sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

“CHRIS FROOME CRITICADO PELOS COLEGAS APÓS REGRESSO ÀS COMPETIÇÕES”

Tony Martin e Philippe Gilbert consideram que o britânico, acusado de doping, não devia correr

Foto: EPA

O ciclista britânico Chris Froome, investigado por alegado doping na Volta a Espanha de 2017, regressou esta quarta-feira às competições para disputar a Rota do Sol, na Andaluzia. Mas o seu regresso não está a ser visto com bons olhos por parte dos colegas de profissão.

Oliver Naesen, Tony Martin e Philippe Gilbert são alguns dos ciclistas que não concordam com o regresso de Froome. Em entrevista à CyclingPro, Tony Martin, que já se tinha pronunciado sobre o assunto, afirmou que o regresso do britânico "é muito mau para o ciclismo" e deixa críticas à Sky - equipa representada por Froome.

Já Philippe Gilbert considera ser um "grande erro" Froome competir, uma vez que "existem dúvidas sobre ele. Por respeito aos outros corredores não devia correr".

Contudo, há ciclistas que defendem o regresso do britânico mas apelam às instituições que tomem rapidamente uma decisão.

Chris Froome, que está à espera que a UCI tome uma decisão sobre o caso de doping, pode entrar em competições. A defesa vai alegar que o ciclista sofreu uma disfunção renal, para justificar o excesso de salbutamol detetado na urina durante o controlo da Volta a Espanha de 2017, prova que acabou por vencer.

Fonte: Record on-line

“SACHA MODOLO VENCE TERCEIRA ETAPA DA VOLTA À ANDALUZIA E ANTUNES ABANDONA”

Italiano impôs-se ao sprint no final da etapa com um tempo de 3:48.17 horas

Por: Lusa

Foto: EPA

O ciclista italiano Sacha Modolo (Education First -- Drapac Cannondale) venceu esta sexta-feira a terceira etapa da Volta à Andaluzia, no dia em que Amaro Antunes (CCC Sprandi Polkowice) abandonou a prova em que seguia no nono lugar da geral.

Modolo, de 30 anos, impôs-se ao sprint no final de uma etapa plana de 165,1 quilómetros entre Mancha Real e Herrera, com um tempo de 3:48.17 horas, à frente do espanhol Carlos Barbero (Movistar) e do colombiano Nelson Soto (Caja Rural-Seguros RGA).

O dia não produziu alterações nos primeiros postos da classificação geral, que continua a ter como líder o holandês Wout Poels (Sky), com dois segundos sobre o espanhol Luis León Sánchez (Astana) e o belga Tim Wellens (Lotto Soudal).

Amaro Antunes foi forçado a deixar a prova espanhola quando seguia no nono lugar da geral, depois de uma queda ao quilómetro 11 da prova. O ciclista luso "não sofreu fraturas", disse esta sexta-feira a sua equipa.

José Mendes (Burgos-BH), agora o único português em prova, segue no 23.º lugar da geral, a 1.14 minutos de Poels, depois de ter terminado a tirada no 65.º posto.

O britânico Chris Froome (Sky), a cumprir a primeira prova do calendário de 2018 enquanto é investigado por ter acusado doping durante a Volta a Espanha de 2017, que venceu, terminou o dia no 57.º lugar e segurou a sétima posição da geral.

No sábado, a quarta etapa liga Sevilha a Alcalá de los Gazules, numa ligação de 191,2 quilómetros, com duas contagens de montanha de segunda categoria a meio da tirada a testar os candidatos à vitória final.

Fonte: Record on-line

“RUI COSTA FOI 5.º NA VOLTA A OMÔ

Português sobe uma posição na geral, onde agora é 14.º

Depois do segundo lugar alcançado na véspera, Rui Costa foi esta sexta-feira quinto classificado na quarta etapa da volta a Omã, ganha pelo dinamarquês Cort Nielsen (Astana). O português cortou a meta integrado no grupo de 21 corredores creditados com o mesmo tempo do vencedor da tirada.

"Estou satisfeito, estive outra vez nas posições cimeiras e isso reflete as boas sensações que estou a ter nesta prova. Infelizmente furei duas vezes, a última a 20 quilómetros da meta, mas a equipa reagiu bem e apoiou-me", contou o corredor português da UAE Team Emirates, que subiu uma posição na geral (é 14.º), a 51 segundos do líder, o belga Greg Van Avermaet, da BMC.

