sexta-feira, 18 de agosto de 2017

“Douro Triatlo Ocean Lava Portugal marca fim-de-semana de competições”

O Douro Triatlo Ocean Lava Portugal será um dos maiores eventos do ano e marcará os dias 26 e 27 de Agosto através da realização de competições nacionais que procurarão atrair triatletas de todas as idades. As paisagens da Região Vinhateira do Alto Douro serão pano de fundo deste evento que promete ser inesquecível para todos os que marcarem presença e que se pautará pela oferta quantitativa e qualitativa das competições.

Aqueles que aceitarem o desafio de 1,9km de natação, 89km de ciclismo e 21km de corrida terão a possibilidade de competir a título individual e coletivo, numa prova que reunirá a disputa do Campeonato Nacional de Grupos de Idade de Triatlo Longo e da segunda etapa do Campeonato Nacional de Clubes de Triatlo Longo, brindando todos os participantes ao longo da “mais bela estrada do mundo”. O Douro Triatlo Ocean Lava Portugal também será composto por provas Sprint e Standard, sendo esta última, a par com a de distância longa, pontuável para o Troféu Ocean Lava Portugal.

O evento será igualmente marcado pela disputa do Campeonato Nacional Jovem. Naquela que será a derradeira etapa desta competição esperamos a presença de centenas de jovens triatletas que, com enorme privilégio, competirão num dos mais belos cenários do nosso país. Com partida e chegada assinaladas na Folgosa – Armamar, os jovens talentos competirão no formato de triatlo com distâncias alinhadas aos diversos escalões que representam. Para os triatletas Juvenis a etapa também será pontuável para o Campeonato Nacional do seu escalão.

A organização deste grande evento será levada a cabo por parte da Associação Triathlon Lamego Club e contará com a parceria das Câmaras Municipais de Lamego, Peso da Régua, Armamar e Tabuaço, e com o apoio técnico da Delegação Regional de Triatlo do Norte e da Federação de Triatlo de Portugal.

Fonte: FTP

“Primeiro IRONMAN 70.3 Portugal – Cascais já esgotou”

E Ciclismo vai até Lisboa!

Depois de “bater” o recorde do mundo de inscritos em provas de estreia da marca Ironman, o IRONMAN 70.3 Portugal – Cascais esgotou! No dia 3 de setembro, 2100 atletas, a maioria internacionais, vão participar no maior evento de triatlo que Portugal já assistiu e terão oportunidade de pedalar até à Capital. Será um percurso memorável agigantado pelas estrelas Vanessa Fernandes e Bruno Pais, que já confirmaram a presença na prova.

Um dos mais belos percursos Ironman

O IRONMAN 70.3 Portugal – Cascais começa com um segmento de natação de 1900 metros na mais linda baía de Portugal. O parque de transição com as bicicletas que vão percorrer a Avenida Marginal na direção de Lisboa está instalado na Marina.

Aí começam os 90,1 quilómetros de ciclismo que terão o oceano em linha de vista seguindo até ao ponto de retorno na zona de Alcântara. Os ciclistas vão fazer parte do caminho de regresso à linha seguindo depois em direção ao Autódromo do Estoril. Se não fosse já impressionante, após cumprirem uma volta ao Circuito (ex-Moto GP e F1), os participantes seguem pelo deslumbrante cenário natural da floresta de Sintra, classificado como Património Mundial da UNESCO. O regresso a Cascais acontece pela estrada do Guincho, “onde acaba a terra e começa o mar” e fica desse modo completo o extraordinário segmento de ciclismo.

A corrida com 21,1 quilómetros vai acontecer entre palácios e fortalezas de outros tempos. Será um dos mais bonitos percursos de sempre numa competição de triatlo fazendo todo o passeio marítimo entre Cascais, Estoril e São Pedro junto à costa. O esforço dos atletas será recompensado quando entrarem na reta da meta instalada no coração de Cascais, junto à Câmara Municipal.

