre 75 participantes que alinharam à partida para a prova de Juniores da 2ªetapa da Taça da Europa de Triatlo, que se disputou no domingo de manhã, dia 2 de Abril, em Quarteira, e o seu colega de clube e selecção, JOSÉ PEDRO VIEIRA terminou na 20ªposição (6ºmelhor português). Esta prova foi ganha pelo espanhol Alberto Gonzalez Garcia, sendo acompanhado no pódio por 2 portugueses, Duarte Brás no 2ºlugar e Vasco Vilaça no 3º, ainda com 4ªposição a pertencer a mais um português, Tiago Fonseca, demonstrando a qualidade e o potencial que estes jovens atletas actualmente representam.

De salientar que, Ricardo Batista e José Pedro Vieira estão no 2º e 1ºanos respectivamente, deste escalão de Juniores que a nível internacional é de 4 anos.

Talvez motivados pela conquista do internacional português, 5º classificado nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, JOÃO PEREIRA, na prova das elites disputada no sábado à tarde, os jovens atletas lançaram-se à água da praia de Quarteira por volta das 10h para iniciar a competição. No final dos 750m de natação surgiram em destaque Vasco Vilaça, José Pedro Vieira e Ricardo Baptista que, juntamente com atletas de outras nações, integraram o grupo que liderou os 20kms de ciclismo percorridos de forma rápida, chegando compacto para os 5kms de corrida no paredão de Quarteira.

Mas cerca de 1 hora antes, 2 atletas torrejanas estiveram presentes na prova feminina, no mesmo cenário das provas das elites e da júnior masculina, Joana Miranda e Carolina Serra.

Com as cores nacionais novamente em destaque, através do 12ºlugar de Gabriela Ribeiro, as torrejanas terminaram na 31ª e 32ªposições, sendo a 4ª e 5ªmelhores atletas portuguesas.

De parabéns, está também a equipa técnica da selecção portuguesa, da qual faz parte o conhecido técnico da Escola Triatlo de Torres Novas, PAULO ANTUNES, pelos excelentes resultados obtidos nesta 2ªetapa da Taça de Europa de Triatlo.

Para finalizar, devemos também salientar o regresso ao triatlo de Vanessa Fernandes, na prova de elite feminina onde foi 13ªclassificada, juntamente com a conhecida Melanie Santos, que foi a melhor portuguesa no 8ºlugar.

 

16º TRIATLO CIDADE DE QUARTEIRA

No mesmo cenário da Taça de Europa de Triatlo, mas nas últimas horas da manhã do dia 2 de Abril, realizou-se a 2ªetapa da Taça de Portugal de Triatlo, numa organização conjunta da Câmara Municipal de Loulé, da Junta de Freguesia de Quarteira e da Federação de Triatlo de Portugal. O Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas conquistou o 8ºlugar colectivamente.

Individualmente, o destaque vai para o Veterano Marco Sousa, que no seu escalão conquistou o 1ºlugar, sendo 28º à geral. Em Cadetes estiveram presentes 3 atletas torrejanos, André Rodrigues foi o melhor torrejano no 11ªlugar, logo seguido pelos seus colegas Miguel Moreira e Diogo Mendes na 12ª e 13ªposições.

Em Sub-23, Pedro Serra foi 12ºclassificado, enquanto em Seniores participaram mais 2 torrejanos, Cristiano Marques alcançou o 56ºlugar e André Sousa o 80º, numa prova bastante participada, onde cerca de 400 triatletas disputaram um triatlo na distância sprint.

GONÇALO NEVES no IRONMAN em Port Elizabeth

(África do Sul) – 02.04.17

GONÇALO NEVES, atleta do Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas, terminou no domingo, dia 2 de Abril, o IRONMAN em Port Elizabeth na África do Sul, no 14ºlugar no seu grupo de idades 45-49 anos, numa prova aonde participaram cerca de 2000 atletas, entre profissionais e amadores oriundos de vários países.

Gonçalo Neves que iniciou a prática do triatlo na década 90, tornando-se um dos melhores triatletas nacionais e mais tarde Selecionador Nacional de Triatlo, nadou 3.800m na Baía Nelson Mandela, pedalou 180kms e terminou a sua prova realizando uma corrida de 42,2kms (uma maratona), com um tempo total de 9h58m57s.