 

Resultados da 4ª etapa

1 Magnus Cort Nielsen (Astana) 2:57.36 horas

2 Giovanni Visconti (Bahrain-Merida) m.t.

3 Alberto Bettiol (BMC) m.t.

5 Rui Costa (UAE Team Emirates) m.t.

 

Classificação geral

1 Greg Van Avermaet (BMC) 15:54.20 horas

2 Alexey Lutsenko (Astana) 9 segundos

3 Nathan Haas (Katusha-Alpecin) 13 segundos

(...)

14 Rui Costa (UAE Team Emirates) 51 segundos

Fonte: Record on-line

“VOLTA ALGARVE/VENCESLAU FERNANDES NA SENDA DO PAI E DA IRMÔ

Aos 22 anos cumpre o primeiro sonho, competir com os melhores

Por: Ana Paula Marques

Foto: Filipe Farinha

Venceslau Fernandes tem 22 anos e é um dos mais novos a participar na Volta ao Algarve. Cumpre para já o primeiro de muitos sonhos, o de correr com alguns dos melhores do Mundo. "Só os costumamos ver pela televisão, nas grandes voltas. É um orgulho poder dividir com eles a estrada", disse-nos o jovem ciclista da Liberty Seguros-Carglass. "Sabemos que com este nível do pelotão pouca coisas podemos fazer, somos um equipa jovem. Mas estamos aqui para dar o nosso melhor e dignificar os patrocinadores".

Outro sonho que pode concretizar este ano é de participar na corrida rainha nacional, a tal que o pai, Venceslau Fernandes, venceu com 39 anos em 1984. Depois, outros voos mais altos espera realizar. "Vou começar, claro se for escolhido, pela Volta, depois tenho o sonho de poder um dia disputar uma grande corrida internacional".

Carregar o peso do apelido Fernandes é para o jovem um orgulho e nada que o preocupe, antes pelo contrário. Do pai herda então o facto de ter ganho uma edição da Volta, da irmã, Vanessa Fernandes, o ser medalhada olímpica.

"Para mim é bom ter um passado glorioso na família. Dá-me responsabilidade acrescida, mas encaro isso de forma muito positiva. Claro que gostava de vencer também a Volta a Portugal e estar nuns Jogos Olímpicos. Afinal, é o que todos os desportistas querem. E se quando lá chegar, conseguir uma medalha, melhor ainda".

Venceslau Fernandes, o filho, praticou outras modalidades, antes de se fixar de vez no ciclismo. E uma delas foi mesmo o triatlo, onde a irmã fez história durante vários anos. "Pratiquei futebol em Perosinho e também passei pelo triatlo. Mas sempre tive mais queda para o ciclismo".

Antes do arranque da terceira etapa da Volta ao Algarve, o contrarrelógio em Lagoa, o ciclista da Liberty Seguros-Carglass ocupava o 88.º lugar, a 6,09 minutos de Geraint Thomas (Sky), entre 166 classificados após a etapa da Fóia.

Fonte: Record on-line
Italiano tem uma lesão num joelho

Por: Ana Paula Marques

Rinaldo Nocentini, um dos lideres do Sporting-Tavira na Volta ao Algarve, já não vai alinhar esta sexta-feira na terceira etapa, o contrarrelógio individual em Lagoa. O italiano tem uma lesão num joelho, lamentando que não possa continuar. "Poucas vezes abandonei uma prova por etapas na minha carreira, mas não posso continuar", escreveu Nocentini nas redes sociais.

O estado de forma do transalpino, de 40 anos, foi fatal então para que na quinta-feira tivesse chegado ao alto da Fóia com mais de seis minutos de atraso, em relação ao vencedor, o polaco Michal  Kwiatkowski, da Sky.

Fonte: Record on-line

“Volta Algarve/Contra-relógio da Algarvia superado pela Equipa EFAPEL”


          Contra-relógio individual da Algarvia superado pela Equipa EFAPEL

          EFAPEL continua a ser a melhor equipa lusa e não World Tour

          Jesus del Pino sofreu queda mas vai continuar em competição

A Equipa EFAPEL cumpriu mais um dia na Volta ao Algarve e manteve o estatuto de melhor formação lusa e também é a melhor não World Tour a participar na competição. Os ciclistas tinham pela frente um exigente desafio contra o relógio. Eram 20 quilómetros com partida e chegada em Lagoa. No final, Daniel Mestre foi o melhor representante da estrutura liderada por Américo Silva e o conjunto manteve o estatuto com que partiu para o desafio ao cronómetro.

