segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

“Volta ao Algarve/É o primeiro grande teste para estrelas internacionais"

Por José Carlos Gomes

A 44.ª Volta ao Algarve, que irá realizar-se entre quarta-feira e domingo, será o primeiro grande teste da nova temporada para muitas estrelas do ciclismo mundial.

O australiano Richie Porte, cehefe-de-fila da BMC Racing Team para a Volta a França e vencedor da Volta ao Algarve em 2012, é um dos corredores que encara a corrida portuguesa com expectativa. "Estou ansioso para voltar a competir. Como venho de correr na Austrália e esta é minha primeira corrida na Europa, quero ter alguns bons dias de competição nas pernas e adaptar o organismo às temperaturas europeias. Temos uma equipa forte e poderemos jogar várias cartas em diferentes etapas”, avisa Richie Porte.

Uma dessas “cartas” é o estadunidense Tejay van Garderen, que terá na Volta ao Algarve a primeira prova de 2018. “A preparação de inverno foi muito boa. Estou muito motivado para começar em força a nova temporada. O Richie Porte será o líder para a corrida, mas estando ambos em forma podemos jogar com isso. Já corri esta Volta cinco vezes e terminei no pódio em 2011. Portanto, sei bem com o que contar”, diz o lugar-tenente de Porte na BMC.

A lista de adversários da equipa sediada nos Estados Unidos é alargada e alguns também já avisaram que não estarão em Portugal apenas para somar quilómetros. O galês Geraint Thomas (Team Sky), vencedor da Volta ao Algarve em 2015 e em 2016, está neste lote. “Estou a começar a época de forma mais lenta do que no passado, mas senti-me num momento de forma decente durante os treinos. Vou ao Algarve para lutar pelo melhor resultado possível”, confessa o corredor que irá partilhar o comando da Sky com o polaco Michal Kwiatkowski, vencedor da Volta ao Algarve em 2014.

“Tenho boas memórias desta corrida, que é um bom evento. Há dois duas duros e um contrarrelógio, pelo que é uma boa maneira de começar a época. O clima, geralmente, é muito bom. Kwiatkowski também estará presente, espero que estejamos em boa forma para fazer algo”, conclui Geraint Thomas.

O campeão luxemburguês de fundo, Bob Jungels (Quick-Step Floors), vai estrar-se na Volta ao Algarve, mas tem um currículo de respeito, que inclui dois top 10 no Giro de Itália. No ano em que troca a corrida transalpina pela chefia da Quick-Step Floors no Tour, escolheu a Volta ao Algarve para o primeiro grande teste do ano.

“Vai ser a minha primeira vez na Volta ao Algarve, mas não participo apenas com o objetivo de ganhar forma. Vou aproveitar todas as oportunidades. Sinto-me bem e olhando para o percurso acho que é uma corrida que me assenta bem. Ainda não sei se poderei lutar pela classificação geral, porque estamos numa fase muito precoce da temporada. No entanto, tendo em conta o que fiz em Múrcia, a minha forma é boa e isso é o mais importante”, exclama Bob Jungels.

Os diretores desportivos sabem que a Volta ao Algarve é perfeita para que os seus principais corredores afinem pormenores para enfrentar os principais objetivos do ano. Foi por isso que a BMC Racing Team decidiu regressar à corrida portuguesa, após cinco anos de ausência. “É uma boa corrida para avaliar a forma dos ciclistas no início da temporada. Apresentamo-nos com uma equipa forte, que inclui o ex-vencedor Richie Porte, e Tejay van Garderen. Será a primeira prova de Richie após as corridas australianas e o arranque de época para Tejay, que vem de um estágio em altitude. É a corrida perfeita para preparar o Paris-Nice e o Tirreno-Adriático e para testar a condição dos corredores”, explica o diretor desportivo, Fabio Baldato.

“Após a segunda etapa, com a chegada à Fóia, já teremos uma ideia de como a corrida estará a desenrolar-se. A partir daí vamos encarar as coisas dia a dia”, anuncia o responsável técnico pela BMC Racing Team.