Inscrições “Charity O Século”

Esgotados os acessos gerais para o IRONMAN 70.3 Portugal – Cascais, estão apenas disponíveis neste momento algumas inscrições “Charity O Século”, em que parte do valor reverte para a Colónia Balnear O Século. Esta iniciativa solidária nasceu dos fortes laços e valores que a instituição social partilha com o IRONMAN 70.3 Portugal – Cascais: “Valorização e Respeito pelo Ser Humano, Transparência na Conduta”.

Fonte: 3Iron Sports

“Bicicleta e camisola amarela de Raúl Alarcón em leilão de solidariedade”

Valor reverte para o projeto de desporto adaptado da Associação Salvador

Por: Lusa

Foto: EPA

A bicicleta e a camisola amarela autografada pelo ciclista espanhol Raúl Alarcón, vencedor da Volta a Portugal, vai ser leiloada até 15 de setembro, com o valor a reverter para o projeto de desporto adaptado da Associação Salvador.

Além da bicicleta e camisola do ciclista do W52-FC Porto, o leilão vai disponibilizar também as camisolas autografadas do vencedor da classificação por pontos, Garcia de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé), da montanha, Amaro Antunes (W52-FC Porto), e da juventude, Krists Neilands (Israel Cycling Academy).

O valor angariado com os leilões promovidos pela plataforma online de angariação de fundos eSolidar vai reverter para a Associação Salvador, que tem como objetivo o desenvolvimento de projetos que melhorem a integração e qualidade de vida das pessoas com mobilidade condicionada.

Fonte: Record on-line

“Vuelta 2017: A estreia de Rui Costa e o adeus a Contador”

A Vuelta arranca já no próximo sábado e decorre entre os dias 19 de agosto e 10 de setembro.

Com a segunda competição velocipédica da hierarquia mundial a arrancar no próximo sábado, são 22 as equipas que competem na 72ª edição da Volta à Espanha em bicicleta. A primeira etapa é já no próximo sábado, dia 19 de agosto. Com saída em Nîmes, a prova inicia-se com um contra-relógio por equipas.

Contingente português

Vão ser quatro os portugueses que vão estar presentes na Vuelta.

Rui Costa, pela UAE-Team Emirates, principal esperança portuguesa para a classificação geral; José Gonçalves da equipa da Katusha, Nélson Oliveira (Movistar) e para finalizar, Rafael Reis que vai representar a equipa da Caja-Rural.

Rui Costa sonha com o Top-10 ao serviço da UAE Team

Depois de ter falhado o Tour, Rui Costa procura na equipa dos Emirados, um lugar no Top 10 da Vuelta. O ciclista português vai dividir a liderança com Louis Meintjes. O trepador sul-africano é uma aposta forte, depois de não ter vencido por dois minutos a camisola branca da juventude no Tour.

Já o ciclista português, triplo vencedor da Volta à Suíça, vai tentar dar um ar da sua graça na competição. Poderá lutar na só pela classificação geral, como pela vitória em etapas.

"Esta será a minha primeira Volta a Espanha e estou feliz por poder correr. Quero vivê-la dia a dia, sem pensar apenas na classificação geral, aproveitando cada etapa. A terceira já será um bom teste para perceber em que forma estou", afirmou durante a antevisão da sua participação. Será a 10ª presença de Rui Costa nas três Grandes Voltas.

Elementos da equipa:

Anass Ait El Abdia (MAR), Darwin Atapuma (COL), Rui Costa (POR), Louis Meintjes (AFS), Sacha Modolo (ITA), Matej Mohoric (SLV), Przemyslaw Niemiec (POL), Jan Polanc (SLV), Federico Zurlo (ITA).

O adeus de uma lenda chamada Contador

Alberto Contador vai abandonar o profissionalismo na edição deste ano da Vuelta. A lenda espanhola conta com três Vueltas, dois Giros, e dois Tours de França no currículo. Será a última prova velocipédica de um dos 'monstros' do ciclismo espanhol, após 15 anos de carreira. Para a sua última Grande Volta, Contador, de 34 anos, correrá ao serviço da Trek-Segafredo. O espanhol parte como líder da equipa na etapa inicial que se inicia em Nîmes. O 'pistoleiro terá como companhia o alemão John Degenkolb, que já venceu 10 etapas na prova e foi camisola verde em 2014.

