segunda-feira, 14 de agosto de 2017

"Taça da Europa de Wuustwezel"

Decorreu hoje dia 14 de Agosto, em Wuustwezel mais uma etapa da Taça da Europa de Triatlo. A cidade belga recebeu triatletas de todo o mundo para a disputa de uma prova que oferecia a possibilidade de conquista de importantes pontos internacionais.

Entre o vasto pelotão que alinhou à partida, os triatletas lusos marcaram presença na competição e procuraram representar as cores nacionais da melhor forma. Na frente feminina foi através do trio Sub23 que recentemente competiu no Campeonato da Europa da modalidade, composto por Andreia Ferrum, Ana Ramos e Helena Carvalho, que se fizeram cumprir os 750m de natação, 19,6km de ciclismo e 5km de corrida que compuseram a prova. No final do segmento inicial Carvalho e Ramos, ambas com bons tempos na natação, procuraram integrar o restrito grupo de liderança da prova. Mais tarde, as duas atletas viriam a ser alcançadas pelo pelotão de cerca de trinta unidades que perseguia a frente e onde se encontrava Andreia Ferrum. Com um bom segmento de corrida, Ferrum, conquistou o melhor resultado da comitiva lusa em Wuustwezel ao ocupar a 21ª posição da grelha final. Ana Ramos foi 27ª classificada e Helena Carvalho terminou a prova na 34ª posição.

Valerie Barthelemy foi a grande vencedora da competição feminina. A triatleta da casa venceu ao sprint a hungara Zsanett Bragmayer, segunda classificada, e conquistou a primeira vitória da carreira em competições internacionais. Cecilia Surroca, Espanha, encerrou o pódio feminino na terceira posição.

Na competição masculina Portugal foi representado por intermédio de cinco atletas. Alexandre Nobre, Pedro Gaspar, João Ferreira, Nuno Ribeiro e Luís Ferreira enfrentaram o pelotão internacional com objetivo de ganhar experiência competitiva e de conquistar pontos internacionais. Após 750m de natação, com prestações menos conseguidas, o quinteto português viria a integrar o numeroso grupo de ciclismo que circulava em perseguição da frente da corrida. Sem alcançarem os lideres da prova durante o trajecto de 19km, os triatletas lusos ficaram limitados a cumprir boas prestações no segmento de corrida final. Alexandre Nobre registou o melhor parcial de atletismo, entre os portugueses, e cortou a meta na 22ª posição. João Ferreira foi 28º classificado, Pedro Gaspar 33º, e Nuno Ribeiro terminou a competição na 48ª posição. Luís Ferreira não terminou a prova.

O belga Martin Van Riel voltou a estar em destaque em etapas da Taça da Europa de Triatlo ao somar a segunda vitória consecutiva na competição. Gianluca Pozzatti, Itália, terminou a prova na segunda posição e Márk Dévay, Hungria, foi terceiro.

Fonte: FTP

“Uran renova contrato com a Cannondale-Drapac”

Colombiano ficou em 2.º lugar na Volta a França

Por: Lusa

Foto: Reuters

O colombiano Rigoberto Ura, 2.º classificado da Volta a França, renovou contrato com a Cannondale-Drapac por mais três temporadas, anunciou esta segunda-feira a equipa norte-americana em comunicado.

"Estou muito satisfeito com a equipa. O ambiente assenta-me bem. Tenho grande respeito pelas pessoas que fazem parte da equipa, os mecânicos, os fisioterapeutas, o staff, os meus colegas. Sabem como se divertir fora da bicicleta e ser sérios quando é altura de correr. Isso é importante para mim", assumiu Uran.

O colombiano, de 30 anos, chegou no ano passado ao conjunto norte-americano e tem no seu palmarés dois segundos lugares na Volta a Itália, em 2013 e 2014, e outro na Volta a França deste ano.

Fonte: Record on-line

“Rui Costa confirmado na Volta a Espanha”

Será a primeira vez que participa na prova

Por: Lusa

Foto: DR Record

O português Rui Costa foi esta segunda-feira confirmado na equipa da UAE Emirates para a Volta a Espanha, na qual chegará como um dos líderes da equipa, juntamente com o sul-africano Louis Meintjes.

"Esta será a minha primeira Volta a Espanha e estou feliz por poder correr. Quero vivê-la dia a dia, sem pensar apenas na classificação geral, aproveitando cada etapa. A terceira já será um bom teste para perceber em que forma estou", disse, citado no site oficial da equipa.