A Volta ao Algarve é uma corrida internacional de classe 2.HC, o segundo nível mundial, apenas suplantado pelo WorldTour. A corrida será disputada por um pelotão de 175 corredores, representando 25 equipas. Treze dos coletivos são do WorldTour, três são da segunda divisão internacional (categoria continental profissional) e nove são as equipas portuguesas, de categoria continental.

A Volta ao Algarve terá transmissão em direto em 120 países de todos os continentes, podendo ser vista em Portugal através da TVI24 e da Eurosport 2. O grande nível desportivo faz da Volta ao Algarve um dos melhores eventos desportivos organizados em Portugal, estando acreditados mais de cem profissionais de comunicação para cobrir a edição de 2018.

Etapas

14 de fevereiro: 1.ª Etapa: Albufeira – Lagos, 192,6 km

15 de fevereiro: 2.ª Etapa: Sagres – Fóia (Monchique), 187,9 km

16 de fevereiro: 3.ª Etapa: Lagoa – Lagoa, 20,3 km (CRI)

17 de fevereiro: 4.ª Etapa: Almodôvar – Tavira, 199,2 km

18 de fevereiro: 5.ª Etapa: Faro – Malhão (Loulé), 173,5 km

Fonte: FPC

“Equipa EFAPEL pronta para embate do World Tour”

Pelotão de luxo no primeiro grande desafio da temporada, Volta ao Algarve põe equipa à prova durante cinco dias, a queda na primeira corrida do ano condiciona competitividade da estrutura

A Equipa EFAPEL está preparada para o primeiro grande desafio do ano, a Volta ao Algarve. A prova que se realiza no sul de Portugal apresenta o pelotão de maior qualidade na temporada velocipédica nacional com a participação de 13 equipas do principal escalão internacional, o World Tour. Neste primeiro teste, a Equipa EFAPEL apresenta-se um pouco condicionada devido à queda sofrida por alguns ciclistas na Prova de Abertura, mas isso não compromete o empenho e a ambição dos sete corredores que vão pedalar nas estradas do sul do país.

Ao longo de cinco etapas, a Equipa EFAPEL vai ter pela frente um programa competitivo completo. São duas etapas em que o final se antevê discutido ao sprint (Lagos e Tavira), duas para quem está mais à vontade na montanha (Fóia e Malhão) e um contra-relógio com 20,3 quilómetros em Lagoa.

“A Volta ao Algarve é sempre complicada devido à forte presença de equipas estrangeiras que chegam à prova muito mais rodadas e com mais dias de competição do que as formações lusas”, explicou o director desportivo da EFAPEL, Américo Silva.

Para o responsável da equipa que corre de amarelo fluorescente, o desafio é elevado e a formação que lidera chega ao Algarve um pouco condicionada, o que influenciará a estratégia de corrida. “Temos a agravante que sofremos algumas lesões e temos alguns ciclistas que estariam em melhor forma mas caíram na Prova de Abertura. Isso condicionou-nos um pouco”, esclareceu o responsável da equipa.

A 44ª Volta ao Algarve começa na quarta-feira, dia 14, e realiza-se até domingo, dia 18. No total, os ciclistas vão pedalar em cinco etapas, numa distância de 773,5 quilómetros.

 

Nome da prova

44ª Volta ao Algarve em Bicicleta

Data

14 a 18 de Fevereiro de 2018

Director desportivo

Américo Silva

 

Ciclistas

Bruno Silva (Trepador)

Daniel Mestre (Sprinter)

Henrique Casimiro (Trepador)

Jesus Del Pino (Trepador)

Marcos Jurado (Contra-relogista/Rolador)

Pedro Paulinho (Sprinter)

Rafael Silva (Rolador/Sprinter)

Fonte: Efapel

 

“Marcelo Rebelo de Sousa acusado de discriminar modalidades”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi acusado de discriminação por não atribuir tratamento igual às modalidades e aos feitos desportivos dos portugueses. A acusação partiu do Presidente da Associação de Ciclismo do Minho, José Luís Ribeiro, que voltou a dirigir uma missiva a Marcelo Rebelo de Sousa perguntando se o Presidente da República “vai persistir no tratamento diferenciado das modalidades desportivas”.