A próxima prova para a Escola de Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas, será para os mais jovens em Fátima, durante a manhã do próximo sábado, dia 8/Abril. Será o Duatlo de Fátima, a 4ªetapa do Campeonato Nacional Triatlo Jovem.

Fonte: Triatlo do Clube de Natação de Torres Novas



 

“EFAPEL apadrinha horta solidária”

Participação em projecto de associação que defende direitos das crianças

Vários elementos da equipa EFAPEL, entre os quais os ciclistas Rafael Silva e Bruno Silva, puseram as mãos na terra para criar a horta solidária da Associação Casa do Caminho, instituição com sede em Matosinhos, que tem como missão acolher, cuidar, proteger e dar carinho a crianças, dos zero aos seis anos, vítimas de qualquer violação dos seus direitos, promove o seu desenvolvimento integral e crescimento saudável até à concretização do seu projeto de vida.

Numa fase em que o calendário velocipédico tem uma pausa - a próxima competição está agendada para 22 e 23 de abril - os elementos equipa profissional de ciclismo EFAPEL trocaram as ferramentas de trabalho diário, em particular as bicicletas, e agarram em enxadas, pás e ancinhos para criarem a horta da Associação Casa do Caminho.

Nesta primeira missão como “agricultores”, os vários profissionais da formação de Ovar prepararam a terra e plantaram vários alimentos que serão utilizados pela instituição. Esta iniciativa realiza-se numa altura do ano em que decorre, também, a campanha “Ajude sem gastar”, acção que convida todos os contribuintes a associarem-se à causa da Casa do Caminho com a consignação de 0,5 por cento do IRS a esta organização.

“Juntos pelo direito a ter um colo” é o slogan da iniciativa da equipa EFAPEL que numa primeira fase contribui para a subsistência da associação e a concretização do seu projecto solidário. “O trabalho desenvolvido, todos os dias, pela Associação Casa do Caminho não só nos impressiona como é emocionante. As causas solidárias são muito importantes. Mas perceber o humanismo como todos os envolvidos agem em prol dos direitos das crianças que aqui vivem torna a experiência ainda mais intensa. Este é um projecto que deve ser destacado e foi nesta medida que a equipa EFAPEL se associou”, afirmou a porta-voz da equipa, Maria João Gouveia.

O responsável também participou na acção com Rafael Silva e Bruno Silva, além dos elementos do staff, Maria João Gouveia e Edgar Almeida. Célia e Goretti Cabreira são agricultoras também estiveram presentes para darem uma verdadeira lição de como trabalhar a terra. Durante esta operação foram plantados vários produtos hortícolas, como alface, alho francês, cebolas, couve penca, tomate cherry , tomate, e feijão verde

O dia de hoje promoveu um treino diferente para os nossos corredores. O trabalho realizado contribuiu para a promoção dos direitos das crianças e encheu o coração de todos os presentes.

Fonte: Efapel

“De bicicleta, as feministas paquistanesas reivindicam lugar no espaço público”

Dezenas de mulheres participaram em corridas em várias cidades do Paquistão em nome de mais liberdade.

Dezenas de mulheres no Paquistão participaram num protesto em bicicleta no domingo 2 de abril, em várias cidades do país. As mulheres, sobretudo jovens na casa dos 20 anos de idade, queriam chamar a atenção para o pouco espaço que ocupam nas ruas, desafiando assim o domínio masculino.

"A nossa estratégia é simplesmente ser visível em espaços públicos", explica Meher Bano da organização Girls at Dhabas, um grupo feminista que organizou os protestos depois de uma mulher de Lahore ter sido empurrada da bicicleta por um grupo de homens, há um ano, por não responder aos piropos que aqueles lhe lançavam.

O desfile de bicicletas foi um dos muitos eventos organizados pelas Girls at Dhabas, nos últimos anos. O nome da associação remete para os restaurantes paquistaneses (dhabas), numa ligação clara à urgência que as mulheres têm de estar no espaço público com os mesmos direitos que os homens; e também com o objectivo de aumentar a consciencialização para este problema.

Os membros desta associação dizem que são a nova geração de feministas paquistanesas, determinadas a construir sobre o progresso feito pelas suas antecessoras. "O movimento das mulheres é tão antigo quanto o Paquistão, mas não é algo que realmente seja falado", esclarece Bano.