O diretor desportivo da UAE Emirates, Simone Pedrazzini, assumiu que Rui Costa e Meintjes serão os líderes da equipa, apontando a um lugar no top-10 na Vuelta, que se corre de 19 de agosto a 10 de setembro.

Esta será a 10.º presença numa das três grandes Voltas de Rui Costa, que tem como melhor prestação o 19.º lugar na Volta a França de 2012, somando três triunfos em etapas do Tour.

Fonte: Record on-line

“Louis Meintjes: «Estou muito emocionado por regressar a casa»”

Sul africano foi colega de Rui Costa nas últimas duas temporadas

Por: Lusa

Foto: Reuters

O sul-africano Louis Meintjes vai regressar à Dimension Data em 2018, dois anos depois de ter deixado o conjunto, anunciou esta segunda-feira a equipa com sede na África do Sul.

O oitavo classificado nas duas últimas edições da Volta a França disse estar "muito emocionado por regressar a casa", assumindo foi "fácil" tomar esta decisão.

"Nos últimos dois anos adquiri uma tremenda experiência de uma equipa europeia e o meu objetivo é utilizar essa experiência para contribuir para o êxito da Dimension Data", afirmou Meintjes.

Nas duas últimas temporadas, Meintjes, de 25 anos, foi colega do português Rui Costa na Lampre-Merida e na UAE Emirates.

Fonte: Record on-line

“Nélson Oliveira na equipa Movistar que vai disputar a Volta a Espanha”

Ciclista português vai participar pela terceira vez na prova

Por: Lusa

Foto: DR Record

O português Nélson Oliveira integra a equipa Movistar que vai disputar a Volta a Espanha, anunciada esta segunda-feira, e na qual se destacam as ausências do colombiano Nairo Quintana, vencedor em 2016, e do espanhol Alejandro Valverde, lesionado.

Oliveira, de 28 anos, vai participar pela terceira vez na Vuelta, depois das presenças em 2011 e 2015 - esta última com uma vitória numa etapa -, tendo ainda corrido em três edições da Volta a França (2014, 2015 e 2016) e em duas da Volta a Itália (2012 e 2013).

Face à ausência de Quintana, vencedor da prova no ano passado, e de Valverde, a recuperar de uma cirurgia em consequência de uma queda durante o Tour, a responsabilidade de liderar a Movistar deverá recair sobre os espanhóis Marc Soler e Rubén Fernández.

A edição da Volta a Espanha de 2017 disputa-se entre 19 de agosto e 10 de setembro, ao longo de 21 etapas e 3.297,7 quilómetros.

Fonte: Record on-line

“José Gonçalves confirmado na Volta a Espanha”

Esta será a terceira vez que o atleta português entra na competição

Foto: DR Record

O português José Gonçalves foi esta segunda-feira confirmado na equipa da Katusha-Alpecin que vai disputar a Volta a Espanha, de 19 de agosto e 10 de setembro.

Na sua terceira participação na Vuelta, José Gonçalves terá como principal missão ajudar o russo Ilnur Zakarin na luta pela classificação geral.

"Estarei lá para apoiar o Zakarin o máximo possível, como fiz no Giro e, se depois, claro, se surgir alguma oportunidade de tentar a minha sorte numa ou outra etapa... Também é o meu objetivo pessoal tentar fazer algo. Vencer é difícil, mas vou tentar", disse, no domingo, durante uma visita à Volta a Portugal.

José Gonçalves tem três presenças em grandes voltas, duas Vueltas e uma Volta a Itália, tendo como melhor prestação o 35.º lugar na prova espanhola em 2015.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Vídeo da 10ª etapa”

Como tem acontecido diariamente, aqui fica o vídeo do trajeto da 10ª etapa em linha, com ligação de Viseu/Viseu/CRI, com uma extensão de 20,1 quilómetros.

Fonte: Podium

“Volta a Portugal/79ª Volta a Portugal em Bicicleta/A Volta dia a dia pelo diretor Joaquim Gomes/10ª Etapa”

10ª Etapa – CRI Viseu – 20,1 KM - 15 agosto, 3ª feira

Cidade de Viriato consagra na Avenida da Europa “Os guerreiros da Volta”

O CRI de Viseu com 20,1 km, será o mais curto dos últimos anos discutido num percurso misto, entre a zona urbana e a zona campestre, onde não faltará, na parte final, a passagem na zona histórica com D. Duarte e a Sé de Viseu a merecer a visita dos “Guerreiros”. Com alguma componente técnica e um
relevo que, não apresentando elevações consideráveis, revela muitas oscilações, exigindo empenho físico e alguma frescura anímica. Depois de dez dias de prova, os grandes especialistas de contrarrelógio estão, quase sempre, num patamar de igualdade com os grandes “voltistas”. É também neste contexto que o CRI de Viseu será discutido. Quem ganha em Viseu será ou não o mais forte da “Volta”!?