Naquele que era o dia para os ciclistas se colocarem à prova apenas contra o relógio, a Equipa EFAPEL conseguiu concluir a jornada com os objectivos intactos, apesar das dificuldades que um exercício como estes, perante um pelotão com tanta qualidade e apenas com três dias de competição, pode colocar. No final dos 20 quilómetros, Daniel Mestre acabou com o 78º tempo e passou a ser o melhor elemento da Equipa EFAPEL, no 30º posto da geral individual. Jesus del Pino, que era o elemento com a melhor classificação antes do contra-relógio, não teve um dia feliz. O ciclista espanhol caiu durante a etapa e perdeu mais tempo do que o esperado.

No final do dia, o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva, estava satisfeito por a equipa manter os objetivos. Contudo, não esconde que a ambição faz com que dentro da estrutura se tente ter resultados melhores. “Nós somos ambiciosos e queremos sempre mais, mas temos de ser realistas e ter noção das diferenças que existem. Na etapa de hoje fui atrás do Daniel (Mestre) e gostei da sua prestação. Mas a classificação não reflete o que andou porque estamos perante outras realidades”, explicou o responsável.

Daniel Mestre sente que o seu rendimento revela a melhoria da forma, principalmente se for tido em conta que o ciclista tem estado a recuperar de uma lesão e tem apenas quatro dias de competição em 2018. “Foi um contra-relógio que correu relativamente bem. Estamos no início da época, mas o resultado alcançado demonstra que o trabalho feito até ao momento começa a dar os seus frutos apesar da lesão que tive há dois meses e da qual ainda estou a recuperar”, afirmou o ciclista alentejano.

A quarta etapa da Volta ao Algarve começa, precisamente, no Baixo Alentejo. Almodôvar volta a ser a localidade de partida do dia de amanhã, no qual os ciclistas vão pedalar 199,2 quilómetros até Tavira. É a tirada mais longa da 44ª edição da Algarvia. Pelo meio, o pelotão terá duas metas volantes (Rosário e Alcoutim) e duas montanhas de quarta categoria (Neves e Santa Marta). Tudo indica que será um dia para os sprinters.

 

Classificação na terceira etapa

    Geraint Thomas        Team Sky        24m09s

    Victor Campenaerts        Lotto-Soudal        24m20s

    Stefan Kung            BMC Racing Team    24m28s


78º    Daniel Mestre        EFAPEL        26m46s

107º    Henrique Casimiro        EFAPEL        27m33s

109º    Rafael Silva            EFAPEL        27m36s

126º    Pedro Paulinho        EFAPEL        27m58s

136º    Bruno Silva            EFAPEL        28m15s

154º    Jesus del Pino        EFAPEL        29m02s

156º    Marcos Jurado        EFAPEL        29m06s

Classificação geral individual

    Geraint Thomas        Team Sky        9h37m49s

    Jaime Roson            Movistar Team    m.t.

    Michal Kwiatkowski        Team Sky        m.t.


30º    Daniel Mestre        EFAPEL        a 3m11s

38º    Henrique Casimiro        EFAPEL        a 4m12s

56º    Jesus del Pino        EFAPEL        a 5m21s

89º    Rafael Silva            EFAPEL        a 9m36s

128º    Bruno Silva            EFAPEL        a 18m52s

156º    Marcos Jurado        EFAPEL        a 24m14s

162º    Pedro Paulinho        EFAPEL        a 28m05s

Fonte: Efapel

“Volta ao Algarve/Geraint Thomas vence contra-relógio e reforça liderança”

Por: José Carlos Gomes

O britânico Geraint Thomas (Team Sky) venceu hoje a terceira etapa da Volta ao Algarve, um contrarrelógio de 20,3 quilómetros, disputado em Lagoa, e reforçou o comando da geral individual.

O ciclista galês, vencedor da Volta ao Algarve em 2015 e em 2016, pulverizou os registos da concorrência cumprindo o exercício individual em 24m09s. Geraint Thomas pedalou à média de 50,435 km/h, um feito relevante, tendo em conta a exigência do traçado, com várias rampas inclinadas, subidas, descidas e viragens, que quebravam o ritmo e elevaram a dificuldade da etapa.