Composição da equipa:

Alberto Contador (ESP), Edward Theuns (BEL), Jarlinson Pantano (COL), Jesús Hernandez (ESP), John Degenkolb (ALL), Julien Bernard (FRA), Koen de Kort (PBS), Markel Irizar (ESP), Peter Stetina (USA).

Favoritos

Froome vai tentar fazer a dobradinha na Vuelta

Froome vai tentar pela primeira vez conquistar a dobradinha (Vencer a Vuelta e o Tour numa só temporada) e será o homem a abater. Para o ajudar na difícil tarefa, o britânico que já venceu por quatro vezes o Tour, terá como 'escudeiros' na montanha Wout Poels, ciclista holandês que falhou o Tour devido a lesão, Mikel Nieve, Diego Rosa e Dabid Lopez. Froome já não vai contar com a ajuda de Mikel Landa, terceiro classificado no giro e quarto no Tour. O ciclista espanhol de 27 anos já assinou contrato com a Movistar.

Equipa da Sky na Vuelta:

Chris Froome (GBR), Christian Knees (ALL), David Lopez (ESP), Gianni Moscon (ITA), Mikel Nieve (ESP), Wout Poels (HOL), Salvatore Puccio (ITA), Diego Rosa (ITA), Ian Stannard (GBR)

Aru é a esperança da Astana

Depois da participação no Tour, Fabio Aru aparece igualmente como líder da equipa do Cazaquistão na Vuelta. Quarto classificado no Tour, o vencedor da prova em 2015, será auxiliado pelo colombiano Miguel Angel Lopez e pelo espanhol Luis Leon Sanchez.

Equipa da Astana:

Fabio Aru (ITA), Pello Bilbao (ESP), Sergei Chernetckii (RUS), Laurens De Vreese (BEL), Jesper Hansen (DAN), Miguel Angel Lopez (COL), Alexey Lutsenko (KAZ), Luis Leon Sanchez (ESP), Nikita Stalnov (KAZ)

Warren Barguil pode animar Vuelta ao serviço da Sunweb

Vencedor de duas etapas do Tour em 2017 e apontado como um dos mais promissores ciclistas franceses, Warren Barguil é um dos nove ciclistas da Sunweb que vão participar na Vuelta. O melhor trepador da competição francesa, vai fazer a sua sexta Grande Volta ao serviço da Sunweb.

Equipa da Sun Web:

L'équipe Sunweb :

Johannes Fröhlinger (ALL), Warren Barguil (FRA), Søren Kragh Andersen (DAN), Chris Hamilton (AUS), Lennard Hofstede (HOL), Lennard Kämna (ALL), Sam Oomen (HOL), Chad Haga (USA), Wilco Kelderman (HOL).

Movistar com Nélson Oliveira, mas sem Quintana e Valverde

Com as ausências dos seus líderes Quintana (Vencedor da Volta à Espanha) e Valverde (por lesão). O peso da responsabilidade vai estar em cima do ombros do espanhol Marc Soler, ciclista de 23 anos, que é considerado um dos grandes valores do ciclismo espanhol. O português Nelson Oliveira é outra dos ciclistas lusos na competição e que irá trabalhar em prol do seu líder.

Equipa da Movistar:

Jorge Arcas (ESP), Carlos Betancur (COL), Richard Carapaz (EQU), Ruben Fernandez (ESP), Daniel Moreno (ESP), Nelson Oliveira (POR), Antonio Pedrero (ESP), Jose Joaquin Rojas (ESP), Marc Soler (ESP)

Romain Bardet e Domenico Pozzovino lutam pela liderança na AG2R

Com o pódio de Romain Bardet no Tour e com a confirmação de que o francês também viria à Vuelta, reina uma certa confusão da AG2R La Mondiale. Quem será afinal o líder da equipa? O francês ou o italiano Domenino Pozzovivo. Sem a pressão de atuar em casa, Romain Bardet que se estreia na competição espanhola, poderá tentar ganhar etapas, aprender e quem sabe fazer surpreender com um lugar no pódio.