Fonte: Podium

“Volta a Portugal/Gustavo Veloso: "Tive azar de ter um dia mau, mas a vida continua"

Espanhol explicou que a pressão de liderar a W52-FC Porto pesou no seu colapso na nona etapa da Volta a Portugal.

O ciclista espanhol Gustavo Veloso (W52-FC Porto) reconheceu à Lusa que a pressão de liderar a equipa nos últimos cinco anos pesou no seu colapso na nona etapa, assumindo que, simplesmente, teve um dia mau.

“Há dias bons e maus. Tive azar de ter um dia mau hoje, mas a vida continua”, começou por dizer à agência Lusa o vencedor das Voltas de 2014 e 2015, que hoje perdeu 41.49 minutos para o vencedor na Guarda, Amaro Antunes, e para o camisola amarela, Raúl Alarcón, ambos seus colegas de equipa.

A um dia do fim da 79.ª edição da Volta a Portugal, Gustavo Veloso assumiu que a pressão de lutar pela vitória da geral pelo quinto ano consecutivo foi pesando animicamente, etapa após etapa.

“Não é fácil liderar uma equipa sem ser o líder da corrida, ‘levar’ com a pressão para retirar a pressão a outros, pensar na equipa sempre antes dos objetivos pessoais. No final, tudo isso pesa e já são cinco anos seguidos com essa pressão. Tudo afeta, sou humano e hoje perdi a Volta a Portugal”, lamentou o galego, de 37 anos.

Veloso, que, além das duas vitórias, foi vice-campeão da prova em 2013 e 2016, quis ainda agradecer o respeito e o carinho demonstrado por adeptos e adversários durante a nona e penúltima etapa.

Na terça-feira, a Volta a Portugal termina com um contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, em Viseu, para o qual Raúl Alarcón parte com 28 segundos de avanço sobre Amaro Antunes e com a vitória final praticamente garantida, já que os rivais mais próximos ficaram hoje a mais de cinco minutos na geral

Fonte: Sapo on-line

“Volta a Portugal/EFAPEL sobe na geral individual”

Henrique Casimiro ocupa a sexta posição na Volta a Portugal

A segunda parte da 79ª Volta a Portugal está a ser muito positiva para a equipa EFAPEL. Ontem ficou a centímetros de nova vitória em etapa, desta vez por Daniel Mestre, depois de um trabalho irrepreensível de todos os elementos da equipa. Hoje, com a passagem pelo ponto mais alto de Portugal Continental, a estrutura liderada por Américo Silva voltou a estar entre os melhores. Na chegada à Guarda, Henrique Casimiro terminou de maneira a subir ao sexto posto da geral individual e Sérgio Paulinho continua na nona posição. Quando falta um dia de corrida, o contra-relógio individual na cidade de Viseu, a EFAPEL ocupa o terceiro posto a nível colectivo.

A etapa rainha da Volta a Portugal 2017 ficou reservada para o penúltimo dia de competição. Com dois corredores entre os dez primeiros, a EFAPEL sabia que hoje seria decisivo no que toca à classificação geral individual. Depois do excelente trabalho colectivo protagonizado na véspera, que só não foi perfeito porque Daniel Mestre ficou a escassos centímetros de nova vitória, a formação de Ovar sabia que a jornada de hoje não seria fácil.

Com um permanente sobe e desce, os corredores liderados por Américo Silva mantiveram-se fiéis à postura da equipa sempre que está em competição e os que melhor estão colocados na classificação mantiveram-se no grupo dos mais fortes.

No final, o oitavo e o 14º postos de Henrique Casimiro e Sérgio Paulinho, respectivamente, valeram-lhe, não só, a manutenção entre os dez da frente como um dos alentejanos da equipa ainda subiu duas posições para fechar na sexta posição quando faltam apenas 20 quilómetros de corrida.

Fonte: Efapel

“Volta a Portugal/Etapa Rainha da Volta confirmou favoritismo azul e branco”

Amaro Antunes venceu na Guarda abraçado ao Camisola Amarela

Raúl Alarcón e Amaro Antunes chegaram de braço dado à meta na Guarda a comemorar o triunfo na etapa e a antecipar já os festejos finais da 79ª Volta a Portugal Santander Totta que termina esta terça-feira. Na Etapa Rainha, que passou pela Torre e terminou na cidade mais alta de Portugal, os homens da W52-FC Porto afastaram os principais adversários que ainda aspiravam roubar a Camisola Amarela a Alarcón. Vicente Garcia de Mateos (Louletano - Hospital de Loulé) e Rinaldo Nocentini, segundo e terceiro da geral à partida, perderam quase cinco minutos.