A iniciativa surgiu depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter recebido a Seleção Nacional de Futsal e anunciado que agraciará os seus elementos com as insígnias de Ordem do Mérito.

“Não está minimamente em causa o mérito desportivo da Seleção Nacional de Futsal. O que está em causa é o tratamento diferenciado das seleções, atletas e agentes desportivos de outras modalidades que são menosprezados e ignorados. Onde está o mesmo tipo de reconhecimento por parte da Presidência da República para com os Campeões da Europa e Campeões do Mundo de outras modalidades ? É fundamental que o Senhor Presidente da República saiba que há desporto para além do futebol e do futsal”, argumenta José Luís Ribeiro.

“Não existem portugueses de primeira e portugueses de segunda, incumbindo inclusive ao Senhor Presidente da República defender, cumprir e fazer cumprir a Constituição da República Portuguesa”, refere o dirigente desportivo exemplificando que “o ciclista português Tiago Ferreira (Campeão da Europa de BTT Maratonas em 2017 e Campeão do Mundo de BTT Maratonas em 2016), entre outros, não foi recebido pelo Presidente da República nem agraciado com qualquer distinção, apesar do mérito das conquistas desportivas e da grande qualidade e muito trabalho para os alcançar

“Esta atitude discriminatória não é um exclusivo do Senhor Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, tendo sido também uma prática do seu antecessor” que também foi oportunamente interpelado pelo dirigente minhoto.

“Em 2015, escassos quatro meses depois de ter vencido o Campeonato do Mundo de Futebol de Praia, o Senhor Presidente da República condecorou atletas, técnicos e dirigentes da Seleção Nacional de futebol de praia e o próprio Presidente da Federação Portuguesa de Futebol. O ciclista português Rui Costa venceu no dia 29 de setembro 2013 o Campeonato do Mundo de Ciclismo de Estrada mas - depois de muitas pressões nesse sentido – só vinte meses depois é que foi distinguido”, sustenta José Luís Ribeiro lamentando, contudo, que tenham sido ignorados, ao contrário do que aconteceu com o futebol, os atletas Tiago Machado e André Cardoso, o selecionador nacional, José Poeira, técnicos e dirigentes da Seleção Nacional de ciclismo e o próprio Presidente da Federação Portuguesa de Ciclismo, Delmino Pereira, que contribuíram para a conquista do Campeonato do Mundo pelo português Rui Costa.

O Presidente da Associação de Ciclismo do Minho, “esperançado que o Senhor Presidente da República coloque um ponto final na discriminação do ciclismo e de outras modalidades”, alertou também para a necessidade de ser valorizado e reconhecido o trabalho dos dirigentes desportivos voluntários que dedicam grande parte do meu tempo e de meios à promoção da prática desportiva, à ocupação dos tempos livres e à criação de oportunidades aos mais jovens e que - enquanto alicerce e motor do desporto nacional – contribuem também para a obtenção de títulos e a conquista de medalhas desportivas nacionais e internacionais.

Fonte: ACM

“Atualização do Canal NP-TV com o Vídeo “Promocional da 16ª Bênção Nacional dos Ciclistas.2018”

A Revista Notícias do Pedal acaba de atualizar o seu canal de televisão “Notícias do Pedal-TV” no YouTube e no MEO/KANAL com o Vídeo “Promocional da 16ª Bênção Nacional dos Ciclistas.2018”


Para ver o vídeo no MEO/KANAL, quem possuir MEO, pode aceder carregando na tecla verde do comando, inserir o código 531450, e ver no MEO/KANAL este e outros filmes, podendo consultar toda a programação. Podem ver ainda através do seguinte link: https://kanal.pt/lista-canais/comunicao-social/lisboa/vila-franca-de-xira/?display=grid&order=updated 

Desejamos que passem e recordem bons momentos.