domingo, 18 de dezembro de 2016

“Taça de Portugal de Ciclocrosse”

Mário Costa e Joana Monteiro mais líderes depois de Palmela

A ASC/Focus Team/Vila do Conde ganhou as provas de elite da terceira etapa da Taça de Portugal de Ciclocrosse, hoje disputadas na Quinta do Anjo, Palmela. Mário Costa e Joana Monteiro foram os intérpretes do domínio vila-condense, aumentando a vantagem sobre os rivais na classificação geral.

Mário Costa teve em Ricardo Marinheiro (Maiatos/Reabnorte/Bike Zone) o adversário mais duro, batendo-o por 25 segundos. O terceiro classificado foi o sub-23 Roberto Ferreira (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão), a 1m01s.

A prova feminina permitiu a Joana Monteiro manter a invencibilidade na Taça de Portugal 2016/2017, terminando a prova com 3m00s de vantagem sobre Ana Rita Vigário (Quinta das Arcas/Jetclass/Xarão) e com uma volta de avanço sobre a terceira classificada, Cecília Araújo (ProRebordosa/Garrafeira Gomes/Oforsep).

Carlos Salgueiro (ProRebordosa/Garrafeira Gomes/Oforsep) foi o melhor júnior, reforçando o comando da Taça de Portugal nesta categoria. Raquel Queirós (ASC/Focus Team/Vila do Conde) foi a mais forte na categoria feminina de sub-23, mas a segunda classificada, Marta Branco (Maiatos/Reabnorte/BikeZone), segurou o primeiro posto na geral.

Ana Santos e Tiago Sousa, ambos da ASC/Focus Team/Vila do Conde, impuseram-se nas corridas de cadetes, tal como haviam feito nas duas primeiras etapas da Taça e seguem cada vez mais fortes na dianteira da geral.

O master 30 Rúben Nunes (ASC/Focus Team/Vila do Conde) e o master 50 Rodolfo Lopes (EDV-Viana Cycles/EntrePortas/MyPharma) ganharam hoje em Palmela, reforçando o primeiro lugar na geral. O melhor master 40 foi Rui Torpes, mas António Sousa António Sousa (ProRebordosa/Garrafeira Gomes/Oforsep), segundo neste domingo, continua á frente nesta categoria.

Marina Leitão (Vasconha BTT Vouzela) foi a master mais consistente na etapa de hoje, mantando-se como número um do ranking.

João Cruz (ASC/Focus Team/Vila do Conde) foi o melhor juvenil.

A temporada de ciclocrosse faz um interregno de Natal e Ano Novo, regressando, no dia 8 de janeiro, com a disputa do Campeonato Nacional, na Quinta das Arcas, Sobrado, Valongo.

Fonte: FPC

“João Silva renovou com o Benfica até 2020”

Triatleta prolonga ligação aos encarnados a pensar nos Jogos Olímpicos'2020

Por: Lusa

Foto: Manuel Azevedo

O triatleta João Silva, de 27 anos, renovou contrato até 2020, anunciou o Benfica esta quinta-feira.
"A força de vontade para continuar e alcançar os meus objetivos no próximo ciclo [olímpico] é muito grande. É um orgulho imenso continuar a contar com o apoio do Benfica e defender as suas cores por mais quatro anos, e, portanto, estou muito contente", começou por dizer em declarações à BTV.

Natural da Benedita, o triatleta acredita que quando chegar aos próximos Jogos Olímpicos, que são a grande montra desportiva mundial, estará no auge da carreira.
"Obviamente que tenho de acreditar nisso. Mas, mais que tudo, quero ajudar o Benfica nos quatros anos que faltam até lá, conquistando vários troféus e provas", assegurou.
João Silva foi 35.º classificado nos Jogos Olímpicos do Rio2016.