Equipa da AG2R Mondiale:

Romain Bardet (FRA), Clément Chevrier (FRA), Nico Denz (ALL), Axel Domont (FRA), Julien Duval (FRA), Alexandre Geniez (FRA), Alexis Gougeard (FRA), Hugo Houle (CAN), Domenico

Esteban Chaves os gémeos Yates da Orica

O ciclista Esteban Chaves, da Orica-Scott, é outro dos ciclistas apontados como favoritos ao pódio. Terceiro classificado na Vuelta em 2016, o ciclista recuperou da lesão no joelho. Vai-se fazer acompanhar na competição pelos gémeos Simon e Adam Yates, considerados favoritos à vitória final.

Equipa da Orica:

Sam Bewley (AUS), Esteban Chaves (COL), Magnus Cort Nielsen (DAN), Jack Haig (AUS), Christopher Juul-Jensen (DAN), Svein Tuft (CAN), Carlos Verona (ESP), Adam Yates (GBR), Simon Yates (GBR)

A vuelta disputa-se entre os dias 19 de agosto a 10 de setembro.

Nota: Artigo com base em dados do jornal francês L´Equipe.

Fonte: Sapo On-line

“Volta a França do Futuro”

Rui Oliveira 12.º na primeira etapa

Por: José Carlos Gomes

Rui Oliveira foi o melhor português na primeira etapa da Volta a França do Futuro, sendo o 12.º a cortar a meta, ao cabo dos 134 quilómetros, disputados em redor de Loudéac, numa jornada em que se impôs o campeão europeu de contrarrelógio, o dinamarquês Kasper Asgreen.

O dia foi de trabalho intenso para a Equipa Portuguesa, a primeira das seleções com ambição de disputar os primeiros lugares a perceber o perigo da fuga de 11 elementos, formada logo nos quilómetros iniciais da jornada. O trabalho de José Neves, Hugo Nunes e André Carvalho foi fundamental para que a vantagem dos escapados parasse de subir, quando já se situava acima dos 4 minutos, e para que começasse a baixar.

Nos últimos 50 quilómetros, outras seleções assumiram a perseguição, permitindo que o grupo principal conseguisse aproximar-se da frente da corrida, minorando os estragos, pois só não conseguiu absorver um dos aventureiros da jornada, Kasper Asgreen.

O pelotão chegou 4 segundos depois do vencedor, encabeçado pelo norueguês Kristoffer Halvorsen e pelo italiano Imerio Cima, segundo e terceiro, respetivamente. Rui Oliveira foi 12.º, Hugo Nunes 42.º, Tiago Antunes 53.º e Francisco Campos 125.º, todos com o mesmo tempo da cabeça do pelotão. José Neves e André Carvalho cederam 43 segundos para o vencedor, acabando em 127.º e 128.º, respetivamente. Na ausência de bonificações, os lugares na geral são os mesmos.

Portugal está no 11.º lugar entre as 24 equipas participantes.

“Os corredores foram avisados que, no primeiro dia de uma competição deste nível, é comum formarem-se fugas numerosas que podem comprometer a luta pela geral. A indicação era para colocarmos alguém na frente, caso se desse uma movimentação desse tipo. Formou-se um grupo com tais caraterísticas sem qualquer português, pelo que tivemos que dar o peito ao vento para corrigir a situação. Além de proteger as ambições para a geral, queríamos, nesta etapa, colocar o Rui Oliveira em condições de bater-se pelos primeiros lugares”, descreve o selecionador nacional, José Poeira.

A etapa de amanhã

19 de Agosto: 2.ª Etapa: Inzincaca-Lochrist - Bignan, 132,4 km (1634 metros de acumulado)

Uma etapa tirada quase a papel químico da jornada da véspera. O mais natural é uma chegada ao sprint, mas os pequenos topos poderão baralhar as contas. E, vimo-lo hoje, pode haver fugas surpreendentes.

Fonte: FPC