Mais de 60% dos quase 200 milhões de paquistaneses têm menos de 30 anos, mas as mulheres jovens daquele país muçulmano continuam a enfrentar barreiras de acesso ao emprego e muitas vezes sentem-se "desconfortáveis" por ir a áreas públicas onde a presença masculina é preponderante, continua a dirigente feminista. "Faz parte de uma narrativa muito maior que leva ao assédio e à violência", lamenta.

As diferenças entre homens e mulheres continuam a ser gritantes num país onde ainda se matam as mulheres em nome da honra familiar, como aconteceu em Julho com Qandeel Baloch, uma celebridade de 20 anos, conhecida nas redes sociais pelos seus posts, e que foi morta pelo irmão por alegadamente desonrar a família. A sua morte chocou o país e transformou esta jovem num ícone feminista.

Embora exista um movimento liberal pequeno, as mulheres conseguem fazer chegar a sua voz a vários meios de comunicação e às redes sociais. No entanto, muiitas enfrentam o abuso e são acusadas de estarem a ser influenciadas por ideais ocidentais, em vez das muçulmanas.

Para terminar o protesto de bicicleta, em Islamabad, várias jovens partilharam histórias de assédio, mas também falaram sobre a necessidade de lutar contra o conservadorismo crescente nas ruas do Paquistão, dizendo que há menos mulheres em público hoje do que há 20 anos. "Estamos a deixar esse espaço desaparecer e a sociedade está a ficar mais pequena de espírito", disse uma delas.

Fonte: Público on-line

“Vanessa Fernandes após o regresso: «Isto é meu, é o meu mundo»”

Triatleta emocionada com retorno aos palcos internacionais

Por: Ana Paula Marques

Foto: Ricardo Nacimento

Vanessa Fernandes espelhava felicidade após ter passado este sábado a meta na Taça da Europa da Quarteira, onde foi 13ª. "Pensei: 'isto é meu, é o meu mundo, e lança-te a ver o que sai'», confessou emocionada aos jornalistas, quando confrontada com a pergunta sobre o que sentiu quando estava na partida.
A triatleta do Benfica, que regressou este sábado à cena internacional, após seis anos de afastamento, reconheceu que ainda tem muito a evoluir, sobretudo na natação, onde foi uma das últimas a sair da água. "A natação não foi fácil para mim, acabei por ter alguns percalços, mas é normal, depois tentei gerir bastante na bicicleta... isto foi um treino muito bom, mesmo muito bom. Tive que estar muito tranquila porque não sabia qual era a minha reação, estive lesionada, tive que pensar muito em mim, mas acima de tudo nos objetivos que estão à frente. Só pensava em terminar, passar esta fase. Não foi fácil, mas estou muito emocionada por ter terminado este triatlo de distância olímpica".
Vanessa Fernandes não esqueceu também o carinho dos portugueses: "Eles levaram-me hoje ao colo".

Fonte: Record on-line

“Porque NÃO FAZER um parque de estacionamento subterrâneo no Rossio”

O Ciclaveiro - Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta transmitiu ao Executivo da Câmara Municipal de Aveiro o seu parecer acerca da proposta da autarquia de um parque de estacionamento subterrâneo no Rossio para cerca de 300 automóveis, constante no concurso de arquitectura de concepção para a Requalificação do Largo do Rossio e Praça General Humberto Delgado (esta conhecida como “Pontes”).

Um parque de estacionamento automóvel subterrâneo no Rossio seria um empreendimento completamente despropositado pelas seguintes razões:

-Existem já três parques de estacionamento subterrâneos no centro da cidade de Aveiro, a menos de cinco minutos a pé do Rossio, sendo que dois deles são subutilizados.

-A construção de um parque de grande dimensão, como o proposto, iria atrair mais veículos motorizados para o centro da cidade, algo que é actualmente reconhecido e bem documentado como sendo um erro de planeamento e uma má prática de estratégia de mobilidade. Trazer mais carros para o centro da cidade implica mais congestionamento de tráfego, mais poluição, menor qualidade do espaço público e mais custos com construção e manutenção de infraestruturas rodoviárias, que terão que ser suportadas por dinheiros públicos, para além de todas as outras externalidades negativas associadas ao uso excessivo do automóvel particular que hoje em dia se pretendem reduzir.