 

Fonte: Record on-line

“Inventor do doping mecânico antevê novo terramoto”

Húngaro Istvan Varjas diz que investigação deve ser publicada em janeiro

Por: Lusa

Foto: EPA

Istvan Varjas, engenheiro húngaro que é considerado o responsável pela invenção do doping mecânico, sugeriu esta sexta-feira que a última versão de motores ocultos pode dar a um ciclista uma vantagem de 15 segundos sobre os rivais.

Em entrevista ao diário francês 'Le Monde', Varjas revelou que uma grande investigação televisiva pode apresentar, em breve, mais detalhes sobre o doping mecânico ou "fraude tecnológica", como é apelidada pela União Ciclista Internacional (UCI).

De acordo com o engenheiro húngaro, a investigação poderá ser emitida em janeiro, com o diário francês a arriscar que as novas revelações podem causar um 'terramoto' tão grande como o 'affaire' Festina, o primeiro caso conhecido de um esquema de dopagem organizado, que 'parou' a Volta a França de 1998.

"Não fui pago por aquilo que fiz, pagaram-me para não fazê-lo para os outros. Para saber quem usa motor, é preciso olhar para a cadência. Os pequenos motores trabalham melhor com uma cadência de pedalada maior", explicou Istvan Varjas.

O engenheiro húngaro defendeu que a UCI obstruiu o trabalho da polícia durante a última edição da Volta a França para evitar que descobrissem "batoteiros" e mostrou-se cético quanto aos métodos utilizados pela federação internacional para detetar possíveis campos magnéticos e motores ocultos, sugerindo uma solução.

"Simplesmente, pesa-se a roda traseira: se houver motor, a roda pesa, pelo menos, 800 gramas mais do que o peso normal. Se a roda pesar dois quilos, deve ser desmontada", indicou.

Varjas explicou ainda que os motores ocultos nas bicicletas podem ser ativados desde um carro de apoio através de tecnologia Bluetooth, por controlo remoto ou através de um relógio.

"Pode controlar-se desde o carro da equipa e o corredor nem ter consciência de que tem um motor. Poderá sentir que está a ter um bom dia. O modelo está desenhado para altas velocidades, para os contrarrelógios", sublinhou.

O engenheiro contou ainda que o médico italiano Michele Ferrari, que acompanhou Lance Armstrong, o visitou há três anos para conhecer a tecnologia e as implicações do doping mecânico.

De acordo com Varjas, Ferrari estava preocupada pelo seu futuro, uma vez que a fraude tecnológica poderia substituir os métodos de dopagem fisiológicos para melhorar o rendimento.

A presença dos motores nas provas velocipédicas detetou-se pela primeira vez no Campeonato do Mundo de ciclocrosse no início de 2016, na bicicleta da ciclista belga sub-23 Femke Van den Driessche.

Fonte: Record on-line

“Troféu Internacional Litério Marques/Dia 3”

Domínio repartido no encerramento

A seleção da Polónia foi a grande dominadora do Troféu Internacional Litério Marques, prova de classe 1 mundial que hoje terminou no Velódromo Nacional, em Sangalhos, Anadia, mas a hegemonia foi menos vincada no último dia de competição, que distribuiu louros por diferentes nações.

Os polacos venceram seis das onze competições de elite disputadas entre sexta-feira e hoje. Mas neste domingo apenas se impuseram em scratch, através de Daniel Staniszewski que se adiantou ao holandês Wim Stroetinga, segundo, e ao suíço Frank Pasche, terceiro.

Os espanhóis triunfaram nas duas provas de keirin. Entre os homens ganhou José Moreno (Louletano-Hospital de Loulé), seguido pelo escocês Jonathan Mitchell e pelo polaco Damian Zielinski. Helena Casas (GN6 Track Team) foi a mais veloz entre as mulheres, atirando a belga Nicky Degrendele para o segundo lugar e a francesa Melissandre Pain para a terceira posição.