Na Guarda, Amaro Antunes incentivado por Raúl Alarcón, acabou por ficar como vencedor do dia. “Foi incrível conseguir chegar com o Raúl! Sabíamos de início para o que íamos, delineámos uma estratégia e cumprimo-la na perfeição. Não queríamos correr o risco de chegar ao contrarrelógio com os adversários por perto, por isso o objetivo era alargar a distância”. A declaração do algarvio, que venceu a primeira vez na Volta, sintetiza o que aconteceu ao longo dos 184 quilómetros da etapa iniciada na Lousã. “Ao contrário do que diziam, que a equipa estava desorganizada, mostrámos que a união faz a força e conseguimos a margem necessária para entrar da melhor forma na última etapa”, sublinhou Amaro Antunes que subiu ao segundo lugar da classificação geral, a 31 segundos do líder. Com a passagem em primeiro na Torre e a vitória em outras duas contagens de montanha, Amaro assumiu a liderança da Camisola Azul Liberty Seguros e tornou-se já o “Rei dos Trepadores”, uma vez que no contrarrelógio final não existem prémios de montanha.

Montanha dita a sentença

Esta 9ª e penúltima etapa foi a mais montanhosa da edição da Volta a Portugal que assinala os 90 anos da competição. A passagem pela Serra da Estrela, a 70 quilómetros da meta,desmembrou o grupo que vinha em fuga e uma nova história começou a ser contada pela W52-FC Porto com duas fases distintas. Primeiro Amaro Antunes e Ricardo Mestre tomaram conta da corrida para posicionar o Camisola Amarela Raúl Alarcón na dianteira. Pouco depois era Gustavo Velosoo protagonista devido a uma quebra de rendimento que o deixou para trás. Na descida para Manteigas, o trio azul e branco tinha por companhia o líder da juventude, Krists Neilands (Israel CyclingAcademy), cuja prestação lhe valeu o Prémio da Combatividade Conselheiros da Visão e dificilmente deixará escapar a Camisola Branca RTP até ao fim da prova.

No grupo perseguidor seguiam os favoritos Vicente Garcia de Mateos (Louletano-Hospital de Loulé) e Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) que nos últimos quilómetros, ao invés de diminuírem, aumentaram consecutivamente a desvantagem para a frente da corrida, deitando por terra qualquer esperança de vitória na Volta. Vale ao espanhol da equipa de Loulé a liderança de pedra e cal na classificação por pontos, Camisola Verde Rubis Gás.

Assistiram e estiveram no pódio da Guarda o Secretário de Estado do Desporto e Juventude, João Paulo Rebelo, e a Secretária de Estado da Ciência e Ensino Superior, Fernanda Rollo, entidades que, entre outras, se associaram a uma iniciativa da Federação Portuguesa de Ciclismo que serviu para assinalar os 90 anos da Volta a Portugal em Bicicleta.


10ª Etapa – 15 agosto 2017

Viseu – Viseu (CRI) - 20,3 km

Hora de Partida do primeiro corredor – Gotzon Udondo (Euskadi) - 14h51

Hora de Partida do último corredor – Raúl Alarcón (W52-FCPorto) - 16h53

Falta a etapa de Viseu para terminar a Volta. Esta terça-feira, 15 de agosto, o ciclismo associa-se aos grandes festejos de S. Mateus para o Grande Final da 79ª Volta a Portugal Santander Totta. A derradeira etapa, um contrarrelógio individual, tem pouco mais de 20 quilómetros com partida e chegada à Avenida da Europa. Será o contrarrelógio mais curto dos últimos anos.

Fonte: Podium

“Volta a Portugal/11 anos a comunicar as emoções da Volta a Portugal em Bicicleta”

Por: Cláudia Timóteo

São muitos quilómetros de estrada, muitas horas de trabalho em diversas frentes e a satisfação de ver que o evento Volta a Portugal em Bicicleta, a comemorar agora 90 anos, continua a ser uma marca que diz muito aos portugueses. Poderia haver agosto sem Volta? Poderia mas não seria a mesma coisa...