Adicionalmente, teria elevadíssimos custos por se tratar de uma obra a implantar abaixo da linha de água, e a sua construção implicaria movimentação de elevadas quantidades de sedimentos da Ria potencialmente fortemente contaminados por poluentes acumulados ao longo do tempo e o encerramento de praticamente toda a zona e a transformação do Rossio num grande estaleiro durante um período de tempo considerável.

Ao invés deste tipo de proposta, devem ser criadas e melhoradas condições para que as deslocações dentro da cidade e no acesso ao seu centro se façam cada vez mais através dos modos activos ou em intermodalidade com os transportes públicos. São estas as práticas adoptadas em toda a Europa. Ademais dos prejuízos atrás mencionados, um tal investimento público seria certamente mais bem aplicado nas referidas medidas que promovessem a mobilidade activa e sustentável no perímetro urbano e periurbano.

O Ciclaveiro relembrou o Executivo que a Proposta de Delimitação da Área de Reabilitação Urbana (ARU) de Aveiro, componente do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano da Cidade de Aveiro (PEDUCA), aprovada em Assembleia Municipal, nos seus Objectivos Estratégicos refere explicitamente “Garantir maior equilíbrio entre os modos de transporte” e a “diminuição do tráfego automóvel”.

Por estas razões, consideramos que a proposta de construção do parque subterrâneo no Rossio deve ser retirada deste plano de requalificação.

Fonte: Ciclaveiro - Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta

“Desporto Escolar e Programa Nacional Ciclismo”

Federação e Direção-Geral da Educação assinam protocolo

A Federação Portuguesa de Ciclismo (FPC) e a Direção-Geral da Educação (DGE) assinaram, na manhã de segunda-feira 3 de abril, em Lisboa, um protocolo de cooperação institucional para a implementação do Programa Nacional Ciclismo para Todos nas escolas e para o desenvolvimento da modalidade BTT-XCO no âmbito do Desporto Escolar.

A cerimónia de assinatura do protocolo realizou-se na Escola Básica Pedro de Santarém, perante o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, e o secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que fizeram questão de associar-se à iniciativa.

A parceria entre a FPC e a DGE pretende “contribuir para a sustentabilidade ambiental e humanização das localidades, potenciando o uso da bicicleta em contexto escolar e, consequentemente, fomentar padrões de mobilidade mais seguros, saudáveis e empoderadores”, estabelece o protocolo.

Outra linha orientadora do acordo entre a FPC e a DGE é a promoção da “prática de ciclismo de forma abrangente, nos diferentes aspetos em que poderá contribuir positivamente para o desenvolvimento harmonioso das comunidades escolares e, em particular, dos alunos”.

No âmbito da cooperação institucional entre a DGE (Desporto Escolar) e a FPC, serão criados e desenvolvidos conteúdos e recursos pedagógicos, que contribuam para sistematizar os métodos para “ensinar a pedalar”, numa primeira fase, e “ensinar a pedalar/circular na via pública”, numa segunda fase e em idades mais avançadas.

O protocolo prevê também a criação de Núcleos de Ciclismo para Todos nos agrupamentos escolares, estando já previstos nos de Alapraia, Alcochete, Benfica e D. António Ataíde (Castanheira do Ribatejo), nos quais já se desenvolveu trabalho nesta área.

O acordo vai ainda permitir a participação em corridas dos calendários nacionais e regionais da Federação Portuguesa de Ciclismo aos jovens praticantes de BTT-XCO no Desporto Escolar.

A assinatura do protocolo proporcionou uma manhã de festa velocipédica na Escola Pedro de Santarém, durante a qual os alunos participaram em demonstrações e gincanas, entre as quais se incluíram atividades com a unidade de multideficiência da Escola de 1.º Ciclo Arquiteto Ribeiro Telles.

Fonte: FPC

“Agenda de Ciclismo”

Três provas internacionais de BTT em Portugal

Portugal continua na rota do BTT internacional, acolhendo, na próxima semana, três provas pontuáveis para os rankings da UCI: o XCO Internacional de Vila Franca, Viana do Castelo, e o Troféu DHI de Boticas, no domingo, e o Portugal MTB, entre os dias 10 e 15 de abril.

A localidade de Vila Franca recebe, no dia 9, a segunda prova pontuável para a Taça de Portugal de Cross Country Olímpico (XCO), uma competição inscrita como C3 na União Ciclista Internacional. Espera-se cerca de meio milhar de participantes.