A competição encerrou com a corrida americana para homens. Os suíços Frank Pasche e Loic Perizzolo ganharam, com 46 pontos, mais seis do que os franceses Corentin Ermenault e Morgan Kneisky e mais dezasseis do que os polacos Wojciech Pszczolarski e Daniel Staneszewski.

Se a Polónia foi a nação que mais se destacou em elite, os franceses foram claramente os mais fortes entre os juniores, no cômputo geral da competição e também na derradeira jornada. Os gauleses venceram três das quatro provas jovens deste domingo, conseguindo mesmo o pódio completo em perseguição individual, com vitória de Valentin Tabellion, segundo lugar de Remi Huens e terceiro posto de Florentin Lecamus.

Valentine Fortin foi a melhor júnior feminina em scratch e em perseguição individual. Nesta prova relegou a compatriota Clara Copponi para o segundo lugar e a portuguesa Soraia Silva (Bairrada) para a terceira posição. Em scratch os dois primeiros lugares tiveram a mesma distribuição, mas o terceiro posto foi para a polaca Wiktoria Pikulik.

O polaco Bartosz Rudyk impediu o pleno da seleção de França nas corridas de juniores de hoje, conquistando a prova de scratch. Os franceses Remi Huens e Valentin Tabellion, por esta ordem, completaram os lugares de honra.

Portugal terminou o Troféu Internacional Litério Marques com um total de oito medalhas, quatro das quais em elite e sub-23. São resultados de grande importância, pois contribuem para a subida do ciclismo de pista luso nos rankings internacionais, algo fundamental para ter acesso aos Mundiais.

Fonte: FPC

“ASFIC líder do ciclismo de estrada da Federação Regional de Ciclismo de Santarém pelo segundo ano consecutivo”

Decorreu ontem, 17 de dezembro, em Almeirim, a cerimónia de encerramento da época 2016, que tem como finalidade a entrega de prémios no ciclismo, estrada e BTT da taça regional de Santarém. A Associação Regional de Ciclismo de Santarém, tem na sua área de jurisdição os distritos de Santarém, Leiria e Portalegre, sendo composta por mais de 50 concelhos.

Para a classificação final foram contabilizados os resultados de nove provas realizadas (Vila Chã de Ourique, Maceirinha, Maceira, Martingança, A-dos-Barbas, Manique do Intendente, Maçãs D. Maria, Rio Maior e Avelar).

Na parte em que compete a equipa de ciclismo de Rio Maior, ASFIC – Grupo Parapedra / Dinazoo / Riomagic, o resultado foi avassalador. A ASFIC só não venceu no escalão de Elites.


Assim,  João Portela foi campeão regional da taça de Santarém em masters 30 e Jorge Letras vice-campeão.

Rui Rodrigues foi campeão regional da taça de Santarém em masters 40.


Foram também entregues os diplomas de campeões regionais de Santarém, a João Portela e Rui Rodrigues, que haviam conquistado esses títulos nos escalões masters 30 e 40, na prova realizada na Maceira, no dia 18 de Junho.

Na parte do BTT, Edgar Oliveira venceu o Ranking Regional De Xcm – 2016.

Foi também entregue a Rui Rodrigues a distinção da Federação de Ciclismo de Santarém pelo seu título de campeão nacional de estrada e contra relógio individual.

Elevámos ao mais alto nível a cidade de Rio Maior e os patrocinadores da equipa. Este é mais um resultado do excelente trabalho desempenhado por toda a equipa, que trabalha arduamente no sentido de conseguir sempre bons resultados.

A ASFIC agradece ainda a todos os patrocinadores sem exceção, que acreditaram, apoiam e ajudam a equipa, e em especial ao Gonçalo Pinheiro da Parapedra, pelo grande apoio que tem prestado, pois sem eles nada era possível.

Muito Obrigado.

Fonte: ASFIC - GRUPO PARAPEDRA /DINAZOO / RIOMAGIC