A PGM tem colaborado com todas as estruturas que nos últimos anos se encarregaram de organizar esta grande competição e a confiança continua inabalável como sublinha Joaquim Gomes, Diretor da prova maior do ciclismo nacional: “Apesar de cumprir 90 anos de história, o que lhe confere uma enorme notoriedade, a organização da Volta a Portugal não prescinde das mais inovadoras técnicas de comunicação. E em particular do trabalho da PGM, a mais experiente empresa de comunicação da modalidade. No fundo, é a “equipa” escolhida há 11 anos para liderar o Gabinete de Imprensa da Volta a Portugal.”

Dirigida pelo antigo jornalista Carlos Raleiras, a empresa foi convidada a primeira vez para se encarregar da comunicação da Volta em 2007 quando a organização estava a cargo da PAD, Produção de Actividades Desportivas. Quando Joāo Lagos assumiu o controlo da PAD o desafio foi continuar o trabalho iniciado antes. Terminado o ciclo Lagos Sports e com uma nova empresa, a PodiumEvents, a encarregar-se da organização da Volta a Portugal a PGM foi novamente convidada a apresentar uma proposta de comunicação baseada na experiência dos últimos anos e no conhecimento desta modalidade tão querida dos portugueses. A confiança tem sido outra marca indelével no relacionamento com todos os agentes que fazem e participam na Volta a Portugal.

Desde o processo de credenciação de jornalistas, até à gestão do gabinete de imprensa da Volta e conferências de imprensa passando pelo posicionamento dos próprios profissionais nos locais de chegada das etapas e a produção de conteúdos para as redes sociais há todo um trabalho diário que a PGM organiza. O maior desafio atualmente é articular todas as operações de comunicação desagregadas pelas várias plataformas de informação que o evento oferece.

Ao nível da comunicação, além de ser uma referência nas principais provas de ciclismo portuguesas, a PGM tem em carteira outros clientes como o Ministério da Defesa no âmbito do Turismo Militar e mais recentemente a primeira prova de triatloda marca Ironman que se realiza em Portugal.

Criada em 2005 para ser uma empresa global de comunicação tal como o próprio nome indica, - Projectos Globais de Media, a PGM tem também currículo na produção de Rádio e Televisão nas mais variadas áreas da informação.

Fonte: PGM

“Volta a Portugal/Chefe de fila do Sporting-Tavira critica brigada antidoping”

Rinaldo Nocentini diz que nunca lhe acontecera nada igual em 20 anos de profissionalismo

Foto: João Fonseca

O italiano Rinaldo Nocentini, chefe de fila do Sporting-Tavira, criticou a brigada antidoping da Volta a Portugal, que fez uma visita à equipa leonina no domingo de manhã.

"Controlo antidoping... Retiram-me dois tubos de sangue... não sabem o que fazer com o segundo e oferecem-mo... primeira vez em 20 anos de profissionalismo", escreveu o corredor de 39 anos na sua conta de Instagram.

Nocentini é, neste momento, terceiro da geral, a 19 segundos do camisola amarela Raúl Alarcón, e está na luta pela vitória na Volta a Portugal.

Fonte: Record on-line

“Volta a Portugal/Portugueses da Katusha em visita”

José azevedo, José Gonçalves e Tiago Machado

Foto: Lusa

A Volta a Portugal teve ontem a visita dos três mosqueteiros da Katusha-Alpecin, o diretor José Azevedo, e os ciclistas José Gonçalves e Tiago Machado. "Como fiz uma pausa e vim a casa, em Vila do Conde, é sempre bom matar saudades com pessoas que não via há muito tempo, pois o ciclismo é uma paixão. Temos estado a preparara Vuelta, onde temos por objetivo colocar o russo Ilnur Zakarin, 5º no Giro, numa classificação geral de relevo. O José Gonçalves vai para trabalhar. Se venho à procura de reforços para a equipa? Ainda é muito cedo para pensar nisso", considerou Azevedo à partida de Gondomar.

José Gonçalves, que falou à nossa reportagem em Oliveira de Azeméis, veio ver o irmão gémeo, Domingos (RP-Boavista), atacar nos 2 últimos quilómetros, mas foi um fogacho: "Julgo que ainda pode fazer um bom contrarrelógio, pois é o campeão nacional. Depois de estágio na Sierra Nevada (Espanha), estou em forma para atacar a Vuelta. Vou trabalhar para o Zacarin, mas se tiver oportunidade posso lutar por uma etapa."

Em declarações à Lusa, Tiago Machado fez prognósticos sobre quem vai vencer a Volta: "Será o Gustavo. Se não o eliminaram quando ele teve dias menos bons, não vai ser agora, porque está cada vez melhor."

Fonte: Record on-line