As corridas arrancam às 9h00 e os primeiros a entrar em pista são os masters, os cadetes e os paraciclistas. Às 11h00 é a vez de todas as categorias femininas e dos juniores masculinos. A prova de elite masculina fecha o programa, a partir das 14h30.

 No mesmo dia Boticas vai render-se à alta velocidade do Troféu de Downhill (DHI), uma competição internacional de classe 2.

A região de Viseu será palco do Portugal MTB, prova de BTT por etapas, que se disputa entre 10 e 15 de abril. É uma competição de classe S2 UCI. Começa com um prólogo de 7 quilómetros, em Viseu. A primeira etapa em linha terá 81 quilómetros, ligando Viseu às Termas do Carvalhal, concelho de Castro D’Aire.

O terceiro dia de competição leva os participantes de Castro D’Aire até S. Pedro do Sul, através de 63 quilómetros de trilhos. Segue-se uma viagem de 95,8 quilómetros, entre S. Pedro do Sul e Vouzela. É em Vouzela que se cumpre a etapa seguinte, em circuito, que terá de ser completado três vezes, para completar 30 quilómetros. A competição encerra com uma tirada de 62,5 quilómetros, essencialmente em single tracks, unindo Vouzela a S. Pedro do Sul.

As escolas de ciclismo estarão em atividade no próximo fim semana. Os jovens ciclistas do Norte reúnem-se num Encontro Inter-Regional de Estrada, em Galegos, Penafiel, às 9h30. Os jovens do Sul têm um Encontro Inter-Regional, também de estrada, na Quinta do Conde, Sesimbra, com início às 10h00.

Mais eventos Oficiais

9 de abril, 9h00: BTT Saloios, Arneiros, Ventosa, Torres Vedras

9 de abril, 9h00: IV Maratona BTT do Baixo Guadiana, Vila Nova de Cacela

9 de abril, 9h30: Évora Granfondo Challenge

9 de abril, 10h45: Prova de Abertura de Masters (Batalha/Pia do Urso - Porto de Mós)

9 de abril, 14h00: Taça de XCO do Faial, Açores

Fonte: FPC

“Volta ao País Basco: David de la Cruz vence terceira etapa”

Espanhol passou a liderar a geral, ficou à frente de Kwiatkowski e do australiano Jay McCarthy

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista espanhol David de la Cruz (Quick-Step) venceu esta quarta-feira a terceira etapa da 57.ª Volta ao País Basco e lidera a geral individual depois de uma arrancada a solo na última subida.
O corredor contra-atacou a intenção do francês Romain Bardet (AG2R) no início da última de seis contagens de montanha, a 10 quilómetros do final, para vencer a etapa com três segundos de vantagem para o grupo perseguidor, em que o polaco Kwiatkowski (Sky) e o australiano Jay McCarthy (Brora) completaram o pódio com o mesmo tempo, num grupo no qual se inseria ainda Tiago Machado (Katusha), na 30.ª posição.

O pelotão tentou desde o início da etapa cortar quaisquer aspirações de fuga, ainda que, ao quilómetro 43, se tenham escapado nove corredores, apanhados a 22 quilómetros do fim, quando um dos favoritos à vitória, o espanhol da Movistar Alejandro Valverde, teve um furo na bicicleta, com o colega de equipa Gorka Izagirre a emprestar-lhe a sua.
Menos sorte teve o também favorito Simon Yates (Orica), que furou e perdeu um minuto e meio para o grupo dos favoritos.
Quanto aos portugueses, nota para a desistência de Rúben Guerreiro (Trek), que já na etapa de terça-feira tinha perdido muito tempo, com o colega de equipa André Cardoso a surgir na 69.ª posição, a 5,46 minutos do vencedor.
Rafael Reis ficou a mais de 16 minutos de de la Cruz, na 143.ª posição, tendo caído para o 129.º posto da geral individual, onde André Cardoso é 112.º.
O bom resultado de Tiago Machado permitiu ao ciclista luso aproximar-se dos primeiros lugares, estando agora na 32.ª posição, num salto de 38 postos, a apenas três segundos do líder.
A quarta etapa, marcada para quinta-feira, tem como destaque a chegada a Bilbau depois de 174,1 quilómetros de corrida e duas contagens de montanha de segunda categoría, uma delas a 14 quilómetros da meta.

Fonte: Record on-line