O segundo classificado foi o campeão europeu de contrarrelógio, o belga Victor Campenaerts (Lotto Soudal), que gastou mais 11 segundos do que Geraint Thomas. O campeão suíço da especialidade, Stefan Küng (BMC Racing Team) fechou o pódio do dia, a 19 segundos do vencedor.

O triunfo no contrarrelógio confirmou Geraint Thomas como o principal favorito à conquista da 44.ª Volta ao Algarve. O chefe-de-fila da Team Sky manteve a camisola amarela, mas passou a dispor de 22 segundos de vantagem sobre o companheiro de equipa Michal Kwiatkowski, segundo classificado. O português Nelson Oliveira (Movistar Team) assinou um excelente quinto lugar no contrarrelógio, sendo catapultado para o terceiro lugar da geral, a 32 segundos da Camisola Amarela Algarve.

Adivinha-se que a última etapa, a disputar no domingo, entre Faro e o alto do Malhão, seja determinante, dado que o final em alto poderá proporcionar ataques que desmembrem a superioridade da Team Sky.

"Senti-me realmente bem na Fóia, mas hoje não saberia o que esperar. Optei por começar forte e gerir o esforço. Quando se está com a camisola amarela isso dá-te uma motivação suplementar. Senti-me bem e consegui vencer pela primeira vez um contrarrelógio no Algarve. No último dia teremos o Malhão, que é uma subida curta mas intensa. Há vários trepadores fortes no pelotão e as diferenças são curtas mas tanto eu como o Kwiatkowski estamos entre os primeiros e, se correr bem, manteremos a camisola amarela", considera Thomas.

As restantes classificações também estão em aberto. Michal Kwiatkowski continua a vestir a Camisola Vermelha Cofidis, da regularidade, em igualdade pontual com Dylan Groenewegen (Team LottoNL-Jumbo). Benjamin King (Team DImension Data) segue com a Camisola Azul Liberty Seguros, de melhor trepador, mas terá trabalho árduo nas duas etapas em falta para a segurar. A Team Sunweb confirma o favoritismo para a conquista da Camisola Branca Águas do Algarve, colocando dois corredores no topo da tabela da juventude, com o holandês Sam Oomen na dianteira. A Team Sky comanda coletivamente.

 

Etapa de amanhã

A quarta etapa, a disputar neste sábado, é a mais longa da competição, 199,2 quilómetros, entre Almodôvar e Tavira. A partida será às 12h00, prevendo-se uma chegada ao sprint, cerca das 17h00. Pelo caminho há duas metas volantes, Rosário (km 39,2) e Alcoutim (km 132,5), e dois prémios de montanha de quarta categoria, Neves (km 98,3) e Santa Marta (km 121).

 

Algarve Granfondo Cofidis

Além de acolher o final da etapa, Tavira será palco, neste sábado, do Algarve Granfondo Cofidis. O evento de participação popular, que tem mais de 800 inscritos, começa às 9h20. Os participantes dividem-se entre o Mediofondo, com 73 quilómetros, e o Granfondo, com 119.

 

Classificações/Results

3.ª Etapa/3rd Stage: Lagoa - Lagoa, 20,3 km (ITT)

1.º Geraint Thomas (Team Sky), 24m09s (50,435 km/h)

2.º Victor Campenaerts (Lotto Soudal), a 11s

3.º Stefan Küng (BMC Racing Team), a 19s

4.º Nelson OLiveira (Movistar Team), a 22s

5.º Michal Kwiatkowski (Team Sky), mt

6.º Tony Martin (Team Katusha Alpecin), a 27s

7.º Tejay van Garderen (BMC Racing Team), a 47s

8.º Bob Jungels (Quick-Step Floors), a 49s

9.º Vasil Kiryienka (Team Sky), a 50s

10.º Lukasz Wisniowski (Team Sky), a 51s

 

Geral Individual/General Classification

1.º Geraint Thomas (Team Sky), 10h01m58s

2.º Michal Kwiatkowski (Team Sky), a 22s

3.º Nelson OLiveira (Movistar Team), a 32s

4.º Bob Jungels (Quick-Step Floors), a 52s

5.º Tejay van Garderen (BMC Racing Team), a 53s

6.º Bauke Mollema (Trek-Segafredo), a 1m01s

7.º Jaime Rosón (Movistar Team), a 1m18s

8.º Maximilian Schachmann (Quick-Step Floors), a 1m19s

9.º Felix Grosschartner (Bora-hansgrohe), a 1m20s

10.º Vasil Kiryienka (Team Sky), a 1m24s

Fonte